Thaisa Galvão

20 de março de 2016 às 11:26

Movimento pró-impeachment em Natal cobra posição de Garibaldi e não aceita que senador espere decisão do PMDB [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Por Thaisa Galvão



Os integrantes do movimento “Força Democrática”, de Natal, que defende o fim do governo Dilma e a saída do PT do Governo, foi hoje para a frente do prédio onde mora o senador Garibaldi Filho (PMDB).

Eles vão cobrar de toda a bancada federal do Rio Grande do Norte, o voto contra o impeachment.

O grupo se instalou na frente do prédio e levou um farto café da manhã, como Garibaldi gosta.

Mesmo anunciado, o Pixuleco não foi.

   
 
Garibaldi é senador, e o processo de impeachment começa pela Câmara.

E na Câmara, o deputado Walter Alves, filho de Garibaldi, já se pronunciou:

“A presidente perdeu as condições de governabilidade e deve ser afastada”, defendeu publicamente o deputado em suas redes sociais.

E Garibaldi foi cobrado para assumir a mesma posição do filho.

E todo mundo sabe que todo mundo sabe, que Garibaldi assina embaixo a posição do deputado Walter, maaasss….se mantém silencioso em respeito à posição do primo-ministro e presidente do PMDB, Henrique Alves.

Henrique é auxiliar de Dilma e não pode pedir ainda o afastamento da presidente, sob pena do afastado ser ele.

E Garibaldi faz o papel de aliado.

E como o que vale é o voto, e não a declaração, no caso de Garibaldi, ele se mantém dizendo que acompanhará o partido, mesmo sabendo que, se o voto no Senado fosse hoje, acompanharia a posição de Walter.

Garibaldi disse aos líderes do movimento que aguarda a posição do partido. Eles não gostaram. Queriam a posição individual de Garibaldi.

Que é pelo impeachment, todo mundo sabe. Mas, assim como fez Walter, Garibaldi não tuitou.

A posição do próprio Henrique também é pelo impeachment.

Sem Dilma, sem Lula, e com Michel Temer presidente, Henrique será muito mais forte.

Tem perfil para ocupar o cargo que está sendo entregue a Lula hoje: a Casa Civil.

É amigo antigo íntimo de Temer. Foi ele, inclusive, quem articulou a candidatura de Temer à presidência da Câmara. 

O PMDB quer a saída de Dilma, mas falta peito para se pronunciar agora.

Vai esperar o desenrolar do processo de impeachment na Câmara, e só se peonuncia quando tiver certeza que o processo vai passar.

Falta coragem para o PMDB se pronunciar agora, e melhor, para o partido, é esperar as águas de março correrem para o mar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*