Thaisa Galvão

5 de abril de 2021 às 20:59

Secretaria de Saúde de SP divulga que o auxiliar de Bolsonaro, Fábio Faria, “propaga mentiras e desinforma a população” ao acusar governadores de armazenar vacinas [1] Comentários | Deixe seu comentário.

É comandada pelo potiguar Fábio Faria, pré-candidato a senador pelo Rio Grande do Norte nas eleições do próximo ano, uma campanha para desmoralizar governadores de todo o Brasil.

Fábio tenta culpar os governadores por não aplicar todas as doses de vacinas recebidas do Ministério da Saúde, mesmo sabendo que os Estados apenas recebem as doses e repassam aos municípios que são responsáveis pelas aplicações.

E mesmo sabendo também, que os prefeitos armazenavam metade das doses para aplicar segunda dose.

E mesmo sabendo também, que os prefeitos – e não os governadores – só armazenavam metade das doses por determinação do governo Bolsonaro.

Era essa a determinação do ministro Eduardo Pazuello, que só a partir de fevereiro, determinou que todas as doses fossem aplicadas.

Mas, só a partir de fevereiro.

As doses que foram armazenadas pelos prefeitos, continuam armazenadas para garantia de segunda dose para os primeiros vacinados.

Nas redes sociais, Fábio tem publicado o que ele pensa, não a realidade, como relata a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. “Ministro das Comunicações propaga mentiras e desinforma a população”.divulga a pasta paulista.

Confira a reportagem de Cedê Silva, do portal O Antagonista:

O ministro Fábio Faria lidera um esforço de propaganda para emplacar a narrativa de que estados e municípios não estão aplicando todas as vacinas distribuídas pelo Ministério da Saúde.

Além de ocultar informações fundamentais, como armazenamento da segunda dose e demora para registro da vacinação em municípios que não usam sistema eletrônico, Faria esconde que governadores bolsonaristas estão vacinando menos que os de oposição.

Em 24 de março, em coletiva de imprensa ao lado de Marcelo Queiroga, Faria sugeriu a criação de um ‘consórcio’ de imprensa “para que a gente possa contar o número de vacinados nos Estados e nas cidades”.

Ocorre que o consórcio de imprensa já faz essa contagem – e também o Painel Brasil Imunizado, o ‘vacinômetro’ do Ministério da Saúde. Na tarde desta segunda (5), o painel registrava mais de 21,6 milhões de doses aplicadas.

Em seguida, Faria disse à jornalista Natuza Nery que, na verdade, teria sugerido um consórcio “para comparar doses recebidas por governadores com a vacinação diária”. Novamente Faria sugeriu algo que já é feito pelo Ministério da Saúde, como pode-se ver na tela abaixo.

Depois de sugerir à imprensa que faça o que ela já faz, Faria passou a publicar gráficos no Twitter que destacam a diferença entre as doses distribuídas pelo governo federal aos estados e as doses aplicadas.
O ministro não conta aos seus seguidores no Twitter que mais de 80% das doses aplicadas no Brasil até hoje são da Coronavac.

Na verdade, foi além: Faria federalizou o Butantan. Neste sábado (3), foi ao Twitter alegar que “[q]uase 100% da produção do Butantan é adquirida pelo gov. federal, que tem parceria centenária com o instituto. Não são parte de governos estaduais, são patrimônios nacionais!”.
O Butantan é vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

Como se não bastasse tudo isso, pelo critério proposto pelo ministro o bolsonarismo também se dá mal, já que o aproveitamento das vacinas é melhor em estados governados por adversários do presidente.

No mapa da vacinação elaborado pelo G1, com dados atualizados até a noite de sábado (3), o ranking era liderado por Mato Grosso do Sul (11,9%), Bahia (11,3%), Amazonas (10,4%), Paraíba (10,37%), São Paulo (10,35%) e Rio Grande do Sul (10,2%). Os percentuais são da fração da população que já havia recebido pelo menos a 1ª dose.

Reinaldo Azambuja (PSDB), governador do Mato Grosso do Sul, foi aliado de Bolsonaro em 2018, mas tem mostrado afastamento do presidente. Em março, desmentiu Bolsonaro sobre os repasses da União aos estados, e aderiu ao pacto de governadores críticos da condução da pandemia.

O governador da Bahia, Rui Costa, é do PT. O do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e Bolsonaro se desentenderam depois da crise de falta de oxigênio no estado. O governador da Paraíba, João Azevêdo, foi eleito pelo PSB e migrou para o Cidadania. E os tucanos João Doria e Eduardo Leite, que apoiaram Bolsonaro em 2018, também já não são mais aliados do presidente.

Governadores próximos ao presidente estão com desempenho pior. O Rio de Janeiro de Cláudio Castro havia vacinado apenas 7,5% da população até sábado, mesmo sendo sede da Fiocruz e do Aeroporto Tom Jobim, onde já pousaram vacinas e insumos. As Minas Gerais de Romeu Zema estavam com desempenho semelhante, 7,6%. Goiás, de Ronaldo Caiado, aparecia com 6,8%, mesmo percentual de Roraima, estado de Antonio Denarium. Só o Paraná de Ratinho Junior estava um pouco melhor: quase 10%.

O diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, Cristiano Fernandes, disse hoje a O Antagonista que os dados no estado podem ter atrasos de 10 a 20 dias, já que indígenas e ribeirinhos são vacinados em lugares distantes, acessíveis apenas de barco, e sem sinal de telefone. Portanto, muitas doses já aplicadas não aparecem ainda nos dados.

Fernandes acrescentou que os municípios adotam estratégias de acordo com suas necessidades. Por exemplo, aplicar vacinas da AstraZeneca, que têm intervalo maior entre as doses, nas comunidades mais distantes, onde demora e custa mais para chegar.

“A gente tem que pensar numa comunicação que estimule a população a buscar a vacina”, disse Fernandes. “Quanto maior for o número de doses oferecidas por estado, maior a rapidez da cobertura vacinal”. Para ele, o governo federal poderia ter oferecido vacinas bem antes aos estados, mas fez a opção de não aderir à vacinação em um primeiro momento.

A Secretaria da Saúde da Bahia informou que “[a] diferença entre doses distribuídas e aplicadas deve-se ao simples fato que até a sétima entrega realizada pelo Ministério da Saúde, se fazia necessário reter 50% do carregamento a fim de garantir a imunização completa com a segunda dose. Por determinação do Ministério da Saúde, as quatro últimas remessas foram integralmente distribuídas sem que existisse a retenção habitual. Na prática, isso significa que o Ministério da Saúde tem a obrigação de garantir a segunda dose em tempo hábil, sob risco de reduzir ou anular o efeito da primeira dose e ter que imunizar novamente o mesmo público”.

A secretaria informou também ter aprovado uma regra: “[R]essuprimento das vacinas ocorreria somente para as localidades que tivessem consumido o mínimo de 85% das doses entregues. Isto foi fundamental para estimular os gestores municipais a vacinarem rapidamente, tendo em vista o receio de ficarem sem acesso às doses das novas remessas”.

Até 31 de março, acrescentou a secretaria, a Bahia tinha aplicado 80,4% das doses recebidas do governo federal.

A Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo afirmou que “[o] Ministro das Comunicações propaga mentiras e desinforma a população”.

“Se o Ministério da Saúde tivesse adquirido as 130 milhões de doses das vacinas no momento certo, os brasileiros teriam à sua disposição, desde o último trimestre de 2020, um montante de doses de vacina suficiente para vacinar toda a população acima de 60 anos no país. Desta forma, certamente a segunda onda não nos atingiria como atingiu e milhares de vidas teriam sido salvas. Mas como foram negligentes com a saúde do povo brasileiro, propagam mentiras e inverdades no intuito de enganar a sociedade”, disse a secretaria paulista, em nota.

O Conass e o Conasems reiteraram nota publicada sobre o assunto na semana passada. Os dados são de 31 de março, dia de publicação da nota:

“O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) esclarecem não haver atraso na distribuição ou aplicação da vacina contra Covid-19 por parte dos Estados e municípios. O Ministério da Saúde enviou até o momento para Estados 34.988.426 doses. Deste total, foram encaminhadas para municípios 31.215.710. Os 3,7 milhões restantes permanecem em estoques estaduais para aplicação da segunda dose. Essa estratégia segue a pactuação feita entre Estados, Municípios e Ministério da Saúde e visa garantir segurança para conclusão do esquema vacinal em duas doses.

Conass e Conasems informam ainda que, em virtude de problemas no Sistema de Informação do PNI que persistem até o momento, há dificuldade para inclusão de informações sobre doses aplicadas. Em municípios onde a conectividade é mais lenta, parte dos registros é feita de forma manual para posterior inclusão no sistema nacional”.

Uma resposta para “Secretaria de Saúde de SP divulga que o auxiliar de Bolsonaro, Fábio Faria, “propaga mentiras e desinforma a população” ao acusar governadores de armazenar vacinas”

  1. Fábio Faria era um bom deputado depois que ele virou ministro do bolso ele virou a cabeça para o mal deixe de fazer e enventar mentiras ministro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.