#JornalismoSemFakeNews

27 de dezembro de 2012 às 5:06

Diretor da Anac explica ligação interceptada do ministro Garibaldi

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Felipe Patury, na Época Online, sobre nota publicada que falava em ligação interceptada do ministro Garibaldi Filho, pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal.

Eis:

 

Rubens Vieira explica ligação para Garibaldi

O diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Rubens Vieira escreveu à coluna para explicar um telefonema que deu ao ministro da Previdência, Garibaldi Alves, e que acabou interceptado pela Operação Porto Seguro da Polícia Federal. Vieira confirma a ligação, noticiada por esta coluna.

Diz o diretor da Anac: “Minha conversa com o ministro Garibaldi Alves versou sobre a liberação do aeroporto de Pau dos Ferros, no interior do Rio Grande do Norte. Liguei para noticiar a conclusão do processo de homologação do aeroporto e que o voo que o ministro pretendia fazer em companhia da governadora daquele estado (Rosalba Ciarlini) para aquela localidade estava liberado. O voo poderia ser realizado mesmo sem a homologação do aeródromo, uma vez que a aeronave que o realizaria era militar. A íntegra do processo encontra-se disponível na Anac e pode ser solicitada por qualquer pessoa”.

Felipe Patury

*

Agora leia a nota publicada no dia 16 de dezembro:

 

Garibaldi quis ajudar e caiu no grampo da Porto Seguro

O ministro da Previdência, Garibaldi Alves, é um dos flagrados pela Polícia Federal em grampos telefônicos da Operação Porto Seguro.

No dia 23 de maio, Garibaldi conversou com Rubens Vieira, irmão de Paulo Vieira e um dos líderes da quadrilha. “Ministro, olha, nós conseguimos, tá? Eu tô providenciando a documentação, mas o voo vai ser liberado, pode programar a viagem”, diz Vieira.

Garibaldi afirma não se lembrar de tratar de nenhum voo com Rubens Vieira. Segundo ele, o assunto foi a liberação provisória do aeroporto de Mossoró, no Rio Grande do Norte, seu estado.

“Iam interditar o aeroporto por problemas de segurança, o que seria um desastre para a cidade”, disse Garibaldi a ÉPOCA.

“Falei não só com ele (Rubens Vieira): envolvi até o (Juniti) Saito (comandante da Aeronáutica). O aeroporto tem precariedades, está dentro da cidade, tem umas casas lá, mas é como muitos outros”.

Garibaldi afirma que entrou na história a pedido da governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, três vezes prefeita de Mossoró.

“Eu acho que foi isso. Eu realmente não me lembro de outra coisa. Mas se tiver outro diálogo, não vou estranhar”, diz Garibaldi.

É difícil a vida de ministro. Encarregado de cuidar da complicada situação dos aposentados, Garibaldi ainda tem de achar tempo para atender políticos e resolver pendências de áreas que nada têm a ver com a sua. “A demanda do estado é grande…”, diz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Perfil