Thaisa Galvão

15 de maio de 2014 às 5:34

Governadora ainda não conversou com DEM mas diz que seu líder Getúlio Rêgo prefere reeleição do que aliança com PMDB [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O que assusta mais hoje a governadora Rosalba Ciarlini?
A partir de agora a entrevista tem outro cenário: a Governadoria.
Manhã de segunda-feira pós domingo das Mães, onde ela passou na praia de Sagi, na pousada ITI, com o marido Carlos Augusto e os filhos Kadu, Marlos, com a mulher e filhos, e Lorena, com o marido e filhas. Faltou só Carla que mora na Alemanha.
Com espírito renovado pelos banhos de mar no fim de semana calmo, Rosalba voltou a responder cada pergunta do Blog como se fosse a primeira vez.
Falou de aplausos e vaias, mas foi mais comedida em algumas questões que para ela não eram mais surpresa pois já havia sido abordada.
No gabinete oficial, entre imagens religiosas, bolsa espalhada sobre a mesa e a luz do sol que entrava na vidraça com cortinas abertas, e mais uma vez a presença do secretário Paulo Araújo, ela falou do seu partido, o Democratas, de quem espera ainda uma conversa em torno…de sua reeleição.
Como deixa claro em cada entrelinha.

Segundo Rosalba, a herdeira de sua missão política ainda é ela própria. Os filhos fazem parte de outro contexto na educação. O de que para ser político, antes tem que se profissionalizar, trabalhar, ganhar dinheiro…pois política não é profissão.

Para Rosalba, o futuro político na família ainda é o dela. E ela deixa claro quando fala dos projetos viabilizados a longo prazo.
*

Thaisa Galvão – Governadora, muito tem se falado que o DEM, presidido nacionalmente pelo senador José Agripino Maia, não vai dar a legenda para que a senhora dispute a reeleição. O que a senhora sabe sobre isso?

Rosalba Ciarlini – Ninguém pode dizer que vai dar ou deixar de dar se eu nunca tratei dessa questão com o partido. Continuo a dizer que política, eleição, disputa, vamos tratar só no momento certo. Claro que o tempo começa a diminuir mas ainda faltam 30 dias para a Copa, 60 para as convenções. Tudo agora não passa de especulações.
*
TG – A senhora tem conversado com o senador José Agripino?
RC – Nós tivemos agora em Riacho da Cruz. Fomos inaugurar uma praça. Eu era senadora e uma emenda foi dele e a outra foi minha.

*
TG – Nessa praça não deu para vocês sentarem num banquinho para tratar de política?
RC – Sentamos no almoço na casa da prefeita.
*
TG – Falaram de política?
RC – Conversamos sobre Rio Grande do Norte. Política não conversamos. (Essa parte da entrevista foi feita na segunda-feira e ontem, quarta, Rosalba foi ao gabinete do senador José Agripino. Mas, segundo o senador, conversa amena e convite para integrar bancada e acompanhar governadora numa audiência no Ministério da Integração).
*
TG – A senhora não tem conversado com os deputados?

RC – Nenhuma conversa nesse sentido. Acho que está tudo indefinido e essa definição passa por essa conversa que teremos no futuro sobre a posição do partido.

*

TG – A senhora não tem conversado com o deputado Getúlio Rêgo, líder do seu governo na Assembleia?

RC – Conversas esporádicas sobre questões em alguns municípios. Getúlio tem falado sobre a vontade do partido ter candidato a governador.
*

TG – Caso a executiva do DEM faça opção pela coligação com o PMDB, para formação de uma chapa proporcional, Rosalba colocará o nome para avaliação na convenção?

RC – Como não conversei sobre esse assunto, não fiz nenhuma análise. Meu tempo está tomado pelas questões administrativas.

*

TG – Como está sua relação com o Palácio do Planalto?

RC – Com a presidente Dilma não tenho tido problemas. Tenho recebido tratamento republicano. Os pleitos são aprovados, na maioria. O que existe é uma burocracia muito grande.

*

TG – A senhora já tem candidato a presidente?

RC – Como só vou falar sobre isso mais adiante, essa decisão só falo mais adiante.

*

TG – A senhora votaria na deputada Fátima Bezerra, do PT, para o Senado?

RC – Ela tem seu partido, suas posições…vamos aguardar.

*

TG – Num evento no Sebrae a senhora se referiu a Fátima como “nossa Senadora”…

RC – Um ato falho. Forma simpática de me dirigir à deputada que tem serviços prestados ao Rio Grande do Norte e é candidata.

*

TG – A senhora externaria essa mesma simpatia para a pré-candidata ao Senado, Wilma de Faria?

RC – A ex-governadora ainda não definiu o que ela vai ser.

*

TG – O que faria Rosalba seguir em frente e optar por um segundo mandato?

RC – Que as ações tenham continuidade. São projetos pautados pela seriedade. Fico feliz em ter dado essa contribuição.

*

TG – Isso valeria a pena continuar?

RC – Continuar torcendo pelo Estado.

*

TG – E o que faria Rosalba pensar duas vezes antes de encarar uma reeleição?

RC – Eu nunca fui mulher de fugir das lutas. Graças a Deus não tenho na minha história receio de enfrentar obstáculos. Mas o momento não é esse.

*

Thaisa Galvão – Governadora, os políticos tradicionais do Rio Grande do Norte, todos tem um filho herdeiro político. Por que Rosalba não tem, mesmo tendo 4 filhos adultos?

Rosalba Ciarlini – Nossa maneira, minha e de Carlos Augusto, de entender que política não é profissão. A política me apareceu como missão. Eu sou médica e nunca pensei em entrar na política. Nosso foco foi educar os filhos para que cada um tenha sua profissão, vença na vida pelos conhecimentos. Se num determinado momento. eles já com a vida estabilizada, resolverem entrar para a política, nós não vamos dizer ‘não’.

*

TG – Que nota a senhora daria para o seu governo?

RC – Dificíl né? Uma auto avaliação…Deixa terminar. Quando terminar…

*

TG – As urnas avaliariam?

RC – Os resultados.

*

TG – Os natalenses tem dito que o Rio Grande do Norte está sendo governado pelo marido da governadora, Carlos Augusto Rosado. A senhora acha que governou esse estado ou foi ele?

RC – Convivemos há 42 anos. Ele era médico para fazer por mim? Fui bem avaliada como médica, presidente da Unimed, agora querer que eu me separe do meu marido….Trocamos ideias, porque não? Ele é tão potiguar quanto eu.

*

Thaisa Galvão – Govrnadora, o programa RN Sustentável é um programa para o futuro.

Rosalba Ciarlini – São 540 milhões de dólares, nunca o Rio GRande do Norte teve a capacidade para receber tudo isso. Eu quero que tudo dê certo.

*

TG – A senhora deseja continuar implementando e colher os frutos?

RC – Sonho sim, com um Rio Grande do Norte melhor para meus filhos e meus netos.

*

TG – O Governo do Estado está querendo contrair um novo empréstimo, mas para isso precisa da aprovação da Assembleia Legislativa. Mais uma vez a pergunta: a senhora não teme que os deputados ajam politicamente já que o ano é de eleição?

RC – O governo federal colocou esse dinheiro à disposição de todos os Estados, até para suprir a queda na receita e os deputados sabem a importância desse empréstimo. Acho que o Rio Grande do Norte é o único Estado que ainda não contraiu.

*

TG – Governadora, hoje as redes sociais são uma realidade que os políticos enfrentam. Como a senhora encara as redes sociais?

RC – As redes sociais tem um lado muito positivo pois dá oportunidade ao cidadão a não precisar de intermediários. Mas acho que o uso das redes sociais precisa ser analisado porque muitas vezes a informação é errada e de propósito. É doloroso você ver o Samu sair para um atendimento que não existe, enquanto do outro lado alguém pode perder a vida por falta de atendimento. Outro exemplo foi a fuga em massa de crianças no Ceduc, uma mentira que assustou muita gente. Ms voltando ao lado bom, com a internet hoje um governo nem precisa de uma Ouvidoria.

*

TG – Como a senhora encara uma vaia? A senhora já levou vaias…

RC – E os aplausos? Mas, qual o político que nunca levou uma vaia? As vaias muitas vezes são organizadas por um grupo político adversário e muitas vezes nem são direcionadas ao político, mas a um sistema.

*

TG – A senhora teme um novo ‘Fora Rosalba”?

RC – É como eu disse, esses grupos organizados tem sempre uma pessoa da oposição por trás e esse tipo de movimento não cabe no Brasil de hoje.

Uma resposta para “Governadora ainda não conversou com DEM mas diz que seu líder Getúlio Rêgo prefere reeleição do que aliança com PMDB”

  1. Marco Aurelio disse:

    A mulher é governadora, falta pouco mais de um mês para as convenções e ainda não conversou com o partido????

    ta desorientada mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.