Thaisa Galvão

8 de abril de 2016 às 19:39

Folha repercute com artigo do presidente da ‘Brasil Júnior’, lei de Agripino sancionada por Dilma [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A Folha de S. Paulo repercutiu a lei do senador José Agripino sancionada pela presidente Dilma Rousseff.

  

O 7 de abril vai ficar conhecido como uma data única no imaginário de dezenas de milhares de universitários brasileiros.
Nesta quinta-feira, foi publicada no Diário Oficial a primeira lei em todo o mundo que regulamenta as iniciativas chamadas de Empresa Juniores.
O processo, que durou cerca de quatro anos, é uma demonstração do poder que a sociedade civil organizada pode alcançar quando se une em prol de um objetivo comum.
É mais um passo rumo a um Brasil mais Empreendedor.
O Movimento Empresa Júnior atua justamente em pontos de virada para a realidade do país: a educação para reduzir as desigualdades e o empreendedorismo para gerar as oportunidades.
Posicionando-se como verdadeiros laboratórios de inovação e liderança, as empresas juniores formam jovens cada vez mais comprometidos e capazes de transformar a dura realidade que enfrentamos.
Segundo o IBGE, a taxa de desocupação em fevereiro deste ano batia em 8,2%, o que significa um aumento de 39% em relação ao registrado no ano passado.
A crise política se agrava. A economia sofre com essa instabilidade e decresce ano após ano, construindo um período de recessão com padrões únicos na história recente do nosso país.
É a hora dos jovens assumirem o protagonismo na retomada do progresso e na construção de um Brasil melhor.
Vivemos um período de bônus demográfico, devido a uma grande quantidade da população em idade economicamente ativa, e temos que aproveitá-lo ao máximo a partir de uma juventude cada vez mais produtiva.
E, para isso, a palavra chave é o empreendedorismo.
As empresas juniores exercem pressão sobre três aspectos nesse ecossistema: capital humano, com a formação de profissionais altamente capacitados; cultura empreendedora, a partir do estímulo da área nas universidades de todo o país; e suporte, por meio de projetos e consultorias para micro e pequenas empresas.
Elas representam 99% das organizações brasileiras e geram 54% dos empregos formais no país, segundo o Sebrae.
A sanção da Lei 13.267, de 6 de abril de 2016, não foi só uma conquista para um grupo de jovens empresários juniores, mas uma conquista para o país.
Que assim o empreendedorismo possa, cada vez mais, ser estimulado nas universidades brasileiras e que os próximos passos sejam dados para a construção de um país em que todos queremos viver. Não depois, mas agora mesmo.
Que esse novo Brasil seja construído por meio da vontade de uma geração inconformada com sua realidade, com coragem de sonhar e ousadia de agir.
PEDRO RIO é presidente da Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior), parceira do Prêmio Empreendedor Social

8 de abril de 2016 às 18:59

Dilma agrada Agripino e sanciona lei que marca o mandato do senador democrata [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A presidente Dilma Rousseff está fazendo política para agregar.

E para isso agrada até ao senador José Agripino Maia (DEM), líder da oposição no Senado.

Pois Dilma sancionou o projeto mais marcante de Agripino, que cria a Lei das Empresas Juniores.
A lei coloca o Brasil no pioneirismo internacional já que nenhum país dispõe atualmente de legislação especifica para o tema, como a lei do senador José Agripino.

Hoje, existem apenas resoluções internas na França e Bélgica.
O projeto de JA assegura imunidade tributária, reconhecimento acadêmico, garante que as universidades cedam espaço físico gratuito na própria instituição para funcionamento dessas empresas e traz, além da segurança jurídica, uma série de outros benefícios para um segmento que cresce espontaneamente no país. 

Hoje, são mais de 30 mil universitários brasileiros espalhados em cerca de 1,2 mil empresas juniores produzindo anualmente mais de dois mil projetos.
De acordo com o senador, a normatização das empresas juniores será decisiva para estimular o empreendedorismo entre a juventude. 

Agripino acredita que a lei em vigor tornará mais eficiente a tarefa de promover o desenvolvimento, independência e liberdade profissional dos jovens universitários. 
“A empresa júnior é um estágio garantido sem sair da universidade para uma geração que está sedenta por oportunidade. Essa turma, certamente, fará a diferença no futuro. Por isso, merece ter todo apoio para fazer valer seus sonhos e projetos”, ressalta o parlamentar potiguar.  
Quem quiser detalhes sobre a Lei das Empresas Juniores é só acessar o link abaixo:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13267.htm

8 de abril de 2016 às 18:05

Felipe Maia critica programa de reforma agrária da União que beneficia políticos, empresários e donos de carros de luxo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal Felipe Maia (DEM) se pronunciou hoje no plenário da Câmara e fez ao PT pelo que ele interpretou como ‘falta de compromisso com suas bandeiras, em especial a da reforma agrária’. 

Felipe comentou a decisão do TCU que determinou ao Incra a paralisação imediata do programa de reforma agrária no Brasil, atingindo 1,5 milhão de famílias.

O TCU identificou cerca de mil políticos, 62 mil empresários, mais de 140 mil servidores públicos e quase 38 mil mortos na lista de beneficiários do Incra.

Pasmem: na lista dos “sem terra” foram detectados cerca de 19 mil proprietários de carros de luxo. 
Acompanhe o depoimento completo do deputado Felipe Maia:

8 de abril de 2016 às 17:53

TJ vai empossar novos juízes substitutos na próxima sexta-feira [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Tribunal de Justiça do RN vai empossar 40 novos juízes substitutos.

A posse está marcada para a sexta-feira (15) em sessão solene do Pleno do TJRN, às 17h, no auditório da Escola da Magistratura do RN (Esmarn), e a solenidade será presidida pelo desembargador Claudio Santos.

Os novos magistrados foram aprovados em concurso público homologado no dia 3 de fevereiro e foram nomeados no dia 15 de março. 

“Estamos resolvendo hoje a questão administrativa mais importante para o Judiciário potiguar. Essa era uma necessidade que vinha se arrastando há anos. Teremos uma melhoria sensível no número de processos julgados. Ficamos extremamente felizes em efetivar esses juízes, num momento difícil para o erário público”, afirmou o presidente do TJ, Cláudio Santos.

8 de abril de 2016 às 17:30

Rogério Marinho diz que sob gestão de Dilma, Petrobras foi “saqueada e levada praticamente à falência” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado Rogério Marinho (PSDB) fez discurso agora há pouco na Comissão do Impeachment.

Defendeu o afastamento da presidente Dilma Rousseff, criticou seu governo e o PT.

 
 

Acompanhe um trecho do pronunciamento do deputado, membro suplente da Comissão:


Atualizando:

Abaixo o link com o discurso completo do deputado.
https://www.facebook.com/rogeriosmarinho/videos/987472104674183/

8 de abril de 2016 às 17:02

Trinta municípios do RN não receberam a 1ª cota de abril do FPM [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Consequência da crise: 30 cidades do RN tiveram a primeira cota do Fundo de Participação dos Municípios zerada!

Zero real para as seguintes Prefeituras:
AFONSO BEZERRA
ALTO DO RODRIGUES
AREIA BRANCA
BARAÚNA
CARNAÚBA DOS DANTAS
CARNAUBAIS
EXTREMOZ
FELIPE GUERRA
FLORÂNIA
GOV. DIX-SEPT ROSADO
GROSSOS
JANDUIS
JOÃO CÂMARA
LAGOA D’ANTA
MARCELINO VIEIRA
MARTINS
MAXARANGUAPE
NOVA CRUZ
PARAZINHO
PARNAMIRIM
PAU DOS FERROS
PEDRO VELHO
PENDÊNCIAS
PUREZA
RIO DO FOGO
SÃO JOSÉ DE MIPIBÚ
SÃO JOSÉ DO CAMPESTRE
SITIO NOVO
TIBAU
UMARIZAL

Já os municípios que receberam o 1º decêndio FPM de abril, receberam com redução de 13,42%, comparado ao mesmo período do ano passado.

8 de abril de 2016 às 8:03

Delação de executivos da Andrade Gutierrez complica ainda mais PT e PMDB [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A delação dos executivos da Andrade Gutierrez apimentou ainda mais o centro nervoso da política brasileira.

Os executivos apontam pagamento de R$ 150 milhões em propina na obra da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, referente a um acerto de 1% sobre contratos. 

O dinheiro, segundo os delatores, foi dividido entre PT e PMDB, e saía de um consórcio formado pela Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão e mais 5 outras empresas.

Depois de Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, e Augusto Mendonça, do grupo Setal, agora foi a vez de Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez, confirmar à Lava Jato que repasses oficiais e legais para partidos e políticos serviam para lavar dinheiro desviado de obras públicas. 

Na lista dos beneficiários pelo dinheiro, os ex-ministros Antonio Palocci (PT), Erenice Guerra (PT), Edison Lobão (PMDB), o ex-tesoureiro João Vaccari Neto (PT), o senador Romero Jucá (PMDB)…

Logo Jucá que comandou o processo de rompimento do PMDB com o governo e logo depois foi à tribuna do Senado para dizer que o “castelo de cartas ruiu”.

Claaaaro que todos negaram.

8 de abril de 2016 às 5:25

Quem paga a conta? [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A marcha à ré do procurador Rodrigo Janot em relação à posse do ex-presidente Lula na Casa Civil será apreciada pelo pleno do Supremo Tribunal Federal. O STF “acovardado” como disse Lula, segundo gravações divulgadas.

Caso o STF mantenha a recomendação de Janot, fica a pergunta:

Lula vai continuar em Brasília prestando asseasoria política e particular a Dilma?

E quem vai pagar as despesas dele?

Avião, hotel, refeições…

O Planalto?