Holiday

Thaisa Galvão

2 de fevereiro de 2013 às 23:22

Pedido de licença para festa de carnaval têm que ser feitos até segunda-feira [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Um alerta a produtores de festas em casas noturnas de Natal, e de todo o Rio Grande do Norte.

Para quem tem festa programada para o próximo fim de semana, o último dia para dar entrada no pedido de licença ao Corpo de Bombeiros é segunda-feira.

Prazo encerrado no final da tarde.

E olhe que o próximo final de semana e carnaval…e a festa pode ser interrompida pela comissão de fiscalização.

Portanto…aviso não faltou.

 

De acordo com o Corpo de Bombeiros, saída de blocos na rua não exige licença, a menos que o bloco saia atrás de um trio elétrico.

2 de fevereiro de 2013 às 18:10

Saiba quais casas noturnas foram interditas e notificadas em Natal [1] Comentários | Deixe seu comentário.

As casas noturnas de Natal, interditadas na noite desta sexta-feira, pela comissão formada pelo  Corpo de Bombeiros, Policia Militar, Crea/RN, Semurb, Covisa e 1ª Vara da Infância e da Juventude, são as seguintes:

 

1- Ecobar Casa Nova, em Candelária – os extintores estavam vencidos, estava funcionando sem a licença do Corpo de Bombeiros e a cozinha, com fogão industrial, funcionava com botijão, quando a lei exige, em caso de fogão industrial, que este seja ligado a uma central de gás.

 

2- Jazz Rock, em Candelária- os extintores estavam OK, mas a casa funcionava sem licença. Para o Corpo de Bombeiros, a boate que foi instalada onde antes era uma igreja, era clandestina. A festa parou a e casa foi interditada.

 

3- Amnésia, na zona Norte – a visita da comissão aconteceu a partir de denúncia de frequentadores. A casa estava sem licença para funcionar.

 

Os autos de interdição total das casas foram entregues às delegacias de plantão, que irão fiscalizar e garantir que elas não serão reabertas antes de cumprir as exigências.

 

Também foram feitas interdições parciais em algumas casas noturnas:

 

1- Sancho, em Ponta Negra – houve interdição até a meia noite, até que a casa corrigisse uma falha. Numa reforma feita, o botijão de gás da cozinha ficou ao lado da caixa de energia. Para continuar funcionando, cozinha foi desativada, o botijão foi levado e a festa aconteceu.

 

2- Tribo Roots Bar, em Candelária – o Habite-se está em fase de regularização, os extintores são novos, mas na cozinha, o fogão industrial, que exige central de gás, funcionava com botijão. A cozinha foi interditada e o bar continuou aberto.

 

3- No Clube América, onde aconteceria o Baile das Kengas, um palco foi montado sem o OK do Corpo de Bombeiros. O palco foi interditado, como também o mezanino do clube, que não oferecia a segurança exigida.

 

Outras casas noturnas também foram visitadas, mas apenas notificadas. Os proprietários das mesmas terão prazo de 5 dias para comparecerem ao Corpo de Bombeiros e negociar a regularização dos espaços.

 

1- Rastapé, em Ponta Negra – o Habite-se está em atraso desde agosto, mas o sistema preventido de segurança estava todo OK. Foi feita a notificação.

 

2- Aquárius, na Praia do Meio, onde havia show da Banda Grafith – os extintores estavam funcionando normalmente, o sistema de segurança OK, mas o Habite-se está vencido. A casa continuou funcionando, mas o proprietário foi notificado.

 

Algumas casas noturnas visitadas pela Comissão estavam fechadas: a Up, em Ponta Negra, o Seven Club e o Maranello, em Petrópolis.

 

O proprietário do Seven, que tem mais duas casas noturnas, já agendou visita ao Corpo de Bombeiros para que seja feita inspeção nos espaços e garantir o funcionamento seguro.

Também já procurou o Corpo de Bombeiros, o proprietário do Galpão Du Sol, que está fechado, mas com programação agendada para o carnaval.

 

No começo da semana, o Corpo de Bombeiros fiscalizou as boates Pepper’s Hall e Taverna Pub. A primeira está com processo de renovação do Habite-se em andamento, mas está fechada para reforma, e o Taverna passou o ano de 2012 inteiro com o Habite-se vencido.

O documento, vale lembrar, tem validade de 12 meses, precisando ser renovado para garantir o funcionamento da casa.

*

Hoje à noite uma equipe de plantão do Corpo de Bombeiros vai checar se as casas interditadas continuam sem funcionar.

 

2 de fevereiro de 2013 às 18:07

Comissão que fiscalizou casas noturnas volta a se reunir na segunda-feira [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na segunda feira, representantes do Corpo de Bombeiros, Policia Militar, Crea/RN, Semurb, Covisa e Ministério Público, voltarão a se reunir para fazer um balanço do que foi encontrado nas vistorias realizadas.

A reunião, no Gabinete de Gestão Integrada do Estado, está marcada para às 9h30.

Cada órgão que integra a comissão fará seu relatório e o resultado geral será entregue ao Ministério Público.

 

2 de fevereiro de 2013 às 18:07

Leitora alerta: comissões de segurança também deveriam fiscalizar hospitais [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E diante de muitas vistorias, onde a apalavra de ordem na questão de segurança, é ‘prevenção’, leitora envia denúncia ao Blog, sugerindo que a mesma comissão que visita as boates e bares da capital, façam o mesmo, por exemplo, com hospitais.

 

Ela diz que, na Maternidade Leide Morais, da Prefeitura Municipal de Natal, não existe um extintor.

“Como pode um hospital que tem pacientes internadas, mulheres gestantes e puerperas com seus filhos recém-nascidos, funcionar sem ter um extintor de incêndio? Solicitamos que as autoridades responsáveis e competentes façam uma intervenção urgente. Não devemos esperar que ocorram acidentes!”, diz a leitora, funcionária do hospital.

 

 

2 de fevereiro de 2013 às 16:57

Henrique Alves: IstoÉ entrevista o candidato favorito à presidência da Câmara [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Em meio a críticas da imprensa, o deputado Henrique Alves concedeu entrevista à revista IstoÉ.

 

Henrique Eduardo Alves: “legislativo e judiciário não são concorrentes”

Candidato favorito à presidência da Câmara descarta disputa com o STF, mas diz que deputados saberão a hora de punir mensaleiros

por Josie Jeronimo

 

ALVO NA RETA FINAL Henrique Alves diz que denúncias contra ele, “próprias do momento eleitoral”, foram devidamente esclarecidas

 

Os peemedebistas mais próximos fazem galhofa: o deputado Henrique Eduardo Alves vai ser presidente da Câmara pelo critério de antiguidade. O deputado potiguar – com 42 anos de vida pública, 11 mandatos e vaidade de garotão – não gosta, mas aceita a brincadeira. Não faz parte de seu temperamento político comprar briga, muito menos às vésperas da eleição, que ocorre na segunda-feira 4. Henrique Alves passou o mês de janeiro a bordo de um jatinho emprestado, percorrendo dezenas de cidades atrás de votos dos colegas deputados. No meio do caminho, tropeçou em uma série de denúncias e passou pelo constrangimento de exonerar um assessor de confiança. Foi acusado de beneficiar a empresa do funcionário com verbas públicas. Experiente, ele faz pouco da tempestade. “Entenda-se mês eleitoral. Não considero acusações, e sim questionamento natural desse processo.” O deputado garante que as denúncias não abalaram seus eleitores e confia que os colegas não repetirão o episódio Severino Cavalcanti, protesto do baixo clero que acabou elegendo um azarão para a presidência da Casa em 2005. Pisando em ovos, fala da missão do novo comandante da Câmara de analisar a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de cassar o mandato dos deputados condenados por participar do esquema do mensalão. Henrique Alvesconfirma que acatará a decisão do Supremo, mas deixa claro que caberá à Câmara elaborar sua própria agenda para a retirada dos mandatos. Ou seja, para ele a cassação não será uma resposta imediata à publicação do acórdão com os votos dos ministros do STF.

 

"A sentença do ministro Luiz Fux serviu de alerta. Não podemos ter um veto parado há 12 anos"

“O acordo entre PT e PMDB foi inaugurado por Chinaglia. É uma dobradinha que deu certo"

 

Istoé  – Logo depois de iniciar a campanha para presidente da Câmara, o sr. teve que afastar um assessor acusado de favorecimento. A denúncia o prejudicou?

Henrique Eduardo Alves – Minha campanha iniciou em novembro passado, após as eleições municipais. Foi quando comecei a conversar com todas as bancadas da Casa, consolidando minha candidatura com o apoio de 12 partidos e um bloco. Esse apoio foi fruto das discussões com os deputados. Sobre os fatos ocorridos em janeiro, entenda-se mês eleitoral. Não considero acusações, e sim um questionamento natural desse processo que, de forma democrática e transparente, esclareci. E, a cada dia, pelos contatos e conversas, me sinto mais confiante.

 

*

Istoé  – Uma questão urgente é a determinação do Supremo Tribunal Federal, que prevê a perda de mandato para os deputados condenados no julgamento do mensalão. Como o sr. vê isso?

Henrique Eduardo Alves – Legislativo e Judiciário não são concorrentes. Isso não deve passar pela cabeça de ninguém. Nós (o Legislativo) fizemos a Constituinte, sabemos o que foi escrito na Constituição. Esse caso ainda está em tramitação, terá seus embargos, transitará em julgado. Quando chegar a hora própria eu não terei a menor dúvida do que fazer. O poder que fez a Constituição sabe exatamente suas prerrogativas, seus limites e seus deveres. E nós chegaremos ao entendimento, cada um no seu pedaço. Cada um cumprindo sua tarefa estritamente institucional.

 

*

Istoé – O Congresso deveria cassar os parlamentares?

Henrique Eduardo Alves – É imprescindível a última palavra do Legislativo. O Legislativo é que tem que declarar a vacância do cargo, a convocação do suplente, examinar as formalidades do processo, verificar se o direito de defesa foi plenamente exercido, analisar o processo construído pelo Poder Judiciário. As coisas se complementam, não se chocam. A palavra colocada pode gerar um clima de animosidade. Não passa pela minha cabeça, se eu chegar a presidir a Casa, que os dois poderes terão qualquer instante de conflito. Vamos chegar, sim, a um procedimento que vai honrar o Judiciário pelo trabalho que fez e vai honrar a Câmara pela missão que tem e que fará.

 

*

 

Istoé – O sr. está dizendo que depois da publicação do acórdão do STF a Câmara pode fazer uma nova análise da perda de mandato?

Henrique Eduardo Alves – A Câmara tem que cumprir o papel institucional. Terminado esse processo todo, quando tiver transitado em julgado é que a Câmara vai chegar e observar, mas eu asseguro que a Casa em nenhum instante terá confronto com o Poder Judiciário. A democracia não perdoará nem a um nem a outro. Nós, colocados aqui por voto popular, temos essa responsabilidade. O Legislativo é um poder mediador de crise, não criador de crise. Tem que dirimir conflito, não gerar conflito. Agora, sabemos muito bem dos nossos direitos e deveres constitucionais e com certeza, na hora certa, eles serão esclarecidos e respeitados pela população brasileira.

 

*

Istoé -O fim da subserviência do Legislativo é uma bandeira da candidatura de Henrique Eduardo Alves?

 

Henrique Eduardo Alves – No episódio dos royalties não foi subserviência, foi leniência. A coragem maior do homem público não é a bravata, é a coragem de recuar. Neste momento a sociedade brasileira está exigindo isso, do Executivo, do Judiciário e do seu maior representante que é o Poder Legislativo. No Legislativo não tem ninguém nomeado, ninguém sabatinado. Lá todo mundo entra com o voto popular.

 

*

Istoé  – Quais são suas principais propostas como candidato à presidência da Câmara?

Henrique Eduardo Alves – Estou preparando uma proposta com olhar de parlamentar e menos de candidato a presidente da Câmara. É preciso rever os procedimentos envolvendo emendas individuais. O atual sistema é constrangedor para o governo e para o parlamentar. Há também o quesito das relatorias, que se circunscrevem aos dois principais partidos. A gente pode reestudar essa questão. Quero também rediscutir a federação, o pacto federativo se esgotou. Tínhamos o primo pobre que era o município, agora ele é o primo paupérrimo. A reforma política também. Foi um erro nosso não ter votado a reforma política. Outra questão que precisa ser revista é a pauta das comissões. Quando chega um projeto é arbítrio do presidente da comissão decidir se vai pautá-lo ou não. Se o presidente não quiser, ele passa dois anos, um ano com o projeto adormecido. Tem que ter uma forma mais célere de fazer essa apreciação. Que vá para o plenário, que vote sim, que vote não. Não votar burocratiza de maneira negativa o Parlamento.

 

**

Isto é  – E a questão dos vetos presidenciais adormecidos no Congresso?

Henrique Eduardo Alves – É preciso admitir que há uma omissão nossa e reconhecê-la não nos diminui em nada. Ao contrário, ressalta a necessidade de corrigir um problema. Os vetos passaram a ser a última palavra do processo legislativo, o que é uma distorção. Nesse sentido, a sentença do ministro Luiz Fux serviu de alerta. Não podemos ter um veto parado há 12 anos. Esse método precisa ser revisto, com a fixação de um tempo responsável e razoável  para a apreciação.

 

*

Istoé  – O cumprimento do acordo para a presidência da Casa sela a repetição da aliança do PT com o PMDB em 2014?

Henrique Eduardo Alves – Trata-se de um respeito à palavra. Se você não respeitar a palavra como compromisso, fere a vida pública. Falando não como candidato, mas como político do PMDB, está firme o casamento entre PT e PMDB. É uma dobradinha que deu certo. É um governo equilibrado em gestão fiscal e em respeito à democracia.

 

*

Istoé  – Quem forma a sua base de apoio?

Henrique Eduardo Alves – A bancada do PMDB me elegeu líder por seis vezes por aclamação, então eu devo muito a essa bancada. Já garanti com muita honra o apoio do PMDB e do PT, que exemplarmente cumpre o acordo inaugurado pelo presidente Arlindo Chinaglia, quando comandava a Casa. Antes, a maior bancada presidia a Casa, agora as duas maiores bancadas fazem o revezamento. Chinaglia inaugurou o compromisso e ajudou a eleger o Michel Temer. Mantemos o compromisso e o PT foi exemplar. Com o apoio importante da presidenta Dilma, o compromisso com o PMDB foi consolidado. Já procurei todos os partidos da Casa, fiz questão de conversar com todas as legendas. Tenho o apoio do PP, do bloco do PR, do PSD, das siglas da oposição como DEM, PSDB, PPS, além do PCdoB, PRB, PDT, PSC. Também já tive conversas com o PTB e o PV.

 

*

Istoé -Quem faltou convencer?

Henrique Eduardo Alves – O único partido que eu não procurei foi o PSB, para não criar constrangimento, pois eles têm um candidato, o Júlio Delgado. O pai do Júlio foi líder do PMDB. Fui liderado pelo Tarcísio Delgado. Eu tenho uma relação respeitosa, faço elogio público ao Júlio Delgado. Até hoje, não procurei a bancada, mas, se der brecha, quem sabe até lá possa conversar com o deputado Júlio. Mas respeitarei, pois não posso ter a pretensão nem a presunção de ser candidato único. Nunca houve naquela Casa um candidato único. Eu não posso ter essa pretensão.

 

*

Istoé Há o risco de o deputado Júlio Delgado conquistar o apoio da bancada do PMDB de Minas Gerais, que há muito tempo pleiteia um ministério no governo Dilma Rousseff?

Henrique Eduardo Alves – Se há um voto que eu assino embaixo é o da bancada de Minas. A bancada de Minas Gerais teve ministro, o Saraiva Felipe, na Saúde. Nas atribuições legislativas, a bancada mineira é uma bancada muito respeitada, comanda a Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante comissão da Casa. Tenho certeza que terei todos os votos da bancada de Minas. É uma bancada exemplar na sua conduta. Compreendo a postura do deputado Júlio, que é de Minas. E é natural que os candidatos falem sobre o tema, nada contra.

 

*

Istoé  – A deputada Rose de Freitas, candidata avulsa do seu partido, se escora na bandeira da ampliação do poder feminino para pedir votos aos colegas. Esse argumento pode funcionar?

Henrique Eduardo Alves – Não acredito e sinto exatamente o contrário. Porque sempre defendi a ampliação do poder da bancada feminina e provo. Na eleição passada para a Mesa da Câmara, reafirmei meu compromisso com as mulheres quando dei meu apoio firme e decisivo para a deputada Rose se eleger 1ª vice-presidente da Casa.

 

 

2 de fevereiro de 2013 às 16:41

Comitiva de potiguares acompanha sessão que deverá eleger Henrique presidente da Câmara [2] Comentários | Deixe seu comentário.

Uma comitiva formada por potiguares segue para Brasília neste final de semana.

Fila para marcar presença na Câmara Federal na manhã da segunda-feira e acompanhar a sessão da Casa que vai escolher, através de votação, o novo presidente.

Como franco-favorito, o deputado Henrique Alves (PMDB).

Vai disputar com a peemedebista Rose de Freitas, que por mais que tentasse, não conseguiu dividir ao meio o PMDB, com o mineiro Júlio Delgado, do PSB, e agora com o deputado Chico Alencar, PSOL, que surgiu na iminência de espalhar mais ainda os votos e provocar um segundo turno.

 

De Natal, estarão em Brasília os deputados Walter Alves, Gustavo Fernandes e Hermano Morais, do PMDB…

E os vereadores presidente da Câmara Albert Dickson (PP), Dickson Júnior (PSDB), Rafael Motta (PSDB), Júlio Protásio (PSB), Felipe Alves e Jacó Jácome (PMN)…

Também confirmadas presenças da advogada peemedebista Kátia Nunes, da Coronel Margarida, criadora do Proerd e da sindicalista Vilma Batista, presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários.

 

2 de fevereiro de 2013 às 16:40

Mais pedras no sapato de Henrique [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mesmo favorito na disputa pela presidência da Câmara Federal, o deputado Henrique Alves ainda enfrenta algumas turbulências…

Eis nota de Vera Magalhães, na coluna Painel, da Folha de S. Paulo de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

2 de fevereiro de 2013 às 13:06

Governo prepara nova proposta de orçamento e convocará Assembleia para votação em sessão extraordinária [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na segunda-feira, quando entregar à Assembleia Legislativa uma nova proposta de orçamento, atendendo com pompas e circunstâncias o Ministério Público e os Tribunais de Justiça e de Contas, além da própria Casa legislativa, a governadora Rosalba Ciarlini fará convocação extraordinária da AL.

E os deputados já deverão se reunir, em sessão extra, logo na terça-feira.

Tudo tem que ser ajustado antes da leitura da mensagem anual da governadora, no próximo dia 15, quando termina o recesso do legislativo estadual.

 

Detalhe que vale ser relembrado: ao contrário do que acontecia antigamente, os deputados não recebem mais jetons por sessões extraordinárias.

A convocação conta como parte das funções obrigatórias dos parlamentares.

2 de fevereiro de 2013 às 12:00

Foto do Dia [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Litoral norte…

Antiga estrada interligando as praias.

Pertinho de Caraúbas.

A natureza que segura a árvore…

 

2 de fevereiro de 2013 às 8:52

Enterro de ex-primeira-dama do RN será às 17 horas, em Mossoró [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O corpo de dona Adalgisa Rosado, mãe do chefe da Casa Civil do governo, Carlos Augusto Rosado, do deputado federal Betinho Rosado e da secretária de Cultura do Estado, IIsaura Rosado, está sendo velado na Capela do Perpétuo Socorro, no centro de Mossoró.

A viúva do ex-governador Dix-Sept Rosado será enterrada às 17 horas, no Cemitério São Sebastião.

2 de fevereiro de 2013 às 8:49

Morre Adalgisa Rosado: viúva do governador Dix-Sept Rosado e sogra da atual governadora Rosalba Ciarlini [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Morreu às 3 da manhã, no Hospital Wilson Rosado, em Mossoró, onde esteva internada, foi para casa com tratamento de uma home care, mas depois voltou, dona Adalgisa Rosado, de 93 anos.
Viúva do ex-governador Dix-Sept Rosado, dona Adalgisa é sogra da atual governadora Rosalba Ciarlini e mãe do chefe da Casa Civil do governo, e primeiro-damo do Estado, Carlos Augusto Rosado.
Nessa última temporada no hospital, dona Adalgisa teve, inclusive, que ter uma das pernas amputadas.
Dona Adalgisa nasceu em Mossoró no dia 7 de julho de 1920.
Com o marido Dix-Sept, teve os filhos Carlos Augusto, Isaura Amélia, que é secretária de Cultura do Estado, Carlos Alberto, conhecido por Betinho Rosado, que é deputado federal e Dix-Sept Filho.
O filho mais novo nasceu em 1951, ano em que morreu o marido-governador em um acidente de avião.
E foi o nascimento do caçula que pode ter salvado a vida da família.
Como estava de resguardo, ela e os filhos não acompanharam o governador na viagem, como sempre faziam.
O motivo de ter sobrevivido à tragédia dona Adalgisa contou na entrevista que deu ao extinto programa da tv mossoroense, “Mossoró de Todos os Tempos”, da jornalista Lúcia Rocha.
Na entrevista ela também contou que quando foi primeira-dama do Rio Grande do Norte, presidiu a extinta LBA, e no dia da tragédia estava trabalhando quando soube da morte do marido.
Nos jantares que o governador promovia para autoridades que chegavam a Natal, como naquela época não existia buffets, era dona Adalgisa quem ia para a cozinha, como revelou na entrevista a mulher que foi primeira-dama do Estado dos 27 aos 30 anos de idade.
Abaixo algumas fotos cedidas pela jornalista Lúcia Rocha:

Adalgisa Rosado: ontem e hoje (Arquivos)

Adalgisa e a concunhada América Rosado, casada com Ving-un Rosado, irmão de Dix-Sept

A neta Karla (filha de Carlos Augusto e Rosalba), dona Adalgisa, a nora Mary (mulher de Betinho Rosado) e o neto Roberto (filho de Mary e Betinho)

Dona Adalgisa com o marido-governador Dix-Sept Rosado em solenidade oficial do governo

 

 

2 de fevereiro de 2013 às 1:41

Comitiva de segurança interdita 4 casas noturnas de Natal [4] Comentários | Deixe seu comentário.

Na primeira noite de fiscalização em casas noturnas de Natal, o resultado foi: notificações, 4 interdições definitivas e duas interdições parciais.

A comissão formada por representantes Corpo de Bombeiros, Policia Militar, Crea/RN, Semurb, Covisa e da 1ª Vara da Infância e da Juventude, percorreu 11 casas noturnas de Ponta Negra, Petrópolis e zona Norte da capital.

 

Comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Elizeu Lisboa Dantas, acompanhou a fiscalizaçã

Entre os estabelecimentos vistoriados os problemas mais comuns foram ‘Atestado de Vistoria do Corpo de Bombeiros vencido, falta de saídas de emergência, iluminação e sinalização deficientes”…

O relatório final desta fiscalização será apresentada na próxima semana.

Casa interditada

Bombeiros analisando as vistorias

 

 

 

2 de fevereiro de 2013 às 0:52

Crianças participam de festival gastronômico na praia de Pirangi [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Com o verão chegando ao fim, uma pausa para na temporada de aulas que já começou, para curtir a quinta edição do Festival Gastronômico Infantil de Pirangi.

Iniciativa da procuradora do Estado, Leila Cunha Lima, e que vem dando certo há 5 anos.

Como acontece com o Festival de Maracajaú, também promovido por Leila, e divulgado aqui no Blog.

E nesta sexta-feira, 8 meninas foram para a cozinha para apresentar deus dotes culinários a uma comissão julgadora, formada quase que 100% por crianças.

Das oito, quatro apresentaram seus dotes na categoria salgados, e quatro na categoria doces.

 

 

A vencedora da categoria salgados foi Maria Fernanda Galvão Braga (para orgulho da blogueira que acompanhou tudo de longe, com outras mães presentes). Ela tirou o primeiro lugar com o prato “Esconde-Esconde”, brincadeira que batizou o macarrão parafuso ao molho de queijos, escondido por trás de uma carinha sapeca.

Em segundo lugar, Amanda Cunha Lima Rosado, com um super sanduíche de vários sabores, que ela denominou, por causa do formato de centopéia, de “Caminho da Felicidade”.

A terceira colocada foi Letícia Cunha Freire, que apresentou uma lagosta empanada com molho de maionese e biscoitinho de queijo. Ao prato ela deu o nome de “Lagosta da Lelê”.

E a quarta colocada foi Gabriela Nesi, com um prato tão ensolarado que ela deu o nome de “Protetor Solar”. Pastéis decorados com molho de mostarda e mel.

Da esquerda para a direita: Maria Fernanda, Amanda Rosado, Letícia Cunha e Gabriela Nesi (Fotos: Thaisa Galvão)

Detalhes dos pratos das Chefs acima

 

Na categoria doces, a vencedora foi Beatriz Cunha Lima Rosado, com o prato que ela denominou “Mar Doce”. Uma massa folhada com recheio de doce de leite e decorada com um caranguejo.

A segunda colocada foi Laura Almeida. Toda vestida de Chef, ela apresentou o prato “Lagarto Feliz”, montado a partir de brigadeiros pretos e brancos.

Maria Melo Garcia foi a terceira colocada da categoria. Ela fez o prato “Boneco de Neve”. Um mega-brigadeiro branco modelado e encoberto com açúcar de confeiteiro para dar o aspecto da neve.

E a quarta colocada foi Juliana Estanislau, que optou por um prato mais saudável, montado apenas com frutas: o “Coqueiral”.

Beatriz Rosado, Laura Almeida, Maria Garcia e Juliana Estanislau (Fotos: Thaisa Galvão)

Detalhes dos pratos doces das Chefs acima

Os pratos foram avaliados a partir dos quesitos ‘apresentação, sabor e arte’. As participantes foram premiadas com biquínis feitos especialmente para suas bonecas, pela fábrica natalense Catulina.

A comissão julgadora foi formada por Leila Cunha Lima, organizadora do evento, e as crianças Beatriz Cunha Freire, Júlia Emerenciano, Pietra Paula e Thiago Almeida.

Acima, Leila comandando a comissão julgadora. E abaixo as participantes com os prêmios