Thaisa Galvão

9 de setembro de 2017 às 7:54

Assessor de imprensa do Walfredo Gurgel, jornalista Marcelo Soares mostra como perdeu 33 quilos em 6 meses [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1-RN
‘Achei que era impossível’, diz jornalista que perdeu 33kg em seis meses
Potiguar Marcelo Soares readequou a alimentação e começou a fazer exercícios físicos rotineiramente. A meta é perder o total de 40kg até dezembro.
Rafael Barbosa

Alguns meses para mudar as práticas alimentares e cotidianas de uma vida inteira. Esse era o desafio do jornalista potiguar Marcelo Soares, de 44 anos, que perdeu 33 quilos entre março e setembro, depois de decidir readequar a alimentação e fazer exercícios físicos diariamente. “Achei que era impossível”, relata.

Tudo teve início por causa de problemas de saúde. Marcelo conta que no início do ano começou a ter muitas dores na coluna e nas pernas. O diagnóstico foi rápido: era o peso. O corpo não estava suportando. Com 144 quilos, à época, o jornalista nunca havia se preocupado com o que a balança lhe dizia.

“Nunca havia me incomodado. Incomodava as pessoas, que me falavam para não comer isso, ou aquilo, para não beber isso, ou aquilo. Mas a partir desse momento passou a me incomodar, com as dores”, lembra.

Marcelo Soares é assessor de imprensa da maior unidade hospitalar pública do Rio Grande do Norte, e foi lá, no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, onde encontrou a primeira ajuda. “Procurei a nutricionista do Walfredo, que me passou uma dieta”, conta.

Já iniciando as mudanças alimentares, o jornalista ainda não tinha começado com os exercícios. Até que se deparou com a novidade de que ali, perto do trabalho, iria abrir uma academia de musculação. Matriculou-se.

“O instrutor perguntou meu peso e, quando eu disse, ele respondeu: ‘vamos perder 40 quilos’. Eu respondi ‘é impossível’. Mas, aos poucos, ele foi me mostrando que não era”, relembra.

As mudanças na alimentação e a adesão à prática esportiva tiveram início há seis meses. Além dos 33 quilos eliminados, Marcelo Soares diz que a maior evolução foi na qualidade de vida. “As taxas (hemograma) estão todas normalizadas. Eu tive que reaprender a comer. Junk food é ótimo. Pizza? Eu amo! Mas preciso saber quando posso ou não comer. Eu ainda tenho a cabeça de gordo, tenho vontade, mas eu resisto”, diz.
Segundo ele, hoje fica ansioso quando chega perto da hora de ir para a academia. O cardápio continua regrado pela nutricionista, e Marcelo não pretende parar. A meta é de perder o total de 40 quilos até dezembro. “Agora só faltam sete”, comemora.

“Você pode mudar de vida. Qualquer pessoa pode chegar onde cheguei. Qualquer pessoa pode ultrapassar o que já alcancei. Basta querer! Querer de verdade. Não porque alguém te enche diariamente o saco para não comer/beber isso ou aquilo. Não porque alguém te tira o juízo para você fazer uma cirurgia que depois só vai te fazer mal. Mude por você, faça por você! Por mais ninguém!”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*