Thaisa Galvão

7 de outubro de 2019 às 9:01

Cirurgião plástico do Rio Grande do Norte é resgatado após 13 horas à deriva em mar de Pernambuco [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Entre os mergulhadores desaparecidos no mar de Pernambuco, e resgatados nesta segunda-feira, está o poriguar Alan Filgueira.

Alan é médico, cirurgião plástico.

Saiba mais sobre o assunto:

Quatro mergulhadores desapareceram no mar na tarde do domingo (6) e foram encontrados na madrugada desta segunda-feira (7), na Região Metropolitana do Recife. De acordo com o grupo, eles ficaram cerca de 13 horas à deriva.

Os quatro homens saíram do Cabanga Iate Clube para realizar um mergulho técnico com o Rebreather, aparelho que possibilita que o mergulhador inspire novamente o gás expirado, no naufrágio Corveta Camaquã.

O naufrágio fica localizado a 22 milhas náuticas, o que equivale a aproximadamente 40 quilômetros da costa, na posição relativa à Coroa do Avião, no município de Itamaracá. Equipes da Marinha e o helicóptero do Corpo de Bombeiros participaram das buscas.

Entre os mergulhadores que saíram no catamarã Mandacaru, estava o médico Alan Filgueira. “À deriva, foram 13 horas solto, derivando em direção à praia. De mergulho, foram aproximadamente duas horas. A gente subiu por volta das 13h30”, contou nesta segunda.

Como a Corveta Camaquã fica a 56 metros de profundidade, chegar à superfície exige descompressão, explicou Filgueira. Segundo ele, uma forte correnteza, que não havia sido identificada na rota, provavelmente causou o acidente.

“Quando a gente desceu, não tinha corrente. Provavelmente, dentro do mergulho, a corrente cresceu e nós não sentimos. Quando a gente voltou a subir no cabo, vimos que estava correndo bastante água e que o barco estava muito longe”, disse.

Para Figueira, a correnteza pode ter afundado a boia, que serve de referência para o barco localizar os mergulhadores. Ele e outros três mergulhadores conseguiam ver o barco, mas, por causa da distância, a tripulação não conseguia encontrá-los.

“A gente viu o barco, porque ele é grande. Vimos quando começaram a fazer o padrão de busca, mas a melhor opção foi soltar o cabo e derivar até a praia. […] Passamos muito tempo em alto mar”, afirmou.

O grupo foi encontrado nas proximidades da praia do Janga, por um barqueiro que estaria ajudando nas buscas com outra embarcação, segundo o Corpo de Bombeiros.

O helicóptero do Corpo de Bombeiros chegou a ser utilizado para auxiliar nas buscas. O G1 entrou em contato a Marinha, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*