Holiday

Thaisa Galvão

6 de setembro de 2017 às 22:37

Lula e Dilma denunciados mais uma vez [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mais uma denúncia da PGR contra Lula e Dilma:
Da Folha:
Procuradoria denuncia Lula, Dilma e Mercadante na Lava Jato
LETÍCIA CASADO

A PGR (Procuradoria-Geral da República) denunciou nesta quarta-feira (6) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante por obstrução de Justiça na Lava Jato.
A investigação foi aberta com base na delação do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS).
O material está em segredo de Justiça.
O inquérito foi aberto em 2016 com diferentes frentes de investigação.
Uma delas era para apurar se Dilma e Lula tentaram obstruir a Lava Jato por meio da nomeação do ex-presidente para a Casa Civil.
Na avaliação dos procuradores, a nomeação de Lula teria ocorrido com o propósito de dar a ele o direito de ser investigado e julgado em foro no Supremo, evitando que o ex-presidente fosse alvo do juiz Sergio Moro –o que representa desvio de finalidade. Os petistas temiam que Moro mandasse prender Lula.
Quando pediu a abertura do inquérito, Janot afirmou que antes de Lula ser alvo de condução coercitiva, não havia notícias de que ele fosse ocupar a Casa Civil, apurou a Folha.
Janot citou ainda que o então ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, havia assumido o cargo apenas cinco meses antes e, portanto, a nomeação havia sido uma acomodação político-administrativa em favor de Lula para que ele voltasse a ter foro, apurou a reportagem.
Janot mencionou também o envio do termo de posse de Dilma a Lula, o que, para ele, se configurou em “heterodoxia procedimental”, e mencionou trechos do discurso de Dilma na posse de Lula, disseram pessoas a par do assunto.
MERCADANTE
Outra linha de investigação apurava se Dilma e Mercadante tentaram impedir que Delcídio fizesse delação premiada, no fim de 2015.
O então senador havia sido preso pela Lava Jato. Seu assessor, Eduardo Marzagão, gravou secretamente uma conversa com Mercadante, ministro de Dilma, que era, na época, um dos mais próximos assessores da ex-presidente.
O diálogo revela Mercadante sugerindo a Marzagão que o parlamentar não deveria firmar um acordo de delação premiada com o Ministério Público, o que acabou ocorrendo.
No diálogo, Mercadante oferece ajuda financeira e sugere a possibilidade de o então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, ser procurado para atuar pela soltura de Delcídio.
Em depoimento, Delcídio disse também que outras pessoas próximas ao PT e ao governo buscaram envolvidos na Lava Jato para convencê-los a não fechar delação premiada.
Em relatório recente a Polícia Federal recomendou o desmembramento da investigação para que o caso seja investigado fora do Supremo, no âmbito da Justiça Federal do Distrito Federal, já que não há o envolvimento de pessoas com foro privilegiado, apurou a Folha.
FORO
A investigação permaneceu no STF depois que Dilma saiu da Presidência por causa de outras pessoas com foro privilegiado: os ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Marcelo Navarro Ribeiro Dantas e Francisco Falcão.
Uma terceira linha de investigação deste mesmo inquérito apurava se Dilma articulou com os ministros outra forma de atrapalhar a Lava Jato, por meio da nomeação de Ribeiro Dantas.
Depois de serem notificados, os denunciados terão 15 dias para oferecer resposta.
Caberá então ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), analisar as manifestações e elaborar um relatório para receber ou não a denúncia.
Depois, ele vai levar o caso para ser analisado pela segunda turma do STF, composta por outros quatro ministros: Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Celso de Mello.
Os ministros podem receber a denúncia total ou parcialmente –e aí os acusados viram réus– ou decidir por arquivar o procedimento.
STJ
De acordo com Delcídio, a nomeação de Ribeiro Dantas foi uma maneira de atrapalhar as investigações da Lava Jato.
Ele disse que o governo da petista deflagrou uma ofensiva nos tribunais superiores para influenciar nos desdobramentos da Lava Jato e garantir, por exemplo, a liberdade de grandes empreiteiros.
A nomeação de Ribeiro Dantas para o STJ faria parte dessa trama, da qual teriam participado ele, Dilma, o empresário Marcelo Odebrecht, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e o então presidente do STJ, Francisco Falcão.
Cardozo e Falcão teriam auxiliado nessas ações, sob o compromisso de que o novo ministro votasse pela soltura de presos da operação.
A Polícia Federal não encontrou indícios de que este crime tenha sido cometido e, no relatório final, isentou o grupo, apurou a reportagem. A PGR pediu o arquivamento dessa investigação, disseram pessoas a par do assunto.
OUTRO LADO
A ex-presidente Dilma disse por meio de nota que é “lamentável que o chefe do Ministério Público Federal, 24 horas depois de anunciar uma infundada denúncia contra dois ex-presidentes da República e dirigentes do PT por organização criminosa –sem provas ou indícios, baseado exclusivamente em delações sem base factual–, venha propor agora a abertura de uma nova ação penal também sem qualquer fundamento”.
Para ela, “chama atenção o fato de que a abertura destas ações tenha sido proposta, em rápida sequência, no exato momento em que situações indevidas envolvendo delações premiadas vieram a público e estarrecem a sociedade brasileira”.
“É espantoso que a nova denúncia se baseie em provas ilegais e nulas, fruto de reconhecida situação abusiva em que conversas da presidenta eleita Dilma Rousseff foram indevidamente interceptadas, divulgadas e descontextualizadas na interpretação do seu real conteúdo. Afronta-se com isso a Constituição e as próprias decisões do STF, que reconheceram a abusividade com que tais provas foram coletadas.”
Dilma afirma que há “inversão de papéis”, pois “os que praticam abusos de direitos e vazamentos ilegais de informações recobertas pelo sigilo legal não são sequer investigados e seus delitos punidos” enquanto “os que são vítimas destas situações abusivas e ilícitas, ao ver do procurador-geral da República, devem ser transformados em réus de uma ação penal”.
“A presidenta eleita Dilma Rousseff acredita na Justiça. A verdade será restabelecida nos autos dos processos e na história”, diz o texto.
Em nota, a assessoria de imprensa de Mercadante afirmou que a denúncia “já foi apresentada na Comissão de Ética Pública da Presidência da República que por decisão unânime absolveu integralmente o ex-ministro”.
“Na decisão, a referida comissão, que é formada por cinco membros, sendo três juízes de carreira, afirma que, nas gravações, não se verifica a tentativa de obstrução de justiça. “Com efeito, as transcrições das conversas que constam do presente processo indicam apenas o oferecimento de auxílio a um colega de partido –gestões políticas junto ao Senado e, após o relato do assessor acerca de dificuldades financeiras sofridas pelo ex-senador, promessa de que ‘iria ver’ o que poderia ajudar, ‘na coisa do advogado’– sem que fique caracterizada conduta ilícita”, afirma a decisão do conselheiro-relator, Américo Lacombe, que é ex-desembargador, ex-presidente e ex-corregedor do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).”
“Como é de conhecimento público a delação de Delcídio do Amaral está sendo questionada pelo próprio Ministério Público, que já solicitou inclusive anulação de benefícios”, diz a nota.
Por essas razões, “temos plena convicção, que agora na Justiça, teremos a oportunidade de novamente comprovar que não houve qualquer tentativa de obstrução de Justiça com a consequente absolvição definitiva”.

6 de setembro de 2017 às 20:54

Após entregar Lula e Dilma, Palocci perde a confiança do PT [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O advogado do ex-presidente Lula (PT) disse que o ex-ministro Antônio Palocci não falou a verdade quando entregou Lula.

O advogado afirmou que Palocci negocia delação premiada e quer sair da prisão, por isso falou muito.
Agora…

Há bem pouco tempo, o PT acreditava e dava fé na palavra do advogado de Lula ou no ex-ministro Palocci?
Por ter resolvido dizer a verdade, Palocci será enxovalhado por quem nele confiavam cegamente.

6 de setembro de 2017 às 20:20

Homem de confiança do PT, Palocci entrega Lula e Dilma [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Palocci cita ‘pacto de sangue’ e diz que Odebrecht deu R$ 4 milhões ao Instituto Lula

Preso há um ano, o ex-ministro Antônio Palocci, homem da mais extrema confiança dos ex-presidentes Lula e Dilma, e do PT como um todo, entregou Lula.

Ouvido hoje pelo juiz Sérgio Moro, na ação que investiga se a Odebrecht deu um terreno e um apRtamento a Lula, Palocci disse que Lula sabia sobre o terreno doado para construção da nova sede do Instituto Lula.
Abaixo um resumo do que Palocci disse:

– Lula tinha um “pacto de sangue” com o empresário Emilio Odebrecht que envolvia um sítio, um prédio de um museu, a ser pago pela empresa, palestras pagas a R$ 200 mil, fora impostos, e uma reserva de R$ 300 milhões em propina, que Lula sabia que se tratava de dinheiro sujo.

– As propinas foram pagas pela Odebrecht para agentes públicos “em forma de doação de campanha, em forma de benefícios pessoais, de caixa um, caixa dois”.

– Foram pagos 4 milhões da Odebrecht para o Instituto Lula.

-Dilma sabia e compactuava com tudo.

No vídeo abaixo, a íntegra do depoimento de Palocci.

Caso você queira assistir por partes, eis os vídeos divididos:

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

6 de setembro de 2017 às 18:50

Ministro Marcelo Navarro comemora arquivamento de processo  [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ministro do STJ, Marcelo Navarro Ribeiro Dantas, divulgou entre amigos um texto de agradecimento..

É que hoje o procurador geral Rodrigo Janot mandou arquivar o processo contra ele.

Navarro foi acusado de ter o nome aprovado pela presidente Dilma Rousseff para ministro do STJ com o objetivo de salvar envolvidos na lava-jato.
Leia nota de Marcelo Navarro:
Meus queridos:

Hoje o Procurador-Geral da República pediu o arquivamento da investigação contra mim.

Agora, com a honra restaurada, não posso deixar de agradecer o apoio e a confiança de todos vocês durante esses tempos tão difíceis.

Agradeço, notadamente, àqueles mais chegados, que aliviaram minha angústia e ajudaram nessa travessia tão dura.

E aos que, independentemente da proximidade, defenderam meu nome de público ou nas redes sociais contra a maledicência, a injúria, a difamação e mesmo a calúnia.

Fui premiado com amigos excepcionais, além de uma mulher e filhos que foram minha rocha, meu esteio, e me alimentaram de paciência, esperança e fé, enfim vitoriosas!

Muito, muito obrigado, em meu nome e no de toda a minha família.

Deus os abençoe!
Marcelo Navarro RIBEIRO DANTAS

6 de setembro de 2017 às 17:20

Ao lado de Lula, líder do movimento sem terra chama juiz Sérgio Moro de “merdinha” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ex-presidente Lula encerrou ontem a caravana pelo Nordeste, sendo denunciado ao STF pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot.

O encerramento foi em São Luís, no Maranhão, onde o líder do MST, João Pedro Stédile, convocou a militância petista para ir a Curitiba no próximo dia 13, quando Lula prestará novo depoimento ao juiz Sérgio Moro.
Juiz chamado por Stedille por “aquele merdinha”.

Veja o vídeo:

6 de setembro de 2017 às 16:47

Tesouro: Dono do apartamento confirma que tinha emprestado imóvel a Geddel para ‘guardar documentos’ [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O empresário Sílvio Silveira, apontado como dono do apartamento onde foram encontrados R$ 51 milhões que seriam de Geddel Vieira Lima, se apresentou à Polícia Federal e admitiu ter emprestado o imóvel, localizado numa área nobre de Salvador, para o ex-ministro guardar documentos. 
A informação foi divulgada pelo Superintendente da PF na Bahia, Daniel Madruga, nesta quarta-feira (6).
Sílvio se apresentou na terça-feira (5), após ser intimado, e, de acordo com a PF, disse, no entanto, que não sabia que o local estava sendo usado para guardar dinheiro. 
Conforme o superitendente, o empresário relatou que cedeu o imóvel para que Geddel guardasse pertences do pai, que morreu em janeiro de 2016.
“A informação que a gente tem é que esse apartamento teria sido emprestado supostamente para colocar pertences do pai do ex-ministro Geddel. E quando nós fomos lá, nos deparamos com o dinheiro. Na verdade, teria sido uma desculpa que ele usou para obter o apartamento emprestado”, disse Madruga.
Do G1/BA

6 de setembro de 2017 às 16:34

Ouça a íntegra da conversa entre delatores da JBS [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Em gravação, no auto-grampo que não estava no script, o dono da JBS, Joesley Batista, disse so sócio Ricardo Saud que, na delação, só vão contar 20, das 30 “traquinagens da JBS”…

Quer ouvir as conversas que nem eles mesmo acreditam que deixarsm vazar?
CLIQUE AQUI PARA TER ACESSO AOS ÁUDIO DAS CONVERSAS ENTRE OS DELATORES JOESLEY BATISTA E RICARDO SAUD

6 de setembro de 2017 às 12:04

Defesa de Henrique quer cancelar delação de Fred Queiroz (?) [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na onda de cancelamento da delação do grupo J&F, que inclui a JBS, já se fala em cancelamento nos bastidores jurídicos do Rio Grande do Norte.

Há informação de que a defesa do ex-deputado Henrique Alves (PMDB) iria entrar com pedido de cancelamento da delação do empresário Fred Queiroz.

6 de setembro de 2017 às 12:01

Geddel teria sócios no bunker de Salvador? [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E se…

Pergunta que não quer calar.

Se o dinheiro apreendido em Salvador – mais de 51 milhões – forem mesmo do ex-deputado Geddel Vieira Lima (PMDB)…seria só dele mesmo?

Ou o baiano teria sócios?

Quem seriam os sócios no bunker da capital baiana?

6 de setembro de 2017 às 11:56

João Doria quer Flávio Rocha na disputa pelo Governo de São Paulo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Lauro Jardim, no Globo Online:

 

A cabeça de Doria

A interlocutores próximos João Doria tem dito, em relação a 2018, que:

* não vê chance de prévias para escolher o candidato do PSDB à presidência. Avalia que o partido não está suficientemente organizado para tanto.

*Luiz Felipe D’Ávila, que está se lançando pré-candidato tucano ao governo de São Paulo, não aguentaria uma campanha pesada como a paulista. Doria prefere ver Flavio Rocha na disputa.

6 de setembro de 2017 às 10:10

JBS: Delatores mentirosos convictos [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da nota emitida pelo o dono da JBS Joesley Batista e o diretor de relações institucionais da J&F, Ricardo Saud:

“Não temos conhecimento de nenhum ato ilícito cometido por nenhuma dessas autoridades. O que nós falamos não é verdade, pedimos as mais sinceras desculpas por este ato desrespeitoso e vergonhoso e reiteramos o nosso mais profundo respeito aos Ministros e Ministras do Supremo Tribunal Federal, ao Procurador-Geral da República e a todos os membros do Ministério Público”.

Ok…

Mentiram só em relação aos ministros do STF e ao procurador-geral?

Como poderão provar agora o que disseram contra os demais delatados?

Aonde estão os maiores bandidos no caso J&F/JBS?

6 de setembro de 2017 às 9:59

Lula e Dilma denunciados ao STF [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A poucos dias de deixar a Procuradoria Geral da República, Rodrigo Janot denunciou os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff ao Supremo Tribunal Federal, por crime de organização criminosa.

Também foram denunciados os ex-ministros Antonio Palocci, Guido Mantega, Edinho Silva e Paulo Bernardo.

Ainda na lista de denunciados pelo PGR a senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, e o ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto.

Todos são suspeitos de “promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa”.

A pena prevista para esses crimes é de 3 a 8 anos de prisão, além de multa.

O procurador está cobrando dos oito denunciados indenização de R$ 6,8 bilhões, valor que inclui devolução à Petrobras de suposto dinheiro desviado, além de danos morais e materiais.

O processo foi encaminhado ao STF por causa do foro privilegiado da senadora Gleisi.

Não fosse ela, o caso seria remetido à justiça comum.

6 de setembro de 2017 às 9:43

PF levou quase o dia todo para contar os mais de 51 milhões que podem ser de Geddel Vieira [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Terminou já no final da noite a contagem do dinheiro apreendido em um flat que seria utilizado pelo ex-deputado Geddel Vieira Lima (PMDB), em Salvador.

Valor total: R$ 51.030.866,40

42.643.500,00 reais…

2.688.000,00 dólares.

A PF usou sete máquinas e levou o dia inteiro para finalizar a contagem.

Geddel cumpre prisão domiciliar por envolvimento em esquema de desvio de dinheiro da Caixa Econômica.

Ele foi vice-presidente de Pessoa Jurídica do banco entre 2011 e 2013, durante o governo de Dilma Rousseff.

Veja abaixo a contagem do dinheiro.

 

6 de setembro de 2017 às 7:57

JBS: STF deve liberar hoje áudios mantidos sob sigilo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O STF deve liberar ainda hoje os áudios entregues pela JBS, já que o ministro relator da lava-jato, Edson Fachin, retirou o sigilo das gravações. 
A expectativa agora é que o procurador Rodrigo Janot, a 11 dias de deixar o cargo na PGR, apresente nova denúncia contra o presidente Michel Temer.

6 de setembro de 2017 às 7:17

Ministros do STF acreditam que cancelamento da delação da J&F não precisa passar pela PGR [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Mônica Bérgamo, na Folha:
Ministros do STF defendem que a delação da J&F seja cancelada

O clima azedou no STF (Supremo Tribunal Federal) em relação à J&F. Pelo menos três ministros defendem o cancelamento imediato da delação premiada da empresa, firmado em maio com o Ministério Público Federal.
VOZ PRÓPRIA

Os magistrados acreditam inclusive que não é necessário esperar por uma iniciativa da PGR (Procuradoria-Geral da República) para que isso seja feito.
*
Basta que algum magistrado da corte levante a questão.
ALVO

Um deles diz que, a se confirmar o conteúdo dos áudios, ficaria caracterizado o crime de tentativa de obstrução da Justiça “pois esse é todo o propósito demonstrado nas conversas, quando falam até em destruir o Supremo”.
PÂNICO

Os executivos da J&F passaram os últimos dois dias apavorados, segundo interlocutores que tiveram contato com alguns deles.