Thaisa Galvão

13 de janeiro de 2013 às 12:04

Só dá Henrique na mídia nacional [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Falem mal…mas falem de mim.

É assim que está o deputado federal Henrique Alves, candidatíssimo quase eleito a presidente da Câmara.

Para falar bem ou falar mal, só dá Henrique na mídia nacional.

Segundo a coluna Panorama Político, do Globo de hoje, o candidato vai se encontrar na quinta-feira com a bancada peemedebista do Rio de Janeiro.

 

E na mesma coluna…previsões de quando Henrique for presidente…

 

 

13 de janeiro de 2013 às 11:36

No almoço com Henrique, Felipe Maia recebe ligação de Rose de Freitas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Por essa ninguém esperava no almoço de sábado na casa do jornalista Cassiano Arruda, na praia de Jacumã, que recebeu a governadora Rosalba Ciarlini (DEM), o ministro Garibaldi Filho (PMDB) e integrantes da base governista.

Enquanto o deputado Henrique Alves (PMDB), candidato a presidente da Câmara, e genro de Cassiano, atuava como anfitrião da festa…eis que toca o telefone do deputado Felipe Maia (DEM).

Era a deputada Rose de Freitas (PMDB), vice-presidente da Câmara e candidata à presidência, que tenta rachar o PMDB para levar a eleição para o segundo turno e atrapalhar os planos de Henrique.

Rose quer encantar Felipe com seu projeto isolado.

Ligou para marcar uma conversa com o democrata que já se comprometeu: vota em Henrique no dia 4 de fevereiro.

13 de janeiro de 2013 às 11:35

Teto de vidro [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E a deputada Rose de Freitas (PMDB), vice-presidente da Câmara, se lançou candidata à presidência num projeto isolado.

Não apresentou chapa, apenas a candidatura.

Tem poucos apoios, quase nada.

Nem a bancada feminina da Casa ela conseguiu agregar em torno de seu projeto.

E pelo que se diz nos corredores da Câmara, vive sob um teto de vidro.

O deputado Henrique Alves não tem explorado o lado suspeito de sua adversária.

Certamente por achar que o projeto dela não atrapalha o dele.

Mas o estrago que ela tenta fazer, pode atrapalhar.

O toma-lá-dá-cá poderia empatar o jogo das manchetes de jornais.

 

13 de janeiro de 2013 às 11:07

Henrique manda apurar denúncia publicada na Veja [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado Henrique Alves mandou apurar a denúncia publicada na edição dessa semana da revista Veja, que aponta o envolvimento do gabinete do líder do PMDB com uma empresa de locação de automóveis…que não teria automóveis.

Segundo a assessoria de Henrique, ‘apesar da empresa contratada pelo gabinete parlamentar, Global Transporte, estar legalmente constituída e haver apresentado toda documentação exigida para fornecer o serviço, foi determinada, pelo deputado, a apuração rigorosa da existência de  possíveis irregularidades conforme noticiadas  na referida reportagem’.

 

13 de janeiro de 2013 às 11:02

Energia Eólica: de redenção a problema no Rio Grande do Norte [4] Comentários | Deixe seu comentário.

O que parecia ser a redenção no Rio Grande do Norte, a energia eólica passa a ser problema.

Cá pra nós, já que não entendo nadica sobre o assunto, mas isso me parece campanha para tirar do pequeno estado, com os melhores ventos, da jogada. Que é alta, pesada e desigual.

Sei não…

Eis a reportagem da Folha de S. Paulo de hoje:

 

E O VENTO VIROU

Atraso em obras de transmissão deixa geradoras de energia eólica paralisadas no NE

 

Nelson Barros Neto

De Salvador

Renata Moura

Colaboração para a Folha, em Natal

 

Problemas de estrutura e atrasos em obras federais estão impedindo a operação de usinas eólicas, afetando investimentos e onerando os custos do setor no Brasil.

Hoje, por exemplo, há 26 parques eólicos prontos no Rio Grande do Norte e na Bahia, mas todos estão fora de operação porque o governo federal ainda não instalou linhas de transmissão para levar a energia produzida ao consumidor. Esses parques ociosos têm um total de 622 MW de potência instalada.

Se esses parques estivessem em operação, a energia deles (289 MW na BA e 333 MW no RN) seria capaz de iluminar o Rio Grande do Norte inteiro ou Salvador (BA), terceira maior cidade do país.

Outro exemplo: essa quantidade de energia ociosa equivale à potência da termelétrica de Uruguaiana (RS), que produz pouco mais de 600 MW com uma energia mais poluente e mais cara.

 

PREJUÍZO

Além do desperdício de energia, a paralisia custa caro. A cada mês, desde julho, o governo federal é obrigado a repassar R$ 33,6 milhões para compensar o prejuízo das empresas que colocaram R$ 1,2 bilhão naquele que seria o maior complexo eólico da América Latina, na região de Caetité (BA).

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) estima que o ônus da ociosidade para a população alcançará os R$ 440 milhões até setembro, quando os parques devem, enfim, conseguir operar.

A responsabilidade pelas linhas de transmissão, para conectar as eólicas ao sistema nacional, é da estatal Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), do grupo Eletrobras.

Os atrasos chegam a um ano e meio.

“Não podemos dizer que os problemas de hoje são normais, mas não são irreversíveis. E todo setor que cresce de forma acelerada enfrenta gargalos de infraestrutura”, diz Elbia Melo, presidente da ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica).

O cenário só não é pior porque seis parques no Ceará (186 MW), com conclusão prevista para 2012, atrasaram as obras. Caso estivessem prontos, elevariam as despesas do governo com compensações aos investidores.

 

CUSTO SUBESTIMADO

Uma das críticas ao governo federal é que, nos leilões a partir de 2009, vencidos pela Chesf, o Ministério de Minas e Energia subestimou o custo da construção das linhas de transmissão em locais de difícil acesso.

Procurado por três dias, o ministério não respondeu à reportagem.

Já a Chesf aponta entraves de licenciamento ambiental e do patrimônio histórico (os trajetos das linhas cruzam sítios arqueológicos).

A empresa, porém, entrou com o pedido de licenciamento em Caetité poucos meses da entrega dos parques.

A seção baiana do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente negam dificuldades.

“Nossa área virou um Judas no Sábado de Aleluia. Todo problema de construção recai sobre o meio ambiente”, diz o secretário do Meio Ambiente da Bahia, Eugênio Spengler.

 

*

INVESTIDOR FAZ SUA PRÓPRIA LINHA DE TRANSMISSÃO

Gasto extra para escoar energia será de R$ 110 mi

De Salvador

Colaboração para a Folha, em Natal

 

Os problemas de escoamento da energia eólica  fizeram a empresa paulista Bioenergy tomar duas atitudes fora do plano inicial: mudar a localização de parte de seus investimentos e construir a própria linha de transmissão.

Segundo Sérgio Marques, presidente da companhia, a ideia é eliminar o risco de atraso na entrega de energia de seus empreendimentos e viabilizar a venda de parte dos futuros megaatts no mercado livre.

 

A empresa que tem 380 MW contratados em leilões do governo federal nos últimos três anos, prevê construir 13 parques eólicos nas cidades de Paulino Neves e Tutóia, no maranhão, e investirá R$ 110 milhões extras na linha que escoará a energia.

 

O projeto inicial previa a instalação de 4 desses 13 parques no Rio Grande do norte. A obra no Estado, porém, foi suspensa no final de 2011 por causa dos problemas de conexão com a rede.

“O RN é territorialmente pequeno, com grande concentração de parques no litoral e linhas de transmissão passando uma por cima da outra. Começamos a ver uma grande quantidade de parques sendo contratados sem planejamento”, diz Marques.

Com a mudança nos planos, a Bioenergy diz ter jogado ao menos R$ 10 milhões “pelo ralo” em investimentos preliminares.

 

Há quase dez anos, o setor começou a defender a implantação de um “linhão” que passaria por regiões com potencial de geração eólica como Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Funcionaria como uma autoestrada à espera do desenvolvimento. A ideia não prosperou.

Os leilões passaram a ser realizados em 2009 e, só depois disso, com a demanda já conhecida, as linhas passaram a ser licitadas.

 

Outro gargalo enfrentado pelas eólicas é o transporte dos equipamentos para a criação dos parques. “Não tem cabotagem ou via férrea. O deslocamento é pela estrada e, como os equipamentos são pesados e grandes, aumenta o custo de produção”, diz a presidente da ABEEólica, Elbia Melo. (NBN e RM)

13 de janeiro de 2013 às 9:01

Jaime Calado comemora aniversário em festa da São Gonçalo FM [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O aniversariante do domingo é o prefeito de São Gonçalo do Amarante, Jaime Calado, que completa 62 anos.

A comemoração, já tradicional, será na festa de aniversário da São Gonçalo FM (87,9), que completa 10 anos.

No evento promovido pela emissora, a partir das 18 horas no bairro Jardim Lola, shows das bandas Panka de Bacana e Forró Túnel do Tempo.

E um festival de prêmios com sorteios de bicicletas, geladeira, netbook, R$ 500 em dinheiro e uma moto.  

 

Jaime, prefeito reeleito, e a mulher, médica Zenaide Maia

 

13 de janeiro de 2013 às 8:37

Denúncia contra o deputado Henrique Alves é manchete da Folha de S. Paulo [1] Comentários | Deixe seu comentário.

E continua o processo de fritura do deputado Henrique Alves, franco favorito para presidir a Câmara Federal.

A denúncia abaixo poderia ter qualquer acusado, pois duvido que isso não aconteceça com 9 em cada 10 deputados federal.

Daqui e de qualquer outro Estado.

Mas, como o candidato é Henrique, o alvo, claro, é ele.

Depois de denúncia publicada na Veja sobre aluguel de carro a empresa de ex-assessor, hoje Henrique é manchete da Folha de S. Paulo. Com outra denúncia sobre favorecimento de empresa de assessor.

Veja a notícia:

 

VERBA DE DEPUTADO ABASTECE EMPRESA DO PRÓPRIOASSESSOR

Recurso saiu de emendas de Henrique Alves (PMDB) favorito para presidir a Câmara

Após peemedebista ter destinado dinheiro federal para obras no RN, cidades contratam a firma de seu assessor

Clique na imagem para visualizar melhor

 

Uma parte do dinheiro das emendas orçamentárias do líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), foi parar numa empresa de um assessor do gabinete do próprio deputado.

Aluizio Dutra de Almeida trabalha com Henrique Alves na Câmara desde 1998, é tesoureiro do PMDB regional em Natal, presidido pelo deputado, e sócio da Bonacci Engenharia e Comércio Ltda.

Deputado há 42 anos, o líder do PMDB é o candidato favorito para assumir a presidência da Câmara na eleição de fevereiro. Tem o apoio da base do governo, da presidente Dilma Rousseff e de partidos da oposição.

Folha identificou pelo menos três prefeituras do Rio Grande do Norte que contrataram a empresa do assessor de Henrique Alves nos últimos anos com recursos da cota do deputado no Orçamento da União, as chamadas “emendas parlamentares”.

Na época da contratação, os prefeitos dessas cidades eram do PMDB.

Funcionou assim: o deputado escolheu o destino do dinheiro público, o governo federal liberou o recurso, que voltou para a empresa do assessor lotado no gabinete.

 

OBRAS

Em 2009, por exemplo, o líder do PMDB destinou R$ 200 mil de suas emendas para a construção da praça da Criança na cidade de Campo Grande, a 265 km de Natal.

Por escrito, ele pediu a liberação do dinheiro ao Ministério do Turismo, conforme ofício obtido pela reportagem. O convênio foi assinado e, no ano seguinte, a prefeitura usou o recurso para contratar a Bonacci Engenharia, do assessor de Henrique Alves. O prefeito Bibi de Nenca também é do PMDB.

Do total do contrato, R$ 175 mil foram liberados pelo Ministério do Turismo nas gestões de Pedro Novais e Gastão Vieira, ministros indicados à presidente Dilma Rousseff pelo próprio Henrique Eduardo Alves dentro da bancada do PMDB na Câmara.

A última parcela deste convênio, no valor de R$ 75,5 mil, saiu no ano passado. Segundo registros do governo, o contrato está com a prestação de contas atrasada.

Em seu site, a Prefeitura de Campo Grande comemora a obra da praça, a ajuda de Henrique Alves e a iniciativa da Bonacci Engenharia em contratar mão de obra local.

Também por meio de emendas do líder do PMDB, desta vez no Ministério das Cidades, os municípios de São Gonçalo do Amarante e Brejinho contrataram a Bonacci para obras em 2008.

A Prefeitura de São Gonçalo, quarto município mais populoso do Estado, fez um contrato de R$ 192 mil com a empresa do assessor de Henrique Alves para pavimentação de ruas. Na época, o prefeito, Jarbas Cavalcanti, também era do PMDB.

Para o mesmo tipo de serviço a Prefeitura de Brejinhos gastou R$ 137 mil com a Bonacci, num contrato assinado pelo prefeito João Batista Gonçalves, outro membro do PMDB, que comandou o município entre 2004 e 2012.

Henrique Alves, 64 anos, é o deputado mais antigo em número de mandatos dentro da Câmara.

Na eleição presidencial de 2002, chegou a ser indicado como vice na chapa do tucano José Serra.

Ele perdeu a vaga em meio ao escândalo de que manteria contas em paraísos fiscais, segundo documentos que estariam anexados no processo de separação entre ele e sua ex-mulher.

Alves foi substituído na chapa de Serra por Rita Camata (PMDB).

*

 

OUTRO LADO

O deputado Henrique Eduardo Alves não quis dar entrevista. Por meio da assessoria, negou irregularidade e disse que só acompanha o processo político na indicação das emendas.

A assessoria disse ainda que as explicações deveriam ser dadas pelo assessor.

Aluizio Dutra de Almeida afirmou que não há conflito de interesse em ter uma empresa que recebe recursos de emendas do próprio chefe.

Alega que participou de concorrências, a tomada de preço, que é um modelo mais simplificado de licitação.

“Uma coisa dentro da legalidade não depende de outra. É atividade da empresa participar de licitação. É um objetivo dela”, disse. “Onde a gente acha que as planilhas são viáveis, a gente luta para ganhar”, ressaltou Almeida.

Ele, que tem 50% do capital da empresa, afirmou que não é “gerente” dela. “Quando vim trabalhar com o deputado, analisei sair da empresa, mas isso geraria outras preocupações”, afirmou.

O prefeito de Campo Grande disse que conhece Almeida por causa do PMDB, mas negou favorecimento. “Fizemos licitação e essa empresa ganhou”, disse Bibi de Nenca.

A assessoria da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante disse que o contrato foi feito na gestão anterior, do ex-prefeito Jarbas Cavalcanti, que não foi localizado. A assessoria da Prefeitura de Brejinhos não respondeu

13 de janeiro de 2013 às 8:02

Festival Gastronômico de Maracajaú chega à quinta edição [2] Comentários | Deixe seu comentário.

Leila e o marido oftalmologista Marísio Almeida no comando do Festival há 5 anos (Foto: Canindé Soares)

E o primeiro lugar vai….para a área jurídica.

No quinto Festival Gastronômico de Maracajaú, promovido pela procuradora do Estado, Leila Cunha Lima, a área jurídica ganhou lugar de destaque.

E o Blog participou do evento, com essa blogueira integrando a comissão julgadora ao lado da anfitriã Leila, do jornalista da revista Deguste, Washington Rodrigues, da procuradora da Fazenda, Elke Cunha, do chef Marcelo Dieb e da editora de cultura do JH, jornalista Dani Pacheco.

Em primeiro lugar na categoria “Entradas”, quem levou a melhor foi o consultor geral do Estado, José Marcelo, que concorreu com um prato que intitulou de ‘Jóia Rara’. Uma taça de lagosta com abobrinha, gazpacho (creme de tomate frio) e chantili de manjericão.

Em segundo lugar ficou o ex-vereador Emilson Medeiros, com o ‘Camarão na Moranga’.

Uma mini-moranga americana recheada  com camarão ao queijo gruyere, com pedaços de queijo Grana Padano, também ralado no final e presunto de parma crocante.

A terceira colocada foi a jornalista Janaína Amaral que fez o ‘Canudo Metido a Besta’. Uma massa italiana (Cav Giuseppe Cocco) recheada com camarão ao parmesão e creme de leite fresco, com vieiras refogadas.

Os vencedores foram agraciados com uma tela do artista Flávio Freitas, aniversariante do dia, e que esteve presente ao Festival.

Clique na imagem abaixo para visualizar melhor os pratos nas fotos de Canindé Soares.

Pela ordem, José Marcelo com sua entrada abaixo, Emilson Medeiros e Janaína Amaral (Fotos: Canindé Soares)

Na categoria ‘Prato Principal’, a vencedora foi a procuradora do Estado, Ana Cláudia Porpino, com o ‘Camarão Intenso’. Uma moqueca de camarão e frutas amarelas e um bolo de tapioca com recheio de vatapá.

A segunda colocação foi para o engenheiro Militão Chaves Segundo, com o ‘Nordestino Chique’. Uma carne de sol (maturada por 24 horas) na manteiga roxa balsâmica, com pesto de coentro, com petit gateau de jerimum e risoto de queijo manteiga.

Em terceiro lugar ficou o procurador do Estado João Carlos Coque, com o ‘Chapeu Sertanejo’. Uma massa caseira recheada com carne de sol e linguiça do sertão, e queijo coalho assado e ralado. Mel de caju com queijo assado.

Clique na foto para visualizar melhor:

Ana Cláudia Porpino, Militão Segundo e João Coque (Fotos: Canindé Soares)

E, finalmente, a categoria ‘Sobremesa’, que teve como vencedor o juiz de Direito Undário Andrade, com ‘Eternos Amantes’. Um ninho de goiaba com espuma de queijo Primadona trufada sobre creme de goiabada cascão ao balsâmico com notas de gengibre.

O segundo colocado foi Cláudio Freitas, que fez uma Ode ao irmão Flávio Freitas, aniversariante do dia. O ‘Umbu a Flávio Freitas’ é um disco de paçoquita de castanha coberto com mousse de umbu. Ele aproveitou a massa da paçoquita e modelou uma lagartixa, marca registrada da assinatura do artista plástico.

A terceira colocada foi a advogada Luíza Azevedo com a sobremesa ‘Final Feliz de Romeu e Julieta em Maracajaú’. Um sorvete de goiaba em cestinha de parmesão, calda de goiaba e queijo coalho assado.

Clique na imagem abaixo para visualizar melhor cada foto:

Pela ordem, Undário Andrade com sua sobremesa abaixo, Cláudio Freitas e Luíza Andrade (Fotos: Canindé Soares)

 

13 de janeiro de 2013 às 1:27

Candidatura de Henrique continua sendo fritada na mídia nacional [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Candidato a presidente da Câmara, o deputado Henrique Alves virou alvo fácil.

Mas, a denúncia abaixo, vamos ser sinceros, no Brasil…não derruba um pinto.

Em vez de bomba, um traque.

Mas, é um sinal de que a tchurma adversária não vai deixar Henrique quieto.

Eis a íntegra da reportagem de 3 páginas da Veja que está nas bancas.

segue...

segue...

13 de janeiro de 2013 às 1:11

Em Jacumã, Cassiano Arruda recebe Rosalba Ciarlini e a base governista [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois do almoço oferecido pelo vice-governador Robinson Faria para a oposição, na praia de Pirangi, litoral Sul do RN, coube ao jornalista Cassiano Arruda abrir as portas de sua casa na praia de Jacumã, litoral Norte, para a base governista.

Se de um lado tinha vice-governador, em Jacumã tinha a governadora Rosalba Ciarlini.

Com ela, o marido-chefe da Casa Civil, Carlos Augusto Rosado.

Se na casa do vice estiveram dois deputados federais (Fátima Bezerra e Sandra Rosado – teria o terceiro, o dono da casa, Fábio Faria, que estava nos EUA), no almoço deste sábado estiveram 3: Henrique Alves,  Felipe Maia e João Maia.

Se em Pirangi foram 5 deputados estaduais, em Jacumã foram dois: Ezequiel Ferreira de Souza (vizinho, porém, hoje no time adversário ao governo) e Gustavo Fernandes.

Se no litoral Sul estavam o prefeito da capital Carlos Eduardo, e o de Parnamirim Maurício Marques, cada um com suas vices (Wilma de Faria e Lucinha Thiago), no litoral Norte estava a prefeita da maior cidade depois da capital: Cláudia Regina, de Mossoró.

De plus, no almoço da base governista, um ministro de Estado: Garibaldi Filho, da Previdência.

 

Claro que, apesar do clima de verão, da mesa farta e do povo bronzeado, se conversou, e muito, sobre política.

Sobre 2013 – campanha de Henrique para ser presidente da Câmara…e principalmente sobre 2014 – reeleição da governadora Rosalba.

Sobre o rompimento do PMDB com o governo…nada…

O ministro Garibaldi Filho, o mais afoito para romper, deu o recado antes do almoço, em entrevista ao Blog: estava indo a Jacumã para usufruir do verão.

Não queria “nada com reunião, deliberação, cogitação”, disse ao Blog.

Mas a intenção do almoço não era essa. Até porque, o governismo não quer espantar Garibaldi, mas sim, manter no grupo.

Coisa que o próprio grupo só saberá depois da eleição para presidente da Câmara.

Em março, mais precisamente, quando o ministro Garibaldi marcou para tratar do assunto.

*

Os clics abaixo são do Instagram da blogueira Laurita Arruda, noiva do deputado Henrique Alves, anfitriã do sábado.

Felipe Maia, Henrique, Rosalba, Garibaldi, Cláudia, Carlos Augusto, João Maia, Ezequiel e Gustavo Fernandes (Fotos: Instagram @lauritaarruda)

Acima: Felipe, Cláudia e Henrique. Abaixo: Cláudia, Henrique e Rosalba

Acima: Carlos Augusto e Garibaldi observam. Abaixo: Rosalba...e Cláudia Regina com João Maia