Holiday

Thaisa Galvão

26 de fevereiro de 2019 às 16:54

Condenado a mais de 200 anos, Sérgio Cabral explica porque roubava tanto: era viciado em dinheiro [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Condenado já a mais de 200 anos de prisão, o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, resolveu falar.

“Em nome da minha mulher e da minha família”.

E hoje voltou a depor ao Ministério Público Federal e ao juiz Marcelo Bretas.

O tema de hoje são os desvios de dinheiro na Secretaria Estadual de Saúde.

Cabral tem pedido para falar dizendo que precisa ficar bem com ele mesmo, e em dois depoimentos seguidos nos últimos dias, disse que já se sente aliviado.

Cabral confirmou esquema de propina na Saúde onde ele recebia 3% de todos os contratos e o secretário Sérgio Cortez recebia 2%.

Cabral disse que essa propina na Saúde já chegou a 10% mas o fato de ter caído pela metade não era porque ele era “bonzinho”.

Sérgio Cabral disse que seu grande erro foi “o apego ao dinheiro”, dizendo que “isso é um vício”…

Cabral citou como peças chaves os empresários Arthur Soares – o Rei Arthur – e Miguel Schin.

Confirmou que recebeu sim, dinheiro dos irmãos Chebar.

Antes ele negava envolvimento com os irmãos doleiros.

Cabral disse que seu ex-chefe da Casa Civil, Regis Fichner, sempre recebeu propina.

E que o ex-governador Pezão recebia desde quando era secretário de Obras do Rio de Janeiro.

Ele disse, inclusive, que a reeleição de Pezão, que custou oficialmente 170 milhões de reais, com dinheiro de propina custou mesmo 400 milhões.

Durante o depoimento Sérgio Cabral relatou que na cadeia combinou com outros presos as versões fantasiosas que eles falariam nos depoimentos.

Disse que Eduardo Paes não recebia propina, mas ele próprio, Sérgio Cabral, cuidou do Caixa2 para garantir sua campanha para prefeito do Rio.

Outro inocentado por Cabral: Joaquim Levy, que foi secretário de Fazenda.

O ex-governador declarou que Levy nunca lhe deu abertura para falar de propina, e quando não havia essa abertura, não havia esquema.

26 de fevereiro de 2019 às 14:12

Campanha: Família de São Rafael sem dinheiro para trazer corpo de filho encontrado morto em Lisboa [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Aos leitores do Blog, a notícia abaixo é real e não se trata de golpe como a gente está acostumado a se deparar.

Uma família do município de São Rafael está sofrendo com a morte de um jovem em Portugal e sem dinheiro para trazer o corpo para ser enterrado em casa.

Os custos estimados para o traslado do corpo são de 20 mil reais que a família não dispõe.

Aluísio Monteiro de Morais, brasileiro, de 32 anos, foi encontrado morto embaixo de um viaduto no dia 20 passado.

Ele estava em Lisboa há quase 3 meses, para onde foi tentar arranjar trabalho.

Quem puder ajudar os pais de Aluísio a trazerem o corpo do filho para que eles possam vê-lo pela última vez, pode depositar qualquer quantia em contas do Banco do Brasil ou Caixa Econômica.

Banco do Brasil

Agência: 0214-3

Conta-corrente: 43.853-7

Maria Aldeisa Monteiro de Morais

Ou

Caixa Econômica 

Agência: 0756

Conta: 00052679-0

Operação: conta poupança

Maria Aldeisa Monteiro de Morais

26 de fevereiro de 2019 às 13:49

Climão: Enquanto Álvaro vai a Brasília buscar dinheiro para consertar estragos em Igapó, Carlos Eduardo anuncia que vai sair no bloco ‘Se parar eu caio’ [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O prefeito de Natal Álvaro Dias e o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves, que não convivem nem dentro de uma procissão de festa católica, parece que não vão andar juntos também no Carnaval.

Hoje Carlos Eduardo Alves vai sair no ‘Se parar eu caio’, do amigo Cláudio Porpino

Álvaro foi a Brasília buscar dinheiro para resolver o problema de alagamentos da rua Santa Luzia, em Igapó, que prefeitos que administraram Natal de 30 anos para cá, incluindo Carlos Eduardo, 4 vezes prefeito, não resolveram.

O clima entre os ex-companheiros de chapa – Álvaro era vice até Carlos renunciar para tentar ser governador – é esse…um para um lado e o outro para o outro.

Não se cruzam nem em procissão nem em bloco de Carnaval.

26 de fevereiro de 2019 às 11:58

Prefeito Paulo Emídio diz que vai continuar inaugurando uma obra importante por semana em São Gonçalo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulo Emídio (PR), disse que vai continuar inaugurando uma obra importante por semana em seu município.

Paulinho deverá disputar reeleição no próximo ano, mas ele não se adianta sobre o assunto.

Na entrevista que nos concedeu no Jornal da Noite, na 95MaisFM, o prefeito falou de política e negou que a mulher Tereza, que foi candidata à deputada estadual, tenha intenção de assumir na Assembleia um mandato que não lhe foi conferido.

O prefeito nomeou o ex-deputado Jacó Jácome (PSD), primeiro suplente na AL, como secretário de Trânsito de São Gonçalo garantindo que a nomeação não trata de abertura de espaço para Tereza ficar na primeira suplência.

Na entrevista nesta segunda-feira, Paulo Emídio falou sobre o seminário ‘São Gonçalo de Oportunidades’, realizado com presença da classe política e de empresários.

Confira a entrevista:

26 de fevereiro de 2019 às 11:45

Ministro tenta se redimir, livra o presidente mas ego continua inflado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Antagonista:

Vélez Rodríguez reconhece erro e faz novo comunicado para as escolas

O ministro Vélez Rodríguez reconheceu o erro de sua mensagem reproduzindo o slogan da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro.

O novo comunicado do MEC, obtido pela Jovem Pan, diz:

“A carta a ser lida foi devidamente revisada a pedido do ministro, após reconhecer o equívoco, tendo sido retirado o trecho também utilizado durante o período eleitoral”.

*

Não mudou muita coisa não.

O ego do ministro continua inflado e agora os apulpos são somente para ele.

Até tentou dividir com o presidente Bolsonaro, mas não pegou bem.

O afago agora é só para ele, com filas de estudantes cantando o hino nacional e ouvindo a “bela carta” escrita pelo colombiano Vélez Rodrigues…

26 de fevereiro de 2019 às 10:58

Em nota, Conselho de Secretários de Educação diz que ministro fere autonomia de gestores escolares e entes da federação [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Nota do Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed – sobre a polêmica carta do ministro da Educação, Vélez Rodrigues:

26 de fevereiro de 2019 às 9:30

Presidente não se pronuncia sobre o ego inflado do colombiano que ele nomeou ministro da Educação [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente Jair Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre o ego inflado de seu ministro da Educação, que enviou carta aos diretores de escolas públicas pedindo para ser lida por estudantes diante da bandeira brasileira e cantando o hino nacional, com funcionários das escolas filmando tudo para mandar para o Ministério…

Nem o presidente foi tão longe.

Até agora não se teve notícia de Bolsonaro exibindo seu ego como fez o ministro Vélez Rodrigues…

26 de fevereiro de 2019 às 3:28

Jornalista da Band News FM chama ministro da Educação de ‘ridículo’ [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na BandNews FM, o jornalista Reinaldo Azevedo critica a polêmica carta enviada a diretores de escolas do Brasil e chama ministro da Educação de “ridículo”

26 de fevereiro de 2019 às 3:17

Ex-ministro da Educação diz que atual titular da pasta fere o Estatuto da Criança e a Constituição e não deveria continuar no cargo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do ex-ministro da Educação, Aloízio Mercadante, sobre a grande ideia do atual titular da pasta, Vélez Rodrigues de juntar estudantes de escolas públicas para cantar o hino nacional diante da bandeira brasileira enquanto ouve uma carta escrita por ele:

“É completamente ilegal tentar forçar a utilização do slogan do candidato Bolsonaro nas escolas. Igualmente ilegal é tentar se apropriar de  imagens de crianças para fins políticos. Tal atitude, além de eticamente inaceitável, fere abertamente o Estatuto das Crianças e dos Adolescentes (ECA), que exige a autorização formal dos pais para a utilização de imagens de crianças para qualquer finalidade”, disse Mercadante, que é do PT mas se posicionou com base na legislação, e não na ideologia.

“Além disso, atenta contra o artigo 37 da Constituição Federal que em seu § 1º do artigo XXII estabelece: “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”.

Segundo ainda o ex-ministro, o ato do ministro Vélez Rodríguez, ‘que tenta a apropriação indevida da escola  para fins partidários’, deve ser rigorosamente apurado e punido pelas autoridades competentes.

“Do ponto de vista ético e do futuro da educação, é insustentável a manutenção do ministro que usa a máquina pública para promover o governo, viola o Estatuto das Crianças e Adolescentes e que achincalha o povo brasileiro com suas declarações preconceituosas, infundadas, grosseiras e arrogantes”, ressaltou Mercadante.

26 de fevereiro de 2019 às 3:06

Educadores repudiam grande ideia do ministro da Educação que ganhou apoio do representante de escolas privadas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Não pegou bem a ‘grande ideia’ do ministro da Educação Vélez Rodrigues, de pedir que estudantes de escolas públicas olhem para a bandeira brasileira e cantem o hino nacional enquanto ouvem uma “bela carta” escrita por ele…

Aos repórteres Renato Grandelle e Paula Ferreira, do jornal O Globo, o diretor de Políticas Educacionais do ‘Todos Pela Educação’, Olavo Nogueira Filho, disse que considera que o MEC não sinaliza como os diretores devem proteger a imagem dos estudantes. Da mesma forma, a mensagem “Deus acima de todos” seria uma contradição à própria imagem que o governo federal tenta transmitir.

“O MEC criticava uma suposta doutrinação ideológica e coação moral promovida por outros governos, e agora, com este slogan, parece impor uma preferência”.

Ele diz ainda que a carta pode provocar questionamentos legais e ignora as ações prioritárias do ministério.

“O início do novo governo, que chega com o capital político em alta, deveria ser usado para indicar como valorizar a profissão do docente, melhorar a educação básica, debater a continuidade da Base Nacional Comum Curricular e aumentar o diálogo com estados e municípios na área da educação. Nada disso foi discutido nos últimos dois meses”, condenou Nogueira Filho.

Segundo ainda a reportagem do Globo, o Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed), que representa os gestores estaduais da área, não soube dizer se todas as escolas estaduais do país receberam a orientação e afirmou que ainda não mediu o alcance da ação do MEC.

Em nota o Consed afirma que a medida fere a autonomia dos gestores e dos entes da federação e defende que “o ambiente escolar deve estar imune a qualquer tipo de ingerência político-partidária”.

Segue a nota:

“O que o Brasil precisa, ao contrário de estimular disputas ideológicas na Educação,  é que a União,  os Estados e os Municípios priorizem um verdadeiro pacto na busca pela aprendizagem.”

O presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), entidade que representa cerca de 40 mil escolas privadas no país, Ademar Batista Pereira, gostou de tudo isso que o Brasil está repudiando.

Também os alunos das escolas privadas não vão ter que pagar o mico, reservado às escolas públicas.

“Não há problema em falar “Deus acima de todos”. É bom fazer um apelo à religiosidade, independentemente da crença do estudante”, disse Pereira ao Globo, remetendo a Deus o que na realidade se trata de slogan de campanha política.

O representante das escolas privadas, que é dono de uma escola em Curitiba, considera que a filmagem das crianças perfiladas cantando o hino nacional também não seria problemática.

“Deve-se preservar a imagem das crianças, mas, quando elas são retratadas em grupo, não há como manipular a filmagem em uma rede social”, disse ao Globo…

O representante das escolas privadas achou tudo bonitinho, e não pareceu preocupado com a qualidade da educação…

26 de fevereiro de 2019 às 2:45

Com ego maior do que a função da pasta da Educação, ministro quer ser adorado por estudantes de escolas públicas diante da bandeira do Brasil [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Oi?

Não basta o ministro da Educação, Vélez Rodríguez, comunicar através de carta, que as escolas públicas tem que retomar a prática de cantar o hino nacional, ele ainda pede que os diretores das escolas filmem os alunos cantando?

É isso mesmo?

Aí bate a curiosidade: quem é Vélez Rodrigues?

Seu currículo no Wikipedia diz que ele é um teólogo, filósofo, ensaísta e professor colombiano naturalizado brasileiro, com visões políticas descritas como de extrema-direita…

Mas o que tem a ver com as posições do ministro, a privacidade das crianças das escolas públicas?

Educadores se manifestaram e trataram a postura do Ministério como ideológica.

É que além do pedido para cantar o hino, o ministro ainda entoou na carta o slogan da campanha do presidente Jair Bolsonaro.

Leia o e-mail enviado aos diretores de escolas:

“Prezados Diretores, pedimos que, no primeiro dia da volta às aulas, seja lida a carta que segue em anexo nesta mensagem, de autoria do Ministro da Educação, Professor Ricardo Vélez Rodríguez, para professores, alunos e demais funcionários da escola, com todos perfilados diante da bandeira do Brasil (se houver) e que seja executado o hino nacional.

Solicita-se, por último, que um representante da escola filme (pode ser com celular) trechos curtos da leitura da carta e da execução do hino nacional. E que, em seguida, envie o arquivo de vídeo (em tamanho menor do que 25 MB) com os dados da escola”.

Aí de novo vem a pergunta:

Oi?

Uma verdadeira Ode ao ministro Vélez Rodrigues?

Ouvir uma ‘pérola’ escrita por um ministro, “perfilado diante da bandeira brasileira” foi pra lá de demais.

Agora a carta/slogan: