Thaisa Galvão

10 de março de 2013 às 7:29

Dona Sally Faria, aniversariante de amanhã, morreu exatamente um mês depois da morte da irmã [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A morte de dona Sally Faria deixa uma lacuna na história política de Wilma de Faria, a prefeita de Natal que deixou o cargo para arriscar uma campanha desacreditada para o governo do Estado, depois de ouvir da mãe que ela enfrentasse o desafio.

Na campanha de 2002, quando disputou o governo pela primeira vez, Wilma ouviu assessores e amigos, foi orientada a continuar na Prefeitura, não renunciar. A campanha seria difícil e, certamente, derrotada, vez que as pesquisas apontavam uma posição de 3 pontos apenas…

Da reunião com assessores, Wilma passou na casa da mãe antes de seguir para a Prefeitura, onde faria um pronunciamento já agendado.

Ouviu da mãe que deixasse a Prefeitura e assumisse o risco.

E assim fez, surpreendendo a todos quando, no pronunciamento, em vez de dizer que ficaria prefeita, renunciou ao cargo.

Essa foi uma das muitas histórias da mãe conselheira que se tornaram públicas.

*

Na quarta-feira dessa semana, falando da mãe, a vice-prefeita Wilma me dizia que ela tinha reagido muito bem à morte da irmã, Maria Micas, de 95 anos, ocorrida no dia 10 de fevereiro, há exatamente 1 mês.

“Mamãe se preparou para morrer”, dizia Wilma, afirmando que a mãe estava lúcida e que havia reagido com naturalidade à morte da irmã. Mas, explicando que, apesar da lucidez, ela não discutia mais sobre política como sempre fazia.

“Ela só me diz assim: Wilma você não está bem, leio pouca coisa sobre você”, me dizia Wilma na quarta-feira.

*

Ontem dona Sally, aniversariante desta segunda-feira, quando faria 88 anos, foi à missa de trigésimo dia da irmã Maria.

E hoje resolveu ir ao seu encontro.

Quase que por vontade própria, como sempre fez a mulher forte e decidida.

 

Dona Maria e dona Sally na chegada de 2013 com Wilma e o marido José Maurício

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.