Holiday

Thaisa Galvão

27 de fevereiro de 2019 às 13:03

O Globo publica detalhes da delação premiada de ex-executivos [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O jornal O Globo acaba de publicar, com exclusividade, detalhes da delação premiada de ex-executivos.

A ex-governadora Rosalba Ciarlini foi a única citada no Rio Grande do Norte.

Confira:

 

EXCLUSIVO (O GLOBO): Executivos da OAS delatam pagamentos de R$ 125 milhões a 21 políticos

Empreiteira teria distribuído valores para pagar propina e financiar campanhas de forma irregular

Aguirre Talento

BRASÍLIA – Uma das maiores empreiteiras do país, com contratos bilionários no Brasil e no exterior, a OAS distribuiu entre 2010 e 2014 cerca de R$ 125 milhões em propinas e repasses de caixa dois a pelo menos 21 políticos de oito partidos. A revelação foi feita por oito ex-funcionários que atuavam na “Controladoria de Projetos Estruturados”, o departamento clandestino da empreiteira, em delação homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado e que era mantida até agora em sigilo.

 

O GLOBO teve acesso a um relatório de 73 páginas da Procuradoria-Geral da República (PGR) em que a procuradora-geral, Raquel Dodge, resume as revelações dos ex-executivos, contidas em 217 depoimentos, e pede providências ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo. Os funcionários do setor revelaram os nomes dos políticos, as campanhas financiadas irregularmente, as obras superfaturadas para alimentar o caixa clandestino da empreiteira e o método de funcionamento do esquema.

 

A lista de beneficiários elencada pelos delatores é multipartidária e reuniria alguns dos mais proeminentes políticos do país no período. Entre os acusados de receber propina estão o senador Jaques Wagner (PT) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU), além do ex-governador Fernando Pimentel (PT-MG), do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) e do ex-ministro Edison Lobão (MDB-MA).

Vários outros teriam recebido caixa dois, entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o senador José Serra (PSDB-SP), o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o ex-prefeito Eduardo Paes e o ex-governador Sérgio Cabral. Procurados, eles refutaram as acusações ou negaram-se a comentá-las.

 

Há ainda uma longa lista de burocratas de estatais, integrantes de fundos de pensão, empresários e doleiros que também são citados como beneficiários de dinheiro do setor. É a primeira vez que integrantes da OAS explicam como funcionava o sistema de propinas da empreiteira. O esquema ilegal da construtora envolvia o superfaturamento de obras emblemáticas, como estádios da Copa de 2014, a transposição do Rio São Francisco, o Porto Maravilha, no Rio, e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste, além de empreendimentos no exterior. Uma parte desses recursos extras seria posteriormente repassada aos políticos.

 

De acordo com a delação, a OAS assinava contratos frios com empresas de fachada, no Brasil e no exterior, para esquentar o dinheiro. Um dos principais operadores desse caixa era Alberto Youssef, doleiro preso pela Operação Lava-Jato, que fechou delação em 2014 e começou a revelar a extensão das relações criminosas da empreiteira com o universo político.

 

No relatório enviado ao Supremo, a procuradora-geral, Raquel Dodge, pede o envio de depoimentos da delação dos ex-executivos para até nove estados onde a Justiça de primeira instância investiga políticos que receberam dinheiro sujo da OAS. A procuradora-geral também solicita que as acusações dos ex-funcionários sejam anexadas a inquéritos que tramitam no Supremo e no Superior Tribunal de Justiça (STJ) de modo a embasar investigações contra políticos com foro privilegiado.

 

“Nestes autos, há narrativa de diversos fatos que podem constituir infrações penais, dentre eles o pagamento de vantagens indevidas a parlamentares federais. Para facilitar a análise dos documentos coligidos e a definição de competência do Supremo Tribunal Federal ou de outros órgãos da jurisdição, segue o resumo de cada termo de declaração e da providência ora solicitada”, escreve Raquel Dodge.

 

Cúpula Envolvida

Diretor Financeiro da OAS, Mateus Coutinho de Sá era o encarregado de repassar ao departamento as “demandas de caixa dois” e de propina. O volume de repasses clandestinos a políticos era atualizado mensalmente pelas diretorias e superintendências regionais da empreiteira, que encaminhavam os pedidos de suborno e de caixa dois à Direção Financeira. Essa contabilidade era feita por José Maria Linhares. Depois de aprovada pela cúpula da OAS, a ordem de pagamento do suborno ou do caixa dois era enviada ao setor, que providenciaria, via doleiros, a entrega dos recursos em espécie em todo o território nacional. O encarregado de providenciar entregas de propina no Sudeste e no Sul era José Ricardo Breghirolli. Já no Centro-Oeste, Norte e Nordeste, a função era delegada a Adriano Santana.

 

Havia ainda dois gestores encarregados diretamente da função de elaborar “contratos fictícios”, firmados com fornecedores para esquentar os recursos desviados de obras para bancar os políticos. No Brasil, que exercia a função era Roberto Souza Cunha. Nas obras no exterior, quem tocava era Alexandre Portela. Havia ainda um encarregado apenas pela área de “caixa dois”, Ramilton Lima, e um gerente de propinas e verbas desviadas apenas de obras da Petrobras e do setor elétrico, Marcelo Thadeu da Silva.

Fundada pela família do empresário Cesar Mata Pires, a empreiteira tornou-se um dos maiores grupos empresariais do país durante os governos do PT.

Sob o comando do engenheiro e ex-presidente da empresa José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, a OAS conquistou capital político abastecendo clandestinamente campanhas eleitorais e pagando mesadas a burocratas do serviço público. Pinheiro também negociou um acordo de delação com a PGR. Suas confissões ainda estão em fase de produção de depoimentos e coletas de provas, para só depois serem submetidas para homologação do ministro Edson Fachin.

 

A delação dos ex-funcionários da OAS foi homologada em março do ano passado por Fachin. As revelações dos ex-funcionários da empreiteira deram início a investigações que tramitam em sigilo desde o fim do ano passado. Em agosto, Fachin autorizou que o material fosse compartilhado com o Ministério Público Federal e a Polícia Federal em pelo menos nove estados e permitiu as primeiras investigações preliminares sobre o caso.

 

Os delatores citam algumas obras nas quais houve superfaturamento de serviços:

Arena das Dunas (Rio Grande do Norte), Arena do Grêmio (Rio Grande do Sul), Canal do Sertão (Alagoas), duplicação da BR-101 (Pernambuco), prédio da Petrobras em Salvador (Bahia), reforma do Aeroporto de Guarulhos (São Paulo), reforma da orla de Jaboatão dos Guararapes (Pernambuco), transposição do Rio São Francisco (Nordeste) e Trilha Transcarioca (Rio de Janeiro).

 

O desvio para caixa dois fazia parte da contabilidade das obras da OAS e os pagamentos a políticos eram organizados em planilhas internas. “A demanda de caixa dois já era incluída nas propostas que iam para licitação das obras, quando havia demanda”, explicou o ex-executivo Roberto Souza Cunha. “Todo mês, as obras atualizavam as informações e encaminhavam para sua respectiva diretoria operacional para aprovação. Depois, encaminhavam para a área de custos, ligada à diretoria financeira, que consolidava as informações. Dentre elas, constava a necessidade de caixa dois de cada obra”, afirmou Roberto Cunha.

 

Lava-Jato x Leniência

A OAS é a última das grandes empreiteiras atingidas pela Lava-Jato cujos executivos assinaram um acordo de delação premiada. Por isso, a empresa traz os últimos elementos pendentes do quebra-cabeça montado pela investigação.

Desde novembro de 2014, quando foi deflagrada a sétima fase da Lava-Jato que colocou na prisão os principais empreiteiros do país, assinaram acordos de colaboração premiada executivos das empreiteiras Camargo Corrêa, UTC, Andrade Gutierrez, Odebrecht, Galvão Engenharia e Mendes Júnior. O porte das suas revelações, porém, deixa a OAS em patamar próximo à Odebrecht: ambas tinham departamentos específicos para gerir pagamentos de propina e tinham como regra a geração de contabilidade paralela para pagar políticos.

 

A atual situação econômica da empresa, porém, é de crise, em recuperação judicial. A OAS ainda tenta viabilizar um acordo de leniência (espécie de delação premiada para pessoas jurídicas) com os órgãos de controle para tentar virar de vez a página da Lava-Jato.

 

 

27 de fevereiro de 2019 às 9:21

Atual juíza do TRE, Adriana Magalhães Faustino integra lista tríplice e vai disputar novo mandato [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A advogada Adriana Magalhães Faustino, que está concluindo mandato de 2 anos como juíza do TRE, vai disputar mais uma vez.

O nome dela foi um dos escolhidos para a lista tríplice escolhida pelo Tribunal de Justiça.

Pela ordem a lista foi composta por Fabrízio Feliziano, Adriana Magalhães Faustino e Edmar Moura.

Quem vai escolher o novo juiz do TRE é o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Os 3 candidatos já devem ter telefonado para os padrinhos políticos com acesso ao Palácio do Planalto.

Ou direto com o presidente ou com um ministro forte…

É assim que sempre funciona.

Abaixo a lista dos advogados que foram para a escolha da lista tríplice:

27 de fevereiro de 2019 às 8:53

RN registrou redução de mortes violentas em 2018: foram 19% assassinatos a menos em relação a 2017 [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O G1 está publicando hoje o Monitor da Violência, um balanço dos índices de assassinatos em 2018 nos 26 estados e no Distrito Federal, num comparativo com o ano de 2017.

No país, a queda de mortes violentas caiu 13%, o que significa 7.539 vítimas a menos em um ano.

Apenas os estados do Amapá, Tocantins e Roraima tiveram aumento no número de mortes violentas.

Pernambuco registrou a maior queda: foram 23% crimes a menos.

O RN caiu 19%

Foram 2.246 assassinatos em 2017 contra 1.819 em 2018, sendo o Estado com a maior redução de mortes violentas no segundo quadro onde a queda ficou entre 19% e 15%, e que incluem além do RN, o Rio Grande do Sul e Sergipe.

26 de fevereiro de 2019 às 16:54

Condenado a mais de 200 anos, Sérgio Cabral explica porque roubava tanto: era viciado em dinheiro [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Condenado já a mais de 200 anos de prisão, o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, resolveu falar.

“Em nome da minha mulher e da minha família”.

E hoje voltou a depor ao Ministério Público Federal e ao juiz Marcelo Bretas.

O tema de hoje são os desvios de dinheiro na Secretaria Estadual de Saúde.

Cabral tem pedido para falar dizendo que precisa ficar bem com ele mesmo, e em dois depoimentos seguidos nos últimos dias, disse que já se sente aliviado.

Cabral confirmou esquema de propina na Saúde onde ele recebia 3% de todos os contratos e o secretário Sérgio Cortez recebia 2%.

Cabral disse que essa propina na Saúde já chegou a 10% mas o fato de ter caído pela metade não era porque ele era “bonzinho”.

Sérgio Cabral disse que seu grande erro foi “o apego ao dinheiro”, dizendo que “isso é um vício”…

Cabral citou como peças chaves os empresários Arthur Soares – o Rei Arthur – e Miguel Schin.

Confirmou que recebeu sim, dinheiro dos irmãos Chebar.

Antes ele negava envolvimento com os irmãos doleiros.

Cabral disse que seu ex-chefe da Casa Civil, Regis Fichner, sempre recebeu propina.

E que o ex-governador Pezão recebia desde quando era secretário de Obras do Rio de Janeiro.

Ele disse, inclusive, que a reeleição de Pezão, que custou oficialmente 170 milhões de reais, com dinheiro de propina custou mesmo 400 milhões.

Durante o depoimento Sérgio Cabral relatou que na cadeia combinou com outros presos as versões fantasiosas que eles falariam nos depoimentos.

Disse que Eduardo Paes não recebia propina, mas ele próprio, Sérgio Cabral, cuidou do Caixa2 para garantir sua campanha para prefeito do Rio.

Outro inocentado por Cabral: Joaquim Levy, que foi secretário de Fazenda.

O ex-governador declarou que Levy nunca lhe deu abertura para falar de propina, e quando não havia essa abertura, não havia esquema.

26 de fevereiro de 2019 às 14:12

Campanha: Família de São Rafael sem dinheiro para trazer corpo de filho encontrado morto em Lisboa [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Aos leitores do Blog, a notícia abaixo é real e não se trata de golpe como a gente está acostumado a se deparar.

Uma família do município de São Rafael está sofrendo com a morte de um jovem em Portugal e sem dinheiro para trazer o corpo para ser enterrado em casa.

Os custos estimados para o traslado do corpo são de 20 mil reais que a família não dispõe.

Aluísio Monteiro de Morais, brasileiro, de 32 anos, foi encontrado morto embaixo de um viaduto no dia 20 passado.

Ele estava em Lisboa há quase 3 meses, para onde foi tentar arranjar trabalho.

Quem puder ajudar os pais de Aluísio a trazerem o corpo do filho para que eles possam vê-lo pela última vez, pode depositar qualquer quantia em contas do Banco do Brasil ou Caixa Econômica.

Banco do Brasil

Agência: 0214-3

Conta-corrente: 43.853-7

Maria Aldeisa Monteiro de Morais

Ou

Caixa Econômica 

Agência: 0756

Conta: 00052679-0

Operação: conta poupança

Maria Aldeisa Monteiro de Morais

26 de fevereiro de 2019 às 13:49

Climão: Enquanto Álvaro vai a Brasília buscar dinheiro para consertar estragos em Igapó, Carlos Eduardo anuncia que vai sair no bloco ‘Se parar eu caio’ [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O prefeito de Natal Álvaro Dias e o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves, que não convivem nem dentro de uma procissão de festa católica, parece que não vão andar juntos também no Carnaval.

Hoje Carlos Eduardo Alves vai sair no ‘Se parar eu caio’, do amigo Cláudio Porpino

Álvaro foi a Brasília buscar dinheiro para resolver o problema de alagamentos da rua Santa Luzia, em Igapó, que prefeitos que administraram Natal de 30 anos para cá, incluindo Carlos Eduardo, 4 vezes prefeito, não resolveram.

O clima entre os ex-companheiros de chapa – Álvaro era vice até Carlos renunciar para tentar ser governador – é esse…um para um lado e o outro para o outro.

Não se cruzam nem em procissão nem em bloco de Carnaval.

26 de fevereiro de 2019 às 11:58

Prefeito Paulo Emídio diz que vai continuar inaugurando uma obra importante por semana em São Gonçalo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulo Emídio (PR), disse que vai continuar inaugurando uma obra importante por semana em seu município.

Paulinho deverá disputar reeleição no próximo ano, mas ele não se adianta sobre o assunto.

Na entrevista que nos concedeu no Jornal da Noite, na 95MaisFM, o prefeito falou de política e negou que a mulher Tereza, que foi candidata à deputada estadual, tenha intenção de assumir na Assembleia um mandato que não lhe foi conferido.

O prefeito nomeou o ex-deputado Jacó Jácome (PSD), primeiro suplente na AL, como secretário de Trânsito de São Gonçalo garantindo que a nomeação não trata de abertura de espaço para Tereza ficar na primeira suplência.

Na entrevista nesta segunda-feira, Paulo Emídio falou sobre o seminário ‘São Gonçalo de Oportunidades’, realizado com presença da classe política e de empresários.

Confira a entrevista:

26 de fevereiro de 2019 às 11:45

Ministro tenta se redimir, livra o presidente mas ego continua inflado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Antagonista:

Vélez Rodríguez reconhece erro e faz novo comunicado para as escolas

O ministro Vélez Rodríguez reconheceu o erro de sua mensagem reproduzindo o slogan da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro.

O novo comunicado do MEC, obtido pela Jovem Pan, diz:

“A carta a ser lida foi devidamente revisada a pedido do ministro, após reconhecer o equívoco, tendo sido retirado o trecho também utilizado durante o período eleitoral”.

*

Não mudou muita coisa não.

O ego do ministro continua inflado e agora os apulpos são somente para ele.

Até tentou dividir com o presidente Bolsonaro, mas não pegou bem.

O afago agora é só para ele, com filas de estudantes cantando o hino nacional e ouvindo a “bela carta” escrita pelo colombiano Vélez Rodrigues…

26 de fevereiro de 2019 às 10:58

Em nota, Conselho de Secretários de Educação diz que ministro fere autonomia de gestores escolares e entes da federação [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Nota do Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed – sobre a polêmica carta do ministro da Educação, Vélez Rodrigues:

26 de fevereiro de 2019 às 9:30

Presidente não se pronuncia sobre o ego inflado do colombiano que ele nomeou ministro da Educação [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente Jair Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre o ego inflado de seu ministro da Educação, que enviou carta aos diretores de escolas públicas pedindo para ser lida por estudantes diante da bandeira brasileira e cantando o hino nacional, com funcionários das escolas filmando tudo para mandar para o Ministério…

Nem o presidente foi tão longe.

Até agora não se teve notícia de Bolsonaro exibindo seu ego como fez o ministro Vélez Rodrigues…

26 de fevereiro de 2019 às 3:28

Jornalista da Band News FM chama ministro da Educação de ‘ridículo’ [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na BandNews FM, o jornalista Reinaldo Azevedo critica a polêmica carta enviada a diretores de escolas do Brasil e chama ministro da Educação de “ridículo”

26 de fevereiro de 2019 às 3:17

Ex-ministro da Educação diz que atual titular da pasta fere o Estatuto da Criança e a Constituição e não deveria continuar no cargo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do ex-ministro da Educação, Aloízio Mercadante, sobre a grande ideia do atual titular da pasta, Vélez Rodrigues de juntar estudantes de escolas públicas para cantar o hino nacional diante da bandeira brasileira enquanto ouve uma carta escrita por ele:

“É completamente ilegal tentar forçar a utilização do slogan do candidato Bolsonaro nas escolas. Igualmente ilegal é tentar se apropriar de  imagens de crianças para fins políticos. Tal atitude, além de eticamente inaceitável, fere abertamente o Estatuto das Crianças e dos Adolescentes (ECA), que exige a autorização formal dos pais para a utilização de imagens de crianças para qualquer finalidade”, disse Mercadante, que é do PT mas se posicionou com base na legislação, e não na ideologia.

“Além disso, atenta contra o artigo 37 da Constituição Federal que em seu § 1º do artigo XXII estabelece: “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”.

Segundo ainda o ex-ministro, o ato do ministro Vélez Rodríguez, ‘que tenta a apropriação indevida da escola  para fins partidários’, deve ser rigorosamente apurado e punido pelas autoridades competentes.

“Do ponto de vista ético e do futuro da educação, é insustentável a manutenção do ministro que usa a máquina pública para promover o governo, viola o Estatuto das Crianças e Adolescentes e que achincalha o povo brasileiro com suas declarações preconceituosas, infundadas, grosseiras e arrogantes”, ressaltou Mercadante.

26 de fevereiro de 2019 às 3:06

Educadores repudiam grande ideia do ministro da Educação que ganhou apoio do representante de escolas privadas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Não pegou bem a ‘grande ideia’ do ministro da Educação Vélez Rodrigues, de pedir que estudantes de escolas públicas olhem para a bandeira brasileira e cantem o hino nacional enquanto ouvem uma “bela carta” escrita por ele…

Aos repórteres Renato Grandelle e Paula Ferreira, do jornal O Globo, o diretor de Políticas Educacionais do ‘Todos Pela Educação’, Olavo Nogueira Filho, disse que considera que o MEC não sinaliza como os diretores devem proteger a imagem dos estudantes. Da mesma forma, a mensagem “Deus acima de todos” seria uma contradição à própria imagem que o governo federal tenta transmitir.

“O MEC criticava uma suposta doutrinação ideológica e coação moral promovida por outros governos, e agora, com este slogan, parece impor uma preferência”.

Ele diz ainda que a carta pode provocar questionamentos legais e ignora as ações prioritárias do ministério.

“O início do novo governo, que chega com o capital político em alta, deveria ser usado para indicar como valorizar a profissão do docente, melhorar a educação básica, debater a continuidade da Base Nacional Comum Curricular e aumentar o diálogo com estados e municípios na área da educação. Nada disso foi discutido nos últimos dois meses”, condenou Nogueira Filho.

Segundo ainda a reportagem do Globo, o Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed), que representa os gestores estaduais da área, não soube dizer se todas as escolas estaduais do país receberam a orientação e afirmou que ainda não mediu o alcance da ação do MEC.

Em nota o Consed afirma que a medida fere a autonomia dos gestores e dos entes da federação e defende que “o ambiente escolar deve estar imune a qualquer tipo de ingerência político-partidária”.

Segue a nota:

“O que o Brasil precisa, ao contrário de estimular disputas ideológicas na Educação,  é que a União,  os Estados e os Municípios priorizem um verdadeiro pacto na busca pela aprendizagem.”

O presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), entidade que representa cerca de 40 mil escolas privadas no país, Ademar Batista Pereira, gostou de tudo isso que o Brasil está repudiando.

Também os alunos das escolas privadas não vão ter que pagar o mico, reservado às escolas públicas.

“Não há problema em falar “Deus acima de todos”. É bom fazer um apelo à religiosidade, independentemente da crença do estudante”, disse Pereira ao Globo, remetendo a Deus o que na realidade se trata de slogan de campanha política.

O representante das escolas privadas, que é dono de uma escola em Curitiba, considera que a filmagem das crianças perfiladas cantando o hino nacional também não seria problemática.

“Deve-se preservar a imagem das crianças, mas, quando elas são retratadas em grupo, não há como manipular a filmagem em uma rede social”, disse ao Globo…

O representante das escolas privadas achou tudo bonitinho, e não pareceu preocupado com a qualidade da educação…

26 de fevereiro de 2019 às 2:45

Com ego maior do que a função da pasta da Educação, ministro quer ser adorado por estudantes de escolas públicas diante da bandeira do Brasil [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Oi?

Não basta o ministro da Educação, Vélez Rodríguez, comunicar através de carta, que as escolas públicas tem que retomar a prática de cantar o hino nacional, ele ainda pede que os diretores das escolas filmem os alunos cantando?

É isso mesmo?

Aí bate a curiosidade: quem é Vélez Rodrigues?

Seu currículo no Wikipedia diz que ele é um teólogo, filósofo, ensaísta e professor colombiano naturalizado brasileiro, com visões políticas descritas como de extrema-direita…

Mas o que tem a ver com as posições do ministro, a privacidade das crianças das escolas públicas?

Educadores se manifestaram e trataram a postura do Ministério como ideológica.

É que além do pedido para cantar o hino, o ministro ainda entoou na carta o slogan da campanha do presidente Jair Bolsonaro.

Leia o e-mail enviado aos diretores de escolas:

“Prezados Diretores, pedimos que, no primeiro dia da volta às aulas, seja lida a carta que segue em anexo nesta mensagem, de autoria do Ministro da Educação, Professor Ricardo Vélez Rodríguez, para professores, alunos e demais funcionários da escola, com todos perfilados diante da bandeira do Brasil (se houver) e que seja executado o hino nacional.

Solicita-se, por último, que um representante da escola filme (pode ser com celular) trechos curtos da leitura da carta e da execução do hino nacional. E que, em seguida, envie o arquivo de vídeo (em tamanho menor do que 25 MB) com os dados da escola”.

Aí de novo vem a pergunta:

Oi?

Uma verdadeira Ode ao ministro Vélez Rodrigues?

Ouvir uma ‘pérola’ escrita por um ministro, “perfilado diante da bandeira brasileira” foi pra lá de demais.

Agora a carta/slogan:

25 de fevereiro de 2019 às 23:25

Sem ninguém para chamar de seu, sítio de Atibaia é sequestrado pela justiça e será leiloado [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Já que o ex-presidente Lula jura por Deus que não é dono, e que sua mulher Marisa Letícia não vive mais para contar a história, o sítio de Atibaia foi sequestrado pela 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba.

O sequestro foi efetivado pelo Registro de Imóveis de Atibaia (SP).

A Justiça Federal ainda deve decidir quando a propriedade pode ir a leilão. No despacho, a juíza determinou o sequestro independentemente do trânsito em julgado da ação.

 

25 de fevereiro de 2019 às 22:51

Com virose, governadora Fátima é atendida no Giselda Trigueiro [2] Comentários | Deixe seu comentário.

A governadora Fátima Bezerra baixou hospital na noite desta segunda-feira.

Fátima foi atendida no hospital do Estado, o Giselda Trigueiro, e recebeu diagnóstico de uma virose “braba”.

Como ela mesma relatou em seu twitter:

25 de fevereiro de 2019 às 18:53

Detran realiza vistoria nos ônibus de transporte escolar de seis municípios [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Detran segue com vistorias nos ônibus escolares das prefeituras do interior do Estado.

No sábado (23), foram vistoriados 35 veículos de Canguaretama, Baía Formosa, Vila Flor, Tibau do Sul, Espírito Santo e Pedro Velho.

A medida faz parte do Acordo de Cooperação Técnica firmado entre o Detran e o Ministério Público Estadual (MPE) que tem como objetivo fiscalizar a frota de ônibus estudantis que transportam alunos das escolas públicas de todo o Rio Grande do Norte.

25 de fevereiro de 2019 às 13:38

No ranking dos parlamentares mais influentes nas redes sociais, Jean-Paul Prates é o primeiro e Fábio Faria o último da bancada do RN [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O senador Jean-Paul Prates (PT) foi destacado entre os parlamentares mais influentes nas redes sociais.

O levantamento foi feito pela FSBinfluênciaCongresso, que avaliou o desempenho de todos os parlamentares nas redes sociais entre 1º e 20 de fevereiro.

Jean-Paul ficou como o mais influente da bancada federal potiguar, no ranking onde o deputado Fábio Faria (PSD) ficou na última posição.

Entre os 594 congressistas (deputados e senadores), Jean-Paul está na 80ª posição, ocupando a 18° posição só no Senado.

A pesquisa monitorou a repercussão de todos os posts dos congressistas no Facebook, Twitter e Instagram.

Congressistas do Rio Grande do Norte

Jean-Paul Prates – 80° posição

Capitão Styvenson – 142°

Zenaide Maia- 436°

General Girão- 121°

Natália Bonavides -186°

Benes Leocádio – 214°

Walter Alves – 278°

João Maia – 320°

Rafael Motta – 359°

Beto Rosado – 414°

Fábio Faria – 471°

25 de fevereiro de 2019 às 12:29

Deputado João Maia pede apoio da bancada a projeto que levará internet rápida para todo o RN [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal João Maia (PR) entra na luta para atualizar a comunicação no interior do Rio Grande do Norte, o que poderá acontecer a partir da implantação da ‘Infovia Potiguar’, projeto desenhado no Instituto Metrópole Digital, da UFRN, e que leva internet de fibra ótica para todas as regiões do Estado.

Maia aposta nesse projeto como uma “fábrica de oportunidades”, podendo ser executado a partir de parcerias público privada.

No final de semana, em parceria com o professor Sérgio Fialho, da UFRN, João Maia assinou artigo na Tribuna do Norte em defesa do projeto, onde faz um comparativo entre a chegada da energia de Paulo Afonso e a chegada da internet: ambos considerados ‘gêneros de primeira necessidade’.

 

CLIQUE AQUI para melhor qualidade de leitura do artigo.

 

No print abaixo, o desenho da Infovia Potiguar, por onde, de acordo com o projeto, a rede de fibra ótica passará.

25 de fevereiro de 2019 às 12:00

Em defesa do trabalhador rural, Zenaide Maia diz que o Governo deve cobrar de quem deve [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da senadora Zenaide Maia (Pros) em seu discurso na audiência pública promiovida pelo deputado Chico do PT sobre a aposentadoria rural:

“Sou contra. Primeiro cobre de quem deve”, disse Zenaide, lembrando que o Governo ‘tira bilhões da seguridade com a DRU’.

A DRU (Desvinculação de Receitas da União), aprovada em 2016, aumenta a flexibilidade para que o governo use parte dos recursos do orçamento com despesas que considerar mais importantes.

A autorização deixa o Governo livre para usar 30% das receitas específicas.

Porém, a proposta enviada ao Congresso elimina a Desvinculação de Receitas da União (DRU) de contribuições que financiam saúde, assistência social e Previdência Social.