Thaisa Galvão

16 de abril de 2016 às 22:55

tvTG: Felipe Maia diz em plenário que presidente cometeu crime de responsabilidade fiscal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Foi longo o discurso do deputado Felipe Maia (DEM) no plenário da Câmara na noite deste sábado.

O parlamentar reafirmou o voto pelo impeachment e declarou que a presidente Dilma Rousseff cometeu crime de responsabilidade fiscal.

16 de abril de 2016 às 22:15

Temer oferece café com quibe a Maluf que garante votar pelo impeachment [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Mônica Bérgamo, na Folha:

Em café da manhã com quibe, Maluf promete a Temer que não muda voto
Um dos primeiros compromissos de Michel Temer (PMDB-SP) em Brasília, hoje, foi tomar café da manhã com o deputado Paulo Maluf (PP-SP).
Ele foi levado ao Palácio do Jaburu pelo deputado Beto Mansur (PRB-SP), de quem é amigo.
Mansur confirma o encontro.
Temer serviu café e quibe para Maluf, que é de origem libanesa.
No encontro, o ex-prefeito afirmou que reportagens publicadas ontem de que ele teria passado de voto certo no impeachment para a posição de indeciso não são verdadeiras.
Ele disse a Temer que votará, sim, pelo afastamento de Dilma Rousseff.
Mansur sugeriu então que Maluf telefonasse para os jornais desmentindo a informação de que estava em dúvida sobre que lado adotar na votação de amanhã.
O ex-prefeito disse que não era necessário e que não ficaria “o tempo todo dando declarações para os jornais”.
“Eu já dei a minha mão a vocês e isso é suficiente”, teria dito o ex-prefeito.
Há cerca de 15 dias, ele e Temer já tinham se encontrado em São Paulo, quando acertaram então a adesão do deputado ao impeachment.
O vice-presidente decidiu ontem voltar às pressas à capital federal depois de verificar que a aprovação do impeachment não estava assegurada. E passou o dia de hoje dedicado ao corpo a corpo com parlamentares.

16 de abril de 2016 às 21:44

tvTG: Antônio Jácome discursa em plenário reafirmando o voto pelo afastamento da presidente Dilma [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal Antônio Jácome (PTN) subiu à tribuna do plenário da Câmara por volta das 21h30 para falar no horário de liderança do seu partido.

No discurso de pouco mais de 2 minutos, reafirmou o voto em favor do impeachment.


O deputado estadual Jacó Jácome (PSD) acompanha o pai federal em Brasília.

  

16 de abril de 2016 às 21:28

Ministro Jaques Wagner em busca de votos nos apartamentos funcionais [0] Comentários | Deixe seu comentário.

É grande a trabalheira, tanto de um lado quanto de outro, em busca de votos de indecisos, e de tentativas de mudar de ideia quem já decidiu pelo impeachment.

Agora às 21h10, leitor do Blog, em Brasília, cruzou no elevador de um dos edifícios funcionais, aqueles onde moram deputados, com o ministro do governo, o petista Jaques Wagner.

Estava visitando apartamentos funcionais…

16 de abril de 2016 às 20:04

tvTG: Felipe Maia considera que, além de jurídico, o impeachment é um processo econômico [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal Felipe Maia (DEM) é o 39º parlamentar a discursar na sessão de hoje.

Previsão para falar por volta das 21h.

Para Felipe, que usará tempo da liderança democrata, o impeachment é um processo jurídico, mas também econômico.

Do deputado Felipe Maia para o Blog:

16 de abril de 2016 às 19:46

Oposição tenta atrair voto de Zenaide Maia pelo impeachment [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A deputada Zenaide Maia (PR) é o alvo da oposição.

No sábado de muitas conversas, uma última esperança de conquistar o voto da parlamentar pelo Sim ao impeachment.

Zenaide permanece no grupo do PR que vota Não

16 de abril de 2016 às 17:08

Dilma conta com ajuda de governadores para tentar mudar votos de deputados do Nordeste [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha:
Dilma foca em Norte e Nordeste para tentar barrar impeachment
GUSTAVO URIBE

DÉBORA ÁLVARES

DIMMI AMORA

DE BRASÍLIA
Na véspera da votação do impeachment no plenário da Câmara dos Deputados, a presidente Dilma Rousseff decidiu focar a ofensiva do governo federal para barrar o seu afastamento em deputados federais do Norte do Nordeste.
Com a ajuda de governadores das duas regiões, a petista passou o sábado (16) telefonando para parlamentares na tentativa de recuperar apoios perdidos ou aumentar ausências e abstenções na votação em plenário.
A estratégia conta com as participações de governadores do Ceará, Piauí, Amapá, Maranhão, Amazonas e Acre, todos de partidos contrários ao afastamento da petista.
O objetivo de conseguir maior vantagem no Norte é tentar evitar um efeito manada a favor do impeachment na votação em plenário, já que os deputados federais da região estão entre os primeiros que se pronunciarão no domingo (17).
No Nordeste, a avaliação é que os parlamentares indecisos seriam mais facilmente convencidos, uma vez que eles sofreriam menos pressão do eleitorado em uma região que garantiu boa votação para a petista na última eleição presidencial.
A presidente passou a manhã e o início da tarde de sábado (16) disparando telefonemas no Palácio do Alvorada. Além de ministros do núcleo político, ajudaram ela os governadores do Ceará, Camilo Santana (PT), Piauí, Wellington Dias (PT), Acre, Tião Viana (PT), e Amazonas, José Melo (Pros).
Desde sexta-feira (15), o Palácio do Planalto deflagrou uma última ofensiva para tentar barrar o processo de impeachment e, assim, conseguiu reverter alguns votos a seu favor.
A gestão petista reconhece que a situação é crítica, mas um assessor presidencial diz que “o jogo ainda não está jogado” e a presidente “não jogou a toalha”.
Se conseguir barrar o impedimento no domingo (17), o governo avalia que será por uma margem bastante apertada, de no máximo 180 votos, ausências ou abstenções.
Mesmo com a ofensiva na reta final, o Palácio do Planalto reconhece dificuldades e já começou a buscar apoio para evitar o afastamento definitivo da petista no Senado Federal.
Para que ele seja autorizado a abrir o processo contra a presidente, determinado seu afastamento temporário do cargo por até 180 dias, será necessário o apoio de metade mais um dos senadores presentes em plenário.
O Palácio do Planalto não tem esperanças de conseguir uma vitória nessa etapa e já admite a possibilidade da petista ficar afastada no período. Na fase seguinte, no entanto, o governo federal ainda tem expectativa de vitória.
Para perda de mandato da petista, a etapa final do processo de impeachment, são necessários os votos de 54 dos 81 senadores. A equipe da presidente calcula contar de partida com o apoio de 18 senadores. Para conseguir impedir o afastamento, portanto, necessitaria de pelo menos mais 10.
Nesse esforço, a presidente pediu aos ministros Kátia Abreu e Eduardo Braga, ambos do PMDB, que se licenciem do cargo e retomem seu mandatos como senadores. Além disso, o governo federal iniciou ofensiva sobre parlamentares do PP e do PR, que garantiriam pelo menos mais três votos.
O restante teria de ser conquistado entre senadores peemedebistas, dos quais sete ainda não declararam posição oficial. O sucesso da empreitada, contudo, dependerá do placar no próximo domingo (17).
Nas palavras de um assessor presidencial, caso a presidente sofra uma derrota superior a 20 votos no plenário da Câmara dos Deputados ao limite necessário para a aprovação do impeachment, “dificilmente terá margem de negociação para a etapa seguinte do processo”.

16 de abril de 2016 às 16:42

tvTG: Discurso de Rafael Motta em favor do impeachment está previsto para a madrugada [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado federal Rafael Motta (PSB) vai falar hoje no plenário da Câmara.

É o 126º inscrito. Lá pela madrugada.

Mas o deputado acompanha a sessão do sábado.

De Rafael Motta para o Blog:


E no sábado de verdades e mentiras, o nome do deputado Rafael entrou na boataria como tendo mudado de opinião.

No vídeo abaixo, o discurso de Rafael, onde ele conclui reafirmando o voto já anunciado.

https://youtu.be/8JPoN3kzaLk

16 de abril de 2016 às 15:54

tvTG: Beto Rosado diz que posição do PP é a posição das ruas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Para o deputado Beto Rosado, o PP definiu votar favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff depois de ouvir a população nas ruas.

De Beto Rosado para o Blog:

16 de abril de 2016 às 12:59

tvTG: Para José Agripino, processo de impeachment que caminha para ser aprovado na Câmara vai evoluir no Senado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Para o presidente nacional do DEM e líder da oposição no Senado, José Agripino Maia, o impeachment em curso nada mais é do que “a sociedade indo para as ruas votando no Congresso”.

Do senador para o Blog:

16 de abril de 2016 às 12:45

Vivaldo Costa diz que Nilma Rodrigues está “preparada para dar show” como secretária de Saúde do Estado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Para o deputado estadual Vivaldo Costa (PROS), a médica Nilma Rodrigues está “preparada para dar show” como secretária de Saúde do Estado.

Foi o que Vivaldo disse ao Blog no dia 6 de abril, há exatos 10 dias, quando já se sabia que o médico Ricardo Lagreca não permaneceria no cargo e o nome dele chegou a ser cogitado para ocupar a pasta.
Repito aqui a entrevista de Vivaldo no último dia 6:

16 de abril de 2016 às 12:33

Governo confirma saída de Ricardo Lagreca da Secretaria de Saúde [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O governo confirmou que o secretário de Saúde, médico Ricardo Lagreca, entregou o cargo, como já vinha se divulgando há um  tempo.

Apesar de uma conversa tranquila entre o secretário e o governador Robinson, é certo que já havia uma insatisfação entre as duas partes.

O secretário estadual de Saúde, Dr Ricardo Lagreca, colocou o cargo à disposição do governador Robinson Faria, em uma conversa tranquila, em que prevaleceu o entendimento e o reconhecimento ao trabalho realizado.
O secretário assegurou que permanecerá à frente da pasta até que seja definido um novo nome. 

16 de abril de 2016 às 11:53

Ciclista funcionário da UFRN é atropelado e morto na Rota do Sol e amigos farão protesto contra falta de ciclovias em Natal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mais um ciclista é atropelado e morto em Natal.

Detalhe: o atropelador fugiu do local.

O funcionário da UFRN Fortunato Neto perdeu a vida nas primeiras horas da manhã de hoje na Rota do Sol
Logo mais à tarde a Associação dos Ciclistas do RN e grupos de ciclismo de Natal e arredores farão manifestação no local do acidente, perto onde outro ciclista morreu e onde uma bicicleta em um poste ainda marca a tragédia.

Os ciclistas se concentrarão às 15h30 na Praça Augusto Leite, com saída 16h, pedalando em direção à Rota do Sol, onde fixarão uma bicicleta e deixarão flores.

O manifesto visa pedir mais segurança no local, redução da velocidade permitida, sinalização da preferência do ciclista, instalação de câmeras de monitoramento e construção de ciclovias na Rota.
Foto Arquivo do Pedal dos Amigos

  

16 de abril de 2016 às 11:41

De Brasil e Alemanha, sobre o beijo e o muro [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Um beijo.
O ato mais singelo entre duas pessoas, que tanto pode marcar o começo como o fim de tudo, é neste sábado de impeachment, a polêmica do dia.
Uma foto publicada nas redes sociais do PT, de um casal se beijando por sobre o “muro do impeachment”, como chama a oposição, ou o “muro da vergonha”, como dizem os governistas, expõe como responsáveis pela perigosa divisão de grupos, o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha e o vice-presidente Michel Temer.
Foi a Câmara que providenciou o muro com a intenção de separar, de um lado os torcedores do afastamento da presidente Dilma Rousseff, do outro os que querem que a presidente siga seu mandato até o fim.
 

  
 
O beijo e o muro.
A polêmica do beijo por sobre o muro, em Brasília, retoma a polêmica do beijo entre Erich Honecker (Alemanha Oriental) e Leonid Brezhnev (líder soviético)…

  

 
“O beijo de Brejnev e Hockner”, foi criado pelo artista russo Dmítri Vrúbel, que ficou famoso pela obra considerada um dos principais símbolos do muro.
A obra de arte traz a inscrição “Meus Deus, ajude-me a sobreviver a esse amor fatal”.
 
O beijo, do artista russo está exposto na East Side Gallery, um dos monumentos mais visitados de Berlim, que reúne 106 obras pintadas sobre um pedaço de muro de 1300 metros, em 1990, pouco antes da reunificação das duas Alemanhas.
 
O beijo real aconteceu em 1979, entre o secretário geral do Partido Comunista Soviético, Brezhnev, que estava na Alemanha Oriental para celebrar o aniversário da nação Comunista e o então presidente da Alemanha Oriental, Honecker. 
Foi quando Brezhnev terminou seu discurso, e então Honecker, abriu seus braços para uma saudação com um beijo, comportamento habitual entre colegas comunistas, mas desta vez eles foram além, e com todo o entusiasmo, deram um beijo mais “intenso”, ganhando o significado da união da Alemanha Oriental com a União Soviética.

E na polêmica do Muro, o PT condena o muro “da vergonha”, como o líder soviético Mikhail Gorbatchov condenou o Muro de Berlim, numa entrevista que concedeu à Gazeta Russa, em 2014, às vésperas do 25º aniversário da queda da cortina de ferro alemã.

  

Para entender mais sobre o beijo alemão, já que a história do beijo no Congresso está apenas começando:

  

16 de abril de 2016 às 10:51

Wilma de Faria mantém posição a favor do impeachment  [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da ex-governadora Wilma de Faria, presidente do PTdoB no Rio Grande do Norte, sobre o processo de impeachment em curso na Câmara dos Deputados:
“Me somo à maioria dos brasileiros que querem o impeachment de Dilma aprovado neste domingo. O povo está indo às ruas cobrar o fim deste governo, diante de uma revolta crescente, que começou com o estelionato eleitoral de 2014 e consequente agravamento da crise institucional e política. 
Porém, essa insatisfação não se resume às investigações de corrupção e improbidade administrativa, mas principalmente ao retrocesso das políticas sociais e econômicas, que têm gerado os piores números de desemprego e recessão dos últimos anos. 
Estou muito preocupada com o rumo do país. Mas apoio os brasileiros que, sem medo de lutar pelo que acreditam, buscam o melhor para a nossa nação”. 
WILMA DE FARIA

16 de abril de 2016 às 9:46

tvTG: Rogério Marinho chega cedo à Câmara onde fará pronunciamento favorável ao impeachment da presidente [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A sessão de hoje na Câmara só terá início às 11 horas mas o deputado Rogério Marinho (PSDB), que está inscrito para discursar logo mais, já está no plenário.

E fala ao Blog sobre o momento:

16 de abril de 2016 às 9:31

Passo a passo: como se dará o processo de impeachment e o possível afastamento da presidente Dilma [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Passo a passo do impeachment.

Para o processo ser aprovado na Câmara, na votação de amanhã, é preciso que o SIM, pelo impeachment, obtenha o mínimo de 342 votos.
Caso o NÃO alcance 171, a presidente Dilma se mantém no cargo.
Mas ao contrário do que se diz, o governo não precisa de 171.
Ao contrário da oposição, que precisa de 342.
Caso a oposição tenha 341 votos, e o governo apenas 50, por exemplo, o processo de impeachment para aí.
Pelo menos esse processo que está em curso, já que outros foram protocolados na Câmara.

E o que acontecerá, caso 342 deputados votem SIM?
Na segunda-feira, em sessão extraordinária, o ato será lido e publicado.
Logo depois, aprovado pelo plenário o encaminhamento ao Senado.

Chegado o processo ao Senado, o presidente Renan Calheiros recebe e tem um prazo de 48 horas para que os partidos indiquem a comissão para abrir o processo no Senado e relatar.
A partir daí, serão 10 dias corridos até a votação em plenário da admissibilidade do processo. Ou seja, o Senado vai decidir, no voto, a partir de um relatório da comissão, se acolhe a instalação do processo de impeachment.

Durante esses 10 dias corridos, a presidente Dilma Rousseff fará sua defesa prévia.

Na votação, se a maioria simples – aí não precisa de um percentual previamente definido – decidir dar prosseguimento ao processo, a presidente Dilma Rousseff será imediatamente afastada por um período de 180 dias (6 meses), para se defender até o julgamento final do processo.

A sessão do Senado, para votação do impeachment, será presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski.

16 de abril de 2016 às 8:25

Quando o dinheiro fala mais alto [0] Comentários | Deixe seu comentário.

De Radar Online

Financiadores pressionaram deputados por retirada de apoio a Dilma

Por Vera Magalhães

A pressão dos movimentos pró-impeachment, com bullying nas redes sociais e no WhatsApp, até ajudou. Mas o que pesou mais para a debandada de partidos como PP, PSD e PR do apoio ao governo na semana decisiva do impeachment foi a ação direta de financiadores de campanha e grandes grupos econômicos sobre os indecisos e os que pretendiam votar com Dilma.
Pesos-pesados dos setores produtivo e financeiro e representantes de entidades de classe como Fiesp, CNI, CNA e CNT telefonaram pessoalmente para uma lista de parlamentares para exigir daqueles que sempre ajudaram apoio à deposição da presidente.

16 de abril de 2016 às 8:12

Impeachment: o placar da mídia na manhã deste sábado [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O placar da mídia amanheceu o sábado assim:

O Estado de São Paulo:

344 votos a favor do impeachment
135 contra

O Globo

345 a favor do impeachment
122 contra

Folha de S. Paulo

341 a favor do impeachment
128 contra

De acordo com os números do Estadão e do Globo, Dilma cai, já que o impeachment contando com os 342 votos necessários, a oposição leva a parada.
Já para a Folha, são 341 os votos a favor do impeachment, portanto, faltando um voto para o processo seguir para o Senado.

16 de abril de 2016 às 7:58

Os cogitados para o Ministério da Justiça [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A colunista Mônica Bérgamo lista hoje na Folha os nomes que já circulam na bolsa de apostas para ocupar o Ministério da Justiça num suposto governo Michel Temer.
Na linha das cogitações:
Miguel Reale Jr., que assinou o pedido de impeachment de Dilma
Alexandre de Moraes, secretário da Segurança de SP
Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado muito amigo de Temer
Carlos Ayres Britto, ex-ministro do STF
Nelson Jobim, ex-ministro da Justiça e do STF