#JornalismoSemFakeNews

29 de novembro de 2007 às 9:26

Renan vai renunciar antes do dia 4 de dezembro

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

O blog do Josias, no portal Uol, diz hoje que Renan Calheiros declarou a lideranças do PMDB, que renunciará à presidência do Senado na próxima semana, para se livrar da cassação por quebra de decoro parlamentar.
E o jornalista conta bastidores da sucessão na Casa, que poderá fazer do senador Garibaldi Filho, o presidente.
Leia trechos do texto publicado por Josias:

Decidido a levar suas pretensões às últimas conseqüências, Garibaldi Alves se deu conta de que a viabilidade de seu nome passa por Renan. Avisado de que o presidente licenciado do Senado não admitiria a escolha de um substituto que lhe fosse hostil, Garibaldi viu-se compelido a executar, nesta quarta-feira (28), um movimento constrangedor.
…No primeiro julgamento de Renan, realizado em setembro, embora pudesse dispor do sigilo do voto, Garibaldi fizera questão de declarar, em discurso enfático, proferido do alto da tribuna do Senado, que votaria pela cassação. Agora, avisa que tende a fazer o contrário. Alega que já passou “a crise que ameaçava colocar a Casa de cabeça pra baixo”.
…O que Garibaldi deseja é amolecer as resistências de Renan. Daí o gesto incoerente.
O Planalto, que torcia o nariz para Garibaldi, passou a considerá-lo como uma opção menos pior. Receia que, derrotado, o senador engrosse o pelotão anti-CPMF. Além disso, o governo passou a considerar um detalhe que vinha lhe passando despercebido. Vitorioso, Garibaldi tende a fazer sombra no Rio Grande do Norte à liderança de José Agripino Maia (DEM-RN), hoje um dos mais ferozes adversários de Lula no Senado.
…Nas eleições de 2010, o eleitor potiguar terá de mandar para o Senado dois senadores. Há três candidatos: Garibaldi, Agripino e a governadora do Estado, Vilma “Maia”. Dá-se como favas contadas a eleição de Vilma. E imagina-se que, eleito presidente do Senado, Garibaldi tenderá a prevalecer sobre Agripino.
A oposição aguarda pela decisão do PMDB para decidir o que fazer. Em diálogos preliminares, PSDB e DEM avaliaram que a escolha de Garibaldi é a que menos serve aos seus interesses na guerra da CPMF. Prefeririam que os peemedebistas lançassem um nome com menos densidade. Nesta hipótese, além de conquistar o voto de um Garibaldi ferido, lançariam uma candidatura alternativa, para marcar posição e tumultuar a arena governista às vésperas da votação do imposto do cheque.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.