Thaisa Galvão

9 de fevereiro de 2016 às 9:24

Mangueira ganha Estandarte de Ouro com desfile em homenagem a Maria Bethania [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Globo acaba de divulgar os vencedores do prêmio Estandarte de Ouro do carnaval do Rio de Janeiro.

Eis:

Mangueira ganha o Estandarte de Ouro de melhor escola

Verde e rosa levou para a Sapucaí enredo “Maria Bethania, a menina dos olhos de Oyá”
  

RIO – A Estação Primeira de Mangueira ganhou o Estandarte de Ouro de melhor escola do Grupo Especial. A verde e rosa, que encerrou os desfiles, levou para a Sapucaí o enredo “Maria Bethania, a menina dos olhos de Oyá”. 

O enredo autoral foi desenvolvido pelo carnavalesco Leandro Vieira, estreante no grupo especial. O Estandarte de Ouro é o tradicional prêmio de O Globo que coroa os destaques do carnaval.
O desfile da verde e rosa, que explorou a religiosidade da homenageada, foi dividido em seis setores: “cabeça feita num candomblé de Ketu”, “Bethânia: dos orixás e dos santos de altar”, “Um Brasil guardado na voz, um Brasil na opinião”, “Celebrando a obra musical da abelha rainha”, “Mangueira apresenta ‘o palco’ de Maria Bethânia”, “Santo Amaro e o céu de lona em verde e rosa”. São 28 alas e seis alegorias.
A filha de Dona Canô veio no último carro, o do circo, vestida por Gilda Midani.

COMISSÃO DE FRENTE

O Salgueiro ganhou o Estandarte de Ouro de melhor comissão de frente do Grupo Especial. A vermelha e branca levou para a Sapucaí o universo da malandragem, uma ópera clássica dividida em atos ao longo do desfile, desde o lado romântico dos cabarés à filosofia de botequim. A comissão de frente usou com uma fantasia de malandro da favela.

MESTRE SALA

Phelipe Lemos, da Vila Isabel, ganhou o Estandarte de Ouro de melhor mestre-sala do Grupo Especial. A escola retratou a vida e obra do cearense de berço e pernambucano de coração Miguel Arraes. O ex-governador completaria 100 anos.
Aos 26 anos, Lemos desfila no carnaval carioca desde 1998, quando estreou pela Acadêmicos do Cubango. 

PORTA BANDEIRA

Marcella Alves, do Salgueiro, ganhou o Estandarte de Ouro de melhor porta bandeira do Grupo Especial. Ela estava fantasiada de rainha dos mendigos. Com 23 anos de Marquês de Sapucaí, é a terceira vez que ela vence a premiação. A primeira vez foi 2001, também pelo Salgueiro, quando tinha apenas 17 anos. Em 2013, venceu desfilando pela Mangueira.

SAMBA ENREDO

A Portela ganhou o Estandarte de ouro de melhor samba enredo do Grupo Especial. De acordo com a comissão julgadora, os motivos foram a letra, a melodia e o efeito que provocou no público na avenida. A escola levou para a Sapucaí o enredo “O voo da Águia Portela, em 2016, nos conduzirá a lugares distantes, uma viagem sem fim que atravessa a história da humanidade”. O samba enredo é de composição de Samir Trindade, Wanderley Monteiro, Elson Ramires, Lopita 77, D-Menor e Edmar Jr.

PUXADOR

Ito Melodia, da União da Ilha do Governador, ganhou o Estandarte de Ouro de melhor puxador de samba do Grupo Especial. A escola da Zona Norte levou para a Sapucaí o enredo que tinha como pano de fundo as olimpíadas deste ano.

BATERIA

A Beija-Flor ganhou o Estandarte de Ouro de melhor bateria do Grupo Especial. A atual campeã do carnaval entrou na Marquês de Sapucaí com um enredo que conta a história de Cândido José de Araújo Viana. A escola usou o fato de que o Marquês de Sapucaí nasceu em Minas Gerais para erguer uma onda dourada na avenida que, por mero acaso, tem o nome dele. Cerca de metade da escola veio folheada a ouro, num luxo que lembrou a escola dos primeiros tempos de Joãosinho Trinta.
A bateria contou com a participação de músicos da Orquestra Maré do Amanhã. Antes de entrar na Avenida, a bateria fez um esquenta e lembrou o enredo sobre Guiné Equatorial, que venceu em 2015 o carnaval.

PASSISTA FEMININA

Amanda Mattos, da Mangueira, ganhou o Estandarte de Ouro de melhor passista feminina.

PASSISTA MASCULINO

Jonatan, da São Clemente, ganhou o Estandarte de Ouro de melhor passista masculino.

ALA DE PASSISTA

A Vila Isabel ganhou o Estandarte de Ouro de melhor ala de passistas do Grupo Especial.

ENREDO

O Salgueiro ganhou o Estandarte de Ouro de melhor enredo do Grupo Especial. A escola levou para a Sapucaí o universo da malandragem, uma ópera clássica dividida em atos ao longo do desfile, desde o lado romântico dos cabarés à filosofia de botequim.

ALA

“Cariocas são dourados”, da União da Ilha do Governador, ganhou o Estandarte de Ouro de melhor ala do Grupo Especial. Ela retratava personagens do Rio, como vendedor de matte, motorista de van, vendedor de picolé, entre outros.

REVELAÇÃO

 

 
O Estandarte de Ouro de revelação do Grupo Especial foi para Leandro Vieira, carnavalesco da Mangueira. O estreante, de 31 anos, teve a missão de colocar na avenida o desfile em homenagem a Maria Bethânia.

PERSONALIDADE
Monarco, na Portela, ganhou o Estandarte de Ouro de personalidade do Grupo Especial.

ALA DAS BAIANAS

A Estácio ganhou o Estandarte de Ouro de melhor ala das baianas do Grupo Especial. As baianas representaram o sincretismo de São Jorge com o orixá Ogum, cultuado pelos negros escravos que trabalhavam com ferro e fogo, nos idos do século XVII.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*