Thaisa Galvão

31 de janeiro de 2019 às 7:56

Revista Época vai mostrar como ministra da família virou mãe adotiva de uma índia [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da série Governo Bolsonaro X Sistema Globo, é o jornalista Gilberto Dimenstein quem adianta no seu portal Catraca Livre:

 

Revista Época,da Globo, acusa Damares Alves de sequestro infantil

 

A nova edição da revista Época, que já está publicada no app para iOS e Android, reconstrói a história de como a ministra Damares Alves levou há 15 anos, de uma aldeia no Xingu, a menina que hoje apresenta como sua filha adotiva, Lulu Kamayurá.

A adoção nunca foi formalizada.

Uma das pessoas ouvidas pelos repórteres Natália Portinari e Vinícius Sassine é Tanumakaru, uma senhora octogenária e cega de um olho, avó da menina e quem a criou até mais ou menos seis anos.

Falando em tupi, ela contou que Lulu nasceu frágil e com inúmeros problemas de saúde.

Era menininha ainda quando Márcia Suzuki, braço direito da hoje ministra, se ofereceu para leva-la a um tratamento dentário.

“Chorei e Lulu estava chorando”, conta a avó.

“Disse que ia mandar de volta. Cadê?”

Damares conta que salvou a menina de ser sacrificada. Segundo os índios, ela foi levada na marra.

A ministra e Márcia são fundadoras de uma ong chamada Atini, ligada à Igreja Metodista, e voltada para assistência da população indígena. A capa, com um close da velha senhora, é forte e traz por título ‘A branca levou a Lulu’.

Sem detalhes, parte da história de Lulu já havia sido contada pela Folha*.

Segundo o jornal, adotar menores que alegam estar em situação de risco é prática comum da ong e há uma investigação do MP em curso.

A Funai hoje está sob comando de Damares.

 

CLIQUE AQUI para ler a reportagem da Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*