Thaisa Galvão

17 de abril de 2016 às 23:53

7: o número do Impeachment [2] Comentários | Deixe seu comentário.

Terminada a votação, a presidência da Câmara declarou autorizada a instauração de processo de impeachment da presidente da República Dilma Rousseff.
Eis o resultado oficial da sessão que focou no número 7…neste domingo 17…

Sim – 367
Não – 137
Abstenção – 7
Ausentes – 2
Total – 511

17 de abril de 2016 às 23:45

Dilma reúne ministros e aliados para discutir o dia seguinte [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Estadão:
Ministros começam a chegar ao Alvorada para reunião com Dilma
GUSTAVO AGUIAR E GUSTAVO PORTO
BRASÍLIA – Diante da iminente derrota na Câmara, a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião com ministros e parlamentares da base aliada no Palácio da Alvorada. Chegaram há pouco ao local os ministros Juca Ferreira (Cultura), Aldo Rebelo (Defesa).
A ideia é unificar o discurso de que a derrota é momentânea e que o governo continuará lutando para derrotar o impeachment no Senado. O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães, já deu declarações neste sentido.
Com a votação na Câmara encaminhando para o fim, o governo também reforçou a segurança nas proximidades do Alvorada e do Palácio do Jaburu. Um grande número de efetivo chegou há pouco no local.
Dilma passou o dia no Alvorada, onde assistiu à sessão da Câmara ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministros do núcleo duro do governo, como Jaques Wagner (Gabinete Pessoal). Ela escalou o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, para dar uma declaração à imprensa após a votação ser encerrada.

17 de abril de 2016 às 23:36

tvTG: Natalenses comemoraram os dois terços dos votos [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Natalenses favoráveis ao impeachment, comemoraram o resultado assim que o placar alcançou dois terços dos votos.

Os manifestantes que estavam na Praça Cívica soltaram fogos.

17 de abril de 2016 às 23:29

PT quer que Dilma envie ao Congresso proposta reduzindo mandato e convocando eleições já para outubro [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Mônica Bérgamo, na Folha:

PT e ministros defendem que Dilma reduza mandato e lance ‘diretas já’

O diretório do PT deve discutir na terça-feira (19) que Dilma Rousseff envie ao Congresso Nacional proposta de redução de seu próprio mandato e de convocação de eleições presidenciais ainda neste ano, junto das eleições municipais do país.
A ideia é que a presidente anuncie que abre mão de dois anos de mandato mesmo que chegue a ser inocentada de crimes de responsabilidade pelo Senado, que julgará se a petista é ou não inocente e se deve ser afastada em definitivo do cargo, consumando o impeachment.

No mesmo projeto, Dilma estabeleceria que, assim como ela ficou seis anos na Presidência, o sucessor, escolhido pelo voto direto, teria mandato de seis anos, sem reeleição.
Há pequenas variações em torno do tema. Alguns dirigentes do PT, por exemplo, acreditam que Dilma não deve incluir na proposta de eleições a sugestão de novo período para o mandato presidencial nem o fim da reeleição.
Outros têm dúvidas sobre a conveniência de a própria presidente figurar oficialmente como autora da proposta ou se o melhor seria ela apenas encaminhar a sugestão do partido, que seria assinada também por outras legendas.

A ideia de redução do mandato de Dilma e da convocação de “diretas já”, se aprovada no PT, pode ser levada oficialmente à presidente nos próximos dias.
A proposta conta com apoio entusiasmado de parlamentares do partido e até mesmo de ministros. Outras legendas já foram informadas e podem aderir a ela.

O discurso será o de que Dilma busca uma solução para a grave crise política que o Brasil atravessa, mas que não será resolvida por um presidente, Michel Temer, que não teria legitimidade por chegar ao poder por meio de um “golpe”, segundo os que defendem a tese, e de forma indireta.
Um presidente eleito diretamente teria legitimidade e maior apoio para comandar o país em situação tão delicada, defendem. Ao mesmo tempo, acreditam, a população não seria “excluída” da solução do problema, como ocorreria no impeachment.

“Quem foi às ruas contra o governo queria Temer na presidência e Eduardo Cunha como seu vice? O Temer não tem legitimidade. Ele se aproveitou de manifestações populares para assaltar o poder”, diz o senador Lindberg Farias (PT-RJ). “Ele tem 60% de rejeição e só 1% de votos. Se esse golpe contra a Dilma se confirmar, não tenho dúvida de que ele cai em seis meses, pela pressão da população por ‘diretas já’.”

Ele diz que já discutiu a ideia com alguns senadores do PT e que os parlamentares deram apoio a ela. Afirma também que já conversou com senadores do PDT e do PSB, por exemplo, e que um projeto de diretas teria o apoio de integrantes de outros partidos.
A proposta também já é discutida na Câmara. O deputado Wadih Damous (PT-RJ) afirma que “as ‘diretas já’ são única solução para a crise que será agravada se vingar esse golpe contra a presidente”.
O deputado Alessandro Molon, da Rede, afirma que seguramente o partido “estaria aberto a discutir a conveniência da proposta, pois já vinha defendendo a realização de eleições”.

17 de abril de 2016 às 23:21

tvTG: Voto que definiu pela aprovação do processo de impeachment foi do PSDB de Pernambuco [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Foi de Pernambuco de Eduardo Campos, o presidenciável que morreu em plena campanha, que saiu o voto que definiu a aprovação, pela Câmara, do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
O voto de número 342 foi do deputado Bruno Araújo, do PSDB.

O resultado agora encaminha o processo para o Senado.

17 de abril de 2016 às 23:11

tvTG: Jean Wyllis diz que votação foi conduzida “por um ladrão” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Deputado polêmico do PSOL, Jean Wyllis votou enrolado em uma bandeira vermelha.

E declarou que a votação era na verdade uma eleição conduzida “por um ladrão”.

17 de abril de 2016 às 22:58

tvTG: Aleluia diz em sua declaração de voto que “Dilma roubou” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado baiano José Carlos Aleluia, do DEM, não economizou nas palavras ao dizer que há 13 anos seu partido faz oposição aos governos do PT…e ao dizer que a presidente Dilma “roubou”.

Assim mesmo.

17 de abril de 2016 às 22:20

tvTG: O voto do deputado Rogério Marinho acompanhado no pátio da Esplanada dos Ministérios [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do lado de fora do Congresso, na Esplanada dos Ministérios, telões transmitem a votação que acontece no plenário.

No vídeo abaixo, o registro de manifestantes acompanhando o voto do deputado potiguar Rogério Marinho (PSDB).

17 de abril de 2016 às 21:59

tvTG: Veja como votou a bancada do Rio Grande do Norte [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Placar já esperado de 7 X 1 na bancada do Rio Grande do Norte.
Os deputados Antônio Jácome (PTN), Beto Rosado (PP), Fábio Faria (PSD), Felipe Maia (DEM), Rafael Motta (PSB), Rogério Marinho (PSDB) e Walter Alves (PMDB) votaram Sim, pela continuidade do processo de impeachment.
A deputada Zenaide Maia (PR) manteve o voto pela permanência da presidente Dilma Rousseff no cargo.
No vídeo, os 8 votos:

17 de abril de 2016 às 21:02

Líder do PMDB justifica ausência de deputado cearense [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani justificou a ausência do deputado cearense Aníbal Gomes.

Disse que o mesmo se submeteu a uma cirurgia e estava na UTI.

17 de abril de 2016 às 21:01

#foraCunha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Entre um voto e outro, da bancada do Rio de Janeiro, vaias e #foraCunha para o presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

17 de abril de 2016 às 20:52

Eduardo Cunha é vaiado após declarar voto pelo impeachment [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Voto do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do PMDB:
“Que Deus tenha misericórdia dessa nação.
Voto sim”.
Foi vaiado.

17 de abril de 2016 às 20:50

Clarissa Garotinho, do PR, é a segunda ausência registrada [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mais uma ausência registrada na votação do impeachment.
Da deputada Clarissa Garotinho, do PR do Rio de Janeiro.
Ela está com 35 semanas de gravidez e disse que o médico pediu para repousar.
Tá…

17 de abril de 2016 às 20:43

Primeira ausência registrada é do PMDB do Ceará [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Primeiro deputado ausente registrado na votação do processo de impeachment na Câmara Federal: o deputado Aníbal Gomes, do Ceará.
Parlamentar do PMDB.

17 de abril de 2016 às 20:37

Henrique diz que Temer acompanha voto a voto e não se pronunciará pois a caminhada “ainda é longa” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ex-ministro Henrique Alves (PMDB) que acompanha a votação neste momento no Palácio do Jaburu, ao lado do vice-presidente Michel Temer, disse ao Blog que estão acompanhando voto a voto “com muita responsabilidade” e que não haverá pronunciamento terminada a votação.

“Michel tranquilo, sereno, seu estilo de sempre.Hora de muita responsabilidade.Longa caminhada ainda”, declarou Henrique.

17 de abril de 2016 às 20:19

Veja foto de Henrique Alves e Michel Temer acompanhando a votação do impeachment nos sofás do Palácio Jaburu [1] Comentários | Deixe seu comentário.

No Palácio do Jaburu, o vice-presidente Michel Temer assistindo à votação do processo de impeachment na Câmara.

Coladinho com o ex-ministro Henrique Alves e o senador Romero Jucá, presidente em exercício do PMDB.

As caras são de felicidade…

“Com absoluta serenidade”, disse Henrique ao Blog.

  

17 de abril de 2016 às 18:54

tvTG: Potiguar Alfredo Nascimento renuncia à presidência nacional do PR para votar pelo impeachment de Dilma [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Presidente nacional do PR, o ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Alfredo Nascimento, que é do Rio Grande do Norte, acaba de renunciar ao comando da legenda…
É que o PR havia definido permanecer na base de apoio da presidente Dilma Rousseff, mas ele decidiu seguir a voz das ruas do Amazonas, estado que já governou e pelo qual é deputado.

17 de abril de 2016 às 18:08

“Coincidência”: Votação começou pelo PMDB do Rio de Janeiro e de Eduardo Cunha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A votação do processo de impeachment começaria por Roraima, mas…terminou começando pelo Rio de Janeiro, estado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Detalhe: pelo PMDB do Rio de Janeiro.

O deputado enfermo precisava ir para o hospital e a exceção foi aberta para que ele votasse:

17 de abril de 2016 às 17:30

tvTG: Zenaide Maia reafirma apoio ao governo Dilma Rousseff [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No plenário da Câmara, a deputada Zenaide Maia (PR) reafirma seu voto contra o impeachment.

Zenaide reforça o time de apoio à presidente Dilma Rousseff.

17 de abril de 2016 às 17:25

Dilma Rousseff entre uma nota indignada e um pronunciamento na TV [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No Palácio da Alvorada, onde está com o ex-presidente Lula e alguns ministros, a presidente Dilma Rousseff já definiu:
Se perder hoje na Câmara, emitirá nota de indignação.
Se conseguir 171 votos, fará pronunciamento na TV.

A votação começa daqui a pouco.