Thaisa Galvão

6 de julho de 2016 às 21:09

Robinson se reuniu com diretoria da Petrobras que assegurou investimentos no RN [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O governador Robinson Faria se reuniu hoje com a diretoria da Petrobras no Rio de Janeiro para tratar de investimentos e parcerias.

A Petrobras se comprometeu a aumentar a produção da refinaria Clara Camarão e a aumentar o fornecimento de gás natural ao programa RN Gás +, operacionalizado pelo Governo do Estado através da Companhia Potiguar de Gás – Potigás.

Robinson também tratou do fortalecimento da logística do transporte de combustível para o aeroporto de São Gonçalo do Amarante.

“São temas muito importantes para o desenvolvimento do nosso Estado. Obtivemos o compromisso da Petrobras em ampliar a produção da refinaria em Guamaré, aumentar a oferta de gás para o RN Gás +, que é um diferencial do nosso Estado para manter e atrair novas indústrias, e melhorar o fornecimento de combustível para as aeronaves que operam no aeroporto de São Gonçalo”, disse Robinson, acrescentando que “estes são pontos-chave para o desenvolvimento do Rio Grande do Norte, vez que impactam em diversas áreas da economia e podem consolidar uma área especial de exportações no entorno do terminal”, concluiu.

Acompanharam o Governador na reunião com a Petrobras os secretários do Desenvolvimento Econômico, Flávio Azevedo, e da Tributação, André Horta, o diretor-geral do Idema, Rondinelle Oliveira e o diretor-presidente da Potigás, Beto Santos.

6 de julho de 2016 às 13:08

Rogério Marinho convida ministros para debate sobre reformas tributária e previdenciária [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB) se reuniu ontem à noite, no Palácio do Planalto, com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. 

Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo, o parlamentar convidou Padilha e também o ministro da Fazenda, Henrique Meireles, para um debate com o colegiado as reformas tributária e da Previdência da Câmara dos Deputados.

6 de julho de 2016 às 12:41

Prefeito Carlos Eduardo retorna amanhã a Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O prefeito Carlos Eduardo retorna amanhã a Natal.

Acompanhado da família, o prefeito foi a São Paulo e depois descansar em Gramado, no Rio Grande do Sul.

6 de julho de 2016 às 11:52

Em tempo de rádio e TV na propaganda eleitoral, Carlos Eduardo e Jacó Jácome estão empatados [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O pré-candidato a prefeito de Natal, Jacó Jácome (PSD), tem conversado com vários partidos, mas o cálculo dos poucos já garantidos lhe dá o conforto de um bom tempo de televisão.

O seu PSD tem 5 minutos, o PP do deputado Beto Rosado tem 5 e o PTN do deputado Antônio Jácome tem pouco mais de 1 minuto.

São mais de 11 minutos, praticamente empatando com o prefeito Carlos Eduardo.

Tempo que será distribuído entre os programas e as inserções na programação, já que o tempo do guia esse ano terá, no máximo, 10 minutos.

O PDT do prefeito tem menos de 2 minutos, mas garante um bom tempo de TV compondo a chapa com o PMDB que tem 11 minutos.

Em tempo de rádio e TV, Carlos Eduardo e Jacó estão empatados.

Amanhã o pré-candidato do PSD vai se encontrar com o deputado Beto Rosado para uma discussão sobre as chapas majoritária e proporcional.

6 de julho de 2016 às 11:43

Depois de conversar com Carlos Eduardo sobre posição do PROS, Albert Dickson combina encontro com Jacó Jácome [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado presidente do PROS, Albert Dickson, conversou com o prefeito Carlos Eduardo na semana passada.

Carlos pediu apoio do PROS ao seu projeto de reeleição e garantiu espaço na chapa proporcional para a pré-candidatura da médica Karla Dickson, mulher do deputado.

Foi o que empolgou o presidente do PROS…

Mas a garantia de espaço para Karla foi garantida há pouco pelo deputado prefeitável Jacó Jácome (PSD).

Jacó e Albert combinaram de conversar.

6 de julho de 2016 às 7:46

Lava jato: Nova operação leva para cadeia ex-presidente da Eletrobras que já cumpria prisão domiciliar [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mais lava jato…

Do G1:
PF cumpre mandados de prisão da Lava Jato no Rio e Porto Alegre

Dez mandados são cumpridos. Investigações apuram irregularidades na Eletronuclear

PF entrando no condomínio onde ex-presidente da Eletronuclear cumpre prisão domiciliar 


Agentes da Polícia Federal cumpriam, na manhã desta quarta-feira (6), 10 mandados de prisão no Rio de Janeiro e em Porto Alegre relacionados à Operação Lava Jato. A investigação apura irregularidades na Eletronuclear. 

A operação desta quarta cumpre mandados expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. Nove mandados são cumpridos no Rio e um em Porto Alegre. O alvo principal é o ex-diretor-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva, que já cumpre prisão domiciliar. Ele deve ser levado para a sede da PF, na Zona Portuária do Rio, e, em seguida, para o Complexo Penitenciário de Bangu, onde estão os presos da Operação Saqueador, entre eles o dono da Delta, Fernando Cavendish, e o contraventor Carlinhos Cachoeira.

Além dos mandados de prisão, serão cumpridos também de busca e apreensão e condução coercitiva — quando alguém suspeito de ser ligado ao caso é levado para prestar depoimento e depois liberado.
A ação penal sobre o esquema de corrupção na Eletronuclear foi desmembrada da apuração do da Petrobras no dia 29 de outubro, e encaminhada para a Justiça Federal do Rio. Com o desmembramento, deixou de ser julgada no federal no Paraná, onde tiveram início as investigações da Lava Jato.

Othon está afastado da Eletrobras desde abril do ano passado por conta das investigações. Em 28 de julho, foi preso na 16ª fase da Lava Jato, acusado de receber R$ 4,5 milhões de propina das obras da Usina Nuclear de Angra 3. Inicialmente, o ex-diretor ficou detido em um quartel do Exército em Curitiba. Em novembro, foi transferido para o 1º Distrito Naval, no Rio de Janeiro, e atualmente está em prisão domiciliar.

Em junho deste ano, o MPF pediu a condenação de Othon por crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e obstrução da Justiça. Na ocasião, o advogado do ex-diretor da Petrobras afirmou que ele só se pronunciaria nos autos.

Em abril, em depoimento na 7ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, o ex-presidente admitiu que usou contratos de fachada feitos com empresas de amigos para receber dinheiro da construtora Andrade Gutierrez, mas negou que fosse propina.

6 de julho de 2016 às 0:38

Após discussão no twitter sobre homofobia, youtuber e deputado Marcos Feliciano gravam debatem sobre a polêmica [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Estadão:

O que te define é o que você tem entre as pernas”, diz Marco Feliciano

Pastor participou de debate com o youtuber Felipe Neto

O youtuber Felipe Neto se desentendeu recentemente no Twitter, após rebater mais uma das declarações polêmicas e homofóbicas do deputado Marco Feliciano.
O pastor revidou e Felipe propôs um debate civilizado gravado em vídeo, que foi realizado em Brasília e só foi publicado nesta terça-feira. Também foi disponibilizada uma versão sem edições e cortes para download.

Casamento Gay

— Os tempos mudaram? Mudaram, não tem nenhum medieval aqui, mas não adianta os tempos mudarem e a Constituição não mudar, ela tem que ser refeita nesse quesito e nunca houve esse debate — inicia Marco Feliciano sobre a questão envolvendo casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Neto então pede para que o pastor discuta se concorda ou não, como pessoa e não como pastor e parlamentar, com a decisão do Supremo Tribunal Federal em aceitar as relações homossexuais na união civil.

— O STF não aprovou a união civil, a Constituição foi rasgada, o Supremo julgou o caso de uma união estável, duas pessoas morando juntas. O meu medo é que a união estável se torne apta para uma união civil e ela se torne o casamento, como vão ficar as igrejas? Uma vez que as igrejas não apoiem um casamento, elas podem ser criminalizadas — disse Feliciano.

Em resumo, Feliciano não responde ao questionamento de Felipe Neto e justifica com indagações, dizendo que casais homossexuais não podem gerar filhos e, sendo assim, essas pessoas não podem proteger o Estado e nem garantem a longevidade da população. O deputado deixa claro que, para ele, a existência do ser humano é de exercer a função de reprodutor.

— Por exemplo, eu cuidei do meu pai a vida inteira dele, e se por acaso ele tiver um relacionamento com um homem há pouco mais de 30 dias, esse homem pode entrar na Justiça e assim levar tudo de uma vez só e eu nada — justificou.

Religião

O youtuber e o deputado partiram para o tema religião e gays, comentando sobre o Novo e o Velho Testamento da Bíblia, mas sem muito desenvolvimento.

Questionado se ele condena os homossexuais a irem para o inferno, Feliciano irritou Felipe Neto ao responder dizendo que “90% dos homossexuais, que ele conhece, tem esse tipo de vida porque foram abusados ou tiveram sérios problemas na vida.”

Gêneros

Inspirado pelas declarações do pastor evangélico, Felipe Neto o questiona se ele realmente não acredita que pessoas nascem homossexuais e se isso aconteceria porque seriam influenciadas.

— Ensina a criança o caminho onde ela se deve andar e ela vai andar por ele. A pessoa não nasce gay, ninguém nasce gay. Não existe gênero, existe sexo. Você nasce homem ou mulher e o que vai te definir por isso é o que você tem entre as pernas — argumentou o pastor utilizando modelos de tomadas de energia elétrica para exemplificar o que seria homem e mulher para ele, “encaixa e não encaixa, aqui entra e nada sai”.

— O amor sexual entre dois homens é um fenômeno de comportamento, gays são um fenômeno de comportamento — encerrou Marco Feliciano.

Boicote

O pastor promoveu um boicote à Natura, patrocinadora oficial da novela Babilônia em 2015, exibida pela Globo, por exibir um beijo entre as atrizes Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg logo no primeiro capítulo.

— Um beijo gay não precisa entrar na casa de um brasileiro, sendo que aquela emissora é paga com dinheiro público. Senhoras podem ser lésbicas, mas não precisam mostrar isso pra todo mundo, não precisa ficar se esfregando, não precisa ficar transando no meio da rua — enfatizou Feliciano.

O deputado revelou que não assiste a novelas, mas que foi alertado pela revista VEJA, que entrou em contato questionando sobre o seu posicionamento sobre o beijo gay exibido na novela.
Marco Feliciano encerra a entrevista afirmando que a homofobia não pode ser criminalizada, já que em sua opinião a “não aceitação” de homossexuais seria uma “liberdade de pensamento, que não pode virar crime”.

Assista ao debate dos dois:

6 de julho de 2016 às 0:24

MP quer que senador José Agripino devolva dinheiro recebido como pensão vitalícia de ex-governador [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Ministério Público está pedindo que o senador José Agripino Maia devolva o dinheiro da pensão que recebe como ex-governador.

O Blog concorda que ex é ex e portanto não deve receber por isso.

Mas vale lembrar que uma LEI permitiu o pagamento da pensão.

Derrubar a lei é mais do que justo, mas fica a pergunta porque vale para qualquer outra situação:

Retroagir punindo só beneficiado?

Por que não retroagir punindo quem beneficiou?

Se a lei é absurda ela foi criada e aprovada.

Por quem?

Não seria o caso de punir o conjunto da obra?
Veja matéria da Folha:

Procurador pede que Agripino devolva R$ 1 mi por ganho acima do teto
MÁRCIO FALCÃO

MARIANA HAUBERT

DE BRASÍLIA

Presidente do DEM, o senador José Agripino Maia (RN), recebe por mês R$ 64.234,11 dos cofres públicos. O valor é 90,2% acima do teto do funcionalismo, que atualmente é de R$ 33.763, e representa a soma do salário que ele recebe como congressista com a pensão especial vitalícia de ex-governador (R$ 30,4 mil).
O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte entrou com uma ação na Justiça pedindo que a União inclua a pensão no chamado abate-teto (desconto do valor que ultrapassa o limite) e que o senador devolva cerca de R$ 1 milhão pelos recursos recebidos irregularmente nos últimos anos.
O senador recebe a “pensão especial” vitalícia de ex-governador do Rio Grande do Norte desde 1986, quando deixou o governo, após seu primeiro mandato –o pagamento só foi interrompido entre março de 1991 e março de 1994, quando ele voltou a ocupar o cargo de chefe do governo estadual.
A Procuradoria afirma que o pagamento do benefício teve início sem nem sequer ter sido instaurado um processo administrativo.
Para o procurador da República Kleber Martins, “mais do que exótica, a mencionada pensão (de ex-governador) desmoraliza a própria noção de republicanismo, porque condenou o pobre povo potiguar a conceder a José Agripino Maia, por todo o resto de sua vida, um valor mensal equivalente às mais altas remunerações dos servidores públicos estaduais”.
Segundo Martins, é mais grave é o fato de a pensão ser paga sem ter havido qualquer contrapartida, seja “a prestação de um serviço ao Estado –já que, pelo exercício do mandato de governador, aquele já havia recebido os salários respectivos no período– e nem mesmo o aporte de contribuições previdenciárias”.
Além de Martins, assinam a ação os procuradores Rodrigo Telles, Victor Mariz, Fernando Rocha e Cibele Benevides.
No STF (Supremo Tribunal Federal), Agripino é alvo de um inquérito que apura se o parlamentar negociou o pagamento de propina da empreiteira OAS durante a construção da Arena das Dunas, estádio em Natal usado na Copa do Mundo de 2014.
O STF autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do senador. Agripino nega envolvimento com irregularidades.
Em nota, Agripino afirmou que “o assunto sobre o teto constitucional de vencimentos para os agentes públicos, objeto da ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal, não pode ser confundido com pagamentos ilícitos e inconstitucionais”.
O senador argumenta que o teto remuneratório do funcionalismo público não é considerado como autoaplicável e que há um projeto em tramitação no Congresso Nacional para disciplinar os descontos do teto.
“O projeto de lei está na Câmara dos Deputados e não foi à votação em razão de controvérsias não superadas. Portanto, não há sustentação minimamente objetiva a tese de que o teto remuneratório goza, em nosso ordenamento jurídico, de incontroversa aplicabilidade. Aprovada a lei com a definição dos tetos, serei o primeiro a cumpri-la”, diz o senador.