#JornalismoSemFakeNews

9 de maio de 2008 às 5:25

O deputado Rogério Marinho estaria cuspindo no prato em que comeu?

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ainda vale registrar o comentário do publicitário Alexandre Macedo, noite de quarta-feira na 96 FM.
Onde ele começou falando da perda que sofre o wilmismo com a saída do deputado Rogério Marinho…
E terminou falando na crise – quase familiar – provocada pela rebeldia do deputado ao bater o pé e continuar candidato, contrariando a líder governadora.
Para Macedo, Rogério não está acertando o passo nesse momento presente.
Não conseguiu o apoio do prefeito Carlos Eduardo nem da governadora Wilma, e muito menos de outros partidos ao seu projeto de chegar à Prefeitura de Natal…e também não conseguiu entender que não tinha mais espaço para ser o candidato do governo.
“Pode ter faltado ao deputado Rogério Marinho a simplicidade dos liderados; a compreensão exata do momento político; a sensatez dos que vêm no futuro um ponto perfeitamente alcançável.
Há quem pense que Rogério Marinho sairá líder desse confronto com quem ele mesmo ainda chama de líder. Grande engano. Nem líder e talvez nem mais liderado de quem foi, até hoje, seu exemplo e sua luz política: Wilma de Faria.
Rogério está passando do ponto e a audácia sempre tem um preço, tanto no campo pessoal como no político”…

Esse foi apenas um trecho do comentário forte de Alexandre Macedo, que tem laços familiares com Rogério…
E que terminou sua participação no noticiário das 18h na emissora, apontando para uma separação sem volta.
“Wilma tem ou tinha apreço por Rogério? Isso só o tempo dirá. Mas uma verdade é inquestionável: Rogério está lançando chamas na casa onde viveu, e tentando, de forma contundente, criar rachaduras na imagem de quem tanto seguiu como exemplo e como líder: Wilma de Faria.
Ao futuro, o direito de apontar os certos e os errados nessa montagem política atual, com seus eleitos e seus derrotados.
Ao presente, o dever de registrar de que uma das grandes lições da vida, é que ninguém deve cuspir no prato em que comeu.
E cada um de nós que já viveu algo semelhante, sabe que o esquecimento e o desprezo são as maiores vinganças que o homem inteligente soube produzir”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.