#JornalismoSemFakeNews

10 de julho de 2008 às 10:31

Nós não estamos livres dos excessos das mega-operações

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Reportagem publicada hoje na Folha de S. Paulo, mostra que nós não estamos livres dos excessos das mega-operações espalhadas pelo Brasil afora, que prende e solta quem tem culpa no cartório ou quem não tem.
Na Operação Satiagraha, que prendeu o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta, eis o estardalhaço que policiais federais fizeram em uma clínica de um dentista…que nada tinha a ver com os crimes dos quais os presos são acusados.
Leia a reportagem da Folha:
CONFUNDIDO COM DOLEIRO, DENTISTA RELATA EXCESSOS DE AGENTES DA OPERAÇÃO
LAURA CAPRIGLIONE
DA REPORTAGEM LOCAL
O policial vestido de preto gritava repetidamente "Você é o Marco Matalon. Fala, do-lei-ro Marco Matalon, fala". Gritava e apontava a metralhadora para o homem franzino que tinha sido encostado à força contra a parede. Descalço, de pijama, o homem respondia: "Sou o Fabio Bibancos. Sou dentista. Não sou Marco Matalon." Não adiantava.
Durou das 6h às 12h de anteontem a ação da Polícia Federal na rua Maurício Francisco Klabin, 401, na Vila Mariana. No local, os agentes acreditavam que funcionasse o escritório de Marco Ernst Matalon, que figura na investigação da PF como "um dos maiores doleiros do país" e está foragido.
Quando, às 6h, os agentes bateram à porta do imóvel, procurando por Matalon, foram atendidos, via interfone, pela caseira June Bernachi, 65. Ela lhes disse que não conhecia ninguém com tal nome e que não podia abrir a porta. Os "visitantes" insistiam e ela negava. Dez minutos depois, com um estrondo, a porta de vidro da frente foi destruída pelos homens. Que entraram.
A caseira, desesperada, telefonou para Bibancos, que mora em um edifício defronte ao local. Pedia socorro, achando que estivesse diante de assalto cometido por ladrões comuns. Bibancos correu para a clínica, convencido disso. "A gente vê o tempo todo nos telejornais ladrões fazendo-se passar por agentes da PF", diz ele.
"Pára de chorar, bichinha", gritou-lhe um agente, quando o dentista, de 45 anos, apavorado, tentava explicar-lhe entre lágrimas que não era Matalon (a quem conhecidos descrevem como homem corpulento, de mais de 70 anos), e que ali funciona o Instituto Bibancos de Odontologia, anexo ao qual estão instaladas a ONG Turma do Bem e a Escola do Pensamento em Saúde, projetos que ele anima.
Foi um mandado de busca e apreensão assinado pelo juiz federal Fausto Martin de Sanctis que autorizou a ação da PF no consultório de Bibancos. Segundo a Polícia Federal informou à Justiça, "teriam sido realizadas diversas vigilâncias" no local, que levaram aos seguintes apontamentos: "[tem] diversas características relacionadas à segurança (altos muros, guarita com segurança, câmeras de vigilância, interfone para identificação) que, em tese, seriam incompatíveis com as atividades desenvolvidas por ONG, havendo, assim, suspeitas de que poderia ser utilizado como "fachada" para atividades ilegais de câmbio ou até mesmo de lavagem de ativos."
"Eu não teria muros altos ou câmeras de vigilância se vivêssemos em um país seguro", defende-se Bibancos, uma estrela da odontologia paulista, que cuida, por exemplo, dos sorrisos dos atores Ana Paula Arósio, Marcelo Anthony, Marco Ricca e Fabio Assunção.
Os agentes da PF chegaram ao endereço da clínica de Bibancos rastreando a empresa Iaia Garcia Holding Ltda., em que Muriel Matalon, atriz e filha de Marco Ernest Matalon, consta como sócia. Muriel, que se encontra em viagem no exterior, é amiga de Bibancos e ex-voluntária da Turma do Bem, da qual se desligou oficialmente em 2006.
Desde então, a ONG, que dá atendimento odontológico gratuito a 6.000 crianças carentes de todo o país, recebeu o reconhecimento da Ashoka, uma organização mundial sem fins lucrativos que apóia empreendedores sociais destacados. O próprio Bibancos foi eleito Empreendedor Social 2006 em premiação promovida pela Folha em parceria com a Fundação Schwab. Há uma semana, o dentista estava em Nova York. Foi convidado pela equipe de programa de governo do candidato Barack Obama à Casa Branca a apresentar seu projeto.
A PF recolheu do consultório de Bibancos e da ONG sete hard disks, dois laptops e agendas. "Senti-me como em um Estado totalitário. O que eu vivi foi uma violência inaceitável contra os direitos de todos os cidadãos", diz Bibancos, chorando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.