Thaisa Galvão

16 de dezembro de 2007 às 12:55

Garibaldi: aliança com Wilma é administrativa e candidatura de Hermano só se for viável [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O senador Garibaldi Filho disse agora ao Blog que o seu entrosamento com a governadora Wilma de Faria não tem nada de político.
GARIBALDI FILHO – É administrativo, visando os interesses do estado. Não poderia passar por política, eu acho que não.
THAISA GALVÃO – O senhor acha ou tem certeza?
GARIBALDI – Eu tenho certeza. E acho até que, sem querer direcionar o trabalho de vocês (imprensa), que nessa hora não seria interessante desviar para o lado político, porque aí a minha função começa a ser desvalorizada em casa. Não viu que a Folha foi atrás até do meu programa de rádio, que faço desde 1965? Eu ganhei agora audiência privilegiada, eles lá estão ouvindo (o programa Falando Francamente). Então se essa coisa política repercute lá, não é bom para o Rio Grande do Norte”
THAISA – A imprensa está de olho no senhor né?
GARIBALDI – Foi a primeira coisa que Lula me disse na última conversa que tive com ele. ´Se prepare que a imprensa não vai deixar você descansar´. Mas não se referiu a essas denúncias antigas não, se referiu ao dia-a-dia da Presidência do Senado.
THAISA – Falando de 2008. O senhor acha que por estar no cargo de presidente, o PMDB realmente terá o poder de eleger o prefeito de Natal? O fato do senhor estar presidente fará do vereador hermano Morais um nome forte como a imprensa está dizendo?
GARIBALDI – Sinceramente, como eu sempre gosto de falar. Eu compreendo o entusiasmo dos amigos pela conquista, mas eleição do Senado é uma coisa e eleição para prefeito é outra. Não posso fazer com que minha eleição no Senado conduza a eleição de Natal em 2008. Acho que melhorou o entusiasmo das pessoas.
THAISA – O deputado Henrique Alves continua sendo o seu candidato a prefeito?
GARIBALDI – Eu acho que os nomes mais fortes são o meu e o de Henrique. Não por sermos primos (referindo ao nepotismo apontado pela Folha), mas falando em nomes do PMDB. Mas nós não queremos. Não posso sair de uma eleição para o Senado já tratando de eleição para prefeito. E Henrique acaba de ser reconduzido líder do PMDB na Câmara, então nenhum dos dois têm como ser candidato a prefeito.
THAISA – E Hermano? O senhor acha que o nome dele é forte?
GARIBALDI – Tem que ver agora depois do trabalho dele como presidente do partido em Natal, pra ver se tem como viabilizar sua candidatura. Não temos pesquisas, só sabemos de pesquisas…Hermano é um nome bom, conceituado, elogiado, mas a disputa majoritária é parada.
THAISA – Se o nome dele não for viabilizado, o senhor vai continuar defendendo?
Aí fica difícil defender. E ele sabe disso, Tem me dito que não será um obstáculo no partido.

16 de dezembro de 2007 às 12:12

Garibaldi avalia reportagens da Folha: \”Não tem nada demais contra mim\” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente do Senado, Garibaldi Filho, está neste momento na casa dos pais, Garibaldi Alves e vanice.
Vai almoçar com a família e depois segue para Parnamirim, para o Natal das crianças que o tio-prefeito Agnelo Alves promove todo ano.
À noite Garibaldi vai ao Machadão e será recebido pelo primo-prefeito Carlos Eduardo, no camarote oficial. Para assistir ao show de Roberta Sá.
Garibaldi acabou de receber os jornais Folha de S. Paulo, O Globo e estadão.
“O Jornal do Brasil não chega aqui”, disse o presidente, que mandou o secretário Fernando sair para comprar os jornais.
“Confesso que não li detalhes ainda (referindo-se às reportagens da Folha), mas Zé Wilde e Gaudêncio Torquato leram pra mim e avaliaram que não tem nada demais contra mim”, respondeu Garibaldi ao Blog.
“É que isso aqui é uma vitrine danada”, avaliou o senador.
Perguntei se ele estaria preparado para as pedras atiradas contra a vitrine.
“Pelo menos durante um ano vou ter que estar”, respondeu o potiguar que permanecerá na Presidência do Senado até fevereiro de 2009.
Garibaldi disse que “por essas denúncias” lembradas pelos jornais, ele não vê possibilidade de envolvimento do seu nome, já que tudo é coisa antiga, que já foi investigada – “e olhe que investigaram até demais” – e nada lhe atingiu diretamente.
“Só vou cuidar para que nada de novo aconteça. Tenho que ficar vigilante para evitar um possível equívoco, um problema com auxiliar, por exemplo”, disse um presidente cuidadoso, como teria que ser qualquer um que assumisse o lugar deixado por Renan Calheiros.

16 de dezembro de 2007 às 11:54

Garibaldi assina artigo sobre Democracia na Folha de S. Paulo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A Folha de S. Paulo…mata e cura.
Deu espaço ao senador Garibaldi Filho para que ele escrevesse, como quisesse, um artigo para ser publicado na edição bombada deste domingo.
Garibaldi Filho, escreveu, ganhou espaço privilegiado….mas em compensação…voltou a ser alvo de matérias que falam do espaço garantido ao senador em emissoras de rádio..de nepotismo como marca da família Alves.
Como nem todo mundo tem acesso à Folha pela internet, já que é um espaço reservado a assinantes, o Blog bota no ar, tanto o artigo qcomo as reportagens.
Aqui é de graça:
Abaixo, o artigo assinado pelo presidente do Senado.

O resgate dos princípios democráticos
GARIBALDI ALVES FILHO

Como novo presidente do Senado, pretendo adotar medidas para corrigir rumos, remover entraves, desobstruir a pauta
A DEMOCRACIA representativa está em crise em todos os quadrantes mundiais, provocando alterações nos vetores de força de alguns de seus componentes. Como resultado, vemos o enfraquecimento dos Parlamentos, a dispersão das oposições, a fragmentação e a pasteurização partidária e a desconjunção no sistema de pesos e contrapesos criado para promover a harmonia entre os Poderes.
Na esteira desses fenômenos, a democracia brasileira se depara com uma cultura política eivada de mazelas, a partir do patrimonialismo, situação que confere ao sistema político-institucional uma arquitetura peculiar, tomando-se como exemplo a figura do nosso hiperpresidencialismo, que acaba plasmando um parlamentarismo às avessas: o Executivo realiza as ações decorrentes do arsenal legislativo que ele mesmo impõe.
O abuso de medidas provisórias usurpa a função legislativa do Congresso. O Poder Legislativo também se vê diante de um conjunto de decisões emanadas das altas cortes da Justiça, algumas exibindo nítido caráter normativo, sob o argumento dos magistrados de que, se assim o fazem, é porque o Parlamento falha no cumprimento da ação legislativa. Ou seja, os princípios constitucionais da independência, autonomia e harmonia entre os Poderes perdem força.
Sob essa moldura e com a consciência de que não podemos mais conviver com as contrafações que rasgam a letra constitucional, assumo a presidência do Senado Federal.
Inspira-me a idéia-mor de resgatar a prática democrática da tripartição dos Poderes, com respeito às funções atinentes a cada ente, sem o que se tornarão frágeis os eixos da nossa incipiente democracia.
Entendamos que o Congresso Nacional, quando não decide, não o faz por indolência nem por falta de capacidade técnica. As duas Casas abrigam o entrechoque de idéias, o conflito de opiniões, em respeito às diversas correntes da opinião pública. Sua decisão só se efetiva quando se chega a um consenso ou à intermediação das divergências.
Ao editar uma medida provisória ou ao tomar uma decisão baseada em códigos jurídicos herméticos, distantes da compreensão comum, o Executivo e o Judiciário não se balizam pela harmonia dos contrários. O primeiro tem diante de si premências e carências tempestivas da administração, e o segundo não pode se afastar da frieza dos textos jurídicos, sob pena de se envolver no debate emotivo das ruas e impregnar-se de parcialidade.
Como novo presidente do Senado e do Congresso, pretendo adotar medidas para corrigir rumos, como as que possibilitam o exame sumário das medidas provisórias sem caráter de urgência e relevância. Trabalharei para que esse exame seja feito em conjunto pelas Mesas da Câmara e do Senado, afastando, de pronto, a obstrução das pautas. Outros entraves deverão ser removidos, como os excessivos prazos de publicação, leituras reiteradas, discussões, que, em matérias reconhecidamente relevantes, poderão ser dispensados pelas lideranças, em decisão majoritária, sem prejuízo da decisão final do plenário.
O Congresso precisa trabalhar com uma agenda positiva, abrigando temas que exijam rápida decisão. A reforma tributária não pode ser novo remendo, mas um conjunto de propostas capazes de atender, de forma satisfatória, às reais necessidades dos entes federativos. Não é possível só transferir receitas e encargos maiores que as receitas sem que isso se faça de forma a restaurar o equilíbrio perdido entre União, Estados e municípios.
A reforma tributária não se esgota em tributos. Implica real divisão de poder entre todos os mandatários. Ou se faz repartição de forma mais justa, ou não se faz reforma.
De igual modo, urge realizar a reforma política. Não podemos ficar a reboque do Judiciário, que começa a legislar até em matéria política. Os partidos precisam ganhar substância doutrinária, deixando de ser siglas de baixa referência. O sistema partidário há de ganhar vigor pelo adensamento de escopos doutrinários e engajamento das bases, essenciais para evitar a ação arbitrária das cúpulas e o oportunismo. Voto distrital, puro ou misto, financiamento de campanhas políticas, cláusulas de barreira, suplências de candidatos majoritários constituem temas, entre outros, que podem contribuir para o aperfeiçoamento do sistema político.
Essa é uma agenda mínima que ponho à mesa do debate para o revigoramento da nossa democracia.

16 de dezembro de 2007 às 11:52

Folha questiona participação de Garibaldi em rádios [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Leia, na íntegra, reportagem da Folha de hoje sobre a participação do senador Garibaldi Filho em rádios do Rio Grande do Norte e Paraíba.

Garibaldi fala 5 vezes por semana em rádios do NE
Novo presidente do Senado participa de bate-papo transmitido em 20 emissoras
Ao menos 3 rádios, segundo a assessoria do senador, recebem para veicular o programa; as demais fariam divulgação gratuitamente

JOHANNA NUBLAT
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Para se manter próximo de seu eleitorado, o novo presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), conta com uma rede de 20 emissoras de rádio que transmitem cinco dias por semana o seu programa de bate-papo, o "Falando Francamente".
São 19 emissoras no Rio Grande do Norte e uma na Paraíba, segundo a assessoria do senador. Pelo menos três delas, ainda de acordo com os assessores, recebem pagamento em dinheiro público para veicularem o programa -da chamada verba indenizatória, recurso à parte do salário dos parlamentares que permite despesas com "divulgação de mandato".
O gasto com as três rádios é, sempre segundo a assessoria de Garibaldi, de R$ 2.200 mensais. As outras emissoras divulgariam o material gratuitamente.
A proximidade do senador com meios de comunicação foi revelada pela Folha, no início do mês. A reportagem mostrou que o Ministério das Comunicações -comandado pelo mesmo partido de Garibaldi- havia excluído o nome do senador da composição societária da TV Cabugi, em Natal.
A reportagem entrou em contato com as três que receberiam pela divulgação e com outras três. Todas alegaram sigilo comercial e não informaram detalhes do acordo.
O programa existe desde 1965 e trata de política e amenidades. Nas duas últimas semanas, o senador aproveitou o espaço para trabalhar sua candidatura à presidência da Casa e para falar da CPMF.
Na terça-feira da semana passada, dia da votação do processo em que o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) foi acusado de compra de rádios por meio de laranjas, Garibaldi disse a seus ouvintes que, diferentemente do processo anterior de Renan, da segunda vez ele votaria pela absolvição do colega. Ao se posicionar, foi repreendido por Erivan (técnico do estúdio) e Gerlane (assessora), personagens freqüentes nas gravações.
"Sei que estou contrariando muita gente, inclusive Erivan e Gerlane, que estão aqui contrariadíssimos e formam uma frente anti-Renan", brincou.
A coloquialidade e o bom humor são marcas do programa. Na sexta-feira, ele elogiou o "Festival do Camarão" de Natal e aproveitou para fazer propaganda de um amigo.
"E o "Festival do Camarão", ah, meu Deus! É bom tudo, mas esse camarão é de primeira. Quem me convidou foi o Aldo, que é muito amigo meu e dono da ótica que faz meus óculos." O programa costumava ser gravado num pequeno estúdio de seis metros quadrados no antigo gabinete do senador -que agora ocupa outro maior, o da presidência. A rotina do programa, assim como a do próprio senador, deve ser alterada. Os assessores já encomendaram um pequeno aparelho portátil para facilitar as gravações.

16 de dezembro de 2007 às 11:51

Folha aponta nepotismo como marca da família Alves [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A Folha de S. Paulo mandou um repórter a Natal. Eubens Valente voltou a São Paulo com histórias e declarações de potiguares, e a constatação: que a família do presidente do Senado tem como característica, o nepotismo.
Leia a íntegra da reportagem:

Nepotismo é marca da família de senador
Apelidados de "bacurau" por ocultarem nomeação de apadrinhados, o clã se reveza com os "araras" no governo do RN desde os anos 60
Pai do presidente do Senado diz que agressões da política nordestina conduzem as famílias à "solidariedade; fomos sempre muito unidos"

RUBENS VALENTE
ENVIADO ESPECIAL A NATAL

Bacurau é uma ave de hábitos noturnos e também o apelido de um trem que, nos anos 60, partia de Natal (RN) só de madrugada. Diz o folclore que o ex-ministro do governo Sarney (1985-1990) Aluízio Alves, cacique da política potiguar e chefe do clã que tem presença ativa no Estado desde os anos 60, quando governava o Estado costumava distribuir os diários oficiais que trouxessem muitas nomeações de apadrinhados e parentes em edições limitadas e no final da noite. Assim, poucas pessoas conseguiam vê-los -como o trem da madrugada.
Os adversários logo carimbaram Aluízio, morto aos 84 anos em 2005, com o pejorativo "bacurau", associado a nepotismo e empreguismo. O clã apropriou-se do apelido e hoje todos se orgulham dele.
O novo presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), por exemplo, é um bacurau de alta plumagem. Uma marca negativa de suas duas administrações no Rio Grande do Norte (1995-2002) -além de ter enterrado duas CPIs e inúmeras denúncias de irregularidades que envolvem secretários de Estado- é o uso de cargos públicos para acomodar parentes e agregados.
Ao assumir o governo, em 1995, Garibaldi colocou o irmão, Paulo, na secretaria de Trabalho e Ação Social (depois, na Casa Civil), o pai, na presidência da Junta Comercial, o sobrinho, Sérgio, como oficial de gabinete da Governadoria, a irmã, Maria Auxiliadora, na presidência de uma fundação. A agência publicitária que venceu a licitação do governo, a RAF, pertencia a um primo.
Na segunda gestão, o governador emplacou o irmão como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Um conselheiro se aposentou "voluntariamente" e em troca foi empossado secretário de Agricultura de Garibaldi. Hoje Paulo é o presidente do TCE. Na quinta, o tribunal que tem a tarefa de julgar contas dos administradores públicos concedeu moção de congratulações a Garibaldi pela eleição no Senado.

Trajetória
É assim desde o começo da longa, acidentada e muitas vezes vitoriosa trajetória da família Alves, que já teve ministro, governadores, senadores, prefeitos, deputados federais e estaduais. O próprio Garibaldi começou a vida política em 1966 na gestão do tio, Agnelo Alves, então prefeito de Natal e hoje prefeito de Parnamirim. Com apenas 19 anos, Garibaldi foi nomeado chefe da Casa Civil.
Nenhum Alves esconde que a atuação de parentes em bloco é um método de trabalho. "A política, sobretudo a nordestina, é muito de agressões. Isso conduz as famílias a uma certa solidariedade. Fomos sempre muito unidos", conta Garibaldi Alves, 84, pai do presidente do Senado e irmão de Aluízio Alves.
Garibaldi, pai, teve um irmão assassinado por causa de brigas políticas. Expedito, então prefeito da cidade de origem do clã, Angicos (RN), foi morto a tiros por um adversário.
Não raro, as brigas entre os militantes, até os anos 80, também acabavam em brigas. Principalmente contra os "araras", apelido do outro clã que se reveza com os Alves no poder, a família Maia. A atual governadora, Wilma de Faria (PSB), foi secretária na gestão do atual senador José Agripino Maia (DEM) nos anos 80 e foi casada com o ex-deputado Lavoisier Maia. Os clãs se alternam no governo do Estado desde, pelo menos, os anos 60, com curtos intervalos de ausência.
"Todas as famílias que optam por nossa profissão [política] trabalham juntas. O líder Aluízio serviu de espelho para toda a nossa família", disse Luiz Porpino, 65, secretário particular de Aluízio por mais de 40 anos.

Sobrevivência
O trabalho familiar não significa, contudo, fidelidade cega. O sorridente e cordato Garibaldi Alves Filho tem um farto senso de sobrevivência política. Em 2001, quando o Ministério Público e a Polícia Civil do Estado invadiram a casa de sua irmã, Maria Auxiliadora, atrás de documentos que incriminassem o seu marido, Marcos Nelson dos Santos, o então governador teria sido avisado com antecedência, mas deixou de interceder em favor da irmã. Em seguida pôde dar uma resposta, ao impedir que a Assembléia instaurasse uma CPI que atingiria seu governo e sua família.
Como em toda família, o tempo cura as feridas. O senador diz que "se dá muito bem" com o cunhado acusado de tráfico de influência em duas ações penais em andamento no fórum de Natal, movidas pelo Ministério Público. Pelos depoimentos de Santos, que sempre isentou Garibaldi de qualquer participação em seus lobbies, a recíproca é verdadeira.
Os Alves hoje se ajudam principalmente quando o objetivo é abrir espaço na mídia para um parente político. Eles detêm um dos dois maiores jornais do Estado, a "Tribuna do Norte", entre quatro e 12 emissoras de rádio, ninguém sabe ao certo, e participação societária na afiliada da Rede Globo em Natal.
Embora poderosa politicamente, a família não ostenta grandes propriedades rurais ou empresas. O pai do senador diz não ter mais do que 400 cabeças de gado, um rebanho médio para os caciques nordestinos. Garibaldi Filho costuma dizer que não tem dinheiro nem para suas campanhas eleitorais.

16 de dezembro de 2007 às 11:50

Folha entrevista Garibaldi sobre Presidência do Senado e Governo Lula [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na linha mata e cura…a Folha bate e abre espaço para o senador Garibaldi Filho.
Que respondeu perguntas sobre sua eleição para o cargo antes ocupado por Renan Calheiros, e o papel do Senado frente ao governo Lula da Silva.
Leia a entrevista.
Governo precisa melhorar articulação, diz Garibaldi
Novo presidente do Senado avalia que Planalto tem de rever relacionamento com a base
Peemedebista aposta que conseguirá recuperar a credibilidade da Casa e cogita divulgar gastos com verba indenizatória
ADRIANO CEOLIN
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Mesmo depois de ter chegado à presidência do Senado com o apoio do grupo que salvou Renan Calheiros (PMDB-AL) da cassação do mandato, Garibaldi Alves (PMDB-RN) aposta que conseguirá recuperar a credibilidade da Casa.
Uma das propostas dele é tornar público os gastos dos senadores com verba indenizatória -como ocorreu na Câmara. Garibaldi afirmou que já recebeu pedidos para manter pessoas indicadas por senadores em cargos na direção da Casa, mas disse que poderá realizar concursos públicos para contratação de pessoal.
Em entrevista à Folha anteontem, Garibaldi disse que "aprendeu uma lição" e que ganhou "confiança" ao presidir a sessão em que foi derrubada a prorrogação da CPMF, na madrugada de quinta-feira. Ele também fez críticas à articulação política do governo e defendeu a construção de uma nova maioria no Senado. Garibaldi conversou com a Folha por telefone ao chegar a Natal, onde foi recebido no aeroporto com festa, antes de discursar em carro de som.
FOLHA – Como o senhor avalia esses primeiros dias de trabalho?
GARIBALDI ALVES – A votação da CPMF me deu muita confiança para encarar os novos desafios que teremos pela frente na condução dos trabalhos.
FOLHA – O senhor chegou à presidência com denúncias de que sua campanha ao Senado foi paga com dinheiro ilegal e de que programas da época em que era governador são investigados.
GARIBALDI – Aquilo tudo é passado. Principalmente nos últimos meses do Senado, durante o processo de julgamento do senador Renan Calheiros, o espírito investigativo ficou muito acirrado.
FOLHA – O senhor reconhece que chegou à presidência com o apoio de Renan?
GARIBALDI – Nós contamos, claro, com o voto dele e do grupo [de senadores] que o apóia.
FOLHA – O que lhe chamou mais atenção nesses primeiros dias de presidência?
GARIBALDI – Nesses primeiros dias convivi com esse episódio da CPMF. A votação mostrou que a correlação de forças no Senado beneficia a oposição. Por isso, o governo tem de ter uma atitude de revisão no seu relacionamento com a base aliada. Melhorar a coordenação política.
FOLHA – O senhor pretende tomar alguma medida administrativa?
GARIBALDI – Eu vou tomar medidas institucionais, administrativas, mas eu ainda estou em fase de preparação. Nós vamos aproveitar o recesso para reunir informações, levar as lideranças e, depois, tomar as decisões. Temos de analisar o número de medidas provisórias. Alguns senadores dizem que o regimento interno está ultrapassado.
FOLHA – O senhor vai abrir para o público a divulgação dos gastos com verba indenizatória?
GARIBALDI – Eu sou a favor. A Câmara dos Deputados já faz isso e eu acho que o Senado deve fazer também.
FOLHA – Mas o senhor não acredita que há resistências na Casa?
GARIBALDI – Acredito que não. Nós não podemos ficar apenas no discurso de que vamos recuperar a credibilidade. É preciso demonstrar na prática.
FOLHA – O senhor recebeu pedidos tanto de senadores quanto de servidores para manutenção de empregos ou criação de cargos?
GARIBALDI – Os de maior números são os pedidos de permanência nos cargos. As pessoas que querem permanecer.
FOLHA – E o senhor vai poder atender?
GARIBALDI – Eu vou poder atender na medida em que eles não se constituírem um problema para o funcionamento da estrutura administrativa.
FOLHA – Como senhor vê o funcionamento do Senado? Tem de aumentar ou diminuir o número de pessoal?
GARIBALDI – Não conheço muito de perto a situação. Eu acredito que o número de aposentadorias hoje já é razoável diante das primeiras nomeações que foram feitas. Ao mesmo tempo, o número de concursos não foi tão grande.
FOLHA – O senhor está pensando em fazer algum concurso?
GARIBALDI – Talvez para algumas áreas especializadas.

16 de dezembro de 2007 às 0:23

Prefeito Carlos Eduardo convida Alceu Valença para o Carnaval de Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O cantor Alceu Valença acaba de dizer, entre uma música e outra, no palco do Machadão, que o prefeito Carlos Eduardo e o presidente da Capitania das Artes, Dácio Galvão, o convidaram para cantar no Carnaval de Natal, na programação promovida pela Prefeitura.
Valença disse que prometeu pensar e pensar…
Porque durante os dias de folia, ele nunquinha saiu do eixo Recife-Olinda, onde defende o frevo com unhas e dentes.
Mas prometeu pensar…
Sabe o que eu acho?
Vem não.

15 de dezembro de 2007 às 23:44

Fátima Bezerra prestigia programação de natal do prefeito Carlos Eduardo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A deputada-candidata Fátima Bezerra (PT) não perde uma oportunidade.
Onde ela sabe que pode conquistar simpatia e apoio…lá está ela.
Fátima tem prestigiado tudo o que o prefeito Carlos Eduardo tem feito.
Nesse momento, Fátima está no camarote da Prefeitura, no estádio Machadão.
Foi assistir, com Carlos Eduardo e o pai Agnelo, o show de Alceu Valença.
Chegou atrasada para o show de Marina Elali.

15 de dezembro de 2007 às 23:36

Vivaldo Costa faz coro com deputados do PR e lança candidatura de João Maia a governador [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ainda repercute o encontro do PR, realizado na manhã deste sábado no Centro de Convenções de Natal…
O presidente do partido, deputado João Maia, jura que só fala sobre 2008 em 2008…
Só que seu aliado mais forte, com mandato na Assembléia Legislativa, deputado Vivaldo Costa….pulou 2008…e lançou a candidatura de João Maia a governador do RN..em 2010…
E foi depois de Vivaldo dizer com todas as letras que o PR terá candidato a governador, e que “a bola da vez será João Maia”…que a governadora discursou, elogiou João Maia e disse que queria estar sempre perto do PR…
Aí depois de Vivaldo, os deputados federais do partido, Luciano Castro (RR), Milton Monte (PR) e Maurício Quintella (AL) falaram na candidatura de João Maia em 2010…
O líder do PR na Câmara, Luciano Castro, declarou que o colega potiguar não tem prestígio só com os políticos do partido…
”João Maia tem prestigio e é respeitado não só no PR, mas com todos os deputados”, declarou o Republicano.

\"\"                                                                 Milton Monte, Luciano Castro, Wilma, João, Vivaldo e Maurício Quintella, na foto exclusiva do blog de Marcos Dantas (www.marcosdantas.com)

15 de dezembro de 2007 às 23:30

Agripinistas prestigiam encontro do PR [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Democrata e agripinista de carteirinha, o deputado José Adécio foi presença comentada no encontro do PR, neste sábado.
Adécio chegou ao Centro de Convenções acompanhado do filho, Gustavo Costa, que é presidente do DEM Jovem.
Outro deputado presente ao evento foi Arlindo Dantas, do PHS.
Pai de Alexandre, filiado ao PR e candidato a prefeito de São José de Mipibu.

15 de dezembro de 2007 às 22:48

Cláudio Humberto repercute casamento de Lavô e Terezinha e publica foto do DeSaboya [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Único colunista a ter acesso ao casamento do ex-governador e deputado Lavoisier Maia, Chrystian de Saboya emplacou mais uma foto de suas exclusivas – a mesma que o Blog ganhou e publicou ontem – no site de Cláudio Humberto.
Veja o que escreveu o colunista polêmico da Corte, em nota ilustrada com a foto do www.desaboya.com.br

Ex-governador potiguar se casa aos 79
O ex-governador do Rio Grande do Norte Lavoisier Maia, 79, atual deputado estadual pelo PSB, casou-se nesta sexta-feira (foto) com sua ex-secretária Terezinha Gomes Pereira, 35. Apenas sessenta pessoa foram convidadas para a cerimônia, muito fechada, realizada em seu apartamento no bairro do Tirol, em Natal. Lavoisier Maia, que é muito popular no Estado, foi também senador e deputado federal.

15 de dezembro de 2007 às 22:38

Marina e Dominguinhos cantam o Xote das Meninas e dupla de rádio ressuscita Gonzaguinha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Já está no palco do Machadão, cantando o Xote das Meninas, versão em inglês, a dupla Marina Elali e Dominguinhos.
E entre uma música e outra…quando a cantora dá uma pausa para trocar a produção, já que o show é para gravar seu DVD…
Eis que entra em cena a dupla do programa Paredão, da 95 FM…
Donato e Daniel já agradeceu à Prefeitura de Natal e ao governo do Estado…quando só a Prefeitura banca a festa…
Já anunciou participação de Gonzaguinha…
Que deve ter se revirado no túmulo…

15 de dezembro de 2007 às 22:15

Carlos Eduardo e Agnelo Alves comandam camarote na gravação do DVD de Marina Elali [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Apesar de constar na agenda sua presença na gravação do DVD de Marina Elali, a senadora Rosalba Ciarlini não está no Machadão neste momento.
Já o prefeito Carlos Eduardo está no camarote desde cedo.
Com ele, o pai, prefeito de Parnamirim Agnelo Alves e dona Celina.
E alguns secretários do Município.
O show começou com atraso.
Os camelos ainda não entraram em cena mas já foram anunciados.
O cantor Dominguinhos circula pelo camarote oficial e ainda não fez a sua participação.
O Machadão recebeu hoje o maior público de todos os shows da programação do Natal em Natal.
Depois de Marina, Alceu Valença é quem subirá ao palco.

15 de dezembro de 2007 às 13:55

João Maia encerra encontro do PR com vontade de lançar candidato a prefeito de Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

“A vontade de lançar candidato a prefeito em Natal é imensa”, disse agora ao Blog o deputado João Maia, que reuniu quase 900 pessoas hoje de manhã, no Centro de Convenções, durante o primeiro encontro estadual do PR.
Questionado sobre se lançaria mesmo, ela afirmou que só discute o assunto em abril, preferindo falar sobre o fortalecimento do partido depois do evento.
“O PR é real no Estado e hoje mostrou a sua face”, declarou João, satisfeito com o resultado.
Também pudera.
Além da quantidade de gente, ainda teve o longo discurso da governadora Wilma de Faria, enchendo a bola do presidente do PR.
Wilma destacou a força do partido que conseguiu reunir aquela ruma de gente, em pleno sábado, em tempos de confraternizações natalinas…para discutir Política.
Outro que encheu a bola do deputado João Maia foi o líder do PR na Câmara, Luciano Castro, um dos palestrantes.
“O Rio Grande do Norte é estratégico nos nossos planos”, disse o deputado-líder. 

\"\\"\\"\"\"\"
\"\\"\\\\"\\\\"\\"\" O prefeito de Caicó Bibi Costa e outros aliados do PR

\"\"

\"\\"\\"\"  Encontro superou a média esperada de 800 pessoas

15 de dezembro de 2007 às 12:23

Os cliques perfeitos de um casamento [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Belíssimas as fotos de Canindé Soares do casamento de Ingrid Gurgel e Cristian Quiroga, ontem, na capela do Campus Universitário.
O Blog publica duas…só para mostrar o trabalho do fotógrafo 10.
Que cobre desde fatos do dia-a-dia a festas bacanas.
E manda para o seu site, com link aí ao lado. 
\"\"                                             Os noivos diante do bolo, para as lentes de Canindé Soares  

\"\"                                                     Ingrid e Cristian na recepção, no Ocean Palace

15 de dezembro de 2007 às 10:57

Marina Elali grava cenas do DVD durante a madrugada [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A cantora Marina Elali grava hoje, no estádio Machadão, o seu primeiro DVD.
O show com entrada gratuita, está previsto para começar às 19h, antecedendo a apresentação de Alceu Valença.
Entre as surpresas programadas…Marina chegará ao palco de camelo.
Veja as fotos do VersatilNews (www.versatilnews.com.br) feitas na madrugada de hoje, quando Marina foi ao Machadão fazer o primeiro ensaio do show-gravação, que será dirigido pelo namorado Roberto Carminat.

E um detalhe…algumas cenas da madrugada já estão valendo para o DVD….por isso Marina estava toda linda e produzida.

\"\\"\\\\"\\\\"\\"\"\"\\"\\"\"\"\"

\"\\"\\\\"\\\\\\\\"\\\\\\\\"\\\\"\\"\"  Marina e o pai Sami Elali, na madrugada do Machadão

\"\\"\\\\"\\\\"\\"\"\"\\"\\"\"\"\"

\"\\"\\\\"\\\\\\\\"\\\\\\\\"\\\\"\\"\" O teste do som para o show de hoje à noite

\"\\"\\\\"\\\\"\\"\"\"\\"\\"\"\"\"

\"\\"\\\\"\\\\\\\\"\\\\\\\\"\\\\"\\"\"    Na madrugada…como se fosse ao vivo…

15 de dezembro de 2007 às 2:19

Wilma e José Adécio confirmam presença no encontro do PR [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O encontro é do PR.
Mas a governadora-aliada Wilma de Faria já confirmou presença.
Assim como o deputado Democrata, José Adécio.
participa neste sábado do 1º Encontro Regional do Partido da República (PR), no Adécio vai ao evento comandado pelo deputado João Maia, interessado em ouvir a palestra do deputado Milton Monte, sobre reforma política e a fidelidade partidária.
Na agenda do deputado José Adécio também está prevista, para este sábado, uma viagem a Pedro Avelino.

15 de dezembro de 2007 às 2:16

Governo lança edital para concurso da Saúde [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Está no Diário Oficial deste sábado, o edital do concurso público para a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap).
Estão sendo oferecidas 1.010 vagas para profissionais de nível médio e superior. São 69 especialidades de nível superior, sendo 39 exclusivas para médicos.
Os salários-base variam entre R$ 1.050 a R$ 2.100.
Profissionais com formação técnica ou nível médio têm vencimento inicial previsto de R$ 530.
As inscrições estão abertas até segunda-feira pelo Instituto Cidades, responsável pela execução do concurso.
Os candidatos poderão se inscrever através da internet, no site www.institutocidades.org.br.

15 de dezembro de 2007 às 1:50

Raniere Barbosa recebe assessor do presidente Lula e visita obras da Prefeitura [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Vice de Todos e secretário Municipal de Serviços Urbanos, Raniere Barbosa, recebeu nesta sexta-feira o assessor especial da Presidência da República, Swedenberger Barbosa.
Que apesar do sobrenome, não é seu parente.
Os dois visitaram obras da Prefeitura que estão sendo realizadas com dinheiro do governo federal e discutiram possíveis parcerias administrativas.
No meio do agendão, Barbosa & Barbosa foram almoçar no Camarões, em Ponta Negra.
Potiguar de nascimento, Swedenberger trabalha a poucos metros do gabinete do presidente Lula.

15 de dezembro de 2007 às 1:33

Vereador é processado por acusar prefeito sem apresentar provas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Por ter feito acusações ao prefeito de Ouro Branco, Nilton Medeiros (PTB), no plenário da Câmara Municipal, sem apresentar provas, o vereador Júnior Nogueira, que trocou o PR pelo PCdoB, depois que o STF decidiu que o mandato pertence ao partido e não ao parlamentar, deverá ser ouvido quarta-feira pela juíza Maria Nivalda Neco Torquato.
Isso se ele não faltar novamente, como já fez duas vezes.
Nogueira responde a processo na justiça comum, na área criminal, na Comarca de Jardim do Seridó.
Em Natal, o advogado André Saraiva entrou com uma interpelação judicial contra o vereador, para que ele apresente provas de que a Prefeitura de Ouro Branco tem “vários laranjas”…como ele denunciou.
Até ontem de manhã Júnior Nogueira não tinha atendido à exigência da justiça, de acordo com o processo Nº 11707835-9, no Fórum de Jardim do Seridó.
Além dessa acusação ao prefeito, o vereador também disse em plenário, no mês de maio, que o prefeito Nilton Medeiros havia “agredido e ameaçado” professores da rede municipal de ensino.
Um documento autenticado em cartório desmente a acusação de Júnior, e foi assinado por 24, das 27 pessoas presentes à sessão.
Em tempo: o Regimento Interno da Câmara de Ouro Branco diz que o vereador não pode “mentir” no plenário da Casa.