Holiday

Thaisa Galvão

27 de outubro de 2018 às 18:53

Seta termina série de pesquisas estimando em 8% a maioria de Fátima sobre Carlos Eduardo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A última pesquisa do segundo turno reitera o que todas as outras realizadas desde a pré-campanha apontaram: a vitória de Fátima Bezerra como governadora do Rio Grande do Norte.

O instituto Seta estima uma vitória de Fátima com maioria sobre Carlos Eduardo Alves de 8% dos votos.

O Seta ficou entre Consult, que insistiu numa diferença de 5,4% dos votos válidos e 4,6% dos votos totais, e o Ibope que prevê uma maioria de 10% para Fátima.

Também no miolo entre as pesquisas extremas, o Certus apostou em 7% e o Big Data em 8%, assim como o Seta.

Eis os números da última pesquisa, divulgada menos de 20 horas do início da votação.

Considerando os votos válidos – sem nulo e sem indecisos – Fátima tem 54% das intenções de votos e Carlos Eduardo Alves 46%.

Considerando os votos totais, a diferença entre os dois candidatos também é de 8%.

Fátima – 43%

Carlos – 37%

Nulos – 15%

Indecisos – 5%

27 de outubro de 2018 às 17:33

Mossoró não deverá ter virada [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na mesa de cabeceira do vice de Carlos Eduardo Alves, Kadu Ciarlini, a certeza de que a virada não chegou a Mossoró.

No município do vice, a candidata Fátima Bezerra deverá vencer no segundo turno como aconteceu no primeiro.

Com uma diferença bem menor, mas continua vencendo.

Kadu sabe que a virada propagada na campanha de Carlos Eduardo não chegou a Mossoró.

27 de outubro de 2018 às 9:13

Certus: Maioria de Fátima Bezerra sobre Carlos Eduardo Alves é estimada em 7 pontos [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois do Ibope estimar em 10 pontos a diferença de Fátima Bezerra contra Carlos Eduardo Alves, o instituto Certus apontou hoje uma diferença de 7 pontos em favor de Fátima, levando em consideração os votos válidos.

Veja os números que reforçam o que todos os institutos disseram até agora: amanhã Fátima será eleita governadora do Rio Grande do Norte.

Levando em consideração os votos totais o Certus dá uma diferença menor entre os dois candidatos: 6,1

27 de outubro de 2018 às 0:34

Dirigentes e filiados da Rede confirmam boicote à candidatura de Styvenson e farão nova eleição para destituir atual presidente da legenda no RN [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Durante a campanha eleitoral no primeiro turno, leitores do Blog acompanharam o movimento da Rede Sustentabilidade, partido que “acolheu” o Capitão Styvenson Valentim, eleito senador mais votado do Rio Grande do Norte com quase 750 mil votos, e depois passou a boicotar sua candidatura.

O Blog divulgou o desenrolar da candidatura, ouviu o comando nacional da legenda, e o resultado foi o que todo mundo sabe.

O que o Blog não conseguia revelar era o que havia por trás das mudanças de planos repentinas da Rede.

Porém…

Agora revela.

Os filiados e dirigentes da Rede Sustentabilidade no RN decidiram fazer uma convocação estatutária para destituir o atual Porta Voz (presidente) no RN, Freitas Júnior.

Segundo o dirigente Francisco Costa, o edital de convocação para nova eleição será publicado na próxima semana e hoje um manifesto assinado por dirigentes e filiados foi divulgado.

Confira:

 

Manifesto – da Rede Sustentabilidade RN

 

Desde a sua criação no Rio Grande do Norte, ao final de 2015, a Rede Sustentabilidade tem como maior desafio ser uma inovação no sistema político potiguar. A REDE RN nasceu com o propósito basilar de não ser mais um espaço de velhas práticas políticas e totalitárias, mas, ao inverso, tentar contribuir para colocar a política a serviço do bem comum.

 

Não temos respostas prontas, mas temos certeza que esse é o caminho que queremos percorrer para construir respostas às indagações do presente e do futuro. Essencialmente somos um movimento de mudança.

 

E temos avançado. Desde a coleta de assinaturas, a perseverança tem sido a nossa marca na construção de um Estado mais justo e democrático, nos tornando em instrumentos de luta contra o poder das hierarquias. Como um partido novo, superamos inúmeras barreiras para nos organizarmos e atuarmos em rede com a sociedade.

 

No entanto, para construir um novo modelo de desenvolvimento sustentável, inclusivo, igualitário e diverso, é preciso ter um alinhamento partidário pautado em confiança, união, respeito e, sobretudo, ética. Neste último ponto, quando há falta de unidade, bom senso e horizontalidade de ações, as consequências podem ser desoladoras.

 

Foi o que aconteceu na REDE RN em 2018. Os rumos de algumas decisões centralizadoras tomadas pelo Porta-voz Estadual Freitas Júnior, desidratou a sigla em todo estado.  Por vezes o referido Porta-voz agiu ofensivamente contra alguns filiados, humilhou, perseguiu e até assediou moralmente membros do Diretório partidário. O protagonismo que se esperava, deu lugar a uma postura autoritária que aliada à falta de liderança de Freitas, acabou desconectando os filiados e membros da direção partidária.

 

Lamentavelmente, alguns de seus atos refletiram na candidatura cidadã ao senado do Capitão Styvenson Valentim, que sofreu repetidos boicotes divulgados pela mídia e com frequentes ameaças de ter a sua candidatura retirada. O resultado da ingerência de Freitas e sua falta de trato político com a candidatura cidadã do Capitão, que por sinal foi eleito, desgastou a relação dele (Styvenson) com o partido e vice-versa, chegando ao ponto de cessarem as conversas sobre os pontos programáticos estabelecidos.

 

E como se já não bastasse tanto, a falta de respeito aos princípios estatutários, à democracia interna, o descuido com a formação política, a desconexão com os movimentos de base, a falta de apoio aos candidatos a deputado estadual e federal nas eleições de 2018, a ausência de organização logística e liderança culminaram em um resultado eleitoral desolador, principalmente em relação aos números da disputa majoritária.

 

Neste contexto, a situação nos impõe uma reflexão sobre os rumos das decisões tomadas nos últimos anos pelo partido. Nós, filiados, cidadãos livres e independentes, que construímos a Rede diuturnamente desde a sua fundação, não nos esquivamos e, por isso, nos unimos para nortear os caminhos do partido por percebermos que a sigla está totalmente fora dos trilhos.

 

Urge que seja repactuado um retorno ao modelo partidário da REDE, originariamente fundamentada em valores como a igualdade, fraternidade e generosidade ética, seja individual e/ou coletivamente. Precisamos nos pautar nas bases sólidas do nosso estatuto e manifesto.

 

Diante disso, a grande maioria do Elo Estadual, descontente com a falta de democracia do seu porta-voz, que reiteradamente tem tomado decisões sem levar em consideração as opiniões dos demais membros e filiados, resolveu reconstruir suas bases.

 

Este manifesto sinaliza o reinício da REDE no RN, que primará, prioritariamente pela horizontalidade das decisões, cumprimento do estatuto do partido, com respeito à base política da Rede Sustentabilidade, amparada por um processo legitimamente democrático.

 

Nosso compromisso é com os movimentos sociais, núcleos vivos da sociedade, academia e população – coerente com o que é basilar do partido.

 

Como reforça o manifesto nacional, “Não faltará quem diga que tudo é apenas sonho. Para nós, sonho é apenas aquilo que ainda não está realizado, é o teto sob o qual se reunirão aqueles que querem fazer valer a sua vida, que acreditam na força coletiva, que não aceitam interdições à sua liberdade e ao seu direito de aspirar a um futuro melhor. Temos o desafio de instigar novos processos, unir as forças, a indignação e a criatividade dispersas. Apostamos na lógica colaborativa e fraterna. Não podemos mais tolerar a verticalização das decisões e ganhos, enquanto as perdas são cotidianamente horizontalizadas. Queremos ser a ferramenta de realização de sonhadores, pois não há outra maneira de ir adiante quando tudo parece difícil e até mesmo intransponível”!

 

 

Rede Sustentabilidade do Rio Grande do Norte

27 de outubro de 2018 às 0:31

Médico Sebastião Paulino relata pedido de socorro de paciente há 4 dias no corredor do Walfredo Gurgel [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Um grito da saúde pública do Rio Grande do Norte para o próximo governador do Rio Grande do Norte, que segundo todas as pesquisas divulgadas até agora, será Fátima Bezerra.

Por Sebastião Paulino, médico e advogado:

 

A SAGA IMPIEDOSA DA SAÚDE PÚBLICA

 

Este é o relato doloroso do idoso F.S.S, internado há 4 dias em uma das macas de um corredor sombrio do nosso maior hospital público, cuja responsabilidade de gestão é da Secretaria de Estado da Saúde Pública.

 

Paciente foi acolhido naquela unidade em decorrência de problema vascular em um de seus pés.

É diabético há alguns anos e toma sua medicação conforme orientação médica.

 

Já sem a visão, cabisbaixo, acompanhado por uma filha, aguarda o momento de transferência para outra unidade especializada no tratamento de sua patologia.

 

O tempo passa com vagar… as horas duram uma eternidade. O risco de piora é ameaçador, vez que não sendo tratado em tempo hábil, sabe que pode ingressar na estatística dos amputados.

São as agruras infindas de um sistema de saúde que já ocupa leitos de UTI há anos.

Indignado com o sofrimento, tento atenuar a dor. Mendigo a ajuda de outros e percebo que todos são impotentes.

O sistema é cruel. Vidas escorregam por entre nossas mãos enquanto a solução parece longínqua.

Dói conviver com tanto sofrimento evitável.

Dói muito mais saber que a solução existe e parece ser ignorada com mediocridade.

Lamentável!

 

O Sr. F.S.S. tem em suas veias um pouco do meu sangue.

Ainda guarda consigo as lembranças de uma época em que eu perseguia a minha formação médica. Lembra das minhas feições quando ainda tinha visão.

Costumava repetir que um dia poderia precisar do “socorro” médico… do meu atendimento.

Uma torrente de sentimentos conflitantes insiste em esfacelar a minha paciência e o meu modo sóbrio de enfrentar situações adversas de forma resiliente.

Enquanto eu aderno o meu desatino, ele continua lá… logo ele que me viu terminar o curso médico… logo ele que vibrou com a minha conquista.

Hoje, ele e a família esperam o mínimo do amigo médico. E o pior: eu não consigo ajudá-lo.

Palavras de conforto já não adiantam.

E como ele, outros e outros já estão a caminho do cadafalso, faz tempo.

Só me resta a indignação, o choro incontido e alguns sentimentos reprováveis.

Deus existe!

 

Natal, 26 de outubro de 2018.

 

Sebastião Paulino da Costa

Médico. CRM 2.495

Advogado. OAB/RN 2.994

21h