Thaisa Galvão

25 de outubro de 2015 às 17:55

Governador Robinson Faria e Julianne comemoram aniversário dos filhos gêmeos [0] Comentários | Deixe seu comentário.

  

Rompido politicamente com o governo, mas amigo cada vez mais próximo do governador e compadre Robinson Faria, o deputado José Dias e a mulher Diúda Alves foram hoje ao aniversário de Gabriel e Maria Luíza, gêmeos de Robinson e Julianne.

Dias e Diúda são padrinhos de Gabriel.

Os problemas da política estão cada vez mais distantes da relação Robinson/José Dias.

Também foram à festa dos filhos do governador na manhã deste domingo, o vice-governador Fábio Dantas e a mulher deputada Cristiane Dantas, o presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira com Ingrid, o deputado Gustavo Carvalho e o vereador Fernando Lucena; além do deputado federal Fábio Faria, irmão dos aniversariantes.

Além de auxiliares como o secretário de Turismo  Ruy Gaspar com Shandra e o filho de 1 mês, Arnaldo Neto, o presidente da Potigás, Beto Santos, que depois de amanhã será eleito presidente do América, o presidente da Caern Marcelo Toscano,  o secretário de Articulação Política e pré-candidato a prefeito de Santana do Seridó, Hudson Pereira de Brito…

Fotos Thaisa Galvão

  
  

25 de outubro de 2015 às 17:08

Deputado Ezequiel Ferreira confirma convite para se filiar ao PPS mas Henrique não quer liberar sua saída do PMDB [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No zum zum zum político do final de semana, surge o nome do deputado Ezequiel Ferreira de Souza, do PMDB, como futuro presidente do PPS.
O que há por trás do assunto?

Presidente do PPS, o ex-deputado Wober Júnior convidou Ezequiel para se filiar ao partido.

Assim como outros partidos fizeram o convite.

Mas até aqui, a intenção de Ezequiel é apenas sair do PMDB.

Não articulou filiação a nenhuma legenda.

Há poucos dias, o presidente da Assembleia teve uma conversa com o ministro do Turismo e presidente do PMDB, Henrique Alves.

Ezequiel sugeriu que, através de um documento assinado por Henrique, o PMDB liberasse, sem implicação na justiça eleitoral, sua saída do PMDB.

Ao Blog, no aniversário dos filhos do governador Robinson Faria e Julianne, Ezequiel disse que a conversa não foi conclusiva e que Henrique ainda ficou de conversar com o senador Garibaldi Filho e voltar a falar com ele.

Por enquanto nenhuma possibilidade do presidente da AL contar com o partido que é seu mas não é.

O que não significa que o deputado não tem como deixar o PMDB, já que a janela aberta seis meses antes da eleição – no caso dele em 2018 – ou a ainda possível criação do PL, pode ser a oportunidade para deixar o PMDB que não apoiou sua candidatura a presidente da AL.

O deputado Ezequiel gostaria de sair com o aval do partido.

Foto Thaisa Galvão

  

25 de outubro de 2015 às 17:02

Ezequiel Ferreira prestigiou vaquejada de Santo Antônio do Salto da Onça [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E o presidente da Assembleia, deputado Ezequiel Ferreira de Souza, foi ontem a Santo Antônio do Salto da Onça.

Foi recebido pelo empresário Ivo Érico, a presidente da Câmara, Priscila Lima e vereadores locais, que antes da vaquejada conversaram sobre a questão do abastecimento da cidade e da zona rural 

“A crise hídrica que castiga o nosso Estado também afeta o município de Santo Antônio. A cidade já é abastecida por carros-pipa e a zona rural necessita de perfuração de poços. As pessoas que estão no interior sofrem mais do que aquelas que vivem nos grandes centros urbanos. Vamos apresentar na Assembleia Legislativa sugestões para amenizar esse sofrimento”, sugeriu Ezequiel, que em Santo Antônio também conversou com outras lideranças do Agreste.

Ezequiel prestigiou a 27ª Vaquejada do Parque Arapuá, que acontece até hoje com show de Zezé Di Camargo. 

O presidente da Assembleia estava acompanhado de Flávio Azevedo Nova Cruz), Wellinson Ribeiro (Canguaretama), Ivete Matias (Brejinho), Fernando Teixeira (Espírito Santo), Chico de Erasmo (Serra de São Bento), Gizelda Rodrigues (Lagoa D’Anta), além de vereadores de outros municípios.

  

25 de outubro de 2015 às 15:59

Professor que acertou no Jornal da Noite/95 o tema da redação do ENEM, debateu o assunto em aulas do CEI Romualdo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Professor do CEI Romualdo, João Maria de Lima disse ao Blog agora que durante todo o ano trabalhou com seus alunos do 3º ano, dois temas que tomaram conta das decisões políticas deste ano: os empregados domésticos e a violência contra a mulher.

No primeiro caso, discutia nas aulas – também no Instituto Maria Auxiliadora e Henrique Castriciano, sobre a PEC dos Domésticos.

No segundo caso, levantou dois episódios: o do Metrô de São Paulo e o da propaganda da Skol no carnaval.

“Na verdade eu me sinto muito feliz porque a mulher foi um tema que eu apostei muito durante as minhas aulas. Desde março eu comecei a debater em sala de aula a importância da mulher na sociedade. Eu debati a lei do Feminicídio”, disse João Maria ao Blog, lembrando a pesquisa do IPEA combatida em suas aulas, que dizia que o comportamento das mulheres influenciava o estupro, e a campanha da Skol que dizia que as mulheres deveriam deixar o “Não” em casa.

No último dia 18, no Aulão Classe A, proferida no Hotel Holiday Inn, aberta para estudantes de escolas privadas e públicas, o professor João Maria debateu exatamente o tema da redação.

  

“Estou feliz porque discuti o tema para todas as pessoas. Dos mais simples aos de classes mais altas”, disse João Maria ao Blog, lembrando que no dia 11, quando proferiu o aulão transmitido pela TV Assembleia, também falou do tema Mulher, mas sem especificar a violência como no aulão do dia 18.

Na entrevista que deu ao Jornal da Noite da 95FM, na sexta-feira – entrevista que levei falta por estar viajando – a jornalista Juliana Celli lembrou que o professor João Maria já tinha acertado o tema da redação do ano passado, trabalhando a “publicidade infantil” nas turmas de 3º ano do CEI Romualdo, e perguntou qual tema ele apostaria para a redação do ENEM deste ano.

Na lata João Maria respondeu: ou a PEC dos empregados domésticos ou a violência contra a mulher.

Em cheio!

  

25 de outubro de 2015 às 14:03

Em entrevista ao Jornal da Noite da 95FM, professor João Maria Lima arriscou e acertou tema da redação do ENEM [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Entrevistado sexta-feira no Jornal da Noite, da 95FM, o professor João Maria de Lima tentou antecipar…e acertou.

Ele apostou que o tema da redação do ENEM ou seria “Empregados Domésticos” ou “Violência contra a Mulher”.

E o tema foi Violência contra a mulher.

Acertou mais uma vez, já que no ano passado ele apostou e acertou no tema ‘publicidade infantil’.

E o tema deste ano virou polêmica nas redes sociais:

Do G1:

Redação sobre violência contra mulher gera polêmica no Twitter


Tema é ‘a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira’. Twitter teve mais de um milhão de posts sobre Enem no sábado
A escolha do tema da redação do Enem 2015 – “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira” – gerou debates e polêmica no Twitter.

Em lados opostos, um grupo defende a importância do assunto proposto pelo Ministério da Educação (MEC), enquanto há aqueles que fazem críticas citando um suposto feminismo dos organizadores do Enem. No primeiro dia de prova, uma questão tinha abordado o tema.

As reações ao tema incluíram a criação de uma hashtag #enemfeminista e o uso pejorativo da palavra “feminazi” e outras reações preconceituosas. Além da polêmica, houve ainda aqueles que celebraram ter acertado o palpite sobre o tema, citando a polêmica recente da separação do casal Joelma e Chimbinha.

25 de outubro de 2015 às 13:34

Assessoria de Rafael Motta diz que perfil no instagram não foi criado pelo gabinete do deputado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A assessoria do deputado federal Rafael Motta garante:

Não partiu dele nem de seu gabinete o instagram que tem como perfil #Rafaelmottaprefeito

“Não foi criado ou é alimentado por ninguém autorizado”, afirma a assessoria.

25 de outubro de 2015 às 13:08

Bonecos de Lula e Dilma voltam às ruas de Natal e presidente do PT critica forma como presidente é tratada [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois de ter sofrido ataques dos militantes do PT, os bonecos Pixuleco e Bandilma apareceram neste domingo de sol em Ponta Negra, em Natal.

O Pixuleco, boneco do ex-presidente Lula, na praia.

Mas não vestia roupa de banho.

A boneca de Dilma, pelas ruas do bairro.

  

  
E é exatamente o modelito do Pixuleco o que incomoda o presidente do PT de Natal, vereador Fernando Lucena.

No aniversário dos gêmeos Gabriel e Maria Luíza, filhos do governador Robinson Faria e Julianne, Lucena disse não discordar do protesto com os bonecos.

Só não pode concordar com a roupa de bandido que colocaram no boneco, vez que o ex-presidente nunca sofreu condenação.

“Não posso aceitar que tratem uma presidente ds República como bandida”, afirmou Lucena.

Foto Thaisa Galvão

  

25 de outubro de 2015 às 12:37

Prefeito Carlos Eduardo no instagram [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Adepto do twitter, onde anuncia suas agendas e planos, o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves surge no instagram.

As redes sociais terão importância extra nas eleições do próximo ano, com tempo reduzido na propaganda eleitoral.

  

25 de outubro de 2015 às 12:25

Depois de Márcia Maia, surge o instagram de Rafael Motta prefeito [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E o instagram virou a ferrenta balão de ensaio para prováveis candidaturas a prefeito de Natal.

Depois do insta da deputada Márcia Maia como candidata, que ela disse não saber quem criou, agora surge o do deputado Rafael Motta…

  

 

25 de outubro de 2015 às 11:36

Os detalhes da coleção Inverno/2016 de Wagner Kallieno na São Paulo Fashion Week [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mais comercial.
Foi assim considerada a coleção Inverno/2016 do potiguar Wagner Kallieno, que voltou às passarelas da São Paulo Fashion Week.

Abaixo a tendência do estilista:

Fotos Agência Fotosite

   
 
Sócios na marca, Wagner Kallieno e Priscila de Sousa cuidaram dos mínimos detalhes do desfile que teve a presença das apresentadoras Lilian Pacce e Costanza Pascolato.

No bastidor, Priscila, que cuida do bastidor, usou modelito da coleção que estará nas lojas a partir de fevereiro de 2016.

Fotos Thaisa Galvão

  

25 de outubro de 2015 às 9:47

Motorista bate em poste e abandona o carro na Prudente de Morais [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do leitor Hebert Braga:

  

25 de outubro de 2015 às 9:33

PSB na corda bamba entre Wilma de Faria e Rafael Motta [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Fim de semana de muita conversa na política de Natal.Wilma perdeu o PSB, Rafael Motta assume o partido, Wilma vai para o PMDB…

E cada um que diga o que soube de quem soube…
Pelo telefone, a vice-prefeita Wilma de Faria garantiu ao Blog que não houve nenhuma mudança.

O que ocorreu foi o que o Blog já falou desde que os votos da eleição do ano passado foram apurados e que o PSB do Rio Grande do Norte, sem a reeleição da então deputada federal Sandra Rosado, ficou sem representação no Congresso Nacional e no Estado perdeu o status de diretório. Hoje é comissão provisória.

Para voltar a diretório o PSB do Rio Grande do Norte precisa de representação no Congresso, daí o convite da presidência ao deputado federal Rafael Motta, hoje presidente do PROS.

Rafael disse ao Blog que há muita especulação, e que alguns partidos lhe fizeram convites. 

Inclusive o PSB.
“O partido me convidou. Outros partidos tambem convidaram. Mas foi tudo”, disse Rafael ao Blog, afirmando que houve o convite.
Rafael negou que tivesse sido convidado para presidir o PSB, porém, para voltar ao status de diretório, o partido precisa da representação no Congresso, e isso o grupo que comanda a legenda, liderado por Wilma, não tem, pelo menos até outubro de 2018.
Há poucos dias, e o Blog registrou, Wilma foi ao gabinete de Rafael, em Brasília.

Visita inusitada, que não deve ter tido outro propósito.

Ao Blog, Wilma disse que os dois não falaram sobre PSB…

Tá…

Disse que falaram sobre 2016, sobre o fato de Rafael já ter declarado que há possibilidade de disputar a Prefeitura de Natal.

“Eu perguntei se ele vai ser candidato e ele disse que pode ser”, disse Wilma, que vem repetindo que o PSB quer candidatura própria na capital do Rio Grande do Norte e que a legenda tem 3 mulheres com potencia para a disputa: ela própria, a filha deputada Márcia Maia e a vereadora Júlia Arruda.

Aí, nesse caso, se convite feito for convite aceito, terá também Rafael Motta.

Maasss…vem a pergunta: ao PSB que interessa ter o prefeito de Natal, não interessaria mais ter um deputado federal? E o status de diretório? Um prefeito não devolve…

25 de outubro de 2015 às 9:32

PTB já estaria sob comando de Rafael e Ricardo Motta [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Entre os partidos que fizeram convites aos deputados federal Rafael Motta e estadual, Ricardo Motta, do PROS, está o PTB.A legenda ficou órfã desde que venceu e não foi renovada, a comissão provisória no Ruo Grande do Norte.

Há quem garanta que o PTB já está sob o comando dos Motta, que por não terem como fazer transferência imediata, tendo que aguardar a janela que será aberta a 6 meses da eleição, colocaram liderados para irem segurando.

Perguntei isso ao deputado Rafael Motta mas ele preferiu responder que quando tivesse algo de concreto, diria ao Blog.

Porém, um petebista do interior disse ao Blog, que os novos “comandantes” do PTB no Rio Grande do Norte são do grupo de Rafael e Ricardo Motta.

Que estão segurando as pontas enquanto os dois ainda não podem sair do PROS.

Ou senão enquanto os dois escolhem se assumem o PTB ou o PSB.

Abaixo a lista do diretório renovado do PTB, hoje composto por desconhecidos na política local.

Mas, como disse o petebista, eles são conhecidos sim, de Ricardo Motta e de Rafael Motta.

  

25 de outubro de 2015 às 9:31

Wilma já foi procurada por Henrique que agendou nova conversa com presença do senador Garibaldi Filho [1] Comentários | Deixe seu comentário.

E no fim de semana barulhento e de muitas especulações, fala-se na ida da vice-prefeita Wilma de Faria (PSB) para o PMDB.Como o Blog já adiantou, Wilma é hoje o nome que seria indicado pelo ministro Henrique Alves para ser a vice do prefeito Carlos Eduardo na disputa pela reeleição.

Ou seja: Wilma permaneceria onde está, caso Carlos fosse reeleito, mas, dessa vez, sem a força do PSB, e com o apadrinhamento do PMDB de Henrique.

Resta saber se ela vai topar, mas ela já adiantou que só conversa política em nome do PSB, sem possibilidade de trocar de legenda.

Há um ano, aliada de Henrique, que disputou uma “fácil” candidatura a governador, com Wilma como maior aliada, disparada em pesquisas feitas em todo o Rio Grande do Norte, Wilma também foi derrotada.

Henrique perdeu o governo fácil e Wilma perdeu o Senado que lhe garantia eleição tranquila…

Com Henrique Wilma perdeu sua segunda tentativa de chegar ao Senado.

Se vai topar permanecer onde está, terá que estudar muito.

Sem Henrique no palanque, ela se elegeu vice-prefeita do prefeito Carlos Eduardo.

Com Henrique no palanque, a reeleição pode não ter o mesmo resultado.

São contas que Wilma terá que fazer, e muito friamente, sem emoção.

Há 10 dias o ministro Henrique Alves saiu de casa, caminhou alguns passos e foi ao apartamento de Wilma.

Ao Blog Wilma confirmou a visita, mas não adiantou a conversa.

Disse somente que o ministro ficou de voltar levando com ele o senador Garibaldi Filho.

O Blog não conseguiu saber se Henrique abordou Wilma somente para ser sua candidata na chapa de Carlos Eduardo, como o Blog já publicou, ou se foi para ser a candidata do PMDB.

Afinal de contas, apesar de ninguém gostar de confirmar, quando o PMDB, que na campanha passada foi adversário de Carlos Eduardo, aderiu ao governo de Carlos Eduardo, foi para indicar um vice na chapa de reeleição.

Só que até agora o partido não tem um nome capaz de agregar votos, daí recorrer a Wilma de Faria.

25 de outubro de 2015 às 9:28

Robinson Faria vai encomendar estudo para definir quem apoiar na disputa pela Prefeitura de Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E o governador Robinson Faria?Em qual palanque da capital estará o governador do Rio Grande do Norte nas eleições do próximo ano?

O deputado Fernando Mineiro (PT) é apontado como o ‘candidato de Robinson’.

O suplente de deputado Luiz Gomes não perde uma oportunidade de tirar uma foto com o governador e posar de candidato de Robinson.

Ao Blog o governador afirmou: vai repetir o que fez quando decidiu, ele próprio ser o candidato.

Vai encomendar um estudo para identificar o que Natal está pedindo.

Em 2014, antes de definir pela sua candidatura, e declinar dos assédios muitos para ser o vice do então candidato Henrique Alves, Robinson encomendou um estudo.

O resultado apresentado a ele durante um dia inteiro, e isso o Blog publicou à época, revelou 3 nomes que naquele período contavam com a aceitação da população do Rio Grande do Norte: Robinson Faria, Carlos Eduardo e Fátima Bezerra.

O primeiro a ser procurado por Robinson, como o Blog publicou à época, foi o amigo, vizinho e aliado Carlos Eduardo.

Que no primeiro momento, como já havia declarado aqui, questionado por mim, se inseriu no projeto de ‘Robinson governador’, afirmando ser ele o seu candidato.

Fátima foi a segunda a ser procurada pelo então vice-governador sem cargos e sem prestígio.

No final das contas a história já foi contada: ao lado de Robinson, Fátima se elegeu senadora.

Dissidente do projeto, Carlos Eduardo trocou o amigo e aliado pelo primo-desafeto Henrique Alves e amargou o resultado que todos já conhecem.

Caso tivesse permanecido onde estava, o prefeito de Natal teria agora, em seu currículo político, o título de ‘pai da vitória’, garantindo a ele a liderança no Estado que ainda não conquistou.

Voltando ao estudo…Robinson vai traçar o mesmo caminho, e só aí, definirá em qual palanque subir nas eleições de 2016.

E sua decisão, ao contrário do que se diz por aí, tem o aval do deputado-líder e pré-candidato Fernando Mineiro (PT).

25 de outubro de 2015 às 9:27

2016: Carlos Eduardo ou Carlos Eduardo Alves? [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na sua própria sucessão, no próximo ano, o prefeito de Natal, Carlos Eduardo, surgirá com a identidade que não apresentava quando, por duas vezes, se elegeu prefeito de Natal: o sobrenome Alves.Carlos era vice da então prefeita Wilma de Faria quando ela renunciou e foi disputar, com sucesso, o governo do Rio Grande do Norte.

Carlos Eduardo assumiu o mandato de 2 anos e apoiou a candidatura de Wilma, contra o candidato da família Alves, o petebista Fernando Freire.

Freire teve apoio de Garibaldi Filho e Henrique Alves, mas não teve o apoio de Carlos Eduardo, que rompeu com o grupo político familiar para firmar o seu próprio nome na política do Estado.

Wilma se elegeu governadora e garantiu o apoio, dois anos depois, à reeleição de Carlos.

Candidato a prefeito, Carlos Eduardo seguiu se elegeu sem o sobrenome Alves e sem o apoio de Henrique e Garibaldi, que estavam no palanque do então candidato derrotado Luiz Almir.

Na sua sucessão em 2008, Carlos Eduardo ensaiou a aproximação com o grupo familiar e apoiou a candidatura de Fátima Bezerra à prefeita de Natal.

No palanque do PT, bombado pelo então presidente Lula, Carlos Eduardo integrou grupo de apoio ao lado dos primos Henrique Alves e Garibaldi Filho.

Fátima perdeu a eleição.

A eleita foi a jornalista Micarla de Sousa.

Em 2012, candidato novamente a prefeito de Natal, Carlos Eduardo voltou a se descolar do grupo familiar.

Era apenas Carlos Eduardo. Sem Alves. Sem apoio dos primos que estavam no palanque do então candidato derrotado Hermano Morais.

Sem o grupo familiar do seu lado, Carlos Eduardo mais uma vez se elegeu prefeito de Natal.

Em 2016, pré-candidato à reeleição, o prefeito tende a estar no palanque ao lado do grupo familiar.

Com o apoio dos primos Henrique Alves e Garibaldi Filho.

Volta ao seio político-familiar, sem medo de arriscar o futuro político.

De Carlos Eduardo, volta a ser Carlos Eduardo Alves na disputa mais uma vez pela Prefeitura de Natal.

25 de outubro de 2015 às 8:49

Apesar de financiar campanhas de muitos aliados, Eduardo Cunha começa a ser abandonado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, atrapalhado da cabeça aos pés com as provas de que mantém contas secretas na Suíça, começa a ser abandonado…

Detalhe: abandonado pelos aliados peemedebistas, muitos dos quais ajudou a eleger pelo Brasil afora, abrindo seu $uper caixa para financiar campanhas eleitorais.

Cunha recebia, com frequência, interlocutores de candidatos do PMDB de vários estados, e cumpria com todos a promessa feita de ajudar na campanha, grato pela ajuda que teve para ser presidente da Câmara.

Agora, eleitos ou não eleitos, porém candidatos e com o dinheiro de Cunha, estão abandonando o presidente da Câmara, que certamente não terá nenhum pudor, diante do quadro, de expor nomes que foram ajudados com o dinheiro hoje questionado pela Polícia Federal e pelo Ninistério Público Federal.

Abaixo, a notícia contando o ‘momento corda bamba’ do deputado Eduardo Cunha:
D’O Globo de hoje:

Eduardo Cunha: de presidenciável a ‘cassável’

Protagonismo agressivo de deputado e briga com Janot o puseram em xeque

por FERNANDA KRAKOVICS E JÚNIA GAMA

  

BRASÍLIA – Ao se tornar líder do PMDB em 2013, já de olho na presidência da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) decidiu sair dos bastidores, onde sempre atuou, e virar um protagonista na política brasileira, mesmo tendo telhado de vidro. Hoje, após a revelação de documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça atestando que ele manteria contas secretas naquele país abastecidas por propina, a decisão de se expor e depois brigar pelo cargo mais importante da Câmara é considerada a manobra “kamikaze” que levou à derrocada de Cunha.
Os mais próximos se dizem surpresos com o nível de materialidade das provas contra o peemedebista e dizem que o presidente da Câmara sempre garantiu, de forma enfática, que nada haveria contra ele. 

Em março, Cunha protagonizou cenas de teatro ao ir à CPI da Petrobras, sem ter sido convidado, para negar que tivesse contas não declaradas no exterior. Este mesmo destemor, visto por alguns como arrogância, é que agora serve de base para o processo de cassação do seu mandato no Conselho de Ética, em que é acusado por quebra de decoro por supostamente ter mentido na CPI.
— Até alguns meses atrás, Eduardo era visto como um presidenciável. Ele frequentava a nata brasileira, e sua mulher agia como primeira-dama. Agora, se ele escapar da cassação, já tem que agradecer a Deus — afirmou um peemedebista.
“Ele é um polvo, não um saci”
Nem todos, no entanto, surpreenderam-se com a situação que Cunha vive hoje. 

Lideranças do PMDB afirmam que, quando ele começou a se movimentar para assumir a liderança do partido em 2013, um alerta de preocupação se acendeu, e ponderaram com o vice-presidente Michel Temer que ele era um “operador”, e não um político.
— Ele é um polvo que deixa rastro, não é um saci que sai pulando — disse nesta semana um dirigente do PMDB.
Num lance ainda mais ousado, Cunha lançou sua candidatura à presidência da Câmara no fim do ano passado, contra o governo e com a Operação Lava-Jato já em curso. 

Depois que ele foi eleito para comandar a Casa em fevereiro deste ano, seu grupo mais próximo chegou a cogitar uma candidatura à Presidência da República. 

Em junho, quando o PMDB passou a reforçar a tese de candidatura própria em 2018, Cunha foi cortejado por colegas como um dos presidenciáveis do partido. Só que o tempo virou. Atualmente, mesmo aliados de Cunha dizem que ele passou de “presidenciável” a deputado “cassável”. Mesmo na berlinda, o peemedebista resiste a deixar o cargo.
O entorno do presidente da Câmara cita como erro crucial — e ponto de inflexão em sua trajetória ascendente — o fato de ter entrado em confronto direto com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Lembram que a lista envolvendo dezenas de parlamentares no esquema de corrupção da Petrobras ficou praticamente esquecida desde que Cunha escolheu Janot como seu arquirrival. E destacam que ele não deveria ter se declarado oposição ao governo em reação às denúncias, o que só piorou sua situação.
— Eduardo é um político muito acima da média, mas ele age com o fígado, e isso acaba por prejudicá-lo. Se tivesse ficado quieto, quem sabe o alvo a ser destruído agora não seria Renan? — avalia um deputado próximo a Cunha, citando o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
No meio político, a avaliação é que, por ser “muito inteligente”, ele acabou subestimando as pessoas. Um exemplo disso é a soberba que mostrava nas entrevistas. 

Em dezembro passado, quando estava em campanha aberta para a presidência da Câmara, Cunha foi irônico ao ser indagado numa entrevista à “Folha de S.Paulo” se uma bala de prata da Lava-Jato poderia atingi-lo:
— Estou escutando isso há dois meses e rio toda vez. E continuarei rindo. Eu estou absolutamente tranquilo.
As ironias se seguiram até três meses atrás. Em julho, ao ser questionado em entrevista coletiva se não temia ser o próximo alvo, zombou da Polícia Federal:
— A porta da minha casa está aberta, podem ir a hora que quiserem. Eu acordo 6h. De preferência, não cheguem antes de 6h para não me acordarem.
Entre os pecados de Cunha na atuação política, integrantes da cúpula do PMDB dizem que ele não sabe ouvir, toma decisões isoladamente e acha que tudo se resume a dinheiro. 

Seu jeito direto e objetivo já afetou suscetibilidades de colegas mais preocupados em conquistar influência que turbinar seus caixas.
— Ele acha que tudo é dinheiro e não entende que tem gente que está na política por poder ou por vaidade — disse um integrante do PMDB.
Em Brasília, a voz corrente é que o presidente da Câmara ajudou a financiar a campanha de cerca de cem deputados. 

Não à toa, é com essa rede de proteção suprapartidária, além do poder de decidir sobre o impeachment, que o peemedebista conta para ter uma sobrevida, depois que a oposição formalmente o abandonou. Até pouco tempo atrás, Cunha dava o tom desse poder, e de seu estilo, em conversas reservadas.
— Tem duas coisas que só não resolvem quando é pouco: dinheiro e porrada — disse Cunha a mais de um interlocutor.
Além de sua visão de mundo, a frase mostra afinidade de Cunha com o doleiro Lúcio Bolonha Funaro, de quem é amigo.
— Aprendi na vida que há dois jeitos de resolver um problema. Ou é com dinheiro ou é na porrada — disse Funaro em entrevista publicada na edição de agosto da revista “Piauí”.
Funaro fez delação premiada no escândalo do mensalão, confessando ter realizado operações de lavagem de dinheiro. De acordo com o delator Júlio Camargo, consultor da empreiteira Toyo Setal, o doleiro foi um dos passageiros, no ano passado, de voos em táxi aéreo faturados como parte do pagamento de propina a Eduardo Cunha. Num dos voos, no dia 3 de agosto, Funaro e Cunha teriam viajado juntos.
Embora surpreenda deputados com a aparente tranquilidade em meio ao turbilhão, pessoas mais próximas disseram que Cunha está tenso, principalmente por causa do envolvimento da família (a mulher Cláudia Cruz e uma das filhas) no escândalo. 

A insistência em permanecer no cargo, como se nada tivesse ocorrido, é vista com assombro por muitos parlamentares. 

O deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) — que ajudou a eleger Cunha para a presidência da Câmara — chamou-o em mais de uma ocasião de “cínico e psicopata”.
SAÍDA IMINENTE É CONSENSO
Na Câmara, já é consenso que, mais cedo ou mais tarde, Cunha será obrigado a deixar o cargo. O processo de cassação do mandato do deputado no Conselho de Ética será aberto na primeira semana de novembro, e, ainda que de lá escape, aliados veem chances de ele deixar o posto a pedido do procurador-geral da República. Uma tese que vem sendo levantada é a de que, quando o Supremo acatar a denúncia contra Cunha — o que pode acontecer a qualquer momento —, ele será instado a se afastar do comando da Casa.
Essa é a conclusão defendida por aqueles que acreditam que, por se tratar do terceiro na linha sucessória, o caso do presidente da Câmara deve ser visto de forma análoga ao do presidente da República. 

Segundo a Constituição, o presidente fica suspenso de suas funções nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou queixa-crime pelo Supremo Tribunal Federal.
Enquanto não ocorre o desfecho de sua novela, Cunha permanece tentando caminhar adiante, alternando gestos de afago e ataques ao governo e à oposição, carregando sempre a caneta do impeachment como uma vareta de equilibrista sobre a corda bamba.

25 de outubro de 2015 às 8:25

Como Eduardo Cunha conquistou e encantou a ex-apresentadora da TV Globo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

  
D’O Globo de hoje:
A história de amor entre Cunha e Cláudia Cruz

Cássio Bruno, Chico Otavio e Marcelo Remigio

RIO – Nos anos 1990, Cláudia Cruz era a dona da voz da linha de 102 (que informava endereços de assinantes) da antiga Telerj. A ideia partiu de Eduardo Cunha, então presidente da empresa — designado pelo presidente Fernando Collor — e agora no comando da Câmara, que encantara-se pela jovem loura, após uma entrevista. A relação entre Cláudia e Cunha começava ali. “Ele é meu e eu o amo”, escreveu recentemente numa rede social.
Em 1997, ao exibir sua intimidade, Cláudia apareceu ao lado das duas filhas — a mais nova do relacionamento com Cunha — para a mensagem de fim de ano da Rede Globo, onde era uma das apresentadoras do telejornalismo: “o futuro já começou”. Dezoito anos depois, a mulher do parlamentar volta a ter a vida mostrada na TV. A nova aparição, porém, pode representar o começo de uma história capaz de levá-la junto com o marido e uma das enteadas ao banco dos réus do Supremo Tribunal Federal por lavagem e evasão de divisas.
Desde que surgiu a primeira denúncia envolvendo Cunha com propina na Lava-Jato, os investigadores apostavam na suspeita de que o parlamentar usava a família para esconder os ganhos ilegais. A descoberta de que Cláudia, de 48 anos, era a titular de uma das contas de Cunha na Suíça provou que eles estavam certos. Cerca de R$ 9,6 milhões foram bloqueados no exterior. Por decisão do STF, o dinheiro será transferido para o Brasil para uma conta judicial.

O patrimônio de Cunha proporciona uma vida de luxo. Cláudia pagou, por exemplo, US$ 59,7 mil por aulas de tênis no centro de treinamento do ex-tenista Nick Bollettieri, na Flórida, referência mundial do esporte. Uma frota de carros de luxo também foi identificada como do casal.
O inquérito acabou interrompendo a alegre agenda de primeira-dama da Câmara, expressa pelos sorrisos de Cláudia e comentários divulgados pela própria, nas redes sociais, sobre a experiência de viajar com o marido em missões oficiais mundo afora.
Cláudia é a segunda mulher de Cunha. No primeiro casamento, com Cristina Bastos Dytz, o deputado teve três filhos: Danielle, publicitária e apontada como uma das beneficiárias das contas na Suíça, Camilla e Felipe. Com a jornalista, ele teve Bárbara, conhecida como Babu.
Após a união, da antiga profissão de Cláudia, restou a sociedade com o marido na C3 Produções Artística e Jornalística, alvo da Lava-Jato. Ela também é sócia na loja de decoração Evandro Júnior, do amigo de mesmo nome que conheceu há mais de 30 anos. Mas hoje é conhecida nas rodas sociais por apreciar bons vinhos e alta gastronomia e acompanhar as tendências de moda com roupas de grife. Em 2011, o casal foi visto, em Paris, no restaurante La Tour D’Argent, um dos mais caros do mundo.
O gosto pela gastronomia de Cláudia é compensado por malhação na Companhia Atlética, academia de emergentes da Barra, onde chegava a bordo de um Porsche Cayenne prata. Ela é conhecida pelo guarda-roupas impecável e caro e pelas formas do corpo. Magra, perdeu peso após descobrir uma alergia a glúten. Ao contrário de Cunha, cuidadoso em esconder a vida pessoal do casal, Cláudia gosta de divulgar fotos da família e de aparições em colunas sociais. Admiradora de artes plásticas, também frequenta eventos de moda e encontros de mulheres.