Thaisa Galvão

27 de fevereiro de 2019 às 23:15

Ex-prefeita de Maxaranguape é presa em operação do Ministério Público [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A ex-prefeita de Maxaranguape, Maria Ivoneide da Silva, conhecida por Neidinha, foi presa na tarde desta quarta-feira na operação ‘Noteira’, do Ministério Público do Rio Grande do Norte.

Ela responde por fraude em licitação pública, peculato, associação criminosa e supressão de documento público, quando foi prefeita entre 2009 e 2016.

O nome da operação faz alusão a um termo usado pelos órgãos de fiscalização tributária para identificar empresas de fachada usadas para emitir notas frias.

 

A operação apurou emissão de notas fiscais pela KSA e Escritório Comércio e Serviços Eireli – ME, em 2013 e 2014, localizada em Parnamirim.

 

As 353 notas fiscais analisadas chegaram ao valor de R$ 1.552.467,32 e segundo o MP, causaram um rombo nas contas públicas do município de Maxaranguape.

 

As provas colhidas pelo MPRN demonstram que com o encerramento do mandato de Maria Ivoneide, em dezembro de 2016, documentos públicos da Prefeitura, referentes, ao menos, ao período de 2013 a 2016, foram extraviados.

Além de Maria Ivoneide, foram denunciados pelo MPRN o também ex-prefeito de Maxaranguape Amaro Saturnino, o empresário e contador Júlio César da Silva e o pregoeiro Everton Xavier de Oliveira.

Amaro Saturnino foi denunciado por peculato, corrupção passiva e associação criminosa. Júlio César responde por fraude em licitação pública, peculato, corrupção ativa e associação criminosa. E Everton Xavier foi denunciado por fraude em licitação pública.

 

A Justiça bloqueou os bens de Maria Ivoneide, Amaro Saturnino e Júlio César da Silva até o limite de R$ 2.671.663,61, valor supostamente desviado nas fraudes apuradas pelo MPRN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*