#JornalismoSemFakeNews

28 de setembro de 2007 às 18:01

Polícia Federal prende mulheres e advogado que fraudavam documentos para receber auxílio reclusão

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Em Caicó, para onde fui a convite de Suerda Medeiros e F. Gomes, para o seminário de marketing, estranhei o intenso movimento de policiais federais no hotel em que me hospedei.

E hoje, conversando com alguns deles, eles contaram que haviam prendido 28 mulheres e 2 homens, que fraudavam documentos, e até existência de crianças, para receber auxílio-reclusão.

Foram cerca de 200 policiais e 9 servidores da Previdência Social, que cumpriram 33 mandados de busca e apreensão e diversos mandados de prisão em Catolé do Rocha e em Patos, na Paraíba, e outras cidades vizinhas.

Segundo os policiais, um advogado, considerado mentor das fraudes, também foi preso.

A fraude funcionava basicamente da seguinte forma: uma intermediária arregimentava uma mulher e um preso dispostos a participar do esquema. De posse dos documentos pessoais de ambos, a aliciadora “fabricava” um “filho-fantasma” para o casal, fazendo com que o condenado passasse a ter dependente e o pagamento do benefício pudesse ser efetuado, inclusive com pagamentos retroativos à data da prisão do segurado.

Em outra forma de agir, o grupo também mapeava filhos de pais não declarados e, de forma fraudulenta, fazia com que os presos aliciados assumissem a paternidade das crianças.

Para se ter uma idéia da dimensão da fraude, na cidade de Catolé do Rocha, que tem pouco mais de 27 mil habitantes, foram concedidos 108 benefícios de auxílio-reclusão no período de 2003 a 2006.

Em Pombal, município paraibano com mais habitantes do que em Catolé da Rocha, o auxílio foi pago a apenas 9 beneficiários.

Até mesmo em João Pessoa, foram pagos menos benefícios (102 no total).

Estima-se que nos últimos 3 anos, o prejuízo causado pelo esquema tenha chegado a 3 milhões de reais.

O salário-reclusão é um benefício previdenciário pago aos dependentes do segurado que for preso por qualquer motivo, e dura por todo o período da reclusão.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Polícia Federal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.