Thaisa Galvão

15 de novembro de 2018 às 10:32

Mistério: Que fim levou o projeto milionário apresentado pela Prefeitura e empresários para revolucionar o bairro do Alecrim? [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Por onde anda o tal ‘Grupo 25’ que em 2017, com aval da Prefeitura de Natal e assinatura embaixo de alguns empresários de Natal, apareceu como a salvação do Alecrim?

O Blog foi questionado por demais por ter sido, talvez o único veículo, a lançar lupas sobre as intenções do projeto que a Prefeitura, através da Semsur, achava o máximo.

Se o Blog achou estranho o surgimento do tal projeto, imagina o que pensar depois do desaparecimento do mesmo…

À época se falava em construção de um grande shopping no bairro.

Depois de alguns questionamentos aqui, sobre a chegada misteriosa de empresários “internacionais”, se revelou que o grande empresário era potiguar e quase dono do Alecrim todinho.

Como em ano-véspera de eleição se desconfia de tudo, o tal grupo que prometeu mudar a cara do Alecrim, entrou na lista dos suspeitos.

O estranho é que depois de muitos questionamentos foi que um representante apareceu para dar entrevistas…

De lá para cá, sumiço total, tanto do representante do grupo quanto dos empresários-padrinhos.

E o grupo que se dizia milionário ficou devendo até mesmo a anunciantes contratados através de uma agência de propaganda, que apesar de contratar, terceirizou o pagamento da dívida a uma pessoa que sequer atende quem procura.

O Blog estava ou não estava certo quando desconfiou do milagre às vésperas de um ano eleitoral?

Era 2017 e o Blog registrava a queda de braço entre os camelôs do Alecrim e a Secretaria de Serviços Urbanos de Natal.

Na tentativa de sensibilizar a população e ganhar apoio, o grupo que queria construir o tal shopping, retirando do local os ambulantes que lá estão há anos, espalhou em grupos de whats app, resultados de pesquisas que mostravam que a população, e até os camelôs, estavam querendo as reformas propostas pelo poder público.

Só o Blog botava em xeque as tais pesquisas…

Pelo lado dos camelôs, a grita foi grande e uma representante da categoria, a comerciante Jady Pereira, chegou a abrir o bocão em uma audiência pública na Câmara de Vereadores.

Também usou sua conta no facebook para escrever ao então prefeito Carlos Eduardo Alves, e dizer que o projeto que estava em curso, agradava a alguns empresários que queriam faturar sozinhos.

Só para relembrar:

O assunto rendeu, com questionamentos em torno do real dono do grupo investidor, e em outubro de 2017 o juiz Cícero Macedo mandou a Prefeitura de Natal suspender a retirada dos ambulantes do camelódromo do Alecrim e abriu uma linha de tentativa de conciliação.

A defesa dos camelôs questionou na justiça a legalidade da parceria público privada firmada entre a Prefeitura de Natal e a desconhecida (da população) empresa que prometia transformar o camelódromo em um shopping.

O juiz chegou a intimar a Prefeitura para apresentar explicações que não foram apresentadas…

E o que sobrou do projeto foi o esquecimento e as dívidas do tal “Grupo 25” com fornecedores…

Se alguém souber por onde anda o grupo milionário, quase “dono” do Alecrim todinho, mande mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*