Thaisa Galvão

27 de outubro de 2017 às 17:55

Unimed tenta justificar casos em que pacientes tiveram que pagar pelo exame [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Sobre a nota publicada no Blog, mostrando que em uma semana, só se referindo a casos do conhecimento daqui, duas pessoas optaram por pagar por exames requisitados pela Unimed, já que não conseguiram ser atendidos como de praxe, a empresa enviou uma nota…

A nota diz que “há um equívoco na informação de que existe um limite imposto pela Unimed quanto ao número de exames realizados pelo usuário dentro de um determinado período de tempo”.

OK, pode não haver limite estabelecido, mas nos dois casos citados, houve.

A nota diz que “não é verdadeira a informação que uma paciente grávida (ou qualquer outro usuário) tem o impedimento de repetir um exame de ferritina dentro de três meses”.

OK, o fato é que houve, e em laboratórios diferentes, os funcionários disseram a mesma coisa. Aliás, o limite do exame de Ferritina foi citado também no caso do paciente de PSA.

A Unimed diz que quando o sistema da empresa de plano de saúde identifica a solicitação repetitiva de exames, que foge dos parâmetros considerados normais, o paciente é orientado a solicitar ao médico que o atendeu uma justificativa para a repetição do procedimento.

OK, mas uma mulher grávida, pelo menos durante 9 meses, faz acompanhamentos que, em alguns casos, não pode ter um espaço longo de tempo entre um e outro. O fato de se tratar de pré-natal, e antes era assim na Unimed, torna desnecessária a volta da paciente ao médico ou à central de marcação.

-E no caso do PSA, como justificar como repetição, um exame feito há mais de um ano?

A nota da Unimed ressalta que no caso do PSA “houve de fato um bloqueio pelo sistema de somente um dos 22 diagnósticos solicitados para aquele paciente. Nesse caso específico, a empresa atribui o bloqueio a uma falha do sistema”.

OK, foi falha no sistema mas não foi o que informaram ao paciente, orientado a ir para casa e voltar no dia seguinte, novamente em jejum, para nova retirada se sangue. O que não ocorreu porque o paciente optou por pagar pelo exame, já que o sangue coletado era suficiente para fazer todos os exames requisitados pelo médico.

Por fim a Unimed pede que em casos como esse o paciente procure a Unimed que funciona 24 horas.

OK, mas ele não está impedido de tomar providência pelo meio que achar conveniente, como imprensa, redes sociais…

A Unimed concluiu que o que foi citado no Blog tratava-se de caso isolado.

OK, pode ter sido, mas foram dois casos em menos de uma semana chegados ao conhecimento do Blog, onde nos dois casos os pacientes não foram conscientizados que tratava-se se caso isolado, tendo o assunto sido tratado de forma muito natural, como se recorrente fosse.

“O registro de casos isolados num sistema de automação – ainda em fase de ajustes – não compromete a qualidade do serviço assistencial oferecido pela cooperativa, nem pode ferir uma reputação construída sobre alicerces da relação de confiança estabelecida entre a empresa e seus clientes ao longo de 40 anos”, encerrou a Unimed.

-OK.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.