Thaisa Galvão

22 de julho de 2017 às 5:50

Empresariado que não quis ‘pagar o pato’ de Dilma começa a pagar caro pelo ‘pato de Temer’ [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Foi para ‘não pagarem o pato’ com aumento de impostos que o empresariado foi às ruas e apoiou o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Mas agora está ‘pagando o pato’ por ter dado poder ao vice de Dilma, o atual presidente Michel Temer (PMDB), que está preocupado é em ele próprio não pagar pato.

Temer gasta bilhões para se sustentar no poder, apesar de totalmente enlameado em denúncias de corrupção, e para não pagar o pato, passa o pato para o povo.
Veja matéria do G1:
Pato de 5 metros volta à fachada da Fiesp em ato contra o aumento de impostos
Não vou pagar o pato’, diz a mensagem do protesto contra o aumento anunciado nesta quinta. Pato havia sido retirado em março de 2016

O pato amarelo de cinco metros voltou à fachada da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) na madrugada desta sexta-feira (21), na Avenida Paulista. 

Ele foi retirado em março de 2016, quando o processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff estava quase no fim.

O gesto, segundo a entidade, é um protesto contra o aumento dos impostos. 

Além do pato de cinco metros, há outro pato, um pouco menor, em uma sacada do prédio. 

Às 10h, patinhos serão entregues para os pedestres.

O governo anunciou nesta quinta o aumento da tributação sobre os combustíveis e um bloqueio adicional de R$ 5,9 bilhões em gastos no orçamento federal. 

Em nota, os ministério da Fazenda e do Planejamento informaram que será elevada a alíquota de PIS e Cofins sobre os combustíveis. O aumento começa a valer nesta sexta (21).
Segundo o governo, a tributação sobre a gasolina subirá R$ 0,41 por litro. 

Com isso, a tributação mais que dobrou e deve passar a custar aos motoristas R$ 0,89 para cada litro de gasolina, se levada em consideração também a incidência da Cide, que é de R$ 0,10 por litro.
A tributação sobre o diesel subirá em R$ 0,21 e ficará em R$ 0,46 por litro do combustível. Já a tributação sobre o etanol subirá R$ 0,20 por litro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*