#JornalismoSemFakeNews

11 de outubro de 2007 às 14:27

Representante da “Agendi” nega que tenha recebido da Prefeitura de São Gonçalo mais de 8 milhões em

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Falando em nome da Oscip “Agendi”, que tem um contrato com a Prefeitura de São Gonçalo do Amarante questionado pelo Ministério Público, como publicado no Diário Oficial do Estado do dia 5 passado, o representante da entidade, Themistocles Costa, garante ao Blog que não há nenhuma ilegalidade no contrato.

 

Ele confirma que a “Agendi” anteriomente se chamava “Ajude”, e diz que houve a “simples mudança de nome e marca com vista à melhor inserção no mercado e melhor compreensão dos objetivos da organização”.

 

Apesar do Ministério Público dizer, segundo o Diário Oficial da última sexta-feira, que a Oscip só trabalha para a Prefeitura de São Gonçalo, o representante da mesma garantiu ao Blog que “manteve contatos e reuniões com diversas Prefeituras, no sentido de oferecer sua contribuição para melhor gestão de programas sociais, com base em sua larga experiência no estado de Pernambuco”.

 

Segundo Themístocles Costa, ao contrário do que publicou o Blog, a Prefeitura de São Gonçalo não fez o repasse de mais de 8 milhões de reais à entidade em apenas 6 meses.

Mas não disse os reais valores, explicando que a prestação de contas de 2006 foi “devidamente apresentada e aprovada pelo Ministério da Justiça”, o que pode ser comprovado no site www.mj.gov.br/CNEsPublico

 

O representante da “Agendi” disse que, ao firmar o Termo de Parceria com a Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante, a entidade ficou incumbida da execução de programas sociais como o PETI, o Programa de Atenção à Criança (PAC), o Programa de Atenção Integrada à Família  (PAIF) e de Gestão Pública e Cidadania (GEPUC).

 

Programas que, normalmente, tanto em governos estaduais, como em Prefeituras, são desenvolvidos pelas Secretarias que cuidam dos programas sociais.

 

O Blog lembra ao representante da Oscip, que nunca levantou dúvidas a respeito da entidade.

Isso quem fez foi o Ministério Público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.