Thaisa Galvão

6 de junho de 2021 às 16:41

Diretor da CBF emite documento recomendando afastamento do presidente Caboclo, acusado de assédio moral e sexual contra funcionária [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1

A maioria dos diretores da CBF, incluindo o secretário-geral, Walter Feldman, defende o afastamento imediato do presidente da entidade, Rogério Caboclo, acusado por uma funcionária de assédio moral e assédio sexual. A denúncia, feita ao Conselho de Ética da CBF, foi revelada com exclusividade pelo ge.
Os dirigentes se manifestaram internamente, na noite deste sábado, quando responderam a um e-mail enviado pelo diretor de Governança e Conformidade, André Megale, que sugeria o afastamento de Caboclo do cargo – para poder colaborar com as investigações e “comprovar sua inocência”.

Bolsonaro reforça apoio à Copa América em reunião da Conmebol
Rogério Caboclo está isolado. Seus diretores acham que ele deve se afastar. A comissão técnica e os jogadores da seleção brasileira estão em guerra com ele. E os patrocinadores da CBF começam a manifestar incômodo com a situação. Segundo o blog do jornalista Rodrigo Mattos, no portal UOL, seis deles pediram uma resolução rápida do caso.

O Conselho de Ética da CBF recebeu na quinta-feira a denúncia apresentada por uma funcionária, que relatou com detalhes e provas situações em que era insultada e assediada por Rogério Caboclo. O dirigente a obrigou a falar sobre sua vida sexual, a chamou de “cadelinha”, ofereceu a ela biscoitos de cachorro e, depois que foi repreendido por ela, latiu, imitando um animal.

O cartola também teria, segundo a denúncia, tentado regular até as roupas que a funcionária usava e impedir que ela se relacionasse com outras pessoas dentro da CBF. Após ela ter se afastado por motivos de saúde, em abril deste ano, Rogério Caboclo ofereceu a ela um acordo – em troca de dinheiro, ela teria que mentir e afirmar que os assédios nunca existiram. Ela recusou a oferta e fez a denúncia.
Além de ter que lidar com a investigação no Conselho de Ética, Rogério Caboclo precisa lidar com outras duas crises – uma interna e outra externa: de um lado, a péssima relação com os jogadores e os membros da comissão técnica da seleção brasileira; do outro, o risco de não conseguir organizar a Copa América da maneira como prometeu à Conmebol.

Rogério Caboclo nega as acusações. Sua defesa afirma que ele nunca cometeu nenhum tipo de assédio. E vai provar isso na investigação da Comissão de Ética da CBF.
Confira, a seguir, a íntegra do e-mail enviado ao presidente da CBF:
No âmbito de minhas atribuições estatutárias como Diretor de Governança e Conformidade da CBF, e diante (i) da divulgação dada por terceiros da denúncia recebida na última sexta-feira e (ii) da seriedade e peculiaridade do conteúdo de referida denúncia,
Venho, pelo presente, recomendar que V.Sa. se licencie do cargo de Presidente da CBF, por tempo determinado, de forma a melhor colaborar, nesse período, com a Comissão de Ética do Futebol Brasileiro para a apuração dos fatos narrados na referida denúncia e comprovar sua inocência.
Desta forma, V.Sa. poderá concentrar sua atenção na resolução dessa situação, que é o interesse de todos que construímos a atual gestão exitosa da CBF até o presente momento junto com V.Sa. preservando assim todos os envolvidos na denúncia e permitindo que a CBF possa continuar a desempenhar as suas atividades, em benefício de toda comunidade do futebol brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.