Thaisa Galvão

11 de agosto de 2017 às 17:54

Vereadora Nina Souza deixará PEN se Bolsonaro se filiar [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ou um ou outra.

Caso se concretize a filiação do presidenciável Jair Bolsonaro ao PEN, a vereadora de Natal, Nina Souza, vai procurar outro partido.

Para a vereadora, o mesmo PEN não tem espaço para os dois.

11 de agosto de 2017 às 17:27

Vereador Aldo Clemente confirma movimento para criar bloco mas garante que permanecerá no PMB [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O vereador Aldo Clemente, líder do PMB na Câmara de Natal, confirmou ao Blog que vem discutindo com os vereadores Paulinho Freire (Solidariedade), Eudiane Macedo (Solidariedade) e Nina Souza (PEN), sobre a criação de um bloco.

Porém, Aldo garante que não deixará o PMB.

E mais: disse que ainda convidou para o partido os vereadores que estão deixando o Solidariedade, na intenção de formar a maior bancada do legislativo municipal.
Paulinho e Eudiane tem as propostas do PMB e do PPS para estudar.

11 de agosto de 2017 às 15:23

Na íntegra, a mensagem da mulher de Joesley Batista enviada a Patrícia Abravanel [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Leia a íntegra do áudio da jornalista Ticiana Villas Boas, mulher do delator Joesley Batista, enviado a Patrícia Abravanel, mulher do deputado Fábio Faria, negando a discussão sobre pagamento de propina a Fábio e ao governador Robinson Faria, durante jantar em sua casa:

Oi, Pati! Sou eu, Tici. É…tô ligando pra você e mandando essa mensagem pra… te falar do meu apoio, é…que eu tô do seu lado, quer diz(er)… não existe lado nessa história… Mas é assim, eu tô fora do País, já tem um tempo, né, como eu já tinha te falado, e ficou… e optei por não ver notícia, não ver televisão, porque eu tô… péssima, me magoa muito, né, óbvio. Você deve saber tudo o que tá acontecendo aí pelas notícias e tudo. Mas, é… me mandaram, tsc…é… um print de notícias relacionadas a você, que você…que parece que um executivo do… da JBS que falou que cê tava num jantar e num sei o quê de propina, uma loucura total… E que.. e hoje eu recebi (isso foi ontem), hoje eu recebi outro print de que você… não foi print esse, foi uma mensagem dizendo que você vai ter que depor… Então o que eu quero falar é que eu acho um absurdo isso tudo… que tá acontecendo. É… aquele jantar, imagina só, não tem nada a ver… do que falaram, foi um jantar normal, eu não vi nada de, de, de, dinheiro, de… de nada que beirasse ser ilícito. Joesley me falou que é um amigo dele, é… com uns casais, é… jantar em casa, como tem, praticamente como tinha, praticamente, milhõ…, jantar todo dia na minha casa, com vários políticos, vários empresários, tudo presidente, tudo na minha casa, ia, então, óbvio, não achei nada demais, nada de diferente do que… do que eu tô acostumada e não conversamos nada sobre isso. É, conversamos sobre é… o SBT, sobre filho, eu acho que eu tava grávida na época, você logo depois me chamou pra ir pro chá, pro chá de bebê de Pedro, eu fui. Então… então eu quero, seguinte, na prática dizer que se você for chamada pra depor ou se você precisar de qualquer coisa minha, do meu depoimento, que eu fale, eu tô à disposição. Tanto pra falar pra sua família, se você quiser. Se você for chamada pra depor, ou você… ou tiver qualquer tipo de implicação pra você, eu sou sua testemunha de defesa e vou deixar claramente que é um absurdo. Primeiro, que tudo que tá acontecendo aí, que Joesley falou, eu não sabia de nada, é… soube praticamente… um pouquinho antes, mas praticamente junto com todo mundo, na televisão. Então, eu tô assustada com tudo. E esse é… eu imagino que você também não saiba de nada, não sei… bem, não sei nada também, de nada da sua vida, mas… Mas o que eu quero dizer é que eu… eu tô aqui pra o que, o que você precisar e acho que nós somos vítimas de uma coisa que a gente não tem nada a ver. E… e é isso. Gosto muito de você e o que eu puder ajudar pra minimizar aí esse absurdo que aconteceu com você, é o mínimo que eu posso fazer, eu faço.

11 de agosto de 2017 às 15:15

Da Folha: Mulher de Joesley Batista nega jantar em sua casa para acertar propina com Robinson e Fábio Faria [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha de S. Paulo:

Em áudio, mulher de Joesley nega versão de delator da J&F

BELA MEGALE

Uma gravação aponta que Ticiana Villas Boas, mulher de Joesley Batista, dono da J&F que se tornou delator, negou informações dadas por outro colaborador da empresa, o ex-diretor Ricardo Saud, que atuava como lobista do grupo no Congresso Nacional.

Ela rebateu informações dadas por Saud em relação a um jantar em sua casa em que teria se discutido pagamento de propina para o governador do Rio Grande do Norte, Robson Faria (PSD). No encontro também estaria presente o deputado Fábio faria (PSD-RN), filho do governador.

“É… aquele jantar, imagina só, não tem nada a ver… do que falaram, foi um jantar normal, eu não vi nada de, de, de, dinheiro, de… de nada que beirasse ser ilícito”, disse Ticiana em áudio enviado à Patrícia Abravanel, mulher do Fábio Faria que, segundo Saud, estaria presente no jantar.

O material foi protocolado por advogados de Patrícia Abravanel em uma ação civil contra Saud em que ela pede uma multa de R$ 300 mil por danos morais.

“Joesley me falou que é um amigo dele [Saud], é… com uns casais, é… jantar em casa, como tem, praticamente como tinha, praticamente, milhõ…, jantar todo dia na minha casa, com vários políticos, vários empresários, tudo presidente, tudo na minha casa, ia, então, óbvio, não achei nada demais, nada de diferente do que… do que eu tô acostumada e não conversamos nada sobre isso”, afirma Ticiana na gravação.

Na audiência de homologação de sua delação premiada, Ricardo Saud disse ao juiz que “foi um jantar muito elegante. Foi o Fábio Faria com a noiva dele, Patrícia Abravanel, filha do Silvio Santos, o Robinson faria com a esposa dele, nós todos com as nossas esposas para tratarmos de propina”, disse. “Até bacana, né? Todo mundo com as esposas juntos”, afirmou ironicamente. Segundo ele, os pagamentos ilíctos estavam ligados as campanhas de 2014.
No áudio, Ticiana disse ainda que os assuntos tratados na ocasião foram sobre “SBT, sobre filho, eu acho que eu tava grávida na época, você logo depois me chamou pra ir pro chá, pro chá de bebê de Pedro [filho de Patrícia e Fábio], eu fui”.

Ela também se dispôs a depor a favor da filha de Silvio Santos. “Se você for chamada pra depor, ou você… ou tiver qualquer tipo de implicação pra você, eu sou sua testemunha de defesa e vou deixar claramente que é um absurdo.”
O áudio foi gravado no dia 1o de junho, depois que notícias sobre o rompimento entre a família de Patrícia Abravanel e Ticiana serem publicadas na imprensa. A mulher de Joesley era apresentadora do SBT, canal do pai de Patrícia, Silvio Santos, mas tinha pedido afastamento no período em que a delação da J&F veio a público.

Na segunda (14), a defesa de Fábio Faria entrará com um pedido no STF (Supremo Tribunal Federal), onde corre o processo dobre susposto beneficiamento ilícito do deputado, para anular a delação de Saud.

“Vamos entrar com pedido juntando o áudio, o laudo comprovando que a gravação é verídica e o pedido de nulidade da colaboração de Ricardo Saud, uma vez que ele foi desmentido pela mulher do maior acionista do grupo J&F que é a Ticiana”, afirmou José Luis Lima, advogado de Faria.

Para a defesa de Faria, o áudio reforça a tese de que o jantar aconteceu em novembro, após as eleições de 2014, “o que não justificaria tratar de propina”, segundo o advogado. Na gravação, Ticiana cita um chá de bebê realizado no dia 9 daquele mês e fala que isso foi próximo ao jantar em sua casa.
Veja o depoimento de Ricardo Saud que trata do jantar com a presença de Patrícia Abravanel:


OUTRO LADO
Em nota, Ticiana Villas Boas confirmou a veracidade do áudio “que enviou em apoio a amiga e colega de trabalho Patrícia Abravanel”. 
Disse que, como revela a mensagem de voz, nem ela nem Patrícia, durante o jantar em sua casa, presenciaram qualquer conversa com conteúdo ilícito. Afirmou também que “em vários momentos do encontro, os casais se dividiram em grupos de homens e mulheres, e Ticiana imaginou que Patrícia, assim como ela, não sabia que nas conversas entre os maridos eles trataram de propina”. Disse ainda que por isso ela se solidarizou e se dispôs a defendê-la caso fosse necessário, com a intenção de evitar que Patrícia fosse envolvida no caso.
A J&F negou que qualquer delator da empresa tenha mentido e afirmou que “o fato ocorreu na data e no evento conforme relatados, em conversa reservada, sem a participação nem conhecimento das esposas”. Disse ainda que os colaboradores apresentaram grande número de informações e provas à Procuradoria-geral da República e em atendimento aos demais ofícios do Ministério Público, que estão sendo tratados dentro dos trâmites legais.

11 de agosto de 2017 às 12:31

No TCU, Fátima Bezerra e Zenaide Maia tentam agilizar retomada das obras da Reta Tabajara [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Pré-candidatíssima ao Senado, com apoio do PT, a deputada federal Zenaide Maia, que vai trocar o PR pelo PMB, tem cumprido agenda conjunta com a senadora Fátima Bezerra (PT).
Em Brasília as duas se reuniram com o ministro do Tribunal de Contas da União, Vital do Rêgo, e o diretor-geral do DNIT, Valter Casimiro, para tratar da retomada das obras de duplicação da Reta Tabajara.
O ministro, que é relator do processo que paralisou as obras há mais de três meses, informou que a ação será avaliada com urgência. 
Fátima e Zenaide explicaram ao ministro a importância da obra para o Rio Grande do Norte e reforçaram a proposta do DNIT de desmembrar o processo para liberar as obras da BR 304 em trechos específicos, que não são alvo do embargo, como é o caso da Reta Tabajara.  
O diretor do DNIT garantiu que se o TCU decidir favoravelmente, o órgão vai providenciar o imediato retorno das obras.  
O prefeito de Macaíba, Fernando cunha, e o presidente da Câmara, Gerson Lima, também participaram da reunião.

11 de agosto de 2017 às 11:22

João Dória rebate Lula e chama ex-presidente de ladrão [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De João Dória (PSDB), prefeito de São Paulo e presidenciável…sobre o ex-presidente Lula (PT):

 

“O Lula disse que o João Doria é um nada. Eu prefiro ser um nada do que um ladrão”.

A declaração do tucano foi divulgada em seu programa Olho no Olho, transmitido pelo facebook e twitter do prefeito.

11 de agosto de 2017 às 11:15

Renan Calheiros sendo Renan Calheiros [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Até que ponto Renan Calheiros troca seis por meia dúzia?

E até que ponto Renan é o seis ou o meia dúzia?

 

Da coluna Painel, na Folha:

 

Desafeto de Temer no PMDB , Renan Calheiros vai recepcionar caravana de Lula em Alagoas

POR PAINEL

Tiete Crítico ferrenho do presidente Michel Temer, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) vai recepcionar a caravana de Luiz Inácio Lula da Silva em seu Estado, ao lado do filho, que é governador. O petista inicia o giro pelo Nordeste dia 16.

11 de agosto de 2017 às 10:56

Primeira delação da Zelotes revela esquemas com empresas devedoras do Fisco [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1

 

Delator admite que recebia R$ 10 mil por mês para auxiliar conselheiro do Carf

Ex-auditor Paulo Roberto Cortez é o primeiro delator da Operação Zelotes, que investiga irregularidades no tribunal administrativo. Ele confirmou que conselheiros recebiam propina

 

Por Camila Bomfim, Bom Dia Brasil

 

Bom Dia Brasil teve acesso com exclusividade à primeira delação da Operação Zelotes, que, entre outros pontos, investiga o esquema de corrupção que atuava no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

O depoimento do ex-auditor da Receita Federal Paulo Roberto Cortez mostra que votos eram encomendados por empresas que deviam milhões ao Fisco e funcionários do Carf tinham despesas pagas por conselheiros em troca de informações que não eram públicas.

Paulo Roberto Cortez é um ex-auditor da Receita Federal.

Ou seja, representava o lado que cobra, fiscaliza e multa empresas e pessoas fisicas. Ele foi conselheiro do Carf até 2007.

 

O Carf é justamente o tribunal administrativo onde as empresas recorrem dessas multas da receita. Trata-se do conselho administrativo de recursos fiscais, ligado ao Ministério da Fazenda – onde as empresas, se conseguirem ter seus recursos aprovados, podem ter multas reduzidas ou até anuladas.

Paulo Roberto Cortez se tornou o primeiro delator da Zelotes a confirmar o que a operação investiga desde 2015: conselheiros do Carf recebiam propina para dar votos favoráveis às empresas.

O resultado era uma economia milionária para os grupos empresariais e uma perda de arrecadação para a Receita.

 

A TV Globo teve acesso com exclusividade a depoimentos da delação de Paulo Roberto Cortez. Ele contou como um conselheiro sem conhecimento técnico conseguiu decisão favorável ao Bank of Boston. O então conselheiro é José Ricardo da Silva, que era ao mesmo tempo conselheiro do Carf e dono de uma consultoria que atuava em casos do conselho.

O delator recebia R$ 10 mil por mês em dinheiro vivo para fazer o trabalho que José Ricardo, segundo ele, não sabia fazer.

“Na área de Imposto de Renda, ele [José Ricardo Silva] não tinha muito conhecimento, tampouco em contabilidade. Então, antes de cada sessão, quando eu trabalhava com ele, eu fazia as devidas explicações, repassava para ele o material e fazia as explicações de cada matéria a ser tratada em cada julgamento”, relatou Cortez aos investigadores da Zelotes.

 

O delator contou ainda que, em fevereiro de 2012, recebeu do então conselheiro Valmir Sandri um voto para o caso do Bank of Boston, e a orientação de adaptar o texto aos padrões do conselho.

Sandri também é investigado na mesma operação. De acordo com o delator, o voto tinha objetivo certo: beneficiar a empresa.

Em dois recursos no Carf, o Bank of Boston conseguiu reduzir uma multa de R$ 600 milhões para menos de R$ 100 milhões.

Se livrou de pagar meio bilhão de reais. O delator escreveu o voto de um desses recursos que o banco ganhou.

 

O delator contou também que José Ricardo conseguia informações privilegiadas no Carf para poder beneficiar o banco norte-americano. Em troca, pagou até despesas pessoais de um funcionário, Levi Antonio Silva, que atuava em uma das câmaras do conselho.

“[José Ricardo] recebia valores, eu lembro que algumas vezes eu via o escritório fazendo pagamentos de carnes de contas do Levi, colégio de filhos dele. O funcionário Hugo que fazia os pagamentos do escritório”, contou Cortez.

 

A Justiça Federal em Brasília já validou a delação de Paulo Roberto Cortez, e as informações serão utilizadas nas investigações sobre corrupção no conselho administrativo ligado ao Ministério da Fazenda.

A Procuradoria da República no Distrito Federal quer a anulação desse julgamento, para que seja reanalisado e o Carf avalie qual a multa deve ser aplicada ao banco.

 

Em um dos depoimentos, indagado pelo Ministério Público sobre como José Rricardo recebeu as propinas do Bank of Boston, o delator confirmou a existência de um esquema de corrupção.

“Eu não posso dizer, mas deve ter sido em espécie. Eu não sei dizer como ele [José Ricardo] recebeu. Deve ter sido em espécie e talvez parte daqueles valores que foram repassados a mim tenha sido nesse processo”, ressaltou o delator.

 

A defesa de José Ricardo da Silva não vai se manifestar. O Bom Dia Brasil não conseguiu contato com as defesas de Valmir Sandri, Levi Antônio Silva e do Bank of Boston.

Embora o Itaú-Unibanco tenha comprado as operações do BankBoston no Brasil, os investigadores afirmam que não há nenhum executivo da instituição bancária brasileira envolvido nas irregularidades apuradas pelo MP.

11 de agosto de 2017 às 7:53

Reforma política: O que é o Distritão [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Das mudanças que poderão ocorrer, caso a Câmara e o Senado aprovem o que a Comissão Especial da reforma política já começou a aprovar, o Distritão tem causado polêmica.

Principalmente entre os políticos de poucos votos, que costumam juntar gente para garantir uma vaga nas Câmaras Federal e Municipais e nas Assembleias Legislativas.
Entenda o que é o Distritão
Do G1
COMO É HOJE

Proporcional com lista aberta
Como funciona o sistema
O eleitor vota no partido ou no candidato.

Os partidos podem se juntar em coligações.

O sistema permite o voto no partido e não somente no candidato.

É calculado o quociente eleitoral, que leva em conta os votos válidos no candidato e no partido.

Pelo cálculo do quociente, é definido o número de vagas que cada coligação ou partido terá direito.

São eleitos os mais votados das coligações ou partidos.
Efeitos de tipo de votação
“Puxadores de votos”, candidatos com votação expressiva, garantem vagas para outros integrantes da coligação.

Exemplo de “puxador de voto”: em 2010, o humorista Tiririca (PR-SP) recebeu 1.353.820 votos, o que beneficiou candidatos de sua coligação. 

O último eleito da coligação, Vanderlei Siraque (PT), e o penúltimo, Delegado Protógenes (PC do B), obtiveram cerca de 90 mil votos cada um. 

Candidatos de outras coligações que obtiveram votações superiores ficaram de fora.

O sistema permite que as coligações e partidos levem para as casas legislativas candidatos com votações expressivas e também outros não tão conhecidos.

A renovação do Legislativo tende a ser maior, porque os votos na legenda e nos “puxadores de voto” ajudam a eleger candidatos menos conhecidos.

O foco de muitas campanhas se concentra nas propostas dos partidos, e não em candidatos individuais.

COMO PODE FICAR

Distritão
Como funciona o sistema
Cada estado ou município vira um distrito eleitoral.

São eleitos os candidatos mais votados.

Não são levados em conta os votos para o partido ou a coligação.
O que muda na prática
Torna-se uma eleição majoritária, como já acontece na escolha de presidente da República, governador, prefeito e senador. 
Possíveis efeitos
O modelo acaba com os “puxadores de votos”, candidatos com votação expressiva que garantem vagas para outros integrantes da coligação cuja votação é inexpressiva.

O foco das campanhas tende a passar para os candidatos, fazendo com que os programas dos partidos e das coligações percam espaço.

Com o favorecimento das campanhas individuais, candidatos com mais recursos podem ser beneficiados.

Pode favorecer os candidatos mais conhecidos, como celebridades ou parlamentares que tentam a reeleição, o que tornaria mais difícil a renovação.

11 de agosto de 2017 às 7:32

Temer terá dificuldades para pagar aos deputados que comprou [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E por falar em farra com dinheiro público, ao que parece, Michel Temer (PMDB) não vai conseguir pagar a conta aos politicos que comprou para se livrar de ser investigado….
De Lydia Medeiros, no Globo:

11 de agosto de 2017 às 7:27

Classe política continua querendo passar a mão no dinheiro público para financiar campanhas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Sem Petrobras, navios-sonda, Fundo de Investimento da Caixa, Furnas, estádios e aeroportos para raspar o tacho, a classe política agora quer praticar assalto à luz do dia, com testemunhas e registro nas contas do governo.

Para o financiamento de campanhas, que motivou a lava jato, continuar sendo uma grande farra com o dinheiro dos outros.

Do Globo de hoje:

11 de agosto de 2017 às 7:19

Festa dos Pais muda rotina na penitenciária de Alcaçuz [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Cena que marcou a quinta-feira na penitenciária de Alcaçuz:

Mulheres e filhos de presos foram comemorar o dia dos pais, que é domingo.