Thaisa Galvão

29 de junho de 2020 às 15:06

Covid: Comitê Científico do Estado aponta redução nos índices de transmissão mas ressalta isolamento social baixo e falta de leitos em hospitais [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na coletiva diária que acontece na Governadoria, nesta segunda-feira, foi informado que há uma redução nos índices de transmissibilidade do coronavírus.

Porém, o índice de isolamento social ainda é muito baixo, o que provoca o aumento de casos e a superlotação nos hospitais públicos e privados.

A taxa de transmissibilidade hoje está um pouco abaixo de 1.

Tipo, uma pessoa só transmite para até uma pessoa, e não mais para 1,5 até 2,1, que eram os índices anteriores.

Três pesquisas apontaram a diminuição, como anunciou o professor Ricardo Valentim, coordenador do Laboratórios de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da UFRN e integrante do Comitê Científico de assessoramento ao Estado sobre a pandemia.

“São três metodologias diferentes que apontam redução da transmissibilidade que é o quanto um indivíduo é capaz de contaminar outros”, informou Valentim, ressaltando que ainda é alta a pressão por leitos de UTI.

“É preciso que todos, setor produtivo, Poderes e pessoas se mantenham solidários, respeitem as medidas protetivas e cumpram o isolamento. A doença ainda é muito agressiva”, afirmou o professor pesquisador

A pressão maior por leitos críticos ocorre em Natal e região metropolitana que concentra entre 60% e 70% da demanda.

*

Veja os números de pessoas internadas nesta segunda-feira, em hospitais públicos, privados e filantrópicos:

São 731 pessoas com covid, sendo 378 em leitos críticos (UTIs e semi-UTIs).

Pelo SUS – custeados pelo poder público – os leitos críticos estão com taxa de ocupação de 90%.

O percentual de leitos ocupados na região Oeste do estado é de 97% e chega a 100% em Guamaré, 95% em Natal e região metropolitana, 72,41% na região do Seridó e 54,5% em Pau dos Ferros.

A fila de regulação tem 37 pacientes aguardando leitos críticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*