Thaisa Galvão

8 de outubro de 2015 às 5:46

Extratos comprovam movimento de contas de Eduardo Cunha na Suíça [0] Comentários | Deixe seu comentário.

D’O Globo:

Extratos mostram que Eduardo Cunha usou ‘offshore’ na Suíça

Informação foi publicada pelo jornal ‘O Globo’ e confirmada pela TV Globo. MP suíço investiga presidente da Câmara por lavagem de dinheiro.

Extratos bancários enviados pelo Ministério Público da Suíça à Procuradoria Geral da República apontam que o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), utilizou empresas “offshore” para movimentar supostas contas bancárias no país europeu. Cunha é investigado na Suíça por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Empresa offshore é aquela situada no exterior, sujeita a regime legal e tributário diferentes do país de origem. Atualmente, a expressão é aplicada mais especificamente a sociedades constituídas em “paraísos fiscais”, com impostos reduzidos ou até mesmo isenção de impostos.

A informação foi divulgada em reportagem do jornal “O Globo” e confirmada pela TV Globo. O MP suíço relatou na documentação enviada às autoridades brasileiras a existência de contas bancárias supostamente em nome de Cunha e familiares.

As investigações começaram em abril na Suíça e resultaram em bloqueio de valores, segundo informou a Procuradoria Geral da República (PGR). O volume de recursos encontrado é mantido em sigilo e foi bloqueado pelas autoridades da Suíça.

Questionado nesta quarta-feira (7) sobre o fato, o deputado afirmou que não tem conhecimento das investigações.

“Não conheço. não posso falar o que não conheço”, disse. O presidente da Câmara também afirmou que não irá renunciar ao cargo diante das denúncias. “Não há a menor possibilidade de eu renunciar, licenciar, qualquer coisa do gênero. Já rebati aqui e sobre esse assunto fala meu advogado”, afirmou Cunha.

Suposto operador do PMDB no esquema de corrupção que atuava na Petrobras, o engenheiro João Augusto Rezende Henriques afirmou em depoimento à Polícia Federal (PF) que fez uma transferência ao exterior para uma conta do presidente da Câmara dos Deputados.

Em julho, o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo afirmou em depoimento à Justiça Federal do Paraná que foi pressionado por Cunha a pagar US$ 10 milhões em propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. Do total do suborno, contou o delator, o peemedebista disse que era “merecedor” de US$ 5 milhões.

Além disso, investigadores da Lava Jato informaram que o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, também confirmou em sua delação premiada que o presidente da Câmara recebeu, ao menos, US$ 5 milhões em propinas por contratos de locação dos navios-sonda. Baiano é acusado de ser um dos operadores do PMDB no esquema de corrupção que agia na estatal do petróleo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*