Thaisa Galvão

24 de abril de 2020 às 19:47

Empresário do grupo Riachuelo, Gabriel Kanner avalia momento como “começo do fim de bolsonaro” e prevê queda de Paulo Guedes [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Estadão, entrevista com o empresário Gabriel Kanner, presidente do movimento Brasil 200, defensor até agora do governo bolsonaro.

Adriana Fernandes – São Paulo

BRASÍLIA – Presidente do Instituto Brasil 200, Gabriel Kanner diz que a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça é “o começo do fim de Bolsonaro”.

O instituto reúne cerca de 300 empresários em todo o Brasil que apoiaram o presidente Jair Bolsonaro.

Em entrevista ao Estado, Kanner afirma que, com as acusações “gravíssimas” de Moro, o apoio fica “completamente abalado”.

“Se perde”, disse. “Hoje, qualquer tipo de esperança que a gente pudesse ter no Bolsonaro veio por agua abaixo”. Kanner disse ainda que é possível que o ministro da Economia, Paulo Guedes, saia do Governo em breve.

Qual o impacto da saída do ministro Sérgio Moro?

É impressionante. Todo mundo acreditou que Bolsonaro pudesse fazer uma transformação na política brasileira, uma limpa, combater a corrupção, esses pilares que o elegeram em 2018, representavam que ninguém aguentava mais o que tinha acontecido no Brasil. Hoje, qualquer tipo de esperança que a gente pudesse ter no Bolsonaro veio por agua abaixo. Não só pela saída do Sérgio Moro, gravíssima, que abala fortemente a base de sustentação do governo, mas as acusações são extremamente graves.

Essa interferência, que ele queria ter na Policia Federal, não vimos nem na época do PT quando começou a Lava Jato.

Mostra outra faceta do Bolsonaro que até agora não havia sido exposta. Faz a gente perder qualquer tipo de confiança que a gente podia ter no presidente. Vai ser a palavra de um de outro. Mas eu acredito no ministro Moro de que o presidente queria ter alguém na PF.

O senhor representa um grupo de empresários que apoiou o presidente. Como ficará o apoio desses empresários a partir de agora?

O apoio fica completamente abalado. Hoje, contamos com cerca de 300 empresários pelo Brasil inteiro. E apoio se perde. Não tem como manter apoio a um presidente que vai tão de desencontro aos valores que o elegeram. Ele está fazendo o contrário. A gente elegeu o Bolsonaro para combater a corrupção e ele está fazendo o contrário. O apoio fica completamente abalado.

Todos os empresários do grupo vão retirar o apoio?

Não posso falar por todos. Mas, sem dúvida, é o começo do fim do Bolsonaro. Dificilmente, ele vai conseguir uma base de apoio dos empresários. Até por causa do isolamento do Paulo Guedes.

Como o sr. vê a fritura do Paulo Guedes, que é o alvo da vez dos bolsonaristas?

Esse plano Pró-Brasil sem a participação de Paulo Guedes, imagino que o ministro deva sair em breve do governo. Isso realmente destrói qualquer esperança que a gente possa ter. Do ponto de vista econômico, é muito grave. A gente vinha de uma mudança de rota da economia, buscando uma recuperação econômica.

Vai ser muito difícil a retomada da economia. É muito incerto. Não temos como saber se o Paulo Guedes vai permanecer ou sair. A forma como foi abalada a confiança nos deixa muito inseguros.

Qual a expectativa do sr. em relação à permanência do ministro?

Ele já entrou em rota de colisão. Se a gente acompanha todos os casos. Eles sempre acabaram em demissão. É possível que o Paulo Guedes saia do governo em breve.

24 de abril de 2020 às 19:11

Defensor ferrenho e chato de bolsonaro, sobrinho de Flávio Rocha se diz decepcionado com o presidente e defende Sergio Moro [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Presidente do movimento Brasil 200, defensor ferrenho e até chato de jair bolsonaro, Gabriel Kanner, sobrinho do empresário Flávio Rocha, se disse decepcionado com bolsonaro.

Veja postagem dele no instagram:

Depois que bolsonaro discursou tentando desmentir o discurso de Sergio Moro, Kanner voltou a postar:

24 de abril de 2020 às 17:59

Bolsonaro tenta desqualificar denúncias fortes feitas por Sergio Moro em pronunciamento feito colado em auxiliares sem máscaras para se prevenir do coronavírus [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ao lado de vários ministros, jair bolsonaro deu entrevista para desqualificar o ex-ministro Sergio Moro.

Difícil para quem não faz parte da militância, acreditar em 10% do longo discurso.

Bolsonaro tentou minimizar as denúncias fortes feitas por Moro em relação à interferência do Planalto nas investigações da Polícia Federal que tem como alvo…o filho do presidente.

Sala cheia, todos colados um no outro, sem máscaras como exige as regras da saúde pública para evitar a propagação do coronavírus.

Até o tonto do ministro da Saúde, Nelson Teich, que deveria cobrar o uso de máscaras, estava se máscara.

Apenas o ministro Paulo Guedes usava máscara.

Era o único diferente da equipe.

Falam que ele será o próximo a cair.

Olhe as cenas:

Todo mundo junto

Ministro da Saúde ali atrás nem aí para a pandemia

Vice-presidente Mourão só coçando o olho

Só Guedes de máscara, ao lado do General Heleno que já teve coronavírus

24 de abril de 2020 às 17:42

Entre vários juristas, potiguar Erick Pereira fala ao UOL sobre interferência do governo na PF e diz que denúncia de Moro deve ser apurada [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O advogado Erick Wilson Pereira, do Rio Grande do Norte, foi um dos juristas ouvidos pelo portal UOL que traçou um retrato de como a interferência do presidente da república na polícia federal afeta a democracia.

Além do doutor em direito constitucional Erick Wilson Pereira, foram ouvidos Claudio Couto, professor de gestão pública da Fundação Getúlio Vargas, Rodrigo Brandão, professor de direito constitucional da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Thiago Bottino, professor de direito penal da FGV-RJ, o cientista político Gilberto Palma, e diretor do Instituto Ágora em Defesa do Eleitor e da Democracia.

Segue trecho da reportagem:

O jurista Erick Wilson Pereira, doutor em direito constitucional, defende a necessidade de investigação das denúncias feitas por Moro contra o presidente.

“Se ele tinha alguma informação, ele explique o porquê de não ter investigado. O que ele diz é de uma gravidade enorme, precisa ser apurado, tanto em relação ao Bolsonaro, quanto ao Moro que é o autor dessas denúncias. Infelizmente, isso já devia ter sido debatido.”

Pereira discordou de Claudio Couto sobre possíveis usos políticos da PF por parte de Bolsonaro.

“Não acredito que a PF se torne uma polícia política do Bolsonaro. Me parece um juízo subjetivo e individual do Moro. A corporação é muito maior do que um diretor. Ela sobrevive um elemento. Pode haver tentativas, sim, de interferência. Mas, a própria Polícia Federal pode expurgá-lo por não ser orgânico”, avalia.

CLIQUE AQUI e confira a íntegra da reportagem

24 de abril de 2020 às 16:53

Prefeitura de Natal incrementa ações de segurança alimentar durante pandemia [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Os impactos da pandemia da Covid-19 têm sido sentidos em todas as camadas da sociedade e a Prefeitura de Natal tem trabalhado para minimizar esses efeitos, sobretudo entre os cidadãos que estão em situação de vulnerabilidade social. Uma das principais ações nesse sentido é executada pela Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social. O objetivo é promover o reforço nutricional e dar segurança alimentar à população menos favorecida, bem como oferecer apoio às categorias de profissionais que ficaram sem ter como trabalhar em virtude da paralisação de suas atividades. Desde o início dessa iniciativa, a Semtas já entregou 2.927 cestas básicas, beneficiando mais de 5.000 famílias.

As distribuições estão ocorrendo em todas as regiões de Natal e tem seguido critérios rigorosos controlados pelo Departamento de Informação, Monitoramento e Avaliação das Políticas Sociais (Dimaps) da Semtas. Já foram beneficiados com a medida os carroceiros das zonas norte e oeste; Centro Educacional Dom Bosco, no Gramoré; Ambulantes do Alecrim, Praia do Meio e Ponta Negra; Famílias do Movimento de Luta por Moradia Popular (MLMP); Artesãos; Comunidade de povos tradicionais e religiões de matrizes africanas do Município; Comunidade LGBTI+; Catadores de Lixo; Associação de Circos; Trabalhadores de Parques de Diversões; Artistas; Casa de Apoio a Pessoas Vivendo e Convivendo com HIV/Aids. Os pescadores de sete colônias existentes na cidade foram a última categoria beneficiada com a entrega de cestas básicas.

Além desses grupos populacionais, a Semtas também distribuiu os gêneros alimentícios para moradores de bairros como Guarapes, Mãe Luíza, Potengi, Planalto, e para as comunidades Alto do Guarapes, Aurora Maria, Beira-Rio, Djalma Maranhão; Heleny Fereira e Tiradentes.

“Se considerarmos que cada unidade familiar tem quatro indivíduos, temos um universo de 20 mil pessoas assistidas. Fomos procurados por esses segmentos e verificamos que todos estavam necessitando desse suporte. É importante destacar que durante as distribuições seguimos todas as recomendações das autoridades sanitárias, evitando aglomerações e com as equipes todas protegidas com os equipamentos de segurança individual. A gestão municipal tem trabalhado incansavelmente para acolher, auxiliar e se aproximar da população nesse momento de pandemia”, destaca a secretária municipal de Trabalho e Assistência Municipal, Andréa Dias.

Outra frente de atuação da Semtas é o programa Sopa Solidária. O programa atende a pessoas que são encaminhadas pelos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) quando em situação de vulnerabilidade nutricional. Atualmente, o Sopa Solidária atende a cerca de 8 mil pessoas em 14 comunidades de todas as regiões da cidade. O preparo e a distribuição do alimento são realizados por voluntários, sendo que a equipe de coordenação e supervisão é composta por nutricionistas, técnicas em nutrição e assistentes sociais da gestão municipal”, explica a titular da Semtas.

24 de abril de 2020 às 16:02

A divertida live de Dilma [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Quinta-feira, Brasil todinho comentando o pedido de demissão do ministro Sérgio Moro, eis que a ex-presidente Dilma Rousseff fazia uma live inesperada.

Nem ela mesma esperava que falaria ao vivo.

Numa chamada de vídeo com a filha Paula, Dilma tentava entender como usar aplicativo de delivery.

Nem conseguia entender nem conseguia ver que seguidores acompanhavam tudo, interagiam…

Deu o tom divertido da quinta-feira.

24 de abril de 2020 às 15:47

De Fernando Henrique Cardoso sobre bolsonaro: “Que renuncie antes de ser renunciado” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, comentando a saída do ministro da Justiça:

24 de abril de 2020 às 14:54

Indignado com saída de Moro, senador Styvenson critica bolsonaro por querer informações privilegiadas da PF quando o filho dele é investigado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O senador potiguar Styvenson Valentim (Podemos-RN), se mostrou indignado com a saída do ministro da Justiça Sérgio Moro.

“Sérgio Moro suportou muito. A carta branca prometida a ele já era marcada. Por diversas vezes subi na tribuna para falar sobre o desmonte dos mecanismos de combate à corrupção. O desmonte do COAF e as interferências nas instituições como a Receita Federal e Polícia Federal já mostravam o prenúncio desse momento”, disse Styvenson.

O senador concordou com a nota oficial publicada pelo seu partido, o Podemos, que repudiou o ato do Governo Federal de trocar “arbitrariamente” o diretor da Polícia Federal.

“Eu mesmo, como policial, fui vítima de interferência política no âmbito estadual. Como teremos um eficiente combate à corrupção se tudo que conhecíamos de estrutura para fazê-lo foi desmontado no ano de 2019? Interferências nas escolhas de superintendentes da Polícia Federal e da Receita Federal por qual motivo? Nem quando o PT ou Michel Temer estavam no comando, algo desse tipo foi feito. Por que o presidente Jair Bolsonaro quer informações privilegiadas, já que muitas investigações são sigilosas e o próprio filho dele está sendo investigado? O ex-ministro expôs o que todos os polícias no Brasil passam: interferências políticas sobre instituições. Resta saber como será daqui para frente o combate à corrupção com tantos políticos investigados por esse crime. Não entrei na política para assistir a isso. O combate à corrupção é imperativo para o povo brasileiro”, criticou Valentim.

Abaixo nota do Podemos à qual o senador se referiu:

NOTA OFICIAL DO PODEMOS

O combate à corrupção está no coração e na alma das aspirações nacionais. A Justiça é uma necessidade humana incontornável e, na sociedade política, deve figurar sempre como prioridade.

Nesse campo, Sérgio Moro foi um verdadeiro titã e, pelos serviços prestados, já deixou marca inapagável na história institucional do país. O preço de uma sociedade mais justa é a luta permanente.

A saída do ministro Sergio Moro do governo, uma opção do Presidente da República, representa o afastamento do governo Bolsonaro do sentimento popular e do combate à corrupção. É a derrota da ética.

Estamos certos que Sérgio Moro continuará esse bom combate, agora em outra esfera. De nossa parte, esperamos e estaremos atentos para que as mudanças não coloquem em risco os avanços obtidos e que o Brasil seja um país mais igual e justo.

DEPUTADA FEDERAL RENATA ABREU
Presidente Nacional do Podemos

SENADOR ALVARO DIAS
Líder do Podemos no Senado Federal

DEPUTADO FEDERAL LÉO MORAES
Líder do Podemos na Câmara dos Deputados

24 de abril de 2020 às 14:45

Senador Jean-Paul comenta saída de Moro e diz que ex-juiz saiu atirando ao acusar governo de tentar interferir em investigações [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Ao comentar a saída de Sergio Moro do governo, o senador potiguar Jean-Paul Prates disse que o ex-juiz nunca conseguiu fazer parte do núcleo duro do bolsonarismo, formado pelos filhos do presidente.

Prates diz que o ex-juiz sai atirando, ainda como ministro, ao acusar o governo de interferir em investigações.

24 de abril de 2020 às 14:20

Moro revela única condição que fez para abrir mão da magistratura e assumir o Ministério [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Logo no começo da entrevista coletiva para anunciar sua saída do governo nests sexta-feira, o ex-juiz federal Sergio Moro fez uma revelação, talvez temendo que fosse feita de forma distorcida.

Moro disse a bolsonaro que tinha uma condição para assumir o Ministério depois de 23 anos na magistratura.

Como teria a missão de combater a corrupção – era isso que o presidente eleito vendia – tinha medo que algo lhe acontecesse já que iria mexer com a criminalidade, que sua família fosse protegida com uma pensão.

Moro tinha medo de morrer e deixar à família desamparada, o que não ocorreria caso esse “algo a acontecer” fosse em tempo de magistratura.

Moro não esperava que o risco na sua carreira seria esse.

24 de abril de 2020 às 14:09

Moro diz que bolsonaro confirmou interferência política na troca da chefia da PF e lembra que governos do PT não interferiram na lava-jato [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ministro demissionário Sergio Moro deixou bem claro: foi o próprio bolsonaro quem afirmou que a mudança na Polícia Federal se tratava de interferência política.

A revelação do próprio bolsonaro confirma: o governo que foi vendido como técnico, passa a se render à política.

Moro lembrou que nem a lava-jato, operação deflagrada em tempos de governos do PT, onde ele era o comandante, sofreu interferência política.

24 de abril de 2020 às 12:57

Moro diz que governo sugeriu que ex-chefe da PF dissesse que demissão era um pedido dele [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ex-juiz federal e ministro demissionário Sergio Moro confirmou que foi informado sobre a exoneração que ele não assinou, pelo Diário Oficial da União.

E disse que o exoneraro chefe da Polícia Federal, Maurício Valeixo, foi instigado a dizer que a exoneração era a pedido dele.

Moro disse que isso não era verdade.

Uma ‘mentira’ dita de form elegante.

24 de abril de 2020 às 12:29

De um bolsonarista na Corte: “Moro abriu a porteira do impeachment” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Terminada a coletiva onde o ex-juiz federal Sergio Moro anunciou sua saída do governo, fonte de Brasília, do círculo bolsonarista, envia ao Blog a seguinte mensagem:

“Não foi Rodrigo Maia, mas Moro, quem abriu a porteira do Impeachment”.

Ontem o STF determinou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, analisasse o pedido de impeachment de bolsonaro pedido em ação de um grupo de advogados.

A saída de Moro e um cenário de falso combate à corrupção dentro do governo fortalece a cobrança do STF.

24 de abril de 2020 às 12:23

Titular da Justiça Sergio Moro confirma o que adiantou a imprensa: deixa o Governo 8 dias depois da queda do ministro da Saúde [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Como a imprensa adiantou, o ex-juiz Sergio Moro deixou o governo.

Confirmou que foi informado da demissão do chefe da Polícia Federal Maurício Valeixo pelo Diário Oficial, embora tenha conversado com o ex-auxiliar pelo telefone.

Valeixo disse a Moro que foi procurado pelo governo para pedir que ele dissesse que a exoneração a ser publicada seria “a pedido”.

A pedido dele.

Mentira, como disse Moro de uma forma mais elegante: “não é verdade”.

Confira a afirmação de Sergio Moro sobre a saída do Governo, apenas 8 dias depois da queda do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta:

24 de abril de 2020 às 10:49

Quando saída de Moro já estava confirmada bolsonaro continuava dizendo que a imprensa tinha ‘errado tudo’ sobre a antecipação da notícia [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Enquanto a imprensa dava como certa a saída de Sergio Moro do governo, jair bolsonaro amanheceu a sexta-feira dizendo que a imprensa tinha errado tudo ao anunciar desde ontem a saída do ministro.

Moro saiu.

A imprensa não errou.

24 de abril de 2020 às 9:06

Alvo da PF na gestão do exonerado Valeixo, Carlos Bolsonaro deve indicar o novo chefe da Polícia Federal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Sabe quem jair bolsonaro deve nomear para comandar a Polícia Federal?

Alexandre Ramagem.

Sabe quem é Alexandre Ramagem?

Foi chefe da equipe de segurança de bolsonaro na campanha presidencial.

E sabe de quem é a indicação?

De Carlos Bolsonaro.

O zero dois do Palácio do Planalto quer se proteger.

O agora ex homem forte da PF, Alexandre Valeixo, tinha chegado ao gabinete do ódio, montado no Planalto, e constatado que Carlos é o grande articulador das fake news que são espalhadas em grupos de whats app e que são alvos de CPI no Congresso.

Também é atribuído a Carlos o movimento de ataques ao Congresso, ao Supremos e a outras instituições do país.

24 de abril de 2020 às 8:36

Codern providencia vacina contra gripe para trabalhadores dos portos de Natal e Areia Branca [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Funcionários e colaboradores do Porto de Natal estão sendo vacinados contra a gripe Influenza.

O procedimento ocorreu nesta quinta e se encerra hoje com o procedimento no Terminal Salineiro de Areia Branca, onde 80 doses serão aplicadas.

A Secretaria de Saúde de Natal disponibilizou para a Codern, 400 doses da vacina que estão sendo aplicadas sem aglomerações.

24 de abril de 2020 às 8:18

Desmoralizado oficial com a exoneração do chefe da PF, Moro fará pronunciamento às 11 horas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Sergio Moro fez bico – maior ainda – se trancou na sala, mandou assessor dar resposta monossilábica…mas não teve jeito.

O seu indicado e homem de confiança na Polícia Federal, Maurício Valeixo, foi exonerado.

Amanheceu com o nome estampado no Diário Oficial da União.

A imprensa amanheceu dizendo que Moro foi pego de surpresa porque achava que o fato de ter ficado amuado a quinta-feira todinha tinha causado um efeito desistência em bolsonaro.

Difícil acreditar que ele foi pego de surpresa.

Melhor pensar assim do que admitir que o ministro da Justiça foi mais uma vez desmoralizado.

Moro vai fazer um pronunciamento às 11 horas.

Se for para dizer que fica, terá que assumir que será um ministro sem moral.

O que disser ou fizer daqui pra frente, poderá ser desmanchado em segundos pelo chefe ‘quem manda sou eu’.

24 de abril de 2020 às 2:18

Blog no Correio Braziliense diz que PF está próxima de pegar o zero dois por Fake News [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do blog de Vicente Nunes, no Correio Braziliense:

Não é à toa que o presidente Jair Bolsonaro está tão irritado com o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A equipe que investiga as Fake News contra o Supremo Tribunal Federal (STF) chegou ao Gabinete do Ódio, comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro, o 02.

Policiais que trabalham na operação garantem que o filho do presidente é o mentor de todos os ataques que foram disparados contra o Supremo e contra o Congresso. Há um processo aberto pelo STF para investigar esse movimento de notícias falsas.

Bolsonaro sabe que não tem controle sobre a Polícia Federal. Portanto, teme que, quando todas as provas contra Carlos forem reunidas, muita coisa vazará para a imprensa, abrindo uma crise monumental que ficará difícil de ser administrada.

Por coincidência, a equipe que trabalha na investigação aberta pelo Supremo para apurar Fake News é a mesma que deverá tocar o inquérito que apurará os responsáveis pelas manifestações pró-ditadura, nas quais Bolsonaro foi a grande estrela.

Saída de Moro

Suspeita-se que Carlos Bolsonaro também esteja por trás do movimento que defende o fechamento do STF e do Congresso e a volta do AI-5. Os policiais federais dizem que não vão economizar nas investigações.

Se conseguir demitir Valeixo, Bolsonaro terá que aceitar a demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça. Entre escolher ficar com um ministro pelo qual já não tem tanto apreço e proteger o filho, o presidente optará pela segunda opção.

De qualquer forma, com ou sem Valeixo no comando da Polícia Federal, os agentes estão amontoados de provas contra os ataques ao Supremo e à democracia. E isso poderá se tornar público rapidamente, sobretudo dependendo do nome que o presidente da República escolher para o comando da corporação.

24 de abril de 2020 às 2:10

Brasil contabiliza maior número de mortes em um dia quando estados discutem abertura geral de atividades econômicas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No dia em que discute liberação de atividades econômicas pelos governos dos estados brasileiros, o Brasil registra o maior número de mortes em um dia só: 407.

Ao todo o país contabiliza 3.313 mortes e 49.492 casos  de coronavírus, segundo o último boletim do Ministério da Saúde.

tendência de maior gravidade da doença. Segundo ele, é preciso avaliar o comportamento da Covid-19 nos próximos dias.