Thaisa Galvão

21 de novembro de 2007 às 15:52

Moacir de Góis: a arte cara que desagradou gregos, troianos e moradores da zona Norte [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A arte apressada do diretor Moacir Góis agradou pouco.
O espetáculo “Natal, Plano de Deus”, que ele idealizou para apresentar ao povão, no espaço público da ponte Forte-Redinha, durante dois dias, foi fracasso de público, e de crítica.
No primeiro dia, pouca gente foi ver o que o diretor, que cobrou 504 mil reais pelo trabalho, tinha para mostrar.
A repercussão foi tão ruim, que ontem, assim que terminaram os discursos e a apresentação começou, era grande a fila de gente indo embora.
Duvido que a governadora Wilma volte a contratar diretor de fora e a peso de ouro, para fazer o que os potiguares fazem muito bem.
É só assistir o "Chuva de Bala no País de Mossoró", dirigido e montado pelo potiguar João Marcelino.
Santo de casa faz milagre sim.
Quando é de fora, o milagre é outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*