Thaisa Galvão

4 de abril de 2016 às 23:53

Estratégia do governo é não perder de goleada na comissão para ganhar no plenário [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da coluna Expresso, da revista Época Online:

PT e Planalto já preveem derrota na comissão do impeachment e querem evitar ‘goleada’

Sabendo que o viés é a favor do impedimento de Dilma, governo quer diferença pequena para tentar vencer no Plenário

RICARDO DELLA COLETTA

Diante da composição desfavorável para o governo da comissão do impeachment, deputados do PT já preveem uma derrota no colegiado.
A percepção negativa é reforçada pelo perfil do presidente e do relator da comissão, respectivamente Rogério Rosso e Jovair Arantes, considerados alinhados a Eduardo Cunha.

Por isso, a estratégia dos defensores da presidente Dilma Rousseff é mobilizar todos os esforços para evitar um placar elástico na comissão.
Quanto mais apertada for a votação, maiores as chances de reverter o resultado no Plenário da Câmara e salvar o mandato da presidente, analisam petistas.

4 de abril de 2016 às 23:23

NY Times fala dos escândalos da lava jato e compara Brasil à série ‘House of Cards’ [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Veja:
  
O jornal The New York Times (NYT) trouxe em sua manchete nesta segunda-feira uma reportagem especial sobre a crise política brasileira.
Os textos, assinados pelo correspondente Simon Romero, descrevem a Operação Lava Jato e relacionam os escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras e figuras centrais do governo com a crise política que afeta a governabilidade. Abaixo da chamada principal (Como a teia de corrupção enredou o Brasil, em tradução literal), ilustrada com uma grande foto da presidente Dilma Rousseff, há ainda imagens do senador Delcídio do Amaral e do ex-presidente Lula.

O jornal americano entrevistou o senador e explicou seu papel como um dos protagonistas da crise política. Delcídio, ex-líder do governo no Senado, foi preso acusado de obstrução da Justiça e fez um acordo de delação premiada para diminuir sua pena. Em seu depoimento, ele implicou a presidente Dilma e outros políticos do PT nos desmandos na Petrobras.

O texto do NYT cita que as delações de Delcídio atingiram não apenas figuras do PT como também de outros partidos, como o vice-presidente Michel Meter (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG)

Uma das reportagens relata a sensação de “pânico no Partido dos Trabalhadores”, mencionando gravações de políticos da legenda, como o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ministro-chefe do gabinete pessoal de Dilma, Jaques Wagner.

Os casos envolvendo o ex-presidente Lula, como as reformas pagas por empreiteiras em um sítio em Atibaia e a compra de um tríplex no Guarujá também são citados.

Seriado – O jornal americano levou a crise política brasileira a um passo além nas comparações com seriados.
O atual quadro político brasileiro é frequentemente comparado às tramas do seriado House of Cards, que narra os bastidores sórdidos de Washington.
Para o NYT, porém, o enredo político nacional se parece mais com Game of Thrones – série que narra a violenta disputa pelo poder em um mundo fictício.

4 de abril de 2016 às 22:45

Fala demais [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Defendo a tese de que tirar Dilma para botar Temer é trocar 6 por meia dúzia.
Mas, não dá para aceitar a declaração de Lula feita nesta segunda-feira no evento com metalúrgicos em São Bernando do Campo.

“Não tenho nada contra Michel Temer. A única coisa que poderia falar é ‘companheiro, Temer, se você quer ser presidente, dispute a eleição, meu filho'”.

Pois bem…
Temer acompanhou Dilma nos palanques em duas eleições e foi votado com ela.
Pelo menos isso.
Mas…e Lula?
Que está presidindo o Brasil sem ter tido nem ao menos o voto de vice, ou seja, o voto de carona.

Legal ou não, bacana ou não, durante esse mandato Temer ainda pode ser presidente.
Já Lula…

4 de abril de 2016 às 22:01

Filha de Paulo Brossard reage no twitter às citações feitas a ele pelo ministro José Eduardo Cardozo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Filha do jurista e ex-ministro da Justiça Paulo Brossard, já falecido, Magda Brossard reagiu às citações feitas a ele pelo advogado geral da União, José Eduardo Cardozo, que defendeu a presidente Dilma Rousseff das acusações de ‘pedaladas fiscais’.

E abriu o bocão no twitter:

  
  
  

4 de abril de 2016 às 21:18

STF ainda sem prazo para decidir sobre posse de Lula na Casa Civil [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ex-presidente Lula disse no sábado em Fortaleza que deveria tomar posse como ministro da Casa Civil na quinta-feira…

Até agora…não vai dar.
O ministro do STF Teori Zavascki rejeitou hoje duas ações que questionavam a legalidade da posse.
A nomeação de Lula continua suspensa pela liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes em outros dois processos. 

Ainda não há prazo para que o caso seja analisado pelo plenário do Supremo.

4 de abril de 2016 às 21:01

Defesa de Dilma: Para Cardozo, impeachment sem crime de responsabilidade é “golpe de Estado” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1

Ministro Cardozo diz que processo de impeachment foi aberto por ‘vingança’

Para ele, Cunha agiu contra petistas que quiseram investigá-lo em conselho. Advogado-geral da União foi à comissão do impeachment defender presidente.
Por Fernanda Calgaro e Nathalia Passarinho

Brasília

  

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta segunda-feira (4) que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff que tramita na Câmara foi aberto por “vingança” do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 
VEJA OS DETALHES E A ÍNTEGRA DA DEFESA APRESENTADA POR CARDOZO

http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/04/em-comissao-cardozo-nega-crime-de-responsabilidade-de-dilma.html

4 de abril de 2016 às 17:55

Indicado de Henrique é afastado da presidência da Codern [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Indicado do ex-ministro Henrique Alves, na cota do PMDB, o diretor-presidente da Codern, Emerson Fernandes, deixa o cargo.

Assume interinamente o diretor técnico comercial Hanna Safieh.

O afastamento de Emerson foi informado pela Secretaria Nacional dos Portos.

Hanna é indicado do PT.

  

4 de abril de 2016 às 17:29

Relator da comissão de impeachment diz que além de pedaladas vai incluir política no relatório [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do deputado Jovair Arantes (PTB), que até quinta-feira apresentará o relatório da Comissão de Impeachment:

“Claro que ao fazer um relatório desse tamanho, com essa amplitude e com todos esses problemas que têm, você não pode ignorar a questão política, não pode ignorar as questões das ruas, não pode ignorar as questões do governo, a ponderação que o governo também faz”, disse o relator.

“Então você tem que fazer um contraponto entre tudo, e todas essas questões podem estar no relatório. Não podem estar no meu voto”, completou.

O deputado deverá incluir as suspeitas sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA) no relatório.
Mas não no voto dele, como tem deixado bem claro.

4 de abril de 2016 às 16:42

Secretário de Saúde de Natal sente dor no peito e coloca stent no coração [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Secretário de Saúde da Prefeitura de Natal, Luiz Roberto Fonseca sentiu uma dor no peito hoje e foi à Promater.
Se submeteu a um cateterismo e os médicos optaram por colocar um stent.
Mas, segundo o médico e irmão do secretario, Ney Fonsêca, ele passa bem e não chegou a sofrer infarto.

4 de abril de 2016 às 13:32

Mãe de bebê reclama que tem vacina e seringa mas falta a agulha no posto de saúde de Cidade Satélite [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Leitora do Blog manda recado para a Secretaria de Saúde do Município de Natal.

Ela disse que foi hoje ao Posto de Saúde de Cidade Satélite para vacinar o filho de 6 meses.

Vacina tinha, seringa também, mas….cadê a agulha?

Nem sinal.

A leitora saiu do posto para comprar na farmácia e disse ao Blog que iria comprar pelo menos umas 10 para doar ao Posto.

Dado o recado.

4 de abril de 2016 às 11:52

José Eduardo Cardozo apresenta hoje defesa de Dilma sobre pedaladas fiscais [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O processo de impeachment é o assunto da semana em Brasília.
Hoje o advogado geral da União, José Eduardo Cardozo vai à Câmara apresentar a defesa da presidente Dilma Rousseff.
Cardozo vai explicar porque as pedaladas fiscais não implicam no afastamento da chefe do Executivo.

A defesa de Dilma será apresentada hoje, e depois de amanhã o relator da Comissão do Impeachment, deputado Jovair Arantes, apresentará o relatório, que será votado.
Caso aprovado na Comissão, o processo seguirá para votação no plenário, o que deverá começar na segunda-feira, dia 11.
Como são 65 deputados na comissão, a votação, com participação oral de cada um, deverá durar de 3 a 4 dias.

Na defesa de Dilma, Cardozo vai dizer que a prática das pedaladas fiscais de 2014 começaram ainda no governo Fernando Henrique Cardoso, com aval total do Tribunal de Contas da União (TCU).

4 de abril de 2016 às 11:34

Momento político acirra ânimos entre adversários, amigos e até familiares [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Quando a gente acha que as brigas políticas são exclusivas das timelines potiguares…

Da Folha de hoje:

Crise política causa brigas familiares e ‘ânimo belicoso’

JULIANA GRAGNANI
DE SÃO PAULO

“Nóis mata você na porrada, tio”, dizia uma das cerca de 60 mensagens recebidas pela professora de português Caroline Borges, 29, às 21h do dia 16 de março, uma quarta-feira. Naquela noite, seu celular tocou sem parar. Quando ela atendia, ouvia insultos.

Recuperada do susto e dos xingamentos, ela respondeu pacientemente a cada uma: “Não sou o Lula. Você anotou o número errado”.

Um telejornal veiculara a transcrição das conversas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff sem ocultar o número de telefone usado pelos dois, como é praxe. Parte dos espectadores embaralhou o último número que teria sido usado por Lula –um 4 por 9– e chegou no telefone da professora.

Mas, mesmo após ler que aquele número não era de Lula, as pessoas continuaram a insultá-la. “Querem xingar alguém, não importa quem”, diz ela, que ainda é adicionada a grupos de WhatsApp em que é atacada pelos participantes. Ela sai dos grupos, mas é adicionada novamente. “As pessoas se impõem. Não querem linchar sozinhas, querem linchar em grupo.”

A escalada da crise política e a polarização revelaram o lado agressivo de parte dos brasileiros. Agora, há quem pense duas vezes antes de sair de casa de vermelho ou verde e amarelo, já que pessoas já foram hostilizadas na rua por causa da cor da roupa.

INTOLERÂNCIA

Só na semana passada: quatro pessoas pararam de carro em frente à casa do jornalista Juca Kfouri, colunista da Folha, gritando que ele era um “maldito, fdp e petista!”; uma pediatra interrompeu o atendimento a uma criança porque sua mãe é petista; um grupo anti-PT ofereceu R$ 1.000 para quem hostilizasse o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) no restaurante em que jantava; a editora 34 foi acusada de censura por declinar um romance do escritor Antonio Risério que criticava, de forma implícita, a campanha eleitoral de Dilma.

(A editora diz que não é censura: havia “problemas de ordem literária” no original submetido por Risério.)

Na semana anterior, uma peça em Belo Horizonte foi interrompida por vaias da plateia. Num improviso, o ator Claudio Botelho chamara Dilma e Lula de ladrões. O espetáculo foi interrompido.

O ministro da Justiça, Eugênio Aragão, falou em uma “psicose coletiva” no país. Essa intolerância política causou brigas entre familiares, fora as discussões pela internet.

Ter votado em Dilma em 2014 rendeu à mestre cervejeira Marcela Brandão, 25, o silêncio de sua irmã, 35, eleitora de Aécio. As duas não se falam há um ano. “Isso gerou um tabu”, diz ela, que já não fala sobre política com a família. “Mas eles sabem que minha posição é oposta à deles e fazem questão de me afrontar indiretamente em almoços de família e no Facebook.”

Na família da estudante de direito Roberta Souza (nome fictício –ela tem medo de retaliações em casa), 20, quem não foi a manifestações pró-impeachment levou bronca. Num almoço, o tio da estudante foi tirar satisfações com a sobrinha: Por que não tinha saído às ruas, se a gestão da presidente é péssima, assim como o estado da economia?

Contrária ao impedimento por achar que “pedaladas fiscais não o legitimam”, Roberta tentou argumentar por meia hora, mas desistiu. Ela e a mãe, que deseja a saída de Dilma, não conversam mais sobre política em casa.

Para o economista e sociólogo Eduardo Giannetti, os ânimos no país são comparáveis àqueles que precederam o golpe de 1964 ou do período de mobilização pelas eleições diretas, em 1984.

Giannetti, que foi assessor de Marina Silva em suas campanhas para a Presidência em 2010 e 2014, diz que a crise econômica causa ansiedade e insegurança. Aliado ao conflito político, “exacerba um ânimo belicoso” em parte da sociedade. Para ele, a tecnologia é significativa para o processo de mobilização, mas “espalha os sentimentos de raiva com muita força”.

SÓ SE FALA NISSO

O feriado da Páscoa que se seguiu às semanas de noticiário quente, com a divulgação dos grampos de Lula e seu dia “ministro-não-ministro-ministro-não-ministro”, foi um respiro para o professor de inglês Rodney Petrocini, 27.

“Me isolei em casa. Não queria falar sobre política com ninguém”, diz. É sempre esse o assunto escolhido pelos estudantes nas aulas particulares que dá. Na terça passada (29), tentou evitar as notícias. Almoçava tranquilamente num shopping sem consultar o celular, quando entreouviu a conversa da mesa ao lado: o PMDB rompera com o governo. Conversa da maioria das mesas nos restaurantes, aliás.

“Estava almoçando com o pessoal do trabalho e só falamos sobre isso”, comentou o economista Guilherme Augusto, 26, também na terça (29). “Como trabalhamos num banco, [a crise] afeta diretamente. O que me incomoda é a caça às bruxas. Em grupos de WhatsApp tá feio o negócio.”

Para a dentista Treice Fagundes Lima, 30, que foi a manifestações pró-impeachment, é preferível que haja o máximo de notícias e discussões. “É bom para sabermos o que nos espera”, afirma.

4 de abril de 2016 às 10:01

Chama atenção a ausência do secretário de Saúde na reunião com o governador [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O governador Robinson Faria está reunido neste momento com parte do secretariado.
Cobrança de metas é a pauta do dia.
Mas…uma ausência sentida e questionada, porém, com metas a cumprir: do secretário de Saúde, Ricardo Lagreca.
Entre secretários e diretores de autarquias, 18 presentes.
A reunião acontece na Escola de Governo.

A ausência do secretário de Saúde levanta uma…pergunta que não quer calar.
Ele continua?

Ontem o governador, questionado pelo Blog, confirmou que fará mudanças devido a saída de alguns auxiliares que vão disputar mandatos em outubro.
E afirmou que algumas alterações são naturais em um governo com mais de um ano.

4 de abril de 2016 às 9:50

Henrique Alves: “Não nasci ministro, nasci PMDB” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do ex-ministro Henrique Alves, agora há pouco, no Holiday Inn, participando do Motores do Desenvolvimento, promovido pela Tribuna do Norte, justificando sua saída do Ministério do Turismo.

“Não nasci ministro, nasci PMDB”.

Da bancada federal do Rio Grande do Norte, presença única do senador Garibaldi Filho. Do PMDB.
O governador Robinson Faria não pôde comparecer. Está reunido com secretários e logo depois embarca para Brasília.

De convidado, Douglas Finardi Ferreira, diretor do Departamento de Políticas de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento.

4 de abril de 2016 às 1:18

Negado habeas corpus para liberar Silvinho Pereira, ex-secretário geral do PT [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Veja:
Justiça nega habeas corpus para ex-secretário geral do PT

Silvinho Pereira foi preso na 27ª fase da Operação Lava Jato, na última sexta
  
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, negou neste domingo o pedido de liminar para habeas corpus do ex-secretário geral do PT, Silvio Pereira, o Silvinho. Ele teve a prisão temporária decretada na última sexta-feira, durante a 27ª fase da Operação Lava Jato, denominada Carbono 14. Ele foi citado na delação premiada do lobista e operador do PT Fernando Moura.
Segundo a força-tarefa que investiga os crimes cometidos pelo esquema de corrupção na Petrobras e em empreiteiras, Silvinho Pereira recebeu cerca de 1,6 milhão de reais de fornecedores da estatal e do próprio PT nos últimos anos, dinheiro que ao menos em parte teria sido desviado de forma ilegal. Não foram encontradas evidências de que Silvinho teria prestado serviços que justificassem pagamentos tão elevados. A suspeita é que o dinheiro tenha sido destinado ao ex-secretário do PT como uma espécie de mesada para que ele permanecesse em silêncio sobre o que sabe do esquema que existia na Petrobras e sobre o Mensalão.

4 de abril de 2016 às 0:13

BBB: Potiguar Maria Cláudia vai para a final com Munik [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E a potiguar Maria Cláudia já tem concorrente na final do Big Brother Brasil 2016: Munik.

No último paredão do programa, Ronan foi eliminado.

A final será terça-feira e a campeã levarã um milhão e meio de reais.

“Por acreditar tanto em um sonho, mereço ganhar”, disse Cacau (Maria Claudia) dizendo no confessionário porque tem que ganhar o prêmio de 1,5 milhão.