Holiday

Thaisa Galvão

8 de outubro de 2015 às 21:02

Festival de gastronomia e etapa nacional de kite surf movimentarão a praia de Barra de Cunhaú no final de semana [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O final de semana será movimentado na praia de Barra de Cunhaú, com a realização do festival de gastronomia, cultura e uma etapa do brasileiro de kite surf.

Quem falou sobre o assunto, no Jornal da Noite/95, foi a prefeita de Canguaretama, Fátima Marinho.

8 de outubro de 2015 às 17:34

TJ suspende atendimento ao público em sua sede nesta 6ª por causa da visita do presidente do STF [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte suspendeu expediente externo e atendimento ao público nesta sexta-feira, em razão da visita do presidente do Supremo Tribunal Federal(STF), ministro Ricardo Lewandoski. 
A suspensão vale apenas para a sede do Poder Judiciário, na Praça Sete de Setembro (Centro), onde a atividade interna está mantida. 
Nas demais unidades, o expediente será normal.

8 de outubro de 2015 às 16:50

Beto Rosado lança Frente do Petroleo e assume presidência [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal Beto Rosado (PP-RN) e a Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo (ABPIP) lançaram hoje na Câmara dos Deputados, a Frente Parlamentar Mista Pela Criação da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil. O objetivo é defender a abertura da exploração dos poços maduros de petróleo e gás para o setor privado.Hoje os poços são subaproveitados pela Petrobras.
“O resultado é a desativação da maioria deles, prejudicando a economia dos estados em que estão presentes. Estima-se que o setor demitiu mais de 12 mil trabalhadores nos últimos anos somente no Rio Grande do Norte”, falou Beto, que assume a presidência da Frente.
“Os 135 mil barris produzidos por dia em campo maduros poderiam dobrar num prazo de 3 a 5 anos caso fossem repassados para operadores privados, de forma distribuída. O mercado funciona muito melhor quando existe competição, o que acaba impactando positivamente toda a economia”, explicou o presidente da ABPIP, Marcelo Magalhães.
Participaram do lançamento o gerente de projetos do Ministério de Minas e Energia, Lauro Donizetti, e o presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara, deputado Rodrigo de Castro (PSDB-MG). 

Do Rio Grande do Norte, o coordenador da bancada, deputado Felipe Maia (DEM), e os deputados Antônio Jácome (PMN) e Walter Alves (PMDB).

  

8 de outubro de 2015 às 16:45

Deputados ressaltam criação da Frente do Petroleo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara Federal, deputado Rodrigo de Castro, aproveitou o lançamento da Frente Parlamentar do Petróleo para destacar a participação do deputado Beto Rosado como presidente da frente. 

“Até por ser do Rio Grande do Norte, o maior produtor de petróleo em terra, a participação e a liderança do deputado Beto Rosado é importante e muito bem-vinda”, ressaltou.
“Beto Rosado faz a diferença no Congresso Nacional, e no seu primeiro mandato já preside uma frente parlamentar importante. O deputado é uma grata surpresa para o Rio Grande do Norte e a Frente do Petróleo e Gás não poderia estar melhor representada que na figura de seu presidente”, concluiu o coordenador da bancada potiguar, deputado Felipe Maia.

Fotos Vanessa d’Oliviêr

  

8 de outubro de 2015 às 15:40

Secretário Ruy Gaspar lança agora na Itália voo semanal para Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Está sendo lançado neste momento, na comunidade italiana de Rimini, o voo charter semanal da Itália para Natal.

O voo operado pela Linea Aerea Meridiana Fly, sairá semanalmente de Milão para Natal, passando por Fortaleza.

Falando italiano para agentes de viagem e jornalistas, o secretário de Turismo do RN, Ruy Gaspar, anunciou o voo, ao lado de um executivo da Meridiana, e da secretária de Comunicação do Estado, Juliska Azevedo.

Fotos Denise Gaspar

 

   

VÍDEO Clique Aqui e acompanhe trecho do discurso do secretário Ruy Gaspar

  

8 de outubro de 2015 às 15:13

Câmara aprova projeto da Prefeitura de São Gonçalo que corrige distorções entre consumidores de energia [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Projeto da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante, aprovado pela Câmara Municipal, vai diferenciar consumidores de energia.O projeto trata da Contribuição sobre o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (CSIP), conhecida popularmente como a Taxa de Iluminação Pública. 

Na mensagem enviada ao legislativo, o Executivo corrige distorções de uma Lei Complementar do ano de 2002 que não diferenciava o consumo residencial do consumo empresarial. 

Em São Gonçalo, uma indústria de grande porte vinha pagando a mesma taxa de uma residência, independente do consumo. 

Com a correção proposta pela Prefeitura e aprovada pela Câmara, a partir de janeiro próximo quem consome mais energia vai contribuir com um valor maior pela taxa. 

 

O novo projeto isentará consumidores de baixa renda, com uso mensal de até 60 kw/h, o equivalente a 36 reais, assim como os consumidores rurais, respeitando a capacidade de pagamento de cada um.

8 de outubro de 2015 às 14:56

Presidente do STF lançará programa de audiências de custódia amanhã em Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministro Ricardo Lewandowski, estará em Natal nesta sexta-feira.

Às 10 horas, na sede do Tribunal de Justiça, ao lado do presidente do Tribunal, desembargador Cláudio Santos, lançará o Programa Audiência de Custódia no Rio Grande do Norte. 

Audiência que consiste na apresentação de preso em flagrante a um juiz no prazo máximo de 24 horas, agilizando a atividade judiciária e contribuindo para reduzir a superlotação de presídios.

Por causa da visita do presidente do STF, o TJ suspendeu o expediente exerno e atendimento ao público.

8 de outubro de 2015 às 14:48

Governador oferecerá almoço a presidente do STF [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O governador Robinson Faria será o anfitrião nesta sexta-feira.

Vai receber presidentes de poderes e autoridades do setor jurídico para almoço  com o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski.

Almoço marcado para o restaurante Camarões da avenida Roberto Freire, em Ponta Negra.

8 de outubro de 2015 às 14:22

Professores da UERN decidem continuar em greve [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Continua a greve da UERN.
Os professores, há mais de 100 dias parados, não acataram a proposta do governo do estado, que pagava em benefícios o que a categoria reivindica como aumento real.

8 de outubro de 2015 às 11:44

Deputados de bem [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Aparando arestas.Depois de um entrevero ontem na sessão da Assembleia Legislativa, os deputados Nelter Queiroz e Kelps Lima se entenderam.

Desculpa daqui, desculpa dali, abraços e bandeira branca.

Fotos Thaisa Galvão

  

8 de outubro de 2015 às 11:42

Kelps Lima adia para sessão de 3ª feira apresentação de propostas ao governo do Estado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E o deputado Kelps Lima deixou para terça-feira o pronunciamento que faria hoje apresentando 30 propostas ao Governo do Estado para vencer a crise sem aumentar impostos.É que a sessão de hoje será interrompida para abertura de uma sessão especial, como manda o regimento interno, para votação e aprovação de título de cidadão norte-rio-grandense ao presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, que estará amanhã em Natal.

8 de outubro de 2015 às 11:07

Empresa de doces do RN é alvo de operação da PF [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da assessoria da Polícia Federal:
PF deflagra operação contra lavagem de dinheiro e evasão de divisas no RN
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (8) na Grande Natal, a Operação Sukkar, que tem como finalidade apurar delitos contra a ordem tributária, apropriação indébita previdenciária, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, condutas essas atribuídas aos sócios e administradores de indústria de alimentos com sede neste Estado.

 

Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em empresas e endereços residenciais.

 

Segundo as investigações, iniciadas há um ano, foi constituído um pool de empresas, pertencentes a familiares dos investigados, tudo para movimentar recursos não contabilizados pela indústria investigada, em prejuízo ao Erário.

 

Existem fortes indícios de que as exportações realizadas são subfaturadas e que parte do pagamento é feito em conta bancária mantida clandestinamente no exterior e sem o conhecimento das autoridades brasileiras. 

 

Durante as investigações, verificou-se ainda uma série de atos de transferência e aquisição patrimonial em nome de terceiros, numa clara indicativa de lavagem de dinheiro proveniente dos valores sonegados pela empresa.

 

Ao todo, estão sendo utilizados nesta operação, cerca de 20 policiais federais, além de auditores da Receita Federal, que apoiam o trabalho investigativo.

 

(*) O nome Sukkar (açúcar em árabe) faz alusão ao ramo de atividade da empresa investigada.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Rio Grande do Norte

8 de outubro de 2015 às 9:10

Fátima Bezerra diz que não vai ser “afoita” e se “antecipar” nas críticas a José Agripino [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Mônica Bérgamo, na Folha de hoje:

  

8 de outubro de 2015 às 8:59

Deputado Rogério Marinho diz que Petrobras “foi destroçada pelo PT” [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Do deputado federal Rogério Marinho (PSDB), em discurso na Câmara:
“A Petrobras foi destroçada pelo Partido dos Trabalhadores, deve mais de R$ 400 bilhões. Desde a mudança do regime de concessão para o de partilha, o setor estagnou. Porque tem pré-sal aqui, em Angola, na Nigéria, no Golfo do México, na Noruega, no Canadá, em qualquer lugar do mundo, e o dinheiro vai aonde há estabilidade e condições jurídicas”.
“A Petrobras não tem condições de investir os 30% do pré-sal. É por isso que o petróleo está estagnado. Esse projeto ataca diretamente o problema”.

8 de outubro de 2015 às 8:29

MPF apresenta ações de improbidade contra envolvidos em desvios do DNIT no RN [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da assessoria de imprensa do Ministério Público Federal no RN:

Via Ápia: MPF ajuíza ações contra grupo que desviou R$ 13,9 milhões do Dnit
Ao todo, 25 pessoas e quatro empresas estão envolvidas nos casos de corrupção na obra de um dos lotes da duplicação da BR-101 no Rio Grande do Norte
O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) apresentou três ações de improbidade contra 25 pessoas e quatro empresas envolvidas no desvio de recursos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), descoberto pela operação Via Ápia, em novembro de 2010. As irregularidades envolveram a duplicação do Lote 2 da BR-101. Dentre os réus estão o ex-superintendente do Dnit/RN, Fernando Rocha Silveira, e o ex-chefe de Engenharia, Gledson Maia, além de empresários e representantes do consórcio Constran–Galvão–Construcap.
As ações são assinadas pelo procurador da República Fernando Rocha de Andrade e os réus foram divididos em três grupos (confira detalhes ao final do texto). Ao todo, o MPF aponta desvio de R$ 13.902.242,02. A Via Ápia revelou a existência de diversas irregularidades na execução dos 35,2km de obras do Lote 2, entre o município de Arês e a divisa com a Paraíba.
Foram identificados má execução dos serviços, omissão na fiscalização, prorrogação indevida dos prazos e transferência irregular dos recursos, sem contar a liberação de trechos sem licença de operação. Apesar dos indícios de irregularidades, confirmados posteriormente por órgãos com o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU), Fernando Rocha Silveira não aplicou ao consórcio sanções pelas falhas ou atrasos.
Além das empresas consorciadas, também há envolvimento da ATP Engenharia Ltda., responsável pela supervisão da obra e que deveria auxiliar o Dnit a fiscalizar os serviços, mas que trabalhou para “atender aos objetivos escusos do consórcio executor da obra”. A duplicação do lote se iniciou em 2006 e o contrato passou por sete aditamentos. Um deles, o 6º aditivo, de setembro de 2010, aumentou em R$ 15,9 milhões o valor total da obra, que alcançou R$ 214 milhões.
Esse sexto aditivo foi assinado em meio a diversas fraudes e, ainda assim, aprovado pela Superintendência Regional do Dnit/RN, com pareceres favoráveis da ATP Engenharia e do fiscal do contrato, Luiz Maiolino, terceiro funcionário do Dnit incluído nos atos de corrupção, além de Fernando Rocha Silveira e Gledson Maia, este último apontado como autor intelectual do esquema.
Propinas – Nas gravações feitas pela Polícia Federal, os subornos pagos aos funcionários do Dnit eram tratados por nomes como “Pão de São Carlos”, “cogumelo”, “rapadura”, “encomenda”, “camarão”, “livro”, “relatório”. Em diversas ligações interceptadas, os envolvidos tratavam das negociatas. Em uma delas, Mário Sérgio Molinar (da Constran), pergunta a Gilberto Ruggiero (gerente do consórcio): “(…) aquele camarão lá, que o Maiolino pediu, você levou pra ele?” E recebe a resposta: “Não, tá lá no meu bolso.”
Imagens do circuito interno de um hotel de Natal comprovam um dos encontros, em julho de 2010, entre Gilberto e Gledson Maia. O primeiro levava a propina em uma bolsa. No mesmo dia, havia sido sacado R$ 50 mil da conta bancária do consórcio, sem qualquer justificativa. Gilberto ligou a Gledson e informou: “Então! eu tô com aquele resto aqui (…)” E o chefe de Engenharia respondeu: “Faça o seguinte…(…) Dê um pulinho aqui!”
Já em 10 de setembro, o carro de Andrev Yuri (funcionário da ATP) foi parado pela Polícia Federal vindo de Recife para Natal. Na vistoria, foi encontrada na mala um pacote lacrado que Andrev confessou conter R$ 180 mil em espécie. Ele alegou que seria para pagamento de contas da empresa, porém ao chegar na capital potiguar trocou de veículo e se dirigiu à casa de Gledson Maia.
Ao ser interrogado, Andrev admitiu pagamento de valores ao chefe de Engenharia do Dnit, mas alegou que se resumia a uma doação à campanha eleitoral do deputado federal João Maia, tio de Gledson. No mesmo dia da entrega, contudo, Andrev foi interceptado conversando com outro funcionário da ATP, Marlos Wilson, sobre o pagamento de propina a representantes do Dnit.
“É verdade” – Quando da deflagração da Via Ápia, foram apreendidos R$ 258 mil em poder de Luiz Maiolino. O funcionário realizou ligações e informou à irmã que estava sendo preso e, ao comentar que a denúncia era sobre crimes de corrupção no Dnit, confirmou: “Pior que é verdade, né? Pior que é verdade” e ainda acrescentou: “o pior é que vão encontrar coisa…”.
Os três funcionários do Dnit envolvidos na Via Ápia também já foram citados em outras irregularidades, como os atos de corrupção desbaratados pela operação Mão Dupla, deflagrada no Ceará. Já no tocante à Via Ápia, foram identificados na conta de Fernando Rocha Silveira depósitos (de R$ 10 mil e R$ 20 mil) que coincidiam com os períodos de pagamentos realizados ao consórcio.
O nome do ex-superintendente e de empresas que pagaram suborno aos representantes do Dnit foram encontrados em um manuscrito e também em uma planilha de Gledson Maia, quando este foi preso em flagrante no estacionamento de uma churrascaria, em 4 de novembro de 2010, recebendo propina de Túlio Beltrão Filho, cuja empresa realizava uma obra para o Dnit na BR-304.
Parte do suborno pago a Gledson pela Constran–Galvão–Construcap foi encaminhado através de José Luís Horto, sócio de uma pedreira contratada pelo consórcio. Gilberto Ruggiero remetia o dinheiro para a conta da pedreira de José Luís, que repassava a propina a Gledson Maia.
Desvios – Foram utilizadas diferentes maneiras de desviar recursos da obra. Uma delas diz respeito à ponte sobre o Rio Curimataú, em Canguaretama. As fundações foram erguidas sobre solo instável e parte da obra cedeu. Para solucionar o problema, o consórcio utilizou um método de estabilização do solo, chamado CPR, mas registrou a utilização de outra metodologia, a Jet Grouting, de custo muito mais elevado. Só essa irregularidade causou prejuízo de R$ 1.406.048,01 aos cofres públicos.
Representantes das empresas (Ruggiero, Frederico Eigenheer Neto e Marlos Wilson) chegaram a se reunir na sala de Fernando Rocha Silveira. Eles acordaram que deveriam uniformizar os operários e adesivar as máquinas com a palavra “Jet Grouting”, como forma de burlar a fiscalização do TCU, ou paralisar o serviço e retirar as máquinas.
A relação “extracontratual” dos envolvidos era tamanha que, em outra oportunidade, Fernando Rocha Silveira chegou a ameaçar representantes da ATP que estavam querendo remanejar seu sobrinho, funcionário da empresa: “(…) não gostaria de ver esse meu sobrinho do lado de fora (…) entendeu? Aí seria uma agressão da ATP com a minha pessoa né? (…) porque eu tenho uma atenção toda especial com a ATP, sabe? e gostaria de ter a mesma…em contrapartida a mesma atenção né?”
Outra forma de desvio foi a inexecução de parte dos serviços e a adulteração das medições, que estabeleciam o que tinha de ser pago ao consórcio. Também foram faturados os valores dos serviços de terraplenagem, em um prejuízo de R$ 4.222.566,07 para o Dnit. Houve superfaturamento nos serviços de fornecimento e colocação de geodrenos, com dano de R$ 2.778.139,32 ao poder público. Outra forma utilizada foi superfaturar o preço do transporte de materiais betuminosos. A ilegalidade representou um impacto extra de R$ 591 mil.
Ação penal – As primeiras denúncias contra os envolvidos na Via Ápia foram apresentadas pelo MPF em agosto de 2011. Na ocasião, Gledson Maia, Fernando Rocha Silveira, Luiz Maiolino, Frederico Eigenheer Neto, Gilberto Ruggiero, Adrev Yuri, Marlos Andrade, Emir Napoleão Kabbach, José Luís Arantes Horto e Mário Sérgio Molinar foram denunciados pela prática dos crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção ativa e passiva, além de crime contra a lei de licitações.
Em novembro de 2013, o MPF incluiu na ação os réus Dário Galvão Filho, Eduardo Galvão, Mário Galvão, José Gilberto Valentin, Ricardo Cordeiro, Frank Balarotti, Jorge Aun, José Roberto Bertoli, Luiz Nogueira, Roberto Capobianco, Eduardo Capobianco, Celso Villas Boas, José Theodózio Netto, Marco Aurélio Guimarães e Carlos Eduardo de Paiva. A Ação Penal 0005441-20.2011.4.05.8400 tramita na Justiça Federal e as novas ações foram protocoladas sob os números 0807172-76.2015.4.05.8400; 0807209-06.2015.4.05.8400; e 0807212-58.2015.4.05.8400.
Réus e funções de cada à época dos atos de corrupção

Gledson Golbery de Araújo Maia – chefe de Engenharia do Dnit/RN

Fernando Rocha Silveira – superintendente regional do Dnit/RN

Luiz Henrique Maiolino de Mendonça – servidor do Dnit/RN e fiscal do contrato

Frederico Eigenheer Neto – gerente comercial do consórcio executor da obra

Gilberto Ruggiero – gerente-geral do consórcio executor da obra

Adrev Yuri Barbosa Fornazier – funcionário da ATP Engenharia

Marlos Wilson Andrade Lima de Góis – engenheiro civil da ATP Engenharia

Emir Napoleão Kabbach – diretor da Constran

José Luís Arantes Horto – sócio da Pedreira Potiguar Ltda. – ME

Mário Sérgio Campos Molinar – engenheiro civil da Constran

Dário de Queiroz Galvão Filho – representante da Galvão Engenharia

Eduardo de Queiroz Galvão – representante da Galvão Engenharia

Mário de Queiroz Galvão – responsável técnico da Galvão Engenharia

José Gilberto de Azevedo Branco Valentin – presidente da Galvão Engenharia

Ricardo Cordeiro de Toledo – diretor da Galvão Engenharia

Frank Adriano Balarotti de Araújo – diretor da Galvão Engenharia

Jorge Alberto Aun – responsável técnico da Constran

José Roberto Bertoli – representante legal da Constran

Luiz Sérgio Nogueira – representante legal da Constran

Roberto Ribeiro Capobianco – sócio, diretor vice-presidente e responsável técnico da Construcap

Eduardo Ribeiro Capobianco – sócio e diretor vice-presidente da Construcap

Celso Verri Villas Boas – procurador da Construcap

José Theodózio Netto – sócio-administrador da ATP Engenharia

Marco Aurélio Costa Guimarães – responsável técnico da Construcap e lobista do consórcio

Carlos Eduardo Albuquerque de Paiva – engenheiro supervisor da ATP Engenharia

Constran S/A – Construções e Comércio – empresa integrante do consórcio executor da obra

Galvão Engenharia S/A – empresa integrante do consórcio executor da obra

Construcap-Ccps Engenharia e Comércio S/A – empresa integrante do consórcio executor da obra

ATP Engenharia Ltda.. – empresa responsável pela supervisão da obra

8 de outubro de 2015 às 7:48

Agripino terá que explicar depósitos de quase 170 mil em suas contas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O senador José Agripino, na berlinda das investigações, terá que explicar origem de depósitos feitos em seu nome no ano passado.

Valor total dos depósitos: R$ 169,4 mil.

Longe dos milhões atribuídos ao presidente da Câmara, a empreiteiros, ex-diretores da Petrobras, ex-ministros….

Valor compatível com o poder aquisitivo do senador do Rio Grande do Norte.

Porém, a forma como foram feitos os depósitos levantam suspeitas, e é isso o que ele terá que justificar.

Da Folha de hoje:

Órgão da Fazenda detecta depósitos sem identificação para Agripino Maia

RUBENS VALENTE

DE BRASÍLIA

O Coaf, órgão de inteligência financeira vinculado ao Ministério da Fazenda, detectou uma série de depósitos em espécie de forma fragmentada e sem identificação dos depositantes, no valor total de R$ 169,4 mil, em contas bancárias do senador José Agripino Maia (DEM-RN), presidente nacional do DEM e um dos principais nomes da oposição. Segundo relatório do Coaf, a movimentação “sugeriria tentativa de burla dos mecanismos de controle e tentativa de ocultação da identidade do depositante”.
O relatório do Coaf integra o inquérito aberto nesta quarta-feira (7) por decisão do ministro Luís Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), para investigar o senador a pedido da PGR (Procuradoria Geral da República).
Segundo o Coaf, movimentações suspeitas foram realizadas no mesmo dia, 27 de outubro de 2014, no final da campanha eleitoral do ano passado. As contas do senador receberam seis depósitos de R$ 9.900 mil cada um no caixa do banco em um total de R$ 59,4 mil, além de outros 44 depósitos em espécie, em envelopes no caixa eletrônico, cada um deles com R$ 2.500.
O Coaf ressaltou “a ocorrência de tais operações em espécie, no mesmo dia, com valor global de R$ 169,4 mil”, sem que os nomes dos depositantes fossem conhecidos. Pelas regras em vigor, segundo o Coaf, os valores dos depósitos registrados no caso de Agripino “dispensam a identificação”. Os bancos devem identificar, em seus controles internos, os autores de depósitos acima de R$ 10.000 e comunicar ao Coaf transações do gênero acima de R$ 30 mil.
Entre outros depósitos para Agripino, com identificação, um motorista do Senado colocou R$ 95 mil, em espécie, na conta do senador, além de ter feito dois depósitos, um de R$ 9.000 e outro de R$ 9.100, “em espécie na mesma sessão de caixa” e na mesma agência. Outra servidora pública, lotada no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, fez quatro depósitos fracionados de R$ 9.000.
Na petição que protocolou no último dia 29 no STF para pedir a abertura do inquérito, o procurador-geral da República Rodrigo Janot escreveu que as operações detectadas pelo Coaf “abrangem movimentação de valores em espécie de forma fracionada em contas bancárias, transferências de quantias entre familiares e empresas em nome familiares e até mesmo depósitos em dinheiro feitos por um motorista do Senado Federal”.
O foco do inquérito é a suspeita, segundo a PGR, de que Agripino solicitou e recebeu “vantagens indevidas” em troca de “auxílio do parlamentar na superação de entraves e liberação de recursos do financiamento” do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para a construção do estádio de futebol Arenas das Dunas, entre 2011 e 2014. Segundo Janot, as movimentações detectadas pelo Coaf ocorreram na mesma época das obras. O inquérito é um desdobramento da Operação Lava Jato.
A assessoria do senador informou à Folha na noite desta quarta-feira (7) que não foi comunicado sobre o inquérito, e desconhece as informações sobre os depósitos sem identificação. O senador afirmou, em nota: “Em não tendo sido notificado, não tomei conhecimento de nada do que consta na investigação. Informado, terei resposta para os fatos que sejam objetos de questionamento”.

8 de outubro de 2015 às 6:01

Mesmo encalacrado Cunha continua mandando na Câmara que derrota o governo mais uma vez [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Apesar de encalacrado até a tampa por causa das contas na Suíça, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, mostra que continua podendo na Casa.

Pelo segundo dia seguido faltou quórum para o legislativo votar os vetos da presidente Dilma Rousseff.

Podendo, porém, tão ameaçado de perder o cargo quanto a presidente da República.

Um grupo de deputados quer o imprachment de Eduardo Cunha.

8 de outubro de 2015 às 5:50

Comissão da Assembleia deve votar reforma fiscal na 3ª feira [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Em entrevista ao Jornal da Noite, na 95FM, o deputado Dison Lisboa (PSD) confirmou.

O pacote fiscal do governo do Rio Grande do Norte, deverá ser votado na Comissão de Constituição e Justiça na terça-feira.

A previsão é que a matéria chegue ao plenário no dia 27.

8 de outubro de 2015 às 5:46

Extratos comprovam movimento de contas de Eduardo Cunha na Suíça [0] Comentários | Deixe seu comentário.

D’O Globo:

Extratos mostram que Eduardo Cunha usou ‘offshore’ na Suíça

Informação foi publicada pelo jornal ‘O Globo’ e confirmada pela TV Globo. MP suíço investiga presidente da Câmara por lavagem de dinheiro.

Extratos bancários enviados pelo Ministério Público da Suíça à Procuradoria Geral da República apontam que o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), utilizou empresas “offshore” para movimentar supostas contas bancárias no país europeu. Cunha é investigado na Suíça por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Empresa offshore é aquela situada no exterior, sujeita a regime legal e tributário diferentes do país de origem. Atualmente, a expressão é aplicada mais especificamente a sociedades constituídas em “paraísos fiscais”, com impostos reduzidos ou até mesmo isenção de impostos.

A informação foi divulgada em reportagem do jornal “O Globo” e confirmada pela TV Globo. O MP suíço relatou na documentação enviada às autoridades brasileiras a existência de contas bancárias supostamente em nome de Cunha e familiares.

As investigações começaram em abril na Suíça e resultaram em bloqueio de valores, segundo informou a Procuradoria Geral da República (PGR). O volume de recursos encontrado é mantido em sigilo e foi bloqueado pelas autoridades da Suíça.

Questionado nesta quarta-feira (7) sobre o fato, o deputado afirmou que não tem conhecimento das investigações.

“Não conheço. não posso falar o que não conheço”, disse. O presidente da Câmara também afirmou que não irá renunciar ao cargo diante das denúncias. “Não há a menor possibilidade de eu renunciar, licenciar, qualquer coisa do gênero. Já rebati aqui e sobre esse assunto fala meu advogado”, afirmou Cunha.

Suposto operador do PMDB no esquema de corrupção que atuava na Petrobras, o engenheiro João Augusto Rezende Henriques afirmou em depoimento à Polícia Federal (PF) que fez uma transferência ao exterior para uma conta do presidente da Câmara dos Deputados.

Em julho, o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo afirmou em depoimento à Justiça Federal do Paraná que foi pressionado por Cunha a pagar US$ 10 milhões em propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. Do total do suborno, contou o delator, o peemedebista disse que era “merecedor” de US$ 5 milhões.

Além disso, investigadores da Lava Jato informaram que o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, também confirmou em sua delação premiada que o presidente da Câmara recebeu, ao menos, US$ 5 milhões em propinas por contratos de locação dos navios-sonda. Baiano é acusado de ser um dos operadores do PMDB no esquema de corrupção que agia na estatal do petróleo.