#JornalismoSemFakeNews

3 de outubro de 2009 às 14:20

O agradecimento cheio de história e emoções do escritor Graco Magalhães Alves

[1] Comentários | Deixe seu comentário.

Recebi agora há pouco um e-mail do piloto aposentado, e agora escritor, Graco Magalhães Alves.
Que há poucos dias lançou o livro “Voar é Preciso”, onde ele conta as histórias de sua carreira, onde foi piloto oficial do governo do Rio Grande do Norte, de Dinarte Mariz até José Agripino.
Eis o e-mail, onde ele agradece ao Blog a divulgação.
Prezada Thaisa
Agradeço a sua atenção para comigo.
Interessante: fui amigo do Coronel Hortêncio Pereira de Brito, conheci o velho Antão, por extensão fui amigo do Gutemberg, e há muito tempo, talvez 1947 ou 1948, levei a dona Beth e uma irmã do Hortêncio (Isaura?) a Acari.
Agora você me cativa com suas notas e faz referência a este livreco que cometi a audácia de editar..
Devi muito ao Hortêncio que me ajudou no começo da minha vida de aviador militar e nunca me esqueci dele.
Aceite os meus profundos agradecimentos pela sua atenção.
Graco
*
O e-mail me deixou emocionada.
Livreco? Nem pensar.
O piloto Graco Magalhães sabe a importância de preservar a história.
Apenas é humilde.
E nesse pequeno recado, revela as ligações que teve com a minha família, e que eu não sabia.
O Coronel Hortêncio Pereira de Brito, a quem ele se refere como de grande importância para sua carreira de piloto militar, era meu tio-avô.
Foi piloto de Eduardo Gomes e foi quem fez o primeiro vôo do Correio Aéreo Militar.
Morreu num acidente de avião, no Rio de Janeiro, ao fazer, a pedido de um amigo, um teste em uma aeronave pequena que havia terminado de passar por um conserto.
No favor que fez ao amigo, perdeu a vida.
O velho Antão…pai de Hortêncio…o meu bisavô, que não conheci.
E Guttemberg, irmão de Hortêncio, meu avô querido.
Que por duas vezes se elegeu vice-prefeito de Acari, contabilizando mais votos que os prefeitos – na época os nomes eram separados – e de quem herdei o interesse pela política.
Morreu em 97.
Se vivo fosse, agora, dia 27 passado, teria feito 107 anos.
E Beth, era a mulher do Coronel Hortêncio.
Que ainda é viva e mora em Brasília.
Isaura, também irmã de Hortêncio e do meu avô “Berg”, também vive.
Mora em Niterói e tem 108 anos.
O e-mail do escritor Graco Magalhães me fez ganhar o dia.

Uma resposta para “O agradecimento cheio de história e emoções do escritor Graco Magalhães Alves”

  1. Monica Lima Pereira de Britto disse:

    Prezada Thaisa,
    Sou neta de Hortencio Pereira de Brito e Elizabeth (falecida em 1987), meu pai era Otto Leopoldo Leig Pereira de Britto (falecido em 1975, aos 38 anos).
    Fico contente quando acho aqui e ali alguma matéria informativa sobre meu avô aviador…pena que não postam fotos dele. Temos em casa só uma que disponibilizei ao Jesus de Acari (postada na época em seu blog). Obrigada pelas informações sobre a familia.Saudações ao senhor Graco. Mônica L. P. de Britto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.