Thaisa Galvão

10 de setembro de 2017 às 13:07

Ministro que decretou prisão de Joesley e Saud diz que eles omitiram informações na delação [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ministro relator da lava-jato, Edson Fachin, retirou hoje o sigilo do despacho que autorizou a prisão temporária de Joesley Batista e Ricardo Saud. 
A decisão foi tomada a partir do pedido de prisão apresentado, na última sexta (8), pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Abaixo a decisão de Fachin, de prender os dois e livrar da cadeia o ex-procurador Marcelo Muller.

Na decisão Fachin afirmou que decretou a prisão de Joesley e Saud porque os dois omitiram informações que eram obrigados a prestar, o que fez suspender provisoriamente parte dos benefícios previstos no acordo de delação premiada feito pelos executivos da J&F, grupo dono da JBS.
Fachin destaca ainda que há elementos que Joesley e Saud poderiam, em liberdade, encontrar estímulos para ocupar parte “parte dos elementos probatório, os quais se comprometerem a entregar às autoridades em troca de sanções premiais mas cuja entrega ocorreu, ao que tudo indica, de forma parcial e seletiva”.
Ao justificar a decisão de prender Joesley e Saud, Fachin afirma que os dois integram uma organização voltada à prática sistemática de delitos contra a administração pública e lavagem de dinheiro.

No documento divulgado neste domingo, Fachin justifica ainda o motivo de ter negado o pedido de prisão do ex-procurador da República Marcello Miller. 

Segundo o ministro, não são “consistentes” os indícios de que Miller tenha sido “cooptado” por organização criminosa. 

Ao encaminhar o pedido de prisão de Joesley e Saud, a Procuradoria-Geral da República também havia solicitado a prisão do ex-procurador.
Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*