Thaisa Galvão

3 de março de 2021 às 23:52

Prefeitura de São Gonçalo altera horário de funcionamento do Centro de Coleta Covid e amplia atendimento na Pediatria [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Desde segunda-feira (1), o Centro Municipal de Coleta Covid-19 de São Gonçalo do Amarante/RN, em Regomoleiro, está funcionando em novo horário.

Os atendimentos para realização de exames para diagnóstico do novo coronavírus estão acontecendo das 7h30 às 15h, sem intervalo para almoço, de segunda a sexta-feira.

Mudança também na faixa etária para assistência no Centro de Pediatria, localizado no bairro Santa Terezinha.

A unidade passou a atender adolescentes até 15 anos de idade. O funcionamento continua de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, incluindo feriados.

Foto Wendell Jefferson

3 de março de 2021 às 23:26

Fátima conversa com prefeitos antes de baixar novo decreto com medidas restritivas para reduzir efeitos da pandemia no RN [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Antes de baixar novo decreto com restrições para tentar minimizar os efeitos da pandemia no Rio Grande do Norte, a governadora Fátima Bezerra segue conversando com prefeitos.

Depois de uma audiencia com o prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, ela fez uma videoconferência com prefeitos de municípios do Vale do Açu.

Fátima defendeu o endurecimento das medidas restritivas em vista da saturação no número de leitos no estado.

Além dos prefeitos, participaram da reunião os secretários de saúde da VIII Unidade Regional de Saúde Pública (URSAP).


“Precisamos mais do que nunca estarmos juntos nesse novo momento de enfrentamento à pandemia no Rio Grande do Norte”, declarou a governadora.

“De um lado estamos cuidando da rede assistencial, garantindo mais leitos para atender os pacientes com Covid no Rio Grande do Norte. Ao mesmo tempo, estamos fazendo o trabalho de articulação nacional em busca de mais vacinas, de financiamento para a saúde e na questão de auxilio emergencial, disse Fátima.


A governadora informou que o Estado já abriu 600 leitos durante toda a pandemia e segue ampliando a rede de leitos clínicos e de UTI, mas que a oferta de vagas, por si só, não é suficiente, e que é preciso endurecer as medidas de restrição para enfrentar o aumento expressivo dos casos de Covid-19 no estado, sobretudo, no período que pode vir a ser “o mês mais difícil de toda a pandemia”.

3 de março de 2021 às 19:38

DNA Center garante que testes RT-PCR para detectar covid abrangem novas mutações do vírus [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O surgimento de novas cepas mutantes do novo Coronavírus tem gerado dúvidas e comentários sobre a efetividade dos testes de detecção do SARS-CoV-2 nessas variantes.

Em função disso, o laboratório DNA Center vem a público esclarecer que trabalha exclusivamente com kits cuja abrangência de detecção inclui as novas cepas mutantes, popularmente conhecidas como a da Inglaterra, da Dinamarca e a variante brasileira (Amazonas).

Conforme explica a sócia-diretora do DNA Center, Andréa Fernandes, “os testes realizados pelo laboratório potiguar estão na categoria multiplex, ou seja, estudam mais de uma região do vírus, não havendo implicações, portanto, dessas mutações que limitem a sua capacidade de detecção”.

Ela informa que já foram realizados e documentados diversos testes que comprovam a eficácia do RT-PCR multiplex na detecção do SARS-CoV-2 e de suas novas cepas mutantes, inclusive.

3 de março de 2021 às 19:11

São Gonçalo altera horário de funcionamento do Centro de Coleta Covid e amplia faixa etária de atendimento no Centro de Pediatria [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Desde segunda-feira (1), o Centro Municipal de Coleta Covid-19 de São Gonçalo do Amarante, em Regomoleiro, está funcionando em novo horário. Os atendimentos para realização de exames para diagnóstico do novo coronavírus estão acontecendo das 7h30 às 15h, sem intervalo para almoço, de segunda a sexta-feira.

Mudança também na faixa etária para assistência no Centro de Pediatria, localizado no bairro Santa Terezinha. A unidade passou a atender adolescentes até 15 anos de idade. O funcionamento continua de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, incluindo feriados.

3 de março de 2021 às 17:30

Prefeitura de Natal investe em melhorias do Horto Municipal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Dentro do planejamento da Prefeitura de Natal em busca da ampliação das áreas verdes existentes na capital potiguar, o Horto Municipal exerce um papel fundamental. É lá onde são cultivadas as mudas de pequeno porte utilizadas pela Prefeitura no projeto Planta Natal e em ações paisagísticas de canteiros e praças. O espaço está passando por um amplo processo de reestruturação com a execução do inventário paisagístico, bem como com a realização de melhorias no prédio para oferecer mais conforto, segurança e melhorar a qualidade do trabalho dos funcionários.

O inventário consiste na organização e catalogação das espécies existentes, com o objetivo de otimizar a produção do local, que é muito vasta. A ideia é setorizar as mudas, separando as espécies pelo tamanho, se são frutíferas ou ornamentais, as produzidas há mais tempo das produzidas recentemente. É um trabalho voltado para a identificação do acervo, para que sirva de referência para projetos de arborização e paisagismo, com destaque para o Planta Natal e o Natal Mais Verde.

O acervo da flora do Horto Municipal é enorme. Destaque para espécies como dracena tricolor, palmeiras de diversos tipos, samambaia, ipês, bem como plantas frutíferas como tamarindo, cajueiro e mangueira. Tem até açaí no Horto Municipal, “É um espaço muito interessante, que é da cidade e precisa ser reconhecido. Estamos em um momento de valorização do meio-ambiente e o horto cumpre bem esse papel. Determinei que o trabalho no local avance e se intensifique para que a gente possa dotar a capital potiguar de mais espaços verdes”, afirma o prefeito Álvaro Dias.

Com a finalização desse serviço organizacional, a Prefeitura planeja investir na criação de uma área de compostagem para produção de adubo para ser utilizado nas ações de plantio executadas pela gestão.

Além da produção de mudas, o Horto Municipal também realiza um trabalho de recuperação das gramas que sobram dos plantios realizados nos canteiros da cidade para posteriormente serem aproveitadas. Localizado na rua Cantagalo, no Conjunto Santa Catarina, no bairro Potengi, Zona Norte de Natal, o Horto funciona diariamente das 7h às 13h. Uma equipe de 11 funcionários é responsável pelo manuseio das plantas e preparação das mudas que ficam estocadas no espaço até serem solicitadas pelas equipes de jardinagem e paisagismo da Semsur.

3 de março de 2021 às 17:26

Governadora Fátima e prefeito Allyson discutem ações para enfrentar pandemia em Mossoró [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A governadora Fátima Bezerra e o prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, se reuniram remotamente na tarde desta quarta-feira.

Em discussão, alinhamento entre estado e município para conter aglomerações e disseminação do coronavírus.

Allyson conversou com a governadora acompanhado da secretária de Saúde, Morgana Dantas.

3 de março de 2021 às 15:19

Arcebispo emérito Dom Matias Patrício está com covid [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Arquidiocese de Natal, no momento em que, a pedido da igreja, a Prefeitura flexibiliza as regras para funcionamento dos templos, com até 25% de capacidade presencial:

3 de março de 2021 às 10:53

Setor de eventos de Natal de luto com a morte de Nilson Buffet [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O setor de eventos de Natal está de luto.

Dono do buffet queridinho das festas de formatura em Natal, e de muitos aniversários, casamentos… Nilson Buffet é mais uma vítima da covid.
Ele morreu na noite desta terça-feira. Teve uma parada cardíaca.
A esposa Eliete segue internada.

No instagram do Buffet, o comunicado que ninguém gostaria de fazer:

3 de março de 2021 às 10:12

Para biólogo especialista em ‘espalhamento’ de vírus, Brasil deve seguir países que decretaram lockdown mais rígido e correr com a vacinação [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Biólogo e divulgador científico Átila Iamarino, doutor em microbiologia pela Universidade de São Paulo (USP), com dois pós-doutorados (um na USP e o outro na Universidade Yale, nos Estados Unidos) estudando “espalhamento” de vírus e a forma como esses organismos evoluem, fez críticas ao governo Bolsonaro e disse que o presidente do Brasil apostou em uma estratégia ‘genocida’ para acabar com a pandemia.

Ele se referiu à imunidade de rebanho, onde todo mundo tem que pegar o vírus para poder imunizar o país.

Em sua carreira, o pesquisador de 37 anos já estudou vírus como ebola e HIV.

O especialista ressalta que a imunidade de rebanho funciona, porém, tendo como consequência um enorme custo humano, que é exatamente o que está acontecendo no Brasil mais negacionista de sua história, onde em 24 horas morreram mais de 1.700 pessoas.

O problema é que ainda há quem ache normal e apoie: o presidente e seus ministros obedientes podem ser incluídos na lista dos culpados por tantas mortes no Brasil.

Confira trechos da entrevista de Átila Iamarino à agência BBC News Brasil:

BBC News Brasil – O Brasil parece viver o pior momento da pandemia, tendo registrado um recorde na média móvel de mortes. A que se deve isso?

Atila Iamarino – Sabemos que há um componente sazonal no novo coronavírus, com mais casos no inverno do que no verão. Portanto, o Brasil está muito adiantado no aumento de casos — isso só deveria estar acontecendo daqui a alguns meses. Mas por que os casos estão subindo tão cedo e tão rápido?

A resposta se deve a uma combinação de fatores. De um lado, houve um movimento de abertura no fim do ano passado, com mais pessoas circulando sem restrições. De outro — e que considero o principal fator — temos a variante P.1, inicialmente observada em Manaus.

Estudos recentes apontam que se trata de uma cepa mais transmissível e que “dribla” o sistema imunológico, reinfectando quem já se curou.

Quando falamos de vírus, é natural que eles sofram mutações e se tornem mais transmissíveis. O que não precisa ser um processo natural é termos linhagens que escapam da imunidade. Essas linhagens só serão selecionadas quando o vírus continua circulando na presença de pessoas que já tiveram o vírus.

Foi o que aconteceu no Brasil e na África do Sul.

Nesse sentido, a nossa variante é fruto direto da estratégia genocida do Brasil de contar com as pessoas circulando livremente e construindo imunidade. Não é por acaso que surgiu aqui uma das variantes mais perigosas, demonstradamente perigosa.

BBC News Brasil – O que as autoridades deveriam ter feito?

Iamarino – O Brasil deveria ter se preparado melhor. Em vez disso, adotamos uma estratégia que cultivou um monstro e que, ao que tudo indica, está causando um surto de casos fora de temporada.

De fato, os hábitos sociais permitiram uma maior circulação do vírus. Apesar de estarmos em um período de baixa transmissão de doenças respiratórias, várias cidades do país já registravam alta ocupação de leitos de UTI.

Em vez de decretar um lockdown para restringir a movimentação das pessoas e conter o vírus, a aposta do governo para prover o mínimo de dignidade humana foi e continua sendo criar mais leitos.

Isso é jogar nos profissionais de saúde toda a responsabilidade de resolver o problema. Não se resolvem mortes no trânsito criando mais leitos UTI, mas sim com leis de trânsito. O mesmo se aplica à Covid-19. É preciso diminuir o número de casos.

Mas o Ministério da Saúde não faz campanha para o uso de máscara e distanciamento social. Tampouco reconhece o lockdown como medida necessária para conter o avanço da pandemia. Falta coordenação federal para ações locais.

Temos agora um país economicamente pior, socialmente mais cansado e com profissionais de saúde exaustos, explorados e usados da pior maneira possível.

BBC News Brasil – O que nos resta fazer, então?

Iamarino – O que o restante do mundo fez: decretar um lockdown mais rígido e correr com a vacinação. Isso é o mínimo. O problema é essa falta de coordenação a nível federal.

De que adianta um município ou um Estado decretar um confinamento se as pessoas de municípios ou Estados vizinhos continuarem circulando? Isso faz com que a localidade tenha todo o prejuízo econômico e político de confinar sua população, mas sem o sucesso que poderia ter se essa ação fosse coordenada. A falsa impressão é que o esforço não funciona, quando, na verdade, ele está sendo sabotado a nível federal.

Por isso, digo que temos dois inimigos para enfrentar no Brasil. Um é a nova variante e o outro é a falta de estratégia do governo federal.

Como resultado, temos pronta a receita para que mais variantes perigosas surjam.

BBC News Brasil – Se nada for feito, o que acontecer?

Iamarino – Nossa estratégia genocida já causou mais de 250 mil mortes. Manaus (AM) e Araraquara (SP) já registraram mais mortes no início deste ano do que durante todo o ano passado. Se isso se repetir no país todo, vai ser um outro massacre.

Mas o principal problema desse tipo de estratégia é que estamos dando ao vírus a oportunidade de sofrer novas mutações, mais perigosas. Eventualmente, as vacinas podem não ser mais eficazes — e, se esse cenário se concretizar, poderemos não ter mais solução.

O Brasil criou sua própria derrota. Estamos demorando para vacinar e deixando o vírus circular livremente.

Agora, com a escassez global de vacinas, entendo que a situação esteja muito mais difícil. E estamos tentando comprar uma vacina que ainda não tem eficácia comprovada (a indiana Covaxin).

Diferentemente dos Estados Unidos, o Brasil tem capilaridade de vacinação. Há postos de saúde por todo o território nacional que podem dar vazão as doses. Mas agora faltam as doses.

BBC News Brasil – Alguns países, como Israel, já começaram a flexibilizar as regras. O Reino Unido também anunciou o afrouxamento de suas medidas. Em um contexto em que o mundo tenta retomar a normalidade, o Brasil pode se tornar uma pária internacional?

Iamarino – Eu diria que o Brasil vai continuar a pária que virou. Já não podemos viajar para a maioria dos países, nem em condição emergencial, desde antes do surgimento dessa nova variante.

Essa nova linhagem só reforçou o fechamento das fronteiras e essa situação deve permanecer daqui em diante. Se não mudarmos as condições que propiciaram o surgimento dessa variante, vamos gerar outras e estaremos sempre renovando os motivos para o mundo não receber brasileiros.

BBC News Brasil – O senhor foi duramente criticado quando, no início da pandemia, previu que o Brasil teria 1 milhão de mortos. Essa previsão nunca se concretizou. Por quê? Acredita ter se equivocado?

Iamarino – Acredito que os extremos dessas previsões continuam muito válidos. De um lado, países como Coreia do Sul, Taiwan, Austrália, etc, mostraram que o número de mortes pode ser mínimo. Do outro, a mortalidade em locais como Manaus evidenciou que o cenário mais pessimista não é fantasioso.

A capital do Amazonas tem um excesso de enterros até o mês de fevereiro de mais de 430 pessoas por 100 mil habitantes. Se extrapolarmos isso para a totalidade da população brasileira, temos 900 mil mortos.

Se os extremos continuam válidos, o meio do caminho é onde está a faixa de erro e a incerteza. Disso dependem as ações humanas. Há uma série de fatores de que não sabíamos.

Por exemplo, a eficácia das máscaras se revelou muito maior do que esperávamos, principalmente para evitar contaminados de transmitir o vírus para os outros. Tampouco sabíamos qual eficácia as medidas de confinamento teriam.

Estávamos, portanto, lidando com uma doença nova, para a qual não havia dados preliminares.

De qualquer forma, sabemos hoje que o melhor cenário é viável e existe, como observamos na Ásia. E que o pior cenário é possível, como também observamos no interior do Peru, no interior da Bolívia, em Manaus, em países que não são transparentes com os dados e em regiões onde não há estatísticas disponíveis.

3 de março de 2021 às 8:00

Minuto da Câmara – prestando contas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A higienização do transporte público durante a pandemia e o reconhecimento de templos e igrejas como atividades essenciais.

Projetos aprovados pela Câmara Municipal de Natal.

Veja detalhes no Minuto da Câmara.

3 de março de 2021 às 1:40

Novo decreto da Prefeitura de Natal amplia horário do comércio, detalha regras para condomínios e flexibiliza normas de igrejas [2] Comentários | Deixe seu comentário.

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, alterou pontos do decreto municipal publicado na semana passada, na intenção de reduzir aglomerações no sistema de transporte coletivo.

Mais uma tentativa de adaptar a circulação de pessoas ao tamanho da frota que está nas ruas, hoje entre 65 e 70%.

O horário do comércio, que no decreto anterior tinha sido reduzido, passa a ser ampliado para dar mais opção de ida de pessoas às lojas.

Os supermercados passarão a abrir às 6 horas da manhã e fechar às 10 da noite a partir da publicação do decreto, no Diário Oficial do Município desta quarta-feira (3).

Lojas de rua voltarão a abrir às 9 horas e fechar às 18, ao contrário do decreto anterior que limitava o atendimento entre 9 e 17h.

Os shoppings abrirão das 9 da manhã às 9 da noite, todos os dias. O decreto não se refere ao horário especial dos domingos.

O toque de recolher, fechamento de bares e restaurantes às 22h, proibição de bebida alcóolica depois das 22h, funcionamento normal das escolas particulares…se mantém sob o decreto anterior.

O novo decreto detalha as regras para condomínios residenciais.

No capítulo das igrejas, o novo decreto flexibiliza em relação ao da semana passada, voltando ao decreto de dezembro, permitindo a realização de celebrações com público presente equivalente a 25% da capacidade.

3 de março de 2021 às 1:19

Depois de acompanhar reunião do Fórum de Governadores, Fátima se posiciona favorável a movimento de secretários de saúde de todo país [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A governadora Fátima Bezerra comentou, na noite desta terça-feira, em suas redes sociais

Na carta citada pela governadora, os secretários de saúde pedem toque de recolher em todo o país e volta do auxílio emergencial.

CLIQUE AQUI E LEIA A CARTA NA ÍNTEGRA

O vice-governador Antenor Roberto e o secretário de Tributação, Carlos Eduardo Xavier, participaram presencialmente da reunião do Fórum de Governadores com o presidente da Câmara, Arthur Lira, da qual Fátima acompanhou de forma remota.

Antenor e Carlos Eduardo visitaram, junto aos demais chefes de executivo, o laboratórios da União Química, empresa responsável pela fabricação no Brasil da vacina russa Sputnik V.

“O cronograma de produção da vacina é para o início do mês de abril. A ideia é que os estados brasileiros, mediante a apresentação de um plano de vacinação, possam comprar as vacinas”, declarou o vice-governador.