Thaisa Galvão

16 de maio de 2020 às 1:52

Oiticica: Firme no cargo no governo Bolsonaro, sobrinho de Henrique Alves comanda o Dnocs no RN desde o segundo mandato de Lula [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A polêmica suspensão da retomada das obras da barragem Oiticica, em Jucurutu, provocada pelo não cumprimento dos protocolos de combate ao coronavírus por parte das empresas EIT e Encalso, deixando em risco de contrair a doença os trabalhadores das obras, levanta um assunto…

O Dnocs trocou de comando.

O órgão foi o primeiro negociado pelo governo Bolsonaro com o Centrão, grupo de partidos que sempre estiveram na porta do Palácio do Planalto em troca de cargos, e que Bolsonaro jurou de pés juntinhos que a ele não se renderia atééééé…se render.

E negociar.

Pois bem.

Mas a troca no comando nacional do Dnocs não mexeu uma linha no Rio Grande do Norte que mantém no cargo de coordenador estadual, José Eduardo Alves.

Alves é sobrinho do ex-deputado Henrique Alves, responsável pela nomeação dele em agosto de 2007, no segundo mandato do presidente Lula.

E seguiu no cargo nas gestões de Lula, de Dilma Rousseff, de Michel Temer e agora de Jair Bolsonaro.

Segue seguro.

Pode até não ter mais Henrique Alves como padrinho, apesar de ter como líder, mas tem o aval do primo deputado Walter Alves e a segurança no cargo do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

O Dnocs está no organograma da pasta comandada por Marinho, que tem boa relação com Henrique.

No comando geral do Dnocs, com sede em Fortaleza, assumiu Fernando Marcondes de Araújo Leão, indicado pelo deputado Sebastião de Oliveira (PL-PE) que foi um dos alvos da segunda fase da Operação Outline, desencadeada na semana passada para apurar desvios em contrato de R$ 190 milhões.

Primeiro deputado do Centrão a escolher um cargo para indicar, Sebastião teve três endereços vasculhados pela Polícia Federal: o apartamento funcional em Brasília e as residências de Recife e de Gravatá.

Ele foi secretário de Transportes de Pernambuco e é acusado de irregularidades e pagamento de propina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*