Thaisa Galvão

4 de maio de 2020 às 8:01

“O STF Não governa, é certo, porém tem a competência de impedir o desgoverno”, afirma ex-presidente. [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No movimento irresponsável deste domingo, o STF foi criticado.

O palácio do planalto não engole o fato de não ter conseguido nomear Alexandre ramagem para o comando da Polícia Federal, por interferência do Supremo.

presidente busca respaldo militar para reagir às derrotas no Judiciário. A troca do comandante do Exército tem sido discutida. O Supremo barrou a nomeação do delegado Alexandre Ramagem, amigo da família Bolsonaro, para comandar a Polícia Federal. O presidente disse que indicará alguém nesta segunda (4). “Chegamos no limite, não tem mais conversa.”

As respostas do STF parece que estão sendo dadas por ex-ministros, mais distantes de se tornarem alvos da metralhadora do planalto.

Leia notas da Coluna do Estadão desta segunda-feira:

Repúdio

Sobre os ataques da manifestação em apoio ao presidente Bolsonaro, inclusive contra profissionais do Estado, o ex-presidente do STF Ayres Britto classificou como “lamentável”, e ressaltou como as instituições devem prevalecer sobre as pessoas.

Repúdio 2

Ele fez ainda uma defesa da Corte, numa quase paráfrase do slogan bolsonarista: “Por que o Tribunal tem o nome de Supremo? Porque está acima de tudo, acima de todos. Por ser o mais alto e extremo guardião da Constituição.”

Repúdio 3

“(O STF) Não governa, é certo, porém tem a competência de impedir o desgoverno”, afirma.

Limites

Outro ex-ministro do STF, Francisco Rezek, foi mais contundente em suas críticas. Diz que até Donald Trump, a quem Bolsonaro tanto admira, não permite que “sua torcida mais exaltada” hostilize o Congresso e a Corte Suprema dos EUA.

Limites 2

“Os integrantes mais sensatos do governo deveriam lembrar ao presidente que ele não pode continuar procedendo como um agitador”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.