Thaisa Galvão

19 de setembro de 2020 às 16:38

Depois da recomendação do MP, juiz manda ex-candidato que permitiu que Beto tomasse o mandato de Mineiro se pronunciar sobre cargo comissionado quando já era candidato [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois da recomendação do Ministério Público Eleitoral, agora vem uma decisão do juiz relator Ricardo Tinoco de Góes, que intimou o ex-candidato a deputado federal Kericlis Alves Ribeiro (Kerinho), para que ele justifique a denúncia de ter recebido salário da Prefeitura de Monte Alegre quando já era candidato, o que é vedado pela legislação que determina um prazo para desincompatibilização de cargos públicos de pretensos candidatos a um mandato.

Kerinho teria desobedecido a legislação segundo documentos que comprovariam o pagamento feito pela Prefeitura quando ele figurava como candidato a deputado federal em 2018.

Inicialmente os votos de Kerinho, por outra irregularidade no registro eleitoral, já não haviam sido contados, porém, o deputado Beto Rosado, da mesma coligação de Kerinho, e que não havia sido eleito, entrou com ação na justiça e conseguiu peso jurídico e político para que os votos fossem contabilizados e somados aos dele, garantindo que a coligação aparecesse como mais votada do que Fernando Mineiro, real eleito deputado federal.

Com a manobra, Mineiro perdeu o mandato.

Agora essa denúncia feita sobre a desobediência de Kerinho à lei eleitoral, se for acatada pela justiça, os votos de Kerinho serão anulados, e a Beto Rosado não sobrarão votos suficientes para que continue deputado, devolvendo a Mineiro o mandato que foi conquistado. No voto.

Na contagem de votos, Fernando Mineiro foi o 3º mais votado com quase 100 mil votos.

Na coligação, perdeu o mandato para Beto, que teve MENOS 26.978 votos do que Mineiro.

Na contagem de coligação, Beto somou os 71.092 votos dele, aos 8.990 de Kerinho, ficou com 80.082 votos, ainda com MENOS 17.988 do que Mineiro.

Mas…coisas da legislação eleitoral, que não é o que está em discussão nos questionamentos do momento na justiça.

O que se questiona agora é a legalidade dos quase 9 mil votos de Kerinho.

E se a justiça entender que foi ilegal ele ter continuado a receber por um cargo comissionado sendo candidato, aí esses votos serão anulados e Mineiro poderá ter de volta o mandato que conquistou pelo voto legítimo.

Eis o placar das eleições de 2018 para deputado federal:

Agora os votos de Kerinho, que ficou na 28ª colocação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.