Thaisa Galvão

28 de julho de 2013 às 23:50

Jovem precisa com urgência de sangue A+ [5] Comentários | Deixe seu comentário.

Pedido de amigos…

A jovem Ana Beatriz Confessor do Nascimento está internada no Hospital da Polícia Militar, em Natal, precisando muito e sangue do tipo A Positivo.

Um gesto de solidariedade depois das mensagens da Jornada Mundial da Juventude.

Doadores deve se dirigir ao Hemonorte e fazerem a doação em nome da menina.

 

28 de julho de 2013 às 23:15

Confira trechos da entrevista do papa Francisco, exclusiva ao repórter Gérson Camarotti, da Globonews [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do site do Fantástico:

 

 

O Fantástico deste domingo (28) exibe entrevista exclusiva com o papa Francisco, a primeira a um jornalista desde sua eleição. Na sua visita ao Brasil, o sumo pontífice encontrou tempo na agenda para receber o repórter Gérson Camarotti, da GloboNews, para uma conversa franca.

Na entrevista, o papa abordou assuntos difíceis, como os escândalos no Vaticano e os desafios da Igreja Católica para atrair fiéis. Comentou também a acolhida que teve no Brasil, durante a Jornada Mundial da Juventude, e deu lições de humildade, solidariedade e humanidade.

Francisco também explicou a atitude que toma em relação a sua segurança.

 

 

“Eu não sinto medo. Sei que ninguém morre de véspera. Quando acontecer, o que Deus permitir, será. Eu não poderia vir ver este povo, que tem um coração tão grande, detrás de  uma caixa de vidro. As duas seguranças (do Vaticano e do Brasil) trabalharam muito bem. Mas ambas sabem que sou um indisciplinado nesse aspecto.”

 

 

Leia, a seguir, trechos da entrevista concedida pelo Papa a Gérson Camarotti.

 
Rivalidade entre Brasil e Argentina

“O povo brasileiro tem um grande coração. Quanto à rivalidade, creio que já está totalmente superada. Porque negociamos bem: o Papa é argentino e Deus é brasileiro.”

 

 

Pobreza x ostentação

“Penso que temos que dar testemunho de uma certa simplicidade – eu diria, inclusive, de pobreza. O povo sente seu coração magoado quando nós,  as pessoas consagradas, são apegadas a dinheiro.”

 

 

Perda de fiéis

“Não saberia explicar esse fenômeno. Vou levantar uma hipótese. Pra mim é fundamental a proximidade da Igreja. Porque a Igreja é mãe, e nem você nem eu conhecemos uma mãe por correspondência. A mãe… dá carinho, toca, beija, ama. Quando a Igreja, ocupada com mil coisas, se descuida dessa proximidade, se descuida disso e só se comunica com documentos, é como uma mãe que se comunica com seu filho por carta. Não sei se foi isso o que aconteceu no Brasil. Não sei, mas sei que em alguns lugares da Argentina que conheço isso aconteceu.”

 

 

Escândalos no Vaticano

“Agora mesmo, temos um escândalo de transferência de 10 ou 20 milhões de dólares de monsenhor. Belo favor faz esse senhor à Igreja, não é? Mas é preciso reconhecer que ele agiu mal, e a Igreja tem que dar a ele a punição que merece, pois agiu mal. No momento do conclave, antes temos o que chamamos congregações gerais – uma semana de reuniões dos cardeais. Naquela ocasião, falamos claramente dos problemas. Falamos de tudo. Porque estávamos sozinhos, e para saber qual era a realidade e traçar o perfil do novo Papa. E dali saíram problemas sérios, derivados em parte de tudo o que vocês conhecem: do Vatileaks e assim por diante. Havia problemas de escândalos. Mas também havia os santos. Esses homens que deram sua vida para trabalhar pela Igreja de maneira silenciosa no Conselho Apostólico.”

 

 

Os jovens

“Com toda a franqueza lhe digo: não sei bem por que os jovens estão protestando. Esse é o primeiro ponto. Segundo ponto: um jovem que não protesta não me agrada. Porque o jovem tem a ilusão da utopia, e a utopia não é sempre ruim. A utopia é respirar e olhar adiante. O jovem é mais espontâneo, não tem tanta experiência de vida, é verdade. Mas às vezes a experiência nos freia. E ele tem mais energia para defender suas ideias. O jovem é essencialmente um inconformista. E isso é muito lindo! É preciso ouvir os jovens, dar-lhes lugares para se expressar, e cuidar para que não sejam manipulados.”

28 de julho de 2013 às 21:39

O último tweet do papa no Brasil [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Durante os dias que passou no Brasil, o papa Francisco se comunicou com os internautas pelo twitter.

Eis a última mensagem postada neste domingo, antes de embarcar de volta para o Vaticano.

Papa Francisco ‏@Pontifex_pt – Deixemos que a nossa vida se identifique com a vida de Jesus, para termos os seus sentimentos e os seus pensamentos. #Rio2013#JMJ

28 de julho de 2013 às 21:35

Parceiro em festa [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Parceiro do Blog, o bioquímico Roberto Chaves, diretor do DNA Center, foi o aniversariante do domingo.

Comemoração em família…e muitos parabéns dos colegas nesta segunda.

Roberto e Daniela Diniz

28 de julho de 2013 às 21:34

Destaque político nas procissões do Seridó [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Milhares de pessoas saíram às ruas de Caicó na procissão de encerramento da festa de Santana.

E no meio do povo…lá está o carro de som do deputado Nelter Queiroz.

Pela imagem…mais parece uma caminhada política.

É que o deputado, há anos, cede o seu carro de som para as transmissões de procissões em vários municípios do Seridó.

Em Caicó é assim….em Acari é assim…

Foto: Canindé Soares

 

28 de julho de 2013 às 21:11

No Rio de Janeiro, Rosalba é recebida pelo seu ex-auxiliar, Paulo de Tarso Fernandes [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da governadora Rosalba Ciarlini, sobre a Jornada Mundial da Juventude, que ela participou nos últimos dias, no Rio de Janeiro, com presença do papa Francisco.

 

-A Jornada Mundial da Juventude foi espetacular. Foi emocionante a reunião de milhões de pessoas, orando, pedindo e agradecendo. Sentíamos no ar a energia e o sentimento de esperança de todos os que estavam ali. O papa Francisco transmitiu muito bem o sentimento de que todos têm de estar unidos, independente de religião, com diálogo, paz, esperança, botando fé, amor e esperança em tudo o que a gente faz.

 

-Participei da solenidade de boas vindas, em Copacabana, e foi um momento de muita emoção. A Via Sacra também tocou a todos que estavam ali. Também houve a vigília, mas, em função do encerramento da Festa de Santana, não pude ficar até o final.

 

-No sábado, tivemos um café da manhã com os jovens no apartamento do ex-deputado Paulo de Tarso Fernandes. Os jovens do Rio Grande do Norte tinham uma representação muito grande e certamente virão inspirados pela força do papa para plantar amor, fé e esperança.

*

No apartamento do ex-chefe da Casa Civil de seu governo, Paulo de Tarso Fernandes, a governadora se encontrou com jovens de Bodó, Cerro Corá, Santana do Matos, Macau e Extremoz.

28 de julho de 2013 às 18:27

Depois da procissão, Rosalba retorna a Natal para concluir documento que será encaminhado ao Banco Mundial [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Terminada a procissão de Santana, em Caicó, a governadora Rosalba Ciarlini seguiu para Natal.

Não ficou para a missa.

Rosalba, que estava no Rio de Janeiro acompanhando as celebrações do papa Francisco, desembarcou no aeroporto e foi direto para Caicó.

Retorna agora para dar o OK na documentação que está sendo concluída pelo secretário de Planejamento, Obery Rodrigues, e que será encaminhada num voo da madrugada para Brasília, para a sede brasileira do Banco Mundial.

O documento é o contrato que será assinado na terça-feira, garantindo a liberação de empréstimo ao governo do Rio Grande do Norte.

28 de julho de 2013 às 17:44

Walter Alves e Kelps Lima querem detalhes sobre situação financeira do governo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado estadual Walter Alves (PMDB) declarou neste sábado, em entrevista ao JH, que vai solicitar da Secretaria Estadual de Planejamento, informações sobre a situação financeira do Estado.

Hoje foi o deputado Kelps Lima (PR), que se mostrou preocupado com o tesouro estadual.

Mesmo com a Assembleia em recesso, o deputado vai apresentar, nesta segunda-feira, um requerimento propondo a convocação formal dos secretários de Planejamento e Administração do RN para explicar a real situação das finanças e gerenciais do Estado.

28 de julho de 2013 às 17:40

Vice-governador Robinson Faria acompanha procissão de Santana, em Caicó [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Além da governadora Rosalba Ciarlini, o vice-desafeto e governadorável Robinson Faria também está em Caicó no encerramento da festa de Santana.

Robinson acompanha a procissão com a mulher, Julianne (de família caicoense) e com a ex-candidata à prefeita, Francielle.

28 de julho de 2013 às 16:56

Caicó: Rosalba e Roberto Germano acompanham procissão de Santana [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A governadora Rosalba Ciarlini está em Caicó.

Neste momento ela acompanha a procissão de encerramento da festa de Santana, ao lado do prefeito do município, Roberto Germano.

28 de julho de 2013 às 13:00

Vereador Rafael Motta representa juventude parlamentar em celebrações do papa Francisco [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Convidado pelo Padre Sávio da Costa, um dos coordenadores da Jornada Mundial da Juventude para participar das últimas celebrações do papa Francisco, como representante da juventude parlamentar, o vereador natalense Rafael Motta esteve presente à Vigília do sábado e à Missa de Envio, que terminou agora há pouco.

Além de ser vereador, Rafael já atuou como subsecretário de Juventude do Rio Grande do Norte.

Rafael Motta na Vigília do sábado...

..e na Missa de Envio

 

 

28 de julho de 2013 às 12:50

“Ide sem medo para servir”: Leia a íntegra da homilia do papa Francisco na Missa de Envio [0] Comentários | Deixe seu comentário.

As 3 palavras do domingo, do papa Francisco, na Missa de Envio, que encerrou, com muita paz, a presença dele na Jornada Mundial da Juventude, foram as seguintes;

1 – Ide

2 – Sem medo

3 – Para servir

Eis a íntegra da homilia do papa neste domingo que reuniu 3 milhões de pessoas na praia de Copacabana:

 

 

 

Venerados e amados Irmãos no episcopado e no sacerdócio,

Queridos jovens!

«Ide e fazei discípulos entre todas as nações». Com estas palavras, Jesus se dirige a cada um de vocês, dizendo: «Foi bom participar nesta Jornada Mundial da Juventude, vivenciar a fé junto com jovens vindos dos quatro cantos da terra, mas agora você deve ir e transmitir esta experiência aos demais». Jesus lhe chama a ser um discípulo em missão! Hoje, à luz da Palavra de Deus que acabamos de ouvir, o que nos diz o Senhor? Três palavras: Ide, sem medo, para servir.

 

 

1. Ide. Durante estes dias, aqui no Rio, vocês puderam fazer a bela experiência de encontrar Jesus e de encontrá-lo juntos, sentindo a alegria da fé. Mas a experiência deste encontro não pode ficar trancafiada na vida de vocês ou no pequeno grupo da paróquia, do movimento, da comunidade de vocês. Seria como cortar o oxigênio a uma chama que arde. A fé é uma chama que se faz tanto mais viva quanto mais é partilhada, transmitida, para que todos possam conhecer, amar e professar que Jesus Cristo é o Senhor da vida e da história (cf. Rm 10,9).

 

 

Mas, atenção! Jesus não disse: se vocês quiserem, se tiverem tempo, mas: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações». Partilhar a experiência da fé, testemunhar a fé, anunciar o Evangelho é o mandato que o Senhor confia a toda a Igreja, também a você. É uma ordem sim; mas não nasce da vontade de domínio ou de poder, nasce da força do amor, do fato que Jesus foi quem veio primeiro para junto de nós e nos deu não somente um pouco de Si, mas se deu por inteiro, deu a sua vida para nos salvar e mostrar o amor e a misericórdia de Deus. Jesus não nos trata como escravos, mas como homens livres, amigos, como irmãos; e não somente nos envia, mas nos acompanha, está sempre junto de nós nesta missão de amor.

 


Para onde Jesus nos manda? Não há fronteiras, não há limites: envia-nos para todas as pessoas. O Evangelho é para todos, e não apenas para alguns. Não é apenas para aqueles que parecem a nós mais próximos, mais abertos, mais acolhedores. É para todas as pessoas. Não tenham medo de ir e levar Cristo para todos os ambientes, até as periferias existenciais, incluindo quem parece mais distante, mais indiferente. O Senhor procura a todos, quer que todos sintam o calor da sua misericórdia e do seu amor.

 

 

De forma especial, queria que este mandato de Cristo -“Ide” – ressoasse em vocês, jovens da Igreja na América Latina, comprometidos com a Missão Continental promovida pelos Bispos. O Brasil, a América Latina, o mundo precisa de Cristo! Paulo exclama: «Ai de mim se eu não pregar o evangelho!» (1Co 9,16). Este Continente recebeu o anúncio do Evangelho, que marcou o seu caminho e produziu muito fruto. Agora este anúncio é confiado também a vocês, para que ressoe com uma força renovada. A Igreja precisa de vocês, do entusiasmo, da criatividade e da alegria que lhes caracterizam! Um grande apóstolo do Brasil, o Bem-aventurado José de Anchieta, partiu em missão quando tinha apenas dezenove anos! Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido!

 

 

2. Sem medo. Alguém poderia pensar: «Eu não tenho nenhuma preparação especial, como é que posso ir e anunciar o Evangelho»? Querido amigo, esse seu temor não é muito diferente do sentimento que teve Jeremias, um jovem como vocês, quando foi chamado por Deus para ser profeta. Acabamos de escutar as suas palavras: «Ah! Senhor Deus, eu não sei falar, sou muito novo». Deus responde a vocês com as mesmas palavras dirigidas a Jeremias: «Não tenhas medo… pois estou contigo para defender-te» (Jr 1,8). Deus está conosco!
«Não tenham medo!» Quando vamos anunciar Cristo, Ele mesmo vai à nossa frente e nos guia. Ao enviar os seus discípulos em missão, Jesus prometeu: «Eu estou com vocês todos os dias» (Mt 28,20). E isto é verdade também para nós!

 

 

Jesus não nos deixa sozinhos, nunca lhes deixa sozinhos! Sempre acompanha a vocês!
Além disso, Jesus não disse: «Vai», mas «Ide»: somos enviados em grupo. Queridos jovens, sintam a companhia de toda a Igreja e também a comunhão dos Santos nesta missão.

 

 

Quando enfrentamos juntos os desafios, então somos fortes, descobrimos recursos que não sabíamos que tínhamos. Jesus não chamou os Apóstolos para viver isolados, chamou-lhes para que formassem um grupo, uma comunidade. Queria dar uma palavra também a vocês, queridos sacerdotes, que concelebram comigo esta Eucaristia: vocês vieram acompanhando os seus jovens, e é uma coisa bela partilhar esta experiência de fé! Mas esta é uma etapa do caminho. Continuem acompanhando os jovens com generosidade e alegria, ajudem-lhes a se comprometer ativamente na Igreja; que eles nunca se sintam sozinhos!

 

 

3. A última palavra: para servir. No início do salmo proclamado, escutamos estas palavras: «Cantai ao Senhor Deus um canto novo» (Sl 95, 1). Qual é este canto novo? Não são palavras, nem uma melodia, mas é o canto da nossa vida, é deixar que a nossa vida se identifique com a vida de Jesus, é ter os seus sentimentos, os seus pensamentos, as suas ações. E a vida de Jesus é uma vida para os demais. É uma vida de serviço. São Paulo, na leitura que ouvimos há pouco, dizia: «Eu me tornei escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível» (1 Cor 9, 19). Para anunciar Jesus, Paulo fez-se «escravo de todos». Evangelizar significa testemunhar pessoalmente o amor de Deus, significa superar os nossos egoísmos, significa servir, inclinando-nos para lavar os pés dos nossos irmãos, tal como fez Jesus.

 

 

Ide, sem medo, para servir. Seguindo estas três palavras, vocês experimentarão que quem evangeliza é evangelizado, quem transmite a alegria da fé, recebe alegria. Queridos jovens, regressando às suas casas, não tenham medo de ser generosos com Cristo, de testemunhar o seu Evangelho. Na primeira leitura, quando Deus envia o profeta Jeremias, lhe dá o poder de «extirpar e destruir, devastar e derrubar, construir e plantar» (Jr 1,10). E assim é também para vocês. Levar o Evangelho é levar a força de Deus, para extirpar e destruir o mal e a violência; para devastar e derrubar as barreiras do egoísmo, da intolerância e do ódio; para construir um mundo novo. Jesus Cristo conta com vocês! A Igreja conta com vocês!

O Papa conta com vocês! Que Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, lhes acompanhe sempre com a sua ternura: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações».

Amém.

28 de julho de 2013 às 11:59

Próxima Jornada Mundial da Juventude será na Polônia em homenagem ao Beato João Paulo II [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O papa Francisco acaba de anunciar o local da próxima Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá em 2016.

O grande encontro de católicos do mundo todo será na cidade de Cracóvia, na Polônia.

Uma homenagem ao papa, e agora Beato João Paulo II, que por decreto do papa Francisco, reconhecendo o segundo milagre atribuído ao papa polonês, autorizou sua Santificação.

 

28 de julho de 2013 às 11:06

Para Gilmar Mendes, STJ e STF devem definir locais de manifestações [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A pergunta que não quer calar “aonde iremos parar?”, quando o assunto é manifestação popular, fechamento de ruas e estradas, poderá ter uma resposta.

Que deverá vir do Superior Tribunal de Justiça, com contribuição do Supremo Tribunal Federal.

É o que prevê o ministro do STF, Gilmar Mendes, em entrevista à RedeTV, e que irá ao ar hoje à meia-noite e meia.

Eis o que adiantou o site Conjur:

 

 

TRANSTORNOS À SOCIEDADE

Gilmar Mendes defende limites nas manifestações

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, em entrevista ao programa É Notícia, da RedeTV, afirmou que o STJ deve discutir limites para a liberdade de manifestações, de forma a reduzir os transtornos à sociedade.

O ministro afirmou que parar marginais e estradas não é constitucional.

“Vamos ter de definir onde se pode fazer (a manifestação) e ter a compreensão de todos os lados”, comentou. Ele afirmou ainda que o Supremo talvez possa contribuir nessa discussão.

Gilmar Mendes defende que a Polícia não deve ser desautorizada ou humilhada nas manifestações.

“A Polícia tem uma série de déficits, mas precisamos reconhecer que não é uma atividade fácil”.

Em relação à assessoria da presidente Dilma Rousseff, o ministro reconheceu deficiência nesses últimos episódios, mas afirmou que entende que ela segue uma agenda institucional de “muita responsabilidade”.

 

A entrevista completa vai ao ar neste domingo (28/7), às 0h30.

28 de julho de 2013 às 10:34

Três milhões assistem última missa do papa Francisco em Copacabana [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Os presidentes Dilma Rousseff (Brasil), Cristina Kirchner (Argentina) e Evo Morales (Bolívia) acompanham a Missa do Envio, que reúne 3 milhões de pessoas neste momento em Copapacabana, no Rio de Janeiro, e que marca o encerramento da Jornada Mundial da Juventude.

E a multidão que rezou nunta o Pai Nosso e a Ave Maria, dançou o ‘flash mob’, agora acompanha a celebração…

O público de 3 milhões nunca foi registrado em Copacabana, nem nas noites de reveillon, tradicional na praia carioca.

 

28 de julho de 2013 às 10:01

De Dilma para a jornalista Mônica Bérgamo: “Querida, olha, vou te falar uma coisa: eu e o Lula somos indissociáveis” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ao contrário do que pensam petistas de mente pequena, que ao menor sinal de uma crítica rebatem com grosserias. a presidente Dilma Rousseff, marca maior do partido, dá uma lição hoje na entrevista que concedeu à jornalista Mônica Bérgamo, na Folha de S. Paulo.

Questionada sobre a declaração do empresário Emílio Odebrecht – o mesmo que está cedendo seu jatinho para Lula viajar e fazer palestras pelo mundo afora – que queria que Lula voltasse com Eduardo Campos de vice, Dilma respondeu: “Vivemos numa democracia. Se ele disse isso, é porque ele quer isso”.

Bom se todos pensassem assim…sem mediocridades.

Eis a entrevista, na íntegra, onde Dilma também diz que Lula não volta porque nunca saiu…

 

Folha – As manifestações deixaram jornalistas, sociólogos e governantes perplexos. E a senhora, ficou espantada?

Dilma Rousseff – No discurso que fiz na comemoração dos dez anos do PT, em SP [em maio], eu já dizia que ninguém, ninguém, quando conquista direitos, quer voltar para trás. Democracia gera desejo de mais democracia. Inclusão social exige mais inclusão. Quando a gente, nesses dez anos [de governo do PT], cria condições para milhões de brasileiros ascenderem, eles vão exigir mais. Tivemos uma inclusão quantitativa. Esta aceleração não se deu na qualidade dos serviços públicos. Agora temos de responder também aceleradamente a essas questões.

 

 

Mas a senhora não ficou assustada com os protestos?
Não. Como as coisas aconteceram de forma muito rápida, eu acho que todo mundo teve inicialmente uma reação emocional muito forte com a violência [policial], principalmente com a imagem daquela jornalista da Folha [Giuliana Vallone] com o olho furado [por uma bala de borracha]. Foi chocante. Eu tenho neurose com olho. Já aguentei várias coisas na vida. Não sei se aguentaria a cegueira.

 

 

Se não fosse presidente, teria ido numa passeata?

Com 65 anos, eu não iria [risos]. Fui a muita passeata, até os 30, 40 anos. Depois disso, você olha o mundo de outro jeito. Sabe que manifestações são muito importantes, mas cada um dá a sua contribuição onde é mais capaz.

 

 

O prefeito Fernando Haddad diz que, conhecendo o perfil conservador do Brasil, muitos se preocupam com o rumo que tudo pode tomar.
Eu não acho que o Brasil tem perfil conservador. O povo é lúcido e faz as mudanças de forma constante e cautelosa. Tem um lado de avanço e um lado de conservação. Já me deram o seguinte exemplo: é como um elefante, que vai levantando uma perna de cada vez [risos]. Mas é uma pernona que vai e “poing”, coloca lá na frente. Aí levanta a outra. Não galopa como um cavalo. Aí uma pessoa disse: “É, mas tem hora em que ele vira um urso bailarino”. Você pode achar que contém a mudança em limites conservadores. Não é verdade. Tem hora em que o povo brasileiro aposta. E aposta pesado.

 

 

A senhora teve uma queda grande nas pesquisas.
Não comento pesquisa. Nem quando sobe nem quando desce [puxa a pálpebra inferior com o dedo]. Eu presto atenção. E sei perfeitamente que tudo o que sobe desce, e tudo o que desce sobe.

 

 

Mas isso fez ressurgir o movimento “Volta, Lula” em 2014.
Querida, olha, vou te falar uma coisa: eu e o Lula somos indissociáveis. Então esse tipo de coisa, entre nós, não gruda, não cola. Agora, falar volta Lula e tal… Eu acho que o Lula não vai voltar porque ele não foi. Ele não saiu. Ele disse outro dia: “Vou morrer fazendo política. Podem fazer o que quiser. Vou estar velhinho e fazendo política”.

 

 

Para a Presidência ele não volta nunca mais?
Isso eu não sei, querida. Isso eu não sei.

 

 

Ao menos não em 2014.
Esses problemas de sucessão, eu não discuto. Quem não é presidente é que tem que ficar discutindo isso. Agora, eu sou presidente, vou discutir? Eu, não.

 

 

Mas o Lula lançou a senhora.
Ele pode lançar, uai.

 

 

O fato de usarem o Lula para criticá-la não a incomoda?
Querida, não me incomoda nem um pouquinho. Eu tenho uma relação com o Lula que tá por cima de todas essas pessoas. Não passa por elas, entendeu? Eu tô misturada com o governo dele total. Nós ficamos juntos todos os santos dias, do dia 21 de junho de 2005 [quando ela assumiu a Casa Civil] até ele sair do governo. Temos uma relação de compreensão imediata sobre uma porção de coisas.

 

 

Mas ele teria criticado suas reações às manifestações.
Minha querida, ele vivia me criticando. Isso não é novo [risos]. E eu criticava ele. Quer dizer, ele era presidente. Eu não criticava. Eu me queixava, lamentava [risos].

 

 

Como a senhora vê um empresário como Emílio Odebrecht falar que quer que o Lula volte com Eduardo Campos de vice?
Uai, ótimo para ele. Vivemos numa democracia. Se ele disse isso, é porque ele quer isso.

 

 

Folha — O PMDB engrossou o coro dos que defendem o enxugamento de ministérios.
Dilma Rousseff — Não estou cogitando isso. Não acho que reduza custos. As medidas de redução de custeio, nós tomamos. Todas. E sabe o que acontece? Vão querer cortar os de Direitos Humanos, Igualdade Racial, Política para as Mulheres. São pastas sem a máquina de outros. Mas são fundamentais. Política de cotas, por exemplo: só fizemos porque tem gente que fica ali, ó, exigindo.

 

 

A senhora sabe falar o nome de seus 39 ministros?
De todos. E todos eles ficam atrás de mim [risos]. Eu acho fantástico vocês [jornalistas] acharem que, nesse mundo de mídias, o despacho seja apenas presencial. Os ministros passam o tempo inteirinho me mandando e-mail, telefonando, conversando.

 

 

O ministro Guido Mantega está garantido no cargo?
O Guido está onde sempre esteve: no Ministério da Fazenda. E vocês podem me matar, mas eu não vou falar de reforma ministerial.

 

 

O desemprego em junho subiu pela primeira vez em quatro anos, na comparação com o mesmo mês do ano anterior.
Querida, o desemprego… [Consulta papéis.] Olha aqui, ó. É fantástico. Tem dó de mim, né? Como não podem falar de inflação, porque o IPCA-15 [prévia do índice oficial] deu 0,07% neste mês… E nós temos acompanhamento diário da inflação, tá? Hoje deu menos 0,02%. Tá? Ela [inflação] é cadente, assim, ó [aponta o braço para baixo].

 

 

E o emprego?
Houve uma variação. Foi de 5,9% para 6%. É a margem da margem da margem. Foram gerados 123.836 empregos celetistas. Em todo o primeiro mandato do Fernando Henrique Cardoso foram gerados 824.394 empregos. Eu, em 30 meses, gerei 4,4 milhões. Você vai me desculpar. Com a inflação, também… Alguém já disse quanto é que caiu o preço do tomate? Ou só comentaram quando o tomate aumentou? [Pede para uma assessora checar os números. Ela informa que o tomate está custando R$ 4,50 o quilo.] Eu não sou dona de casa, não posso mais ir no supermercado e não sei o preço do tomate hoje. Mas sei a estatística do tomate. Teve uma queda, se não me engano, de 16%. Eu ia naquele supermercado ali, ó [aponta a janela]. Não posso mais.

 

 

A senhora acha que os críticos do governo exageram?
Eu propus cinco pactos [depois das manifestações]. E eu tenho um sexto, sabe? Que é o pacto com a verdade. Não é admissível o que se faz hoje no Brasil. Você tem uma situação internacional extremamente delicada. Os EUA se recuperam, mas lentamente. Nós temos um ajuste visível na China. O Fed [Banco Central dos EUA] indicou que deixaria o expansionismo monetário, o que provocou a desvalorização de moedas em todo o mundo. E o país, nessa conjuntura, mantém a estabilidade. Cumpriremos a meta de inflação pelo décimo ano consecutivo. Sabe em quantos anos o Fernando Henrique não cumpriu a meta? Em três dos quatro anos dele [em que a meta vigorou].

 

 

A inflação subiu por vários meses no período de um ano.
Nós tivemos a quebra na produção agrícola americana, que afetou os mercados de commodities alimentares. Tivemos uma seca forte no Nordeste e também no sul.

 

 

A crítica é que a senhora relaxou no controle da inflação para manter o crescimento.
Ah, é? Tá bom. E como é que ela tá negativa agora?

 

 

Há dúvidas também em relação à política fiscal.
A relação dívida líquida sobre PIB nunca foi tão baixa. A dívida bruta está caindo. O deficit da Previdência é 1% do PIB. As despesas com pessoal, de 4,2%, as menores em dez anos. Como é que afrouxei o fiscal? Quero falar do futuro. De agosto até o início do ano que vem, faremos várias concessões, rodovias, ferrovias, aeroportos e portos, o que vai contribuir para a ampliação dos investimentos e para melhorar a competitividade da economia.

 

 

Mas o Brasil cresce pouco.
O mundo cresce pouco. Nós não somos uma ilha. Você não está com aquele vento a favor que estava, não. Nós estamos crescendo com vendaval na nossa cara.

 

 

O modelo de crescimento pelo consumo não se esgotou?
É uma tolice meridiana falar que o país não cresce puxado pelo consumo. Os EUA crescem puxados pelo consumo e pelo investimento. Nós temos que aumentar a taxa de investimento no Brasil. Aí eu concordo. Tanto que tomamos medidas fundamentais para que isso ocorra. Reduzimos os juros. Desoneramos as folhas de pagamento. Reduzimos a tarifa de energia. E fizemos um programa ousado de formação profissional, o Pronatec.

 

 

Os investimentos estão lentos e isso é creditado ao governo. Os empresários reclamam que a senhora não tem diálogo.
Eu? Veja a agenda de qualquer tempo da minha vida. Participei de todos os leilões, do período Lula e do meu. Entendo que eles [empresários] queiram conversar comigo, como faziam sistematicamente. Mas sou presidente. Eu não posso mais discutir taxa interna de retorno.

 

 

É outra crítica: o governo interfere, quer definir até a taxa.
É da vida o empresário pedir mais, o governo pedir menos. Aí ganha no meio. O Tribunal de Contas da União exige a definição de uma taxa de retorno. E o governo tem de ter sensibilidade para perceber quando está errado.

 

 

A senhora teria características que não contribuiriam para que projetos deslanchem. Seria centralizadora, autoritária.
Não, eu não sou isso, não. Agora, eu sei, como toda mulher, que, se você não acompanha as coisas prioritárias, tem um risco grande de elas não saírem. É que nem filho. Você ajuda até um momento, depois deixa voar.

 

 

A senhora já fez ministros chorarem com suas broncas?
Ah, que ministros choram o quê! Aquela história do [ex-presidente da Petrobras José Sergio] Gabrielli? Um dia escreveram que ele era pretensioso e autoritário. No dia seguinte, que eu tinha brigado e que ele chorou no banheiro. A gente ligava pra ele: “Eu queria falar com o autoritário chorão”. Ô, querida, você conhece o Gabrielli? Ah, pelo amor de Deus.

 

 

A senhora não é dura demais?
Ah, querida, eu exijo bastante. O que exijo de mim, exijo de todo mundo.

 

 

Isso não inibe ministros?
Não tenho visto eles inibidos, não. Nenhum projeto de governo sai da cabeça de uma pessoa só. Não funciona assim. Se funcionasse, eu tava feita. Não trabalharia tanto.

 

 

Uma das questões que Lula encaminhou no fim do governo foi o da regulamentação da radiodifusão no país. A senhora enterrou esse assunto?
Não. Agora, o que eu e Lula jamais aceitaremos é que se mexa na liberdade de expressão. Vou te dizer o seguinte: não sou a favor da regulação do conteúdo. Sou a favor da regulação do negócio.

 

 

O que acha de o ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, ser chamado por críticos de “ministro do Plim-Plim”?
É um equívoco, uma incompreensão. Essa discussão [da regulação] está sempre posta. O [ex-chefe da Secretaria de Comunicação Social] Franklin [Martins] deixou um legado importante. E agora vai ter mais discussão. A regulação em algum momento terá de ser feita. Mas ela não é igual ao que se pensou há três anos. É algo complexo, até o que deve ser regulado terá de ser discutido.

 

 

Por quê?
Hoje o que está em questão não é mais empresa jornalística versus telecomunicações, TV versus jornais. Hoje tem a internet. Tem um problema sério, nos EUA, no Brasil, para jornais escritos, revistas. Vai haver problema de concorrência da internet, da plataforma IP, em TV.
Temos de discutir. Eu não tenho todas as respostas. Todo mundo terá de participar. O Google hoje atrai mais publicidade que mídias que até há pouco eram as segundas colocadas. A vida é dura. E não é só para o governo. [Dilma pede que a conversa seja encerrada, alegando cansaço]. Gente, preciso ir. Estou tontinha da silva [risos].

 

 

Ia perguntar sobre seus prováveis adversários em 2014, Aécio Neves e Marina Silva.
[Em tom de brincadeira] Não fica triste, mas sobre isso eu não ia responder, não.

28 de julho de 2013 às 8:45

Prefeitos com mãos na cabeça sem os lucros do Telexfree [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Tem município do Rio Grande do Norte que prefeito bota as mãos na cabeça quando se fala em TelexFree, Bbom ou qualquer uma dessas empresas acusadas de pirâmide financeira…que estão com seus movimentos suspensos pela justiça.

É que alguns, pelo que o Blog apurou, investiram alto…e não viram a cor dos lucros.

Há quem diga que alguns fizeram a aposta pegando emprestado dinheiro das Prefeituras, e agora não sabem de onde vão ter que tirar dinheiro para repor…

Com o portal da transparência funcionando com força, daqui a pouco o dinheiro vai fazer falta…e ‘aparecer’…

 

28 de julho de 2013 às 8:02

Wilma bate, Rosalba rebate [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ex versus atual…

As declarações da ex-governadora Wilma de Faria, tecendo críticas ao governo Rosalba Ciarlini, mereceram resposta da atual gestora.

Wilma, ao se referir às dificuldades financeiras do Estado no momento, disse que a governadora Rosalba Ciarlini quebrou o Estado.

A resposta de Rosalba foi dada através de nota.

“Wilma de Faria insiste na aposta arriscada de que o povo potiguar não tem memória e capacidade crítica. Isso é característica de quem não sabe, ou faz questão de esquecer, o desastre do seu próprio governo. A prova inconteste disso é a dívida deixada pelo governo que a ex-governadora Wilma de Faria comandou: um valor jamais visto na história do Rio Grande do Norte, acima de R$ 800 milhões”.

28 de julho de 2013 às 8:00

Wilma faz reunião política em Carnaúba dos Dantas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E neste sábado, na volta de Caicó, onde participou da festa de Santana, a ex-governadora Wilma de Faria foi a Carnaúba dos Dantas.

Ao lado do prefeito Sérgio (PSB), se reuniu com lideranças políticas da região e foi homenageada: recebeu uma comenda das mãos da ex-primeira-dama do município, Dona Dezinha.

Reunião política em Carnaúba

Homenagem das mãos de Dona Dezinha

 

28 de julho de 2013 às 7:00

Garibaldi e Walter Alves voltam a alimentar tese de rompimento do PMDB com o governo Rosa [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O fato da governadora Rosalba Ciarlini ter vetado o projeto do deputado Walter Alves aprovadopela Assembleia Legislativa, que reduziria imposto de veículos convertidos a gás na tentativa de estimular o setor de gás natural, pode ter dado o gás que faltava para o ministro da Previdência, Garibaldi Filho, desconsiderando as últimas declarações do primo Henrique Alves sobre o assunto, botar na mesa de discussões, mais uma vez, o rompimento do PMDB com o governo Rosa.

Para lembrar, Henrique declarou que o PMDB não deveria ter candidato e a opção, no momento, seria a de apoiar a reeleição da governadora.

Mas…logo depois do veto, Garibaldi, que estava em Caicó na festa de Santana, ligou a metralhadora giratória…e disse que o governo está ‘declinante’.

Neste sábado foi a vez do deputado vetado falar.

Ao JH, Walter disse que vai trabalhar para a AL derrubar o veto governamental, e deu ainda mais gás para o desejo do pai Garibaldi.

“Lamento essa decisão do governo, um projeto que iria revitalizar o GNV e geraria mais emprego, e que, em médio prazo, iria retornar através dos impostos. Isso mostra uma falta de visão do governo, na minha concepção. Agora, irei trabalhar para tentar derrubar o veto, para que o projeto possa se tornar uma realidade”, disse Walter.

O deputado parece não ter gostado de ter sabido do veto pelo Diário Oficial.

“Infelizmente, com relação ao PMDB da Assembleia Legislativa, não há a menor interlocução com o governo. O que nós sabemos é através dos jornais”, reclamou.