Thaysa Galvão
Thaysa Galvão
Thaysa Galvão
Thaysa Galvão
Holiday

Thaisa Galvão

1 de fevereiro de 2012 às 22:14

Colegas do bancário Pedro Neto consideram injusta sua prisão [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Colegas do escriturário do Banco do Brasil, Pedro Luís Neto, preso na Operação Judas, que investiga desvio de dinheiro de precatórios do Tribunal de Justiça, consideram injusta a prisão do servidor público.

Para um deles, em contato com o Blog, o que o escriturário fazia era o trabalho que sua função obrigava.

No papel dele poderia estar qualquer outro funcionário.

Cabia a Pedro Neto, que cumpre prisão domiciliar por ter se submetido a uma cirurgia, cuidar da questão burocrática. Que, concluída, era passada a um gerente que liberava o dinheiro.

E aí valia qualquer gerente da agência. Não havia um fixo para tratar do assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*