Thaisa Galvão

29 de novembro de 2019 às 7:23

STF derruba intenção de Flávio Bolsonaro de engavetar caso Queiroz [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do blog de Andreia Sadi, no G1:

STF adia estratégia de Flávio Bolsonaro de arquivar caso Queiroz em 2019

O julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que discute o compartilhamento de dados do antigo Coaf (hoje Unidade de Inteligência Fiscal – UIF) em investigações ainda não terminou.

Mas, o tribunal já formou maioria pela validação do envio de informações, o que frustra os planos de aliados de Flávio Bolsonaro (Sem partido-RJ) de arquivar o chamado “caso Queiroz” ainda neste ano.

Em setembro, o advogado do senador, Frederik Wassef, antecipou à GloboNews que esperava que os ministros do Supremo acompanhassem o entendimento do presidente da corte, Dias Toffoli, de restringir o compartilhamento de informações.

Foi uma decisão de Toffoli que suspendeu investigações com uso de dados do Coaf em julho, a pedido da defesa de Flávio Bolsonaro.

No fim de 2018, relatório do Coaf apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O documento revelou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, que havia atuado como motorista e assessor de Flávio Bolsonaro à época em que o parlamentar do PSL era deputado estadual.

Em setembro, o advogado afirmou: “Aguardando esta decisão, o próximo passo será comunicar nos autos do HC [habeas corpus] no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para que cesse e seja arquivado aquele procedimento do MP [Ministério Público], uma vez que começou de forma ilegal e são nulos todos os procedimentos desde o primeiro momento”.

No entanto, com a maioria formada no STF nesta quarta-feira (27), os advogados do senador já trabalham com o adiamento da estratégia de arquivar o caso Queiroz ainda este ano 2019.

Agora, a preocupação de aliados de Flávio é a de que, se as investigações do Queiroz forem retomadas com a autorização do STF, o desgaste à imagem do presidente da República, Jair Bolsonaro, no discurso do combate à corrupção se estenda ao ano eleitoral.

Alguns ministros consideraram em seus votos que relatórios da UIF podem ser considerados como prova se o Ministério Público entender serem suficientes para apresentação de uma denúncia. A questão foi citada no voto do ministro Alexandre de Moraes, que teve o entendimento acompanhado por outros quatro ministros.

O relator do caso Queiroz é o ministro Gilmar Mendes – que deve decidir sobre a liberação das investigações só após o julgamento do STF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*