#JornalismoSemFakeNews

31 de julho de 2022 às 13:20

Hipocrisia: Aborto vira tema de discurso político mas muitos políticos já bancaram abortos quando engravidaram amantes

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

A convenção do PL, que homologou a candidatura de Rogério Marinho a senador pelo Rio Grande do Norte, e de candidatos a deputado federal e estadual, foi marcada por discursos que começavam por Deus, família, cristianismo, aborto…

Isso em um Brasil onde as pessoas passam fome como há muito não acontecia. O Brasil entrou no mapa da fome de onde tinha conseguido sair.

E falar de Deus é não permitir que as pessoas fiquem sem comida.

Isso num Brasil que comemora a taxa de ocupação no trabalho, mas segue registrando altos índices de falta de emprego.

Ninguém falou de inflação, de preços de combustíveis (que mesmo baixando alguns centavos, seguem altíssimos, pois 5 reais por um litro de gasolina sempre foi algo inimaginável)…

O discurso do aborto…

Claro que não dá para ser a favor de aborto, mas esse não pode e não deve ser um tema gritado por homens em busca de votos.

O aborto, que não pode e não deve ser banalizado, é um assunto que diz respeito às mulheres, à medicina e à justiça.

Não dá para ouvir discurso de político contra aborto, quando muitos deles, muitos meeeesmo, já bancaram um aborto quando engravidaram uma amante.

É gigante o número de políticos que já obrigaram mulheres a abortar, e posam de bons moços apenas em troca de votos.

Aborto é um tema complexo, não pode ser banalizado sob pena de casais não se cuidarem e saírem fazendo filhos indesejáveis.

A vida não pode ser banalizada, nunca.

Mas o tema virou moeda de troca, e por políticos que só apelam para o aborto, repetindo mil vezes, quando engravidam uma amante.

Jovens de famílias abastadas também.

Quem não conhece um caso de um jovem que engravidou uma menina menos favorecida financeiramente, e a família – ah, a família – bancou o aborto em clínicas clandestinas existentes até hoje pelo Brasil afora, muitas delas com nomes de santo?

E líderes religiosos?

Quantos casos já expostos e conhecidos da sociedade.

É triste ouvir homens falando de aborto, quando não conseguem segurar vidas, quando estas não interessam às suas famílias.

Quando estas podem fazer vergonha às suas famílias.

Quando estas indesejadas vidas põem em risco os seus casamentos de fachada.

Santa hipocrisia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Perfil