Holiday

Thaisa Galvão

20 de Maio de 2017 às 16:47

Fim de semana de grandes shows na festa de Santa Rita de Cássia em Santa Cruz [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O município de Santa Cruz está em festa comemorando a padroeira, Santa Rita de Cássia.

E o ponto alto do evento que começou há uma semana, será neste final de semana com shows no pátio da Igreja Matriz.

Segundo a organização do evento, tem sido intensa a procura por reservas de mesas e aquisição antecipada de ingressos para os shows das bandas Comitiva, Jonas Esticado e Mano Walter.

 

Os festejos religiosos de Santa Rita de Cássia estão movimentando o turismo local e atraindo para Santa Cruz visitantes de Natal, de outros municípios do interior e de estados vizinhos como a Paraíba e Pernambuco.

Os hotéis estão com alta taxa de ocupação.

No domingo também terá a tradicional Feirinha de Santa Rita.

 

Na segunda-feira será o encerramento das comemorações da padroeira com missa no Santuário de Santa Rita, presidida por Dom Jaime Vieira Rocha, Arcebispo Metropolitano de Natal.

Às 16 horas será a procissão que deverá reunir cerca de 50 mil pessoas.

20 de Maio de 2017 às 15:48

Em pronunciamento, Temer diz que grupo JBS quebrou o Brasil e ficou milionário [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do presidente Michel Temer sobre os delatores do grupo JBS:

“Quebraram o país e ficaram milionários”.
Veja o pronunciamento feito há pouco:

20 de Maio de 2017 às 13:53

Com gravação sob suspeita, Temer vai pedir suspensão das investigações contra ele [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente Michel Temer vai fazer um pronunciamento daqui a pouco, às 14 horas.
Temer vai pedir ao Supremo Tribunal Federal a suspensão do inquérito aberto contra ele por corrupção, obstrução de justiça e formação de organização criminosa.
O advogado criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, que defende o presidente, argumenta que a investigação não pode prosseguir enquanto não for analisada a validade da gravação de uma conversa entre o presidente e o empresário Joesley Batista.

20 de Maio de 2017 às 13:46

Joesley Batista já vendeu sabão Minuano em Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mega-milionário do governo Lula para cá, o Friboi Joesley Batista já andou por Natal.

Foi no tempo que representava o sabão Minuano e visitava o mercado potiguar.

Pessoas com quem mantinha contato naqueles tempos já encontraram com ele depois do governo Lula dizem que ele continua o mesmo simples, filho de dono de açougue em Brasília.
Mudou a conta bancária, os valores…

20 de Maio de 2017 às 10:34

A riqueza de Joesley contada por sua mulher [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Dos tempos do sabão Minuano para cá, só riqueza…

Como mostra a jornalista, ex-apresentadora do SBT, que casou por amor com Joeslei Batista.

20 de Maio de 2017 às 10:30

A capa de jornal que você respeita [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Uma capa de jornal que você respeita:

Quem é que paga para as Odebrechts e Fribois da vida ficarem assim?

Os governos, claro.

Ops…

O povo.

Nós!

20 de Maio de 2017 às 10:27

Perícia mostra que áudio da conversa de Joesley com Temer foi todo montado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A delação do empresário Friboi Joesley Batista merece reparação, se é que é verdade o que diz a Folha de S. Paulo de hoje.

Porque se o cara foi capaz de editar uma declaração para montar uma declaração ao seu bel prazer, do que mais ele é capaz?
Diferente dos depoimentos do empresário Emílio Odebrecht, a delação dos donos da Friboi começam a ficar dignas de maior avaliação.

Não descartadas, claro, mas, melhor investigadas.

JOSÉ HENRIQUE MARIANTE

SECRETÁRIO-ASSISTENTE DE REDAÇÃO

MATHEUS MAGENTA

EDITOR DE CULTURA

DAIGO OLIVA

EDITOR-ADJUNTO DE IMAGEM
Uma perícia contratada pela Folha concluiu que a gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer sofreu mais de 50 edições.
O laudo foi feito por Ricardo Caires dos Santos, perito judicial pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.
Segundo ele, o áudio divulgado pela Procuradoria-Geral da República tem indícios claros de manipulação, mas “não dá para falar com que propósito”.
Afirma ainda que a gravação divulgada tem “vícios, processualmente falando”, o que a invalidaria como prova jurídica.
“É como um documento impresso que tem uma rasura ou uma parte adulterada. O conjunto pode até fazer sentido, mas ele facilmente seria rejeitado como prova”, disse Santos.
Segundo disse à Folha a Procuradoria, a gravação divulgada é “exatamente a entregue pelo colaborador e sua autenticidade poderá ser verificada no processo”.
“Foi feita uma avaliação técnica da gravação que concluiu que o áudio revela uma conversa lógica e coerente”, declarou a Procuradoria na noite desta sexta (19).
A gravação não passou pela Polícia Federal, que só entrou no caso no dia 10 de abril. O áudio, feito pelo empresário na noite de 7 de março, foi entregue diretamente à PGR e é anterior à fase das ações controladas.
Em um dos trechos editados, o empresário pergunta ao peemedebista sobre sua relação naquele momento com o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato. As duas respostas de Temer sofreram cortes.
O trecho na gravação divulgada permite o seguinte entendimento:
“Tá.. Ele veio [corte] tá esperando [corte] dar ouvido à defesa.. O Moro indeferiu 21 perguntas dele… que não tem nada a ver com a defesa dele”
“Era pra me trucar, eu não fiz nada [corte]… No Supremo Tribunal totalidade só um ou dois [corte]… aí, rapaz mas temos [corte] 11 ministros”
Em depoimento posterior à PGR, Joesley disse que nesse momento o presidente dizia ter influência sobre ministros do STF.
“Ele me fez um comentário curioso que foi o seguinte: ‘Eduardo quer que eu ajude ele no Supremo, poxa. Eu posso ajudar com um ou dois, com 11 não dá’. Também fiquei calado, ouvindo. Não sei como o presidente poderia ajudá-lo”, afirmou.
Em outro trecho cortado, o empresário, enquanto explica a Temer que “deu conta” de um juiz, um juiz substituto e um procurador da República, declara: “…eu consegui [corte] me ajude dentro da força-tarefa, que tá”.
No momento mais polêmico do diálogo, quando, segundo a PGR Temer dá anuência a uma mesada de Joesley a Cunha, a perícia não encontrou edições. O trecho, no entanto, apresenta dois momentos incompreensíveis, prejudicados por ruídos.
Em entrevista à Folha, outro perito, Ricardo Molina, que não fez uma análise formal do áudio, declarou que a gravação é de baixa qualidade técnica.
Para ele, uma perícia completa e precisa obrigaria a verificação também do equipamento com que foi feita a gravação.
“Percebem-se mais de 40 interrupções, mas não dá para saber o que as provoca. Pode ser um defeito do gravador, pode ser edição, não dá para saber.”
Para o perito judicial Ricardo Caires dos Santos, não há hipótese de defeito.
Procurada para comentar o assunto, a assessoria da JBS disse que a empresa não vai comentar.
Conforme revelou o Painel nesta sexta-feira (19), o Planalto decidiu enviar a peritos a gravação, desconfiando de edição da conversa.
Comprovada a existência de montagem, o governo vai reforçar a tese de que Temer foi vítima de uma “conspiração”.

Uma perícia contratada pela Folha concluiu que a gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer sofreu mais de 50 edições.
O laudo foi feito por Ricardo Caires dos Santos, perito judicial pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.
Segundo ele, o áudio divulgado pela Procuradoria-Geral da República tem indícios claros de manipulação, mas “não dá para falar com que propósito”.
Afirma ainda que a gravação divulgada tem “vícios, processualmente falando”, o que a invalidaria como prova jurídica.
“É como um documento impresso que tem uma rasura ou uma parte adulterada. O conjunto pode até fazer sentido, mas ele facilmente seria rejeitado como prova”, disse Santos.
Segundo disse à Folha a Procuradoria, a gravação divulgada é “exatamente a entregue pelo colaborador e sua autenticidade poderá ser verificada no processo”.
“Foi feita uma avaliação técnica da gravação que concluiu que o áudio revela uma conversa lógica e coerente”, declarou a Procuradoria na noite desta sexta (19).
A gravação não passou pela Polícia Federal, que só entrou no caso no dia 10 de abril. O áudio, feito pelo empresário na noite de 7 de março, foi entregue diretamente à PGR e é anterior à fase das ações controladas.
Em um dos trechos editados, o empresário pergunta ao peemedebista sobre sua relação naquele momento com o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato. As duas respostas de Temer sofreram cortes.
O trecho na gravação divulgada permite o seguinte entendimento:
“Tá.. Ele veio [corte] tá esperando [corte] dar ouvido à defesa.. O Moro indeferiu 21 perguntas dele… que não tem nada a ver com a defesa dele”
“Era pra me trucar, eu não fiz nada [corte]… No Supremo Tribunal totalidade só um ou dois [corte]… aí, rapaz mas temos [corte] 11 ministros”
Em depoimento posterior à PGR, Joesley disse que nesse momento o presidente dizia ter influência sobre ministros do STF.
“Ele me fez um comentário curioso que foi o seguinte: ‘Eduardo quer que eu ajude ele no Supremo, poxa. Eu posso ajudar com um ou dois, com 11 não dá’. Também fiquei calado, ouvindo. Não sei como o presidente poderia ajudá-lo”, afirmou.
Em outro trecho cortado, o empresário, enquanto explica a Temer que “deu conta” de um juiz, um juiz substituto e um procurador da República, declara: “…eu consegui [corte] me ajude dentro da força-tarefa, que tá”.
No momento mais polêmico do diálogo, quando, segundo a PGR Temer dá anuência a uma mesada de Joesley a Cunha, a perícia não encontrou edições. O trecho, no entanto, apresenta dois momentos incompreensíveis, prejudicados por ruídos.
Em entrevista à Folha, outro perito, Ricardo Molina, que não fez uma análise formal do áudio, declarou que a gravação é de baixa qualidade técnica.
Para ele, uma perícia completa e precisa obrigaria a verificação também do equipamento com que foi feita a gravação.
“Percebem-se mais de 40 interrupções, mas não dá para saber o que as provoca. Pode ser um defeito do gravador, pode ser edição, não dá para saber.”
Para o perito judicial Ricardo Caires dos Santos, não há hipótese de defeito.
Procurada para comentar o assunto, a assessoria da JBS disse que a empresa não vai comentar.
Conforme revelou o Painel nesta sexta-feira (19), o Planalto decidiu enviar a peritos a gravação, desconfiando de edição da conversa.
Comprovada a existência de montagem, o governo vai reforçar a tese de que Temer foi vítima de uma “conspiração”.

20 de Maio de 2017 às 7:49

Senadora Fátima Bezerra confirma doação mas nega que tenha recebido propina  [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Na lista de políticos do Rio Grande do Norte, o diretor de relações institucionais da JBS, Ricardo Saud, citou o nome da então candidata ao Senado, Fátima Bezerra (PT).
No seu facebook Fátima negou que tivesse recebido propina, e sim doação legal.
Eis
Nota
Em respeito à população do Rio Grande do Norte, a senadora Fátima Bezerra esclarece e reafirma, mais uma vez, o que se segue:
Eu não fiz contato, não recebi diretores, não conheço os proprietários do grupo JBS. Minha prestação de contas, entregue e devidamente aprovada pela Justiça Eleitoral, é clara:
Nossa campanha recebeu uma doação de R$ 500 mil, via Direção Estadual do PSD do RN (CNPJ 14.862.435/0001-50), em 18/07/2014, cujo doador originário foi a empresa JBS S/A. Ou seja, quem recebeu da empresa foi o PSD e não nossa campanha.
Posteriormente, em 10/09/2014 e 15/09/2014, a Direção Nacional do PT (CNPJ 00.676.262/0001-70) fez duas outras doações à nossa campanha, nos valores de R$ 190 mil e R$ 475 mil respectivamente. Mais uma vez, nosso doador direto foi o PT e não a JBS.
Naquele ano, a legislação vigente permitia o financiamento privado de campanhas e essas doações foram legais, tanto que estão devidamente informadas à Justiça Eleitoral.
Há uma confusão, não sabemos se por desconhecimento ou se de forma proposital, acerca das doações privadas das campanhas passadas no Rio Grande do Norte e no país. A população precisa ser informada sim, mais do que nunca! Mas é necessário responsabilidade com a verdade.
Eu jamais esconderia o nome de qualquer empresário que contribuísse com o financiamento de minhas campanhas, até porque eu faço política com honradez, não a utilizo como moeda de troca.
Para maiores informações, é possível consultar ainda o site do TSE, no link http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-2014/prestacao-de-contas-eleicoes-2014/divulgacao-da-prestacao-de-contas-eleicoes-2014

20 de Maio de 2017 às 7:35

As “contrapartidas” fora de cogitação [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Blog não questiona a forma de doações pelo grupo JBS ao governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria.

Por não ter participado e nem mesmo informado sobre assuntos do tipo.

Essa parte fica com acusação e defesa.
Mas, pegando aqui o que está posto, na questão das “contrapartidas” apresentadas pelo delator Ricardo Saud…

Uma, era a indicação, pelo grupo JBS, do secretário estadual do setor de saneamento.
O primeiro titular da pasta foi o potiguar e ex-professor da Uern, José Maírton Figueiredo de França, economista, Mestre em Economia e Doutor em Engenharia de Produção. 

O segundo, o ex-prefeito de Assu, Ivan Júnior.

O presidente da Caern desde o início do governo é Marcelo Toscano, já indicado em outras situações, antes da atual gestão, pelo governador Robinson Faria.
A outra “contrapartida” era a venda da Caern.

O que sempre foi tratado pelo governador como fora de cogitação.

20 de Maio de 2017 às 7:21

Entrevistas de Robinson desde eleição foram marcadas pela negativa do governo sobre venda da Caern [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No final de dezembro de 2015 entrevistei o governador Robinson Faria sobre a possibilidade de venda da Caern.

Ele negou e tratou o assunto como fora de seus projetos como gestor no Rio Grande do Norte.

Reveja a entrevista:


Já esse ano, quando se começou a falar em estudos sobre a Caern, ele falou sobre o assunto para a Tribuna do Norte:


A assessoria do Governo relembrou ainda outras entrevistas onde o governador deixava claro que a venda da Caern sempre teve fora de cogitação.
CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI

20 de Maio de 2017 às 7:06

Em nota, Robinson e Fábio Faria confirmam recebimento legal de doação do JBS e negam venda da Caern [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Pouco depois de divulgado o vídeo com o delator Ricardo Saud acusando o governador Robinson Faria e o deputado Fábio Faria de negociarem propina, os dois emitiram uma nota.

Eis:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
Sobre a citação do governador do Rio Grande do Norte Robinson Faria e do deputado federal Fábio Faria na delação da JBS, é preciso esclarecer os seguintes pontos:
1 – Ambos informam que conheceram a JBS no período eleitoral e confirmam que receberam doações da empresa citada, somente durante o período de eleições, oficialmente, legalmente, devidamente registradas na Justiça Eleitoral e sem qualquer contrapartida nem ato de ofício; 
2 – Não existia, da parte de Robinson e Fábio Faria, qualquer motivo para que houvesse desconfiança em relação à origem da doação feita por meio de contatos do PSD Nacional;
3 – É importante ressaltar que, desde a campanha eleitoral, Robinson Faria tem destacado em inúmeras declarações públicas e entrevistas que não pretende e nem irá privatizar a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN), o que seria, segundo o delator, a motivação do suposto pagamento irregular;
Por fim, Robinson e Fábio Faria consideram absurdas as declarações do delator que chama de propina contribuições eleitorais lícitas, com o claro objetivo de se livrar de crimes graves praticados. 
Robinson Faria, governador do RN

Fábio Faria, deputado federal pelo RN

20 de Maio de 2017 às 7:02

Delator do grupo JBS conta sobre jantar em SP onde negociou propina para campanhas de Robinson e Fábio Faria [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O delator Ricardo Saud, do grupo JBS, em depoimento à força-tarefa da lava-jato, se mostrou ansioso a jogar no ventilador tudo o que sabe ou ouviu falar.

Em um dos trechos disse que negociava propina diretamente com o presidente Michel Temer.

Não negociava com terceiros, e sim com Temer.
No capítulo do Rio Grande do Norte, falou em um jantar chique para negociar propina em São Paulo, com presença do governador Robinson Faria e do deputado Fábio Faria, ambos com as mulheres.

Jantar na casa do dono da propina, o empresário Friboi Joesley Batista.

Saud falou em propina de 10 milhões e citou Fábio como apressado em pegar o dinheiro.
Saud afirmou que à época dizia que Robinson não ganharia a eleição sem eles, se referindo ao grupo.
No depoimento, Saud também disse que em troca o grupo JBS compraria a Caern e indicaria o secretário responsável por este setor.

20 de Maio de 2017 às 6:55

Escolas públicas de Parnamirim debatem violência infantil [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A Prefeitura de Parnamirim promove hoje oficinas de capacitação em escolas públicas, formando educadores para o enfrentamento de casos de abuso e violência infantil.

A programação acontece em dois horários: pela manhã, a partir das 08h e à tarde, a partir das 14h.

 

A ação envolverá a Escola Municipal Desembargador Silvino Bezerra Neto, em Santa Tereza; a Escola Municipal Poeta Luiz Carlos Guimarães, em Nova Parnamirim; e a Escola Municipal Deputado Erivan França, em Pirangi do Norte.

 

A programação ainda prossegue no dia 27/05, nas seguintes escolas municipais: Escola Deputado Erivan França, em Pirangi do Norte; Escola Maria Saraiva Fernandes, em Bela Parnamirim; e Escola Emérito Nestor Lima, em Passagem de Areia.