Thaisa Galvão

4 de fevereiro de 2013 às 11:02

Henrique dá recado à mídia, se diz defensor da liberdade de imprensa e homenageia Aluízio Alves e Ulysses Guimarães [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Antes de encerrar seu discurso no plenário da Câmara, o deputado Henrique Alves disse que finalizaria com uma palavra que pensou muito se daria, ou não.

“Será que vale?”, questionou…

“Uma palavra que quero dar à imprensa do meu país, que de repente, no mês eleitoral, vocês sabem o que estou dizendo, quis redescobrir Henrique, quis refazer Henrique, quis construir um outro Henrique”, criticou o deputado do PMDB, lembrando que durante os últimos anos foi relator da entrada de capital estrangeiro nas mídias brasileiras, foi relator do projeto ‘Minha Casa, Minha Vida’, apresentou mais de mil emendas…

“Nunca ninguém deu uma palavra, nunca ninguém se opôs, mas de repente, agora aparece aquilo tudo. São labaredas que não atingem o alicerce que construí com metas e coerência”, justificou o deputado Henrique, que terminou com uma palavra específica à imprensa de todo o país:

 

“Os senhores e as senhoras não tinham tinta nas canetas para escrever”…

E encerrou declarando-se ‘defensor intransigente’ da liberdade de imprensa.

 

E antes de encerrar, o agradecimento final:

“Ao meu pai, Aluízio Alves, minha luz, meu caminho, minha história, meu tudo. A Ulysses Guimarães, meu condutor nessa casa, meu professor, meu quase tudo: se eu sentar naquela cadeira ali (de presidente), eu vou honrar o Parlamento do meu país”.

4 de fevereiro de 2013 às 10:44

Henrique sobre denúncia anônima: “Tão pequena, tão minúscula, comportamento sem cara, anônima, sem rosto, clandestina” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado Henrique Alves começou seu discurso registrando “absoluto respeito” aos demais candidatos, Rose de Freitas, Júlio Delgado e Chico Alencar.

“Vossas excelências enobrecem o debate”, disse o deputado, que “se atreveu” a pedir uma salva de palmas para a gestão do presidente Marco Maia (PT).

Henrique não resistiu e falou sobre a revista apócrifa, distribuída na madrugada nos gabinetes dos deputados.

“Em respeito a essa casa, que me conhece há 42 anos, vou falar sobre o assunto”, justificou o deputado, afirmando que foi surpreendido com o anonimato da denúncia.

“Tão pequena, tão minúscula, comportamento sem cara, anônima, sem rosto, clandestina”, criticou Henrique, dizendo saber de onde partiu o gesto.

 

“A labareda do fogo amigo eu sei de onde partiu e porque partiu, mas deixa pra lá. Essa pequena labareda não resiste a uma chuva de verão”, continuou o deputado, que ao começar a falar de seus compromisso como presidente da Câmara, lembrou do primeiro discurso que fez na Casa, no seu primeiro mandato, há 42 anos.

“Minhas pernas tremiam”, lembrou o candidato, reafirmando que está ali em nome do seu partido, que em decisão quase unânime, com apenas um voto a menos, o escolheu para ser o candidato.

Para agradecer a todos os partidos que lhe declararam apoio, recorreu a um papel, para não correr o risco de esquecer uma sigla sequer…

 

 

4 de fevereiro de 2013 às 10:28

Revista com denúncias contra Henrique, distribuída na madrugada pelos gabinetes, vai para o lixo [1] Comentários | Deixe seu comentário.

A revista com uma coletânea de denúncias contra o deputado Henrique Alves, distribuída na madrugada em todos os gabinetes, está indo para o lixo antes de ser lida pelos deputados, a quem o documento apócrifo foi endereçado.

 

Neste momento os servidores da limpeza estão recolhendo a revista nos gabinetes.

A assessoria de Henrique notificou a segurança da Câmara sobre o dossiê e pediu a abertura de investigação para tentar identificar a origem.

4 de fevereiro de 2013 às 10:22

Rose de Freitas critica gestão da Câmara da qual ela participou [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A candidata a presidente da Câmara, deputada Rose de Freitas, faz discurso criticando o papel da Câmara.

Esquece que durante o mandato do atual presidente, Marco Maia (PT), ela é a vice.

Deixa claro que foi, sem ter sido.

E agora quer ser, o que não foi…

Rose de Freitas critica o PMDB por não ter optado pela candidatura dela…

E faz um discurso direcionado ao chamado baixo clero da Câmara:

 

“Todo presidente na véspera é o melhor presidente. Quando senta na mesa se esquece de ilhar um pouco mais abaixo”.

 

4 de fevereiro de 2013 às 10:18

Os votos da bancada do Rio Grande do Norte na Câmara [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Os votos dos deputado do Rio Grande do Norte na eleição para presidência da Câmara, neste momento:

 

Betinho Rosado (DEM) – vota em Henrique

Fábio Faria (PSD) – vota em Henrique e é candidato a segundo vice-presidente

Fátima Bezerra (PT) – vota em Henrique

Felipe Maia (DEM) – vota em Henrique

João Maia (PR) – vota em Henrique

Paulo Wagner (PV) – vota em Henrique

Sandra Rosado (PSB) – vota em Júlio Delgado, candidato do PSB

 

4 de fevereiro de 2013 às 10:12

Começam discursos de candidatos a presidente da Câmara [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Já iniciado, na Câmara, a eleição para presidência da Casa.

De acordo com sorteio feito há pouco, os candidatos terão direito a 15 minutos para discursar.

O primeiro discurso será o da candidata peemedebista, Rose de Freitas.

O deputado favorito Henrique Alves (PMDB) será o segundo.

Júlio Delgado, do PDB é o terceiro.

E Chico Alencar, do PSOL, encerra os pronunciamento.

 

4 de fevereiro de 2013 às 9:55

Henrique Alves: “Minha expectativa é de ter uma bonita vitória, com muita consciência em primeiro turno” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha Online:

 

Henrique Alves diz que espera vitória ‘bonita’ no 1º turno da Câmara

 

Favorito na disputa pela presidência da Câmara, o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) disse nesta segunda-feira (4) que espera uma vitória “bonita” e “consciente” no primeiro turno. Ele briga pelo posto com mais três colegas: Júlio Delgado (PSB-MG), Rose Freitas (PMDB-ES) e Chico Alencar ( PSOL-RJ).  “Os deputados é que vão decidir, mas a minha expectativa é de ter uma bonita vitória, com muita consciência em primeiro turno”, disse Alves.

 

O deputado conta com apoio de governo e oposição, reunindo aval de 20 dos 24 partidos. A votação é secreta e ocorre nesta segunda-feira.

 

ELEIÇÃO

Aliados de Henrique Alves previam margem folgada acima dos 257 votos necessários para se eleger em primeiro turno.

Os adversários apostam no chamado “efeito Severino Cavalcanti”, referência ao deputado que, graças ao apoio do “baixo clero” da Casa, surpreendeu e venceu o pleito em 2005.

Contra esse fantasma, Henrique Alves fez campanha intensa. Em um jato emprestado pelo deputado e ex-governador de Minas Newton Cardoso (PMDB), pediu votos ao lado de governadores, inclusive de Eduardo Campos (PSB-PE), para enfraquecer o adversário Júlio Delgado.

 

 

O potiguar apostou em promessas caseiras, como a reformulação da imagem dos deputados. Fechou acordos sobre a distribuição de cargos e se comprometeu a obrigar o governo a pagar um “percentual significativo” das emendas parlamentares ao Orçamento.

Alves, Delgado e Rose lançaram propostas semelhantes, como autonomia frente ao Executivo e melhoria dos espaços físicos e dos veículos de comunicação da Câmara.

Além da escolha do presidente, os deputados ainda vão confirmar os outros seis cargos na Mesa Diretora e quatro suplências, que já foram reservadas conforme o tamanho das bancadas.

Durante sua campanha para presidência da Câmara, Alves foi alvo de acusações. Conforme a Folha revelou, a empresa de um então assessor do deputado recebeu recursos por meio das emendas parlamentares indicadas pelo próprio Henrique Alves. A sede da empresa era simples, vigiada por um bode.

Na semana passada, Henrique Alves também passou a ser investigado pelo Ministério Público Federal por repassar R$ 357 mil para duas empresas de aluguel de veículo suspeitas. Ele nega irregularidades em todos os casos.

 

4 de fevereiro de 2013 às 9:49

Henrique não acredita que será condenado pelo Tribunal de Justiça do RN [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha Online, a poucos minutos do início da eleição para presidência da Câmara dos Deputados:

 

Henrique Alves deve ser julgado logo após ser eleito

ERICH DECAT
BRENO COSTA
DE BRASÍLIA

 

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte deve decidir, até o fim deste mês, se confirma ou derruba uma condenação por improbidade administrativa sofrida por Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), favorito para se eleger hoje presidente da Câmara.

Se confirmar a condenação, a corte pode suspender por três anos os direitos políticos do deputado –o que o impediria de disputar as próximas eleições.

Procurado pela Folha, Alves afirma que sentença da primeira instância é frágil e disse acreditar que será inocentado pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande Norte.

Responsável por colocar o caso para julgamento, o desembargador Expedito Ferreira de Souza, do TJ-RN (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte), disse à Folha, por meio da assessoria do tribunal, que pretende levar o caso ao plenário da corte até o fim de fevereiro.

 

Caso a decisão de primeira instância, de maio de 2011, se confirme, e a Justiça decrete a suspensão dos direitos políticos de Henrique Alves, ele ainda poderá obter liminares para se manter elegível.

Além disso, terá a possibilidade de derrubar a decisão em tribunais superiores, antes do chamado trânsito em julgado do caso (quando não há mais chance de recursos).

O deputado foi condenado em primeira instância, junto com seu primo, o ex-governador e hoje ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, em maio de 2011.

Conforme a decisão, Henrique Alves, quando era secretário de Governo de Garibaldi, usou recursos públicos, por meio de propagandas institucionais, para se promover pessoalmente.

Desde então, ele e Garibaldi apelam contra a sentença no Tribunal de Justiça. Depois de quase dois anos, o caso está pronto para julgamento.

O relator da apelação, desembargador Dilermando Mota, disse à Folha que já concluiu a análise do caso, mas não adiantou seu posicionamento.

O processo, com mais de 700 páginas, está agora com o revisor, Expedito Ferreira, a quem cabe colocar o caso na pauta de julgamentos da 1ª Câmara Cível do TJ-RN.

Embora seja uma decisão de colegiado, advogados e um ministro do TSE consultados pela Folha dizem que a sentença, ainda que confirmada em segunda instância, não basta para enquadrar o deputado na Lei da Ficha Limpa –o que o impediria de disputar eleições até 2021.

Isso porque, embora a lei enquadre condenados à suspensão de direitos políticos em ações de improbidade administrativa, o agente público tem de ser responsabilizado, ao mesmo tempo, por dano ao erário e enriquecimento ilícito.

O Ministério Público Estadual pediu a condenação de Henrique por esses crimes, mas a juíza Ana Cláudia da Luz e Lemos, da comarca de Natal, entendeu que Henrique Eduardo Alves limitou-se a condutas impróprias à administração pública.

 

O OUTRO LADO

 

“O deputado acredita na reforma da decisão ante a fragilidade jurídica da sentença de primeira instância. A peça de divulgação trata de realizações do governo do Estado, permitida pela Constituição”, informou, em nota enviada por sua assessoria.

Alves ressalta que a decisão de primeira instância deixou claro que não houve emprego indevido de dinheiro público. Ele diz estar “absolutamente convicto de que agiu corretamente”.

O ministro Garibaldi Alves argumenta na mesma linha. Disse que a condenação por improbidade administrativa, sem emprego irregular de dinheiro público, é uma “contradição”.

“O ministro acredita que o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte irá reformar a decisão de primeira instância em face dessa contradição consignada na sentença judicial”, afirmou, em nota.

 

4 de fevereiro de 2013 às 9:43

Para a Folha, Henrique deve ser eleito presidente da Câmara com apoio da oposição ao governo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha de S. Paulo de hoje:

 

O jornal conta ainda ainda, resumidamente, a história política do deputado-candidato:

 

 

CRONOLOGIA

1948 – RIO DE JANEIRO: Filho do então deputado federal Aluizio Alves (UDN), Henrique Eduardo Alves nasce no Rio de Janeiro, onde seu pai exercia o seu mandato, em 9.dez.1948

 

1960 – PAI GOVERNADOR: Aluizio Alves (foto) adere ao PSD e se elege governador. Em 1966, é eleito deputado federal pela Arena e vai para Brasília, onde Henrique começa a cursar direito

 

1969 – COMEÇO DA CARREIRA: Adversários de Aluizio na Arena convencem os militares a cassá-lo em 1969. Henrique se filia ao MDB de Ulysses Guimarães e é eleito deputado federal em 1970

 

1980 – COM TANCREDO: É reeleito à Câmara em 1974 e 1978. Com o fim do bipartidarismo, em 1979, toda a sua família troca o PMDB pelo PP de Tancredo Neves. Em 1982, contudo, o PP se funde com o PMDB, e todos voltam à legenda

 

1992 – DUAS DERROTAS: Reeleito em 1986, concorre à eleição para prefeito de Natal em 1988, mas perde para Wilma de Faria (PDT). Em 1992 disputa contra sua irmã Ana Catarina (PFL), mas os dois perdem para Aldo Tinoco (PSB)

 

1995 – VICE: Na gestão de Itamar Franco (1992-1994), seu pai volta a ocupar um ministério. Henrique Alves torna-se vice-líder do PMDB na Câmara (1995-2001) e vice-presidente nacional do PMDB (1996-1998)

 

2001 – SECRETÁRIO: De 2001 a 2002, Henrique Alves deixa pela primeira vez a Câmara para ocupar o cargo de secretário de Governo do Rio Grande do Norte, na gestão de seu primo, Garibaldi Alves Filho (PMDB)

 

2002 – QUASE VICE DE SERRA Após declarações de sua ex-mulher de que teria enviado US$ 15 milhões ao exterior, José Serra (PSDB) rejeita seu nome para ser vice ao Planalto. Reelege-se deputado

 

2004 – ADESÃO A LULA: É um dos principais articuladores da aliança entre PT e PMDB, selada em 2004 com a concessão de ministérios do governo Lula aos peemedebistas

 

2012 – CHOQUE COM DILMA: Torna-se líder do PMDB na Câmara em 2007. Em 2012, articula a aprovação das propostas dos ruralistas para o Código Florestal, vetado parcialmente por Dilma

 

*

E na coluna Painel, de Vera Magalhães:

4 de fevereiro de 2013 às 8:23

Oposição dá última cartada contra eleição de Henrique: distribuição de revista de 50 páginas com coletânea de denúncias em todos os gabinetes [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Esclarecido o silêncio da imprensa nos últimos dias, em relação a denúncias contra o deputado Henrique Alves, candidato favorito à presidência da Câmara.

Durante a madrugada, foi distribuído nod gabinetes dos 512 deputados – menos no dele – um envelope com carimbo de “urgente”.

Dentro do envelope, uma revista de 50 páginas, com uma seleção de reportagens publicadas durante o mês de janeiro, contra o candidato favorito.

Manchete de capa: “Candidato condenado no Rio Grande do Norte, com direitos politicos cassados e responde a varios processos”.

 

 

4 de fevereiro de 2013 às 7:45

Henrique, o candidato de Dilma [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Blog do Camaroti, no G1:

 

DILMA ENTRA EM CAMPANHA POR HENRIQUE ALVES

 

A presidente Dilma Rousseff entrou em campanha pela candidatura do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) para o comando da Câmara. Em uma conversa telefônica com o governador do Amazonas, Omar Aziz (PSD), Henrique Alves ouviu que receberia o apoio porque ele é o candidato do Planalto.

“Apoio sua candidatura porque é um desejo da presidente Dilma Rousseff. Se ela apoiasse outro candidato, eu pediria votos contra você”, disse Omar Aziz para Alves, segundo relatos de interlocutores.

Publicada às 7h55


4 de fevereiro de 2013 às 7:29

Ex-assessor de ministério, potiguar abre escritório para fazer ponte entre prefeitos e ministros [2] Comentários | Deixe seu comentário.

Membro do diretório nacional do PP, agora afastado do diretório do partido no Rio Grande do Norte, Alexandre Teixeira montou escritório de assessoria em Natal e Brasília, para atender prefeitos.

Tendo atuado, por 5 anos, como assessor no Ministério das Cidades, o pepista transita bem pelos corredores federais, daí ter optado pela mãozinha aos prefeitos que contratarem seu escritório.

Na semana passada, durante encontro de prefeitos em Brasília, Teixeira levou gestores potiguares a audiências com o ministro do Turismo, Gastão Vieira, das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, do Desenvolvimento Social, Tereza Campello,  e do Esporte, Aldo Rebelo.

Alexandre Teixeira com clientes-prefeitos no gabinete de Gastão Vieira

 

 

4 de fevereiro de 2013 às 6:58

Artistas e produtores de Currais Novos tentam arrecadar dinheiro para pagar show de Kristal [2] Comentários | Deixe seu comentário.

Como os governos municipais não podem gastar dinheiro com festas de carnaval, um grupo de artistas e produtores culturais de Currais Novos, que está na lista dos municípios sob decreto de emergência por causa da seca, se juntou para tentar encontrar uma forma de resgatar o carnaval.

 

O grupo se uniu para resgatar o carnaval das bandinhas de frevo, tendo como personagem central o ‘Boi de Reis do Trangola’ (grupo folclórico existente no município desde 1960).

O projeto “Arrastão do Boi” propõe fazer arrastões pelas principais ruas da cidade, com animação de orquestra de frevo, bonecos gigantes e blocos carnavalescos, nos 4 dias de folia.

 

Agora o grupo recorre a amigos, comerciantes, festeiros, para arrecadar dinheiro e pagar o cachê da cantora Kristal e dos músicos, que se apresentarão em Currais Novos na sexta-feira.

 

4 de fevereiro de 2013 às 5:26

Ministro Garibaldi Filho é o aniversariante de hoje [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O aniversariante estrelado desta segunda-feira é o ministro da Previdência, Garibaldi Filho.

Garibaldi embarca agora cedinho para Brasília para esperar pelo presente que quer receber do primo-deputado Henrique Alves: a eleição para presidente da Câmara.

Garibaldi vai acompanhar a votação ao lado de deputado, vereadores e familiares que embarcaram para Brasília para torcer pelo deputado.

Amanhã, Garibaldi embarca para Portugal com a mulher Denise.

Vai festejar o aniversário e passar o feriado de carnaval.

Garibaldi faz 66 anos e espera de presente a eleição do primo Henrique